Algumas leituras marcantes de 2008 | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Sexta-feira, 21/11/2008
Algumas leituras marcantes de 2008
Luis Eduardo Matta

+ de 6000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Não são poucas as pessoas que me escrevem, de quando em quando, para relatar que têm se valido das minhas sugestões ― expostas não somente nas resenhas, mas, sobretudo, nas listagens das leituras marcantes publicadas nos finais dos anos de 2006 e de 2007 ― para escolher (segundo elas, acertadamente) livros para ler e presentear. E não foi por outra razão que me animei a repetir a iniciativa neste já crepuscular 2008 ― ano pontuado pelas celebrações do centenário da morte de Machado de Assis e do nascimento de Guimarães Rosa, além dos duzentos anos da chegada da família real portuguesa ao Brasil e dos cinqüenta anos da Bossa Nova ― e a, mais uma vez, compartilhar algumas impressões sobre livros lidos ao longo dos últimos meses, certo de que outras pessoas também poderão se interessar por eles e apreciá-los como eu.

Não custa ressaltar, como fiz nos anos anteriores, que os comentários expostos abaixo são despretensiosos e não têm o objetivo de imergir numa análise crítica rigorosa e pormenorizada das obras selecionadas. Trata-se, acima de tudo, de pontos de vista pessoais de um leitor comum, que lê com a mesma naturalidade com que outros assistem à televisão. Alguns poderão estranhar a heterogeneidade da relação. Outros talvez deplorem a menção a esse ou àquele título. Mas a verdade é que todos eles me proporcionaram momentos extraordinários de abstração da realidade e imersão naquele intenso e multifacetado universo ao qual somente a leitura é capaz de nos conduzir. Os livros não estão listados em ordem de importância e todos eles ocupam o mesmo local no topo do pódio, como jogadores de um time vitorioso de futebol que, ao final do campeonato, recebem juntos o troféu.

* O analista, de John Katzenbach (Novo Século, 2005, 464 págs.) ― Durante muito tempo, considerei O Círculo Matarese, de Robert Ludlum, o melhor entre todos os thrillers que eu li (e eles não foram poucos). Desde o começo do ano, porém, este posto é ocupado por O analista, do norte-americano John Katzenbach, cuja leitura, emocionante, tensa e voraz, me deixou eletrificado, com os dedos grudados nas páginas do livro, a ponto de, desde então, eu estar, em vão, à cata de uma obra do mesmo calibre. Brilhantemente bem realizado em todos os sentidos, O analista conta o drama do metódico e melancólico psicanalista Frederick Starks que, na véspera das suas férias de verão, recebe uma carta macabra, cujo remetente assina como "Rumplestiltskin", uma referência a uma figura sinistra do folclore alemão. Na carta, Rumplestiltskin afirma ter sido arruinado pelo analista no passado e, a título de vingança, lhe dá duas semanas para descobrir sua identidade. Caso isso não aconteça, Starks será forçado a se matar. Vendo seu cotidiano pacato, subitamente, transformado num inferno, Starks embrenha-se numa luta desesperada para descobrir quem é o maníaco que o persegue e em que lugar do passado suas existências teriam se cruzado, enquanto, aos poucos, sua vida vai sendo impiedosamente aniquilada.

* Aprendiz de Homero, de Nélida Piñon (Record, 2008, 368 págs.) ― Quatro anos após a publicação do romance Vozes do deserto, Nélida Piñon retornou às livrarias com uma notável obra de não-ficção; no caso, um conjunto de ensaios nos quais ela discorre, por meio de sua característica prosa poética, a um só tempo erudita, fluente e musical, sobre os cânones literários que a influenciaram como escritora e como ser humano, a começar pelo grande poeta épico grego que empresta o nome ao título do livro e é tema de um dos mais emocionantes textos entre os vinte e quatro que compõem a coletânea. Nele, Nélida ressalta a universalidade de Homero e a assídua presença dele no seu imaginário e cotidiano. Embora se coloque, desde o começo, como uma aprendiz, Nélida revela, mediante o itinerário do seu pensamento e das suas emoções, uma mestra; um referencial sólido e benfazejo para todos nós, numa época enferma onde o esvaziamento moral e intelectual, conjugado com o predomínio da vulgaridade e da ausência (ou inversão) de valores, parece dar as cartas. Os ensaios nos convocam, também a refletir de forma aprofundada, a partir dos livros, personagens e escritores que Nélida evoca, como a Bíblia; Cervantes e seus Dom Quixote, Sancho e Dulcinea; Machado de Assis; Carlos Fuentes; Gabriel García Márquez e os Buendía; Mario Vargas-Llosa; e, é claro, o próprio Homero. E, para completar, o livro ainda traz alguns dos discursos da escritora, como os proferidos em 2006, por ocasião da sua posse na Academia Brasileira de Filosofia, no Rio de Janeiro, e em 2005, durante a cerimônia de entrega do Prêmio Príncipe de Astúrias de Letras, em Oviedo, na Espanha. Este, intitulado "As memórias do mundo", é aberto de forma comovente, quando Nélida afirma: "Procedo do Brasil e reverencio a majestade da língua portuguesa. Neste idioma saúdo Deus e os homens". Aprendiz de Homero é, acima de tudo, uma celebração da literatura, da imaginação, da emoção e da riqueza da vida interior que acaba repercutindo num cotidiano fértil, prodigioso e aberto para todos os matizes da realidade, sem, contudo, abrir mão da necessidade do sonho.

* A catedral do mar, de Ildefonso Falcones (Rocco, 2007, 589 págs.) ― Aos meus interlocutores mais próximos, costumo sempre dizer que uma das mais interessantes e fecundas literaturas produzidas hoje no Ocidente provem do mundo hispânico, em especial da própria Espanha, onde escritores de variados estilos, de Arturo Pérez-Reverte a Almudena Grandes, de Rosa Montero a Cristina Fernández Cubas, de Juan Marsé a Alberto Vázquez-Figueroa, entre muitos outros, têm merecidamente se notabilizado, auxiliados pelo profissionalismo de um dos mais dinâmicos mercados editoriais do planeta. E é precisamente a este caldo que pertence Ildefonso Falcones, advogado que, às vésperas dos cinqüenta anos de idade, fez a sua estréia literária com um impressionante romance histórico, ambientado na Catalunha do Século XIV. O livro narra a saga de Arnau Estanyol, filho de um próspero agricultor que, humilhado e arruinado pelo senhor feudal da região a quem devia obediência, foge para Barcelona, em busca de liberdade e dignidade. Lá, Arnau cresce e enfrenta toda sorte de sensações e desafios, ao mesmo tempo que é erguido, com o dinheiro e o esforço do povo, o maior templo mariano jamais conhecido: a catedral de Santa Maria del Mar. Falcones reconstitui com perfeição a sociedade e a política catalãs de um período turbulento da Idade Média, a ponto de fazer com que nos sintamos transportados quase fisicamente para aquela época, e, em meio a lances dramáticos, batalhas, conspirações políticas, desatinos amorosos e conflitos familiares, joga luzes sobre aspectos fundamentais do pensamento do medievo ― como a relação entre os judeus e os católicos da Catalunha ― ajudando-nos a compreender, a partir desse passado, muitas das questões inquietantes do presente.

* As brasas, de Sándor Márai (Companhia das Letras, 1999, 172 págs.) ― Esse romance magistral do célebre autor húngaro me foi recomendado, praticamente na mesma época, por duas pessoas em cujas opiniões deposito grande confiança: a escritora Sonia Sant'Anna e a lexicógrafa Elza Tavares. As brasas é a história da amizade fraterna entre Henrik, um general descendente de uma abastada família do Império austro-húngaro e Konrad, um homem com inclinações artísticas, amante da música e avesso aos rigores militares. A amizade é bruscamente interrompida por uma circunstância grave que, ao leitor, se apresenta na forma de um mistério, já que somente será revelado nas páginas finais do livro, embora desde o começo fique claro que envolve Krisztina, a falecida mulher de Henrik. Quarenta e um anos depois, Konrad, durante todo esse tempo desaparecido, retorna ao castelo do ex-amigo, na região dos Cárpatos, na Hungria, a fim de esclarecer as feridas do passado. Os dois homens, agora idosos, cansados e solitários reúnem-se, então, para um jantar de gala durante o qual travam um duelo de palavras, que atravessará toda uma noite imersa no frio e na penumbra melancólica de um dos salões do castelo, e acabam, com isso, fazendo reflexões profundas e sensíveis sobre a amizade, a honra, a lealdade e o próprio sentido da vida.

* Histórias de literatura e cegueira {Borges, João Cabral e Joyce}, de Julián Fuks (Record, 2007, 160 págs.) ― Há algum tempo acompanho com grande interesse a carreira de Julián Fuks, tanto no jornalismo quanto na literatura. Tomei contato, pela primeira vez, com a fluidez e elaboração da sua escrita nos textos e resenhas que ele assinava na Folha de São Paulo, passando, em seguida, para a leitura de seu livro de estréia, a coletânea de contos Fragmentos de Alberto, Ulisses, Carolina e eu, que cheguei a comentar aqui há cerca de três anos. No final do ano passado, Julián Fuks voltou à prosa literária, com a publicação de Histórias de literatura e cegueira, onde, por meio de três narrativas situadas em algum ponto entre a ficção e a biografia sobre três vultos da história da literatura acometidos pelo drama da cegueira ― Jorge Luis Borges, João Cabral de Melo Neto e James Joyce ― ele tece um sensível e pungente relato sobre a fragilidade humana frente às angústias advindas da decadência física, da solidão e da perspectiva da morte. No entanto, mais do que a cegueira em si, o que sobressai no livro é a forma como, hipoteticamente, os três escritores a encaravam, valendo-se da intensidade de seus universos interiores, do poder ilimitado da sua imaginação e de um posicionamento verdadeiramente filosófico, ainda que, por vezes, melancólico, diante das circunstâncias. O livro foi um dos dez finalistas do Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa 2008.

* Os cristãos, de Max Gallo, trilogia composta por O manto do soldado (Bertrand Brasil, 2007, 266 págs.), O batismo do rei (Bertrand Brasil, 2008, 196 págs.) e A cruzada do monge (Bertrand Brasil, 2008, 252 págs.) ― Nesses últimos anos assistimos à ascensão de um ateísmo modernoso, com um verniz científico, cuja ponta de lança foram as teses levantadas por Richard Dawkins, Christopher Hitchens e assemelhados, afirmando que Deus é um delírio ou que não é grande, etc. ― como se tal teoria pudesse ser comprovada cientificamente por essa insignificância denominada raça humana. Ao ler esses livros, eu recordava, a todo momento, de uma parábola ouvida quando criança a respeito de uma formiga que se baseava na estrutura do seu formigueiro para tentar provar a impossibilidade de existência do universo. Por tudo isso, foi curioso quando me chegou às mãos os vistosos volumes da trilogia Os cristãos do historiador, escritor e jornalista francês Max Gallo. A série narra a gênese da França cristã na Idade Média, por meio de três importantes personagens históricos: São Martinho de Tours (Saint-Martin de Tours), Clóvis, rei dos Francos; e São Bernardo de Claraval (Saint-Bernard de Clairvaux). Logo no primeiro volume, somos brindados por um fervoroso embate teológico e filosófico sobre a vida de São Martinho, travado entre um jovem cristão e seu pai, ainda apegado ao politeísmo romano que, a meu ver, constitui o ponto alto da trilogia. No segundo livro, entra em cena Clóvis, o bárbaro convertido ao catolicismo e considerado o fundador da França, que, no século V, unificou o imenso território da Gália e tornou-se o primeiro soberano cristão do país. A cruzada do monge encerra a saga, retratando uma época marcante para o cristianismo, no início do segundo milênio, quando a Igreja encontrava-se recém-dividida em duas após o Grande Cisma do Oriente. A trama gira em torno de São Bernardo de Claraval, uma das figuras mais influentes do século XII. Monge cisterciense ― pertencente à Ordem de Cister, uma congregação monástica católica, seguidora dos preceitos beneditinos ―, e preconizador da Segunda Cruzada, cujo objetivo era o de socorrer os estados cristãos (cruzados) na Terra Santa, São Bernardo foi o responsável pela fundação de mais de cento e cinqüenta abadias na Europa, e pela pregação fervorosa dos valores cristãos pelo velho continente.

O maior mistério desta trilogia, contudo, encontra-se no prólogo do primeiro volume, que narra o batizado, em outubro de 2001 na igreja parisiense de Saint-Sulpice, do filho de um casal amigo do narrador, que não se identifica. Em poucos parágrafos, sempre usando a primeira pessoa, ele fala sobre seu passado de engajamento político e de negação da fé e, também, do suicídio de uma filha. Fiquei em dúvida sobre se o narrador era o próprio Max Gallo imerso em reminiscências e reflexões. Cheguei, inclusive, a fazer algumas pesquisas, mas não encontrei nada conclusivo. Até o momento em que redijo estas linhas, o enigma permanece.

* Nevasca, de Neal Stephenson (Aleph, 2008, 440 págs.) ― Neste livro, "Snow Crash" ("Nevasca", em inglês) é o nome de uma fictícia droga/vírus/religião do universo virtual, epicentro de uma alucinante (e diferente) trama de ficção-científica que os aficionados pelo gênero e, também, pela informática não podem, sob hipótese alguma, deixar de ler. O livro, publicado em 1992 (antes, portanto, da popularização da internet) pelo competente e criativo Neal Stephenson, e considerado um dos cem melhores romances em língua inglesa do século XX pela revista Time, é ambientado numa Califórnia futurista, quando os Estados Unidos já não existem tal qual os conhecemos hoje e foram substituídos por uma miríade de territórios autônomos, controlados por mercenários e grupos privados. O personagem principal, Hiro Protagonist, trabalha para uma dessas corporações ― o grupo mafioso Tio Enzo ―, como entregador de pizzas. Mas ele é, também, um exímio samurai, além de um conceituado hacker, e um dos criadores do Metaverso, um universo virtual habitado por toda sorte de avatares, que bem poderia ter inspirado (se é que não inspirou) os sites de realidade virtual hoje existentes como o Second Life. Logo no começo da trama, Hiro conhece a adolescente Y.T., uma Kourier (ou mensageira skatista) que, após provocar um acidente, o ajuda na entrega de uma pizza, o que leva à saída de Hiro da corporação. E será justamente Y.T. a grande aliada de Hiro na luta contra a desastrosa disseminação do "Snow Crash" que, a partir de dado momento, ameaçará derrubar a fronteira entre o Metaverso e a vida real.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 21/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pintura intempestiva de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Teoria Hipodérmica da Mídia de Gian Danton


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2008
01. Amor e relacionamentos em tempos de transição - 20/6/2008
02. A evolução da nova democracia brasileira - 12/9/2008
03. A arte contemporânea refém da insensatez - 16/5/2008
04. Quais são os verdadeiros valores? - 29/1/2008
05. Contramão, de Henrique Schneider - 26/2/2008


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/11/2008
10h19min
Caro Luís, resenhar é indicar uma obra, para ser lida ou para não ser lida. Para estimular ou desestimular uma leitura. Daí, eu pedir para que, se ainda não o fez, ler o "O País dos Petralhas", do jornalista Reinaldo Azevedo. Uma crônica das mais saborosas e verdadeiras do sub-jornalismo e da política rasteira que se praticam, hoje, pelo Brasil todo, sobretudo, após o início da Era Lula. Acho que vale a pena indicar a Obra, o Brasil só terá a ganhar. Obrigado, Luís. Abraços. JP.
[Leia outros Comentários de José Pereira]
14/12/2008
18h03min
Prezado Luís, é muito gratificante acompanhar suas indicações de leituras, isso só reforça ainda mais o papel da internet como difusor cultural e do saber! abraços
[Leia outros Comentários de Davi de Sant'Anna]
24/12/2008
09h32min
Gostei de ver em sua lista o excelente "Nevasca" de Neal Steoehson, que também resenhei para o Homem Nerd. O livro realmente merece ser lido com muita atenção. Uma trama muito bem elaborada, com personagens marcantes e enredo tenso e complexo.
[Leia outros Comentários de Alvaro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Antes e depois
Paul Gauguin
L&Pm Editores
(1997)



A História de Despereaux
Kate Dicamillo
Martins Fontes
(2005)



Ben Gurion Biografia de un Hombre extraordnario
Robert St John
Editorial Candelabro
(1960)



Um Homem de Palavra
Nazir Hamad
Companhia de Freud
(2004)



Melhor que comprar sapatos
Cristiane Cardoso
Unipro
(2015)



Direito Tributário - Módulo Exigibilidade do Crédito Tributário
Paulo de Barros Carvalho
Noeses
(2008)



Educação Sentimental - Estórias
Joyce Coral Oastes
Anima
(1985)



A Chave para a Multiplicação
Cesar Castellanos
G12 editores
(2004)



Hausbuch fur die deutsche familie
Frankfurt
Standesamtswesen
(1956)



Didática para o Ensino Superior
Arilda Schmidt Godoy
Iglu
(1988)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês