Um pouco de conservadorismo | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/1/2009
Um pouco de conservadorismo
Eduardo Mineo

+ de 4900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Um ano de faculdade e já percebo que sou um dos poucos exemplos de conservadorismo na FEA/USP. Dois a menos e me torno um milagre biológico, um lobo da Tasmânia do statu quo, coisa assim. Não se pode nem recriminar alguém por certa dificuldade em manter a calça erguida que olhares de indignação chovem contra minha sensibilidade quadradona e cheia de pudor. Diria Pickering diante da cueca à mostra: "Have you no moral, sir?".

É verdade que existe este consenso de que a maioria das pessoas que cursam Administração e Contabilidade é conservadora, mas não me convenço porque, num geral, elas apenas não são de esquerda e não ser de esquerda não configura conservadorismo. São pessoas que não votam na Heloísa Helena, mas até acham seu discurso sobre questões sociais algo vagamente sensato, ao passo que um conservador ouve a Heloísa Helena falando sobre educação e já fica maluco, resmungando descabelado "Que burrice, meu Deus! Que burrice!".

No Brasil, conservador é quem defende o Maluf e o ACM, mas, pra mim, quem defende essa gente não é conservador; é só meio besta. O que vale também para quem defende qualquer outro político, porque conservador crê em valores naturais, crê em certo e errado; o que não existe na política brasileira, que é feita de acordos para garantir regalias e blablablá.

Não preciso dizer que conservadores, assim como todo mundo, gostam de regalias e sabem que as coisas têm um preço, mas nem tudo se deve vender, oras. Onde já se viu, um conservador jantando com gente do PT, admitindo alguém do PCdoB à sua mesa? Nem debaixo de cinta! Porém, não é possível fazer política no Brasil sem este tipo de coisa, sem estas melecas no comportamento. Um conservador desistiria tranquilamente de todas as suas regalias para se ver livre de um vereador bronco do ABC.

Tudo bem, é até possível relacionar a vontade de garantir regalias ao conservadorismo, mas se a simples resistência às mudanças por medo de perder regalias fosse o parâmetro, funcionário público seria a amostra mais cristalina de conservadorismo ― e não é verdade. Conservador prefere manter as coisas como elas estão por prudência, porque sabe que as pessoas são brilhantes em piorar tudo, em fazer besteira. Um moleque fica brabinho com os Estados Unidos e o conservador já conclui naturalmente que ele está para aprontar alguma asnice. "As naturally as water flows deepest where the land lies lowest" etc. etc., porque deu vontade de citar Tolstói.

De modo que a prudência conservadora ― esta tranquilidade simpática para ponderar tudo ― é a forma mais verdadeira de amadurecimento e eu não a trocaria por nada. Foi o que a esquerda nunca entendeu. Ser de esquerda é viver chocado, viver zangado com alguma coisa, viver em tensão. Deus me livre ser de esquerda! Não consigo imaginar a menor felicidade em alguém que se interessa muito por Sartre, por exemplo. Só de chegar perto d'O ser e o nada numa livraria, o céu escurece e os anjos choram ao meu redor. Quando alguém começa a ler demais estas literaturas de esquerda, ela acaba se tornando parte daquilo. Conversar com alguém de esquerda é conversar com alguém que passou a vida numa fábrica de carvão imaginária, sempre em pânico, achando que vão explorá-lo a qualquer momento. Tenha calma. Respire. Controle-se.

Outro aspecto curioso é o de que sempre recorrem ao altruísmo, que é a forma pela qual justificam tudo o que lhes dá vontade de fazer. Sei que nem todo esquerdista é um Georg Lukács, um retardado que acha razoável esfaquear gente pela causa anticapitalista, mas altruísta por altruísta eu também sou e quero o bem para as pessoas. Só não me orgulho muito disso porque é um dos sentimentos mais desprezíveis e individualistas que existem. Como H. L. Mencken escreveu, o altruísmo, até quando perfeitamente honesto, baseia-se no fato de que é um porre ver gente infeliz ao nosso redor, e eu ficaria muito constrangido de usar este argumento em alguma situação. Não sei como a esquerda consegue.

E as garotas de esquerda? Holy crap! As garotas de esquerda! Só de ver suas camisetas decoradas com broches do PSTU dá vontade de morrer. O pior é que, ao contrário da lenda, algumas destas garotas são lindas. Olhando seus rostinhos delicados, eu juraria que foram criadas em contato apenas com o belo, provavelmente nos campos britânicos e ensolarados de Sir Walter Scott ou Jane Austen, colhendo amoras e lendo Keats, Shelley etc. Mas bastam três palavras de conversa para perceber que estou diante dos sentimentos de um operário irritado, de uma alma toda lambuzada de graxa, falando em revolução e tal. Sei que existe fome no mundo e que é chocante, mas certamente estas garotas contribuiriam muito mais para o bem-estar da humanidade se simplesmente tentassem ser pessoas mais agradáveis em vez de ficarem se imaginando um camponês da Alemanha Oriental emburrado com a industrialização. Quem não acharia tranquilo passar fome para evitar a desgraça eterna de ouvir uma garota linda falando sobre Gramsci?

Entretanto, não posso dizer que não há conservadorismo na minha faculdade. A questão é que as pessoas que são conservadoras estão mais para o sentido econômico da palavra que cultural. E quase sempre já são professores. Quando o assunto sai da economia e vai para a arte, por exemplo, é difícil achar alguém que não seja moderninho, que não tenha caído naquele papo todo do Mário de Andrade. Saber colocar o erudito e o popular em seus devidos lugares é uma coisa muito rara nos dias de hoje, não apenas na USP, mas no mundo inteiro. Não que pra ser conservador tenha que ser um Wilson Martins, mas precisa respeitar o erudito e saber que os livros do Chico Buarque são no máximo uma imitação de literatura, do nouveau roman.

Esses dias mesmo li que a música Bohemian Rhapsody, da banda Queen, foi escolhida a música do século. Ó, que exagero. Eu até gosto dessa música, quer dizer, mais ou menos, mas o título de música do século deveria ser uma coisa meio séria, não? E atribuir a uma banda de rock a melhor obra musical de um século inteiro significa que a) o século teve uma produção artística ridícula, ou b) tem algo de errado nisso. Música popular é entretenimento e deve ser tratada como tal, pois a pretensão de erudição exige do público uma disposição que vai além do divertimento e pouco tem a ver com o que a música popular se propõe: agradar a muitos. O objetivo principal da erudição é outro, é o sublime, é a excelência. Por isso, falar em música do século sem mencionar, mesmo que por cima, George Gershwin e ― mantendo o papo em rapsódias ― sua Rhapsody in Blue me parece grosseria. Uma baixeza comparável ao break e à rinha de galo.

Não sei quando tudo isso começou ― ou até sei ―, mas o fato é que hoje em dia está tudo invertido mesmo. Agora as pessoas acham um absurdo achar um absurdo que um sujeito fique pelado no teatro ou que chamem de artista gente que na época de Mozart só serviria para limpar as sujeiras dos cavalos ― sendo ainda um pouco mais simpático do que Paulo Francis foi com os Beatles. Mas, sério, meu objetivo de vida é poder falar como Jeffrey Bernard, que o teto do meu crânio é como o teto da Capela Sistina. Parece que um belo dia as pessoas pararam de se preocupar com isso e, em vez de consertar o acabamento, elas passaram a sentir orgulho da pintura velha e das infiltrações em suas mentes, vazando axé e Godard para todo lado. Não é por nada, mas eu prefiro ficar do lado de fora. É mais seguro. E agradável.


Eduardo Mineo
São Paulo, 19/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. Tricordiano, o futebol é cardíaco de Luís Fernando Amâncio
05. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. Projeto Itália ― Parte I - 1/6/2010
03. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
04. Projeto Itália ― Parte II - 14/6/2010
05. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/1/2009
02h43min
"Onde já se viu, um conservador jantando com gente do PT, admitindo alguém do PCdoB à sua mesa? Nem debaixo de cinta! Porém, não é possível fazer política no Brasil sem este tipo de coisa, sem estas melecas no comportamento." Não acho que esse seja um comportamento inerente apenas à política brasileira. Quando se tem um sistema político multipartidário, o chefe do executivo federal, estadual ou municipal acaba virando refém no próprio sistema político. Porque é impossível - salvo em raríssimas exceções - um político conseguir, com seu partido e sua base aliada, formar a maioria no legislativo para obter a governabilidade. Diante disso, o chefe do governo tem uma única opção racional, colocar a ideologia de lado e sentar a mesa com a oposição pra negociar. Ou faz isso ou termina como o senhor Fernando Collor, que certa vez proferiu "sábias" palavras: "Eu não preciso do congresso pra governar". A verdade é que, quando você ganha uma eleição e coloca a sua bunda na cadeira, a ideologia se torna um estorvo. No mais, meus parabéns!
[Leia outros Comentários de Vagner]
20/1/2009
12h59min
Identificar conservadorismo com prudência é, no mínimo, inocência. O conservador busca a manutenção do status quo, enquanto este lhe for favorável, e "fazer besteira" ou "piorar tudo" na sua opinião normalmente é colocar em risco a segurança de suas regalias. E, sim, funcionários públicos são na maioria conservadores, já tentou discutir o fim da estabilidade, por exemplo? As pessoas procuram o serviço público justamente em busca de seus benefícios e regalias, não é à toa que a indústria dos concursos públicos só tende a crescer. Agora, a esquerda de que fala o texto não pode ser confundida com a esquerda política de um modo geral. O pensamento de esquerda já saiu há muito das fábricas e das graxas. O resto é conversa de quem quer parecer sofisticado, culto e preocupado com o mundo, sendo que na verdade não passa de reprodutor de interpretações (ultrapassadas) e equivocadas. De Gramsci, inclusive. Classe média com "consciência social", que adora discursos... Já mudanças e atitudes...
[Leia outros Comentários de Andréa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DA ARTE
LUCAS DE MONTERADO
LIVROS TECNICOS
(1978)
R$ 14,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO FRANCESA
MÁRIO FIÚZA
PORTO
(1988)
R$ 14,00



A ENERGÉTICA DOS ALIMENTOS
STEVE GAGNÉ
LAFONTE
(2011)
R$ 58,00



FORÇA DE VONTADE
BARBARA TAYLOR BRADFORD
RECORD
(1987)
R$ 19,90
+ frete grátis



TESOURO DE MENINAS OU DIÁLOGOS ENTRE UMA SÁBIA AIA E SUAS DISCÍPU
JEANNE MARIE LEPRINCE DE BEAUMONT
ODISSEIA
(2008)
R$ 19,00



ESTA AMÉRICA NOVA, AINDA INABORDÁVEL. PALESTRAS A PARTIR DE EMERSON E WITTGENSTEIN
STANLEY CAVELL
34
(1997)
R$ 25,00



O FOGO DE PENTECOSTES
PE. ALBERTO LUIZ GAMBARINI
LOYOLA
R$ 10,00



50 ANOS DE FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL
TARCISIO PATRICIO DE ARAUJO & OUTROS (ORG.)
IPEA
(2009)
R$ 34,69
+ frete grátis



ANDROID EM 50 PROJETOS
FERNANDO ANSELMO
VISUAL BOOKS
(2012)
R$ 50,00



PLAYBOY DORA VERGUEIRO Nº 342 ERÓTICO
ED. ABRIL
ABRIL
(2004)
R$ 16,00





busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês