Estereótipos do Twitter (e do Foursquare) | Fernanda Prates | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Iron Maiden com Clive Burr
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete- dicionário contemporâneo da língua portuguesa de Paulo Geiger (org.) pela Lexikon (2011)
>>> Introdução à Programação Usando O Pascal de J. Pavão Martins pela Mcgraw-hill (1994)
>>> Bíblia Sagrada de Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin pela Paulus (2000)
>>> A Descoberta Diária de Org. João Ferreira De Almeida pela Alfalit Brasil (1998)
>>> Deus Ajuda Preces de Lorival Lopes pela Otimismo (1998)
>>> Gado Nelore 100 Anos de Seleção de Alberto Alves Santiago pela Dos Criadores (1987)
>>> Annuário De Jurisprudência Federal com um Apêndice de Legislação 1930 de Octavio Kelly pela A. Coelho Branco F. (1930)
>>> This Side Of Innocence de Taylor Caldwell pela Charles Scribner´s Sons (1946)
>>> Lands And Peoples 7 América Latina de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 6 Canadá de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 4 Ásia de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Soltando a Língua 8 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 7 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 6 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 5 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 4 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 3 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 2 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Acervo Artístico E Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo de Org Ika Passos Fleury pela Gov. São Paulo
>>> Introdução à Estatística + CD de Mario F. Triola pela Ltc (2008)
>>> A Era Da Incerteza de John Kenneth Galbraith pela Pioneira (1998)
>>> Pc Guia Do Programador Soluções de Problemas de Robert Jourdain e outros pela Editora Campos (1993)
>>> Aprenda Brincando Artesanato e Atividades de Domingo Alzugaray e Cátia Alzugaray pela Três
>>> Lógica De Programação A Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados de André Luiz Villar Forbellone e outro pela Mcgraw-hill (1993)
>>> Musculação Modelo Didático para Prescrição e Controle das Atividades de José Ricardo Claudio Ribeiro pela Casa Da Educação Física (2009)
>>> Porcelana Fria Encadernadas o Vol 1 ao Vol 10 de Org. Hugo García pela Bem Vindas (1999)
>>> Orçamento Participativo – A Experiência de Porto Alegre de Tarso Genro e Ubiratan de Souza pela Perseu Abramo (1997)
>>> A Mosca Azul – Reflexão Sobre o Poder de Frei Betto pela Rocco (2006)
>>> Ética e Cidadania de Herbert de Souza (Betinho) e Carla Rodrigues pela Moderna (2002)
>>> Olhares Sobre a Experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre de Jandira Feijó e Augusto de Franco (Org.) pela Puc/RS (2008)
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de Leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/7/2011
Estereótipos do Twitter (e do Foursquare)
Fernanda Prates

+ de 5800 Acessos

Se tem algo que o Twitter me ensinou, meus amigos, é que existe um vasto grupo de coisas desinteressantes nesse mundo. E qual não foi minha surpresa ao descobrir, mais de 8 mil tweets depois, que faço parte deste desagradável bando?

Sabem, quem diria que dá pra falar tanta merda em 140 caracteres? Surpreendente. Mas cá estamos nós, nessa superação diária, ficando cada vez mais insuportáveis. O Twitter criou uma coisa de opinião compulsiva que, convenhamos, é chata pra caralho. E não estou me tirando dessa, não. Pelo contrário. Sabem, eu nunca fui de acumular fãs, sejamos bem francos, mas pessoas que costumavam me achar no mínimo inofensiva parecem ter desenvolvido verdadeiro asco pela minha pessoa graças ao Twitter. Ele mudou meu jeito de pensar? Não. Fez de mim uma pessoa pior? Não. Eu sempre fui igualmente podre. Mas antes eu precisava articular meus pensamentos podres em posts. É trabalhoso, sabem. E no meio do caminho, a tendência é repensar. "OK, isso pode soar ofensivo demais". Mas o Twitter acabou com isso na minha vida. Eu não ligo se é ofensivo demais. O Blackberry está na minha mão, a ideia na minha cabeça e, pronto, ofendi alguém. Em 140 caracteres. É tudo deliciosamente prático e eficiente e eu... Bem, eu só precisava de uma arma rápida o suficiente para libertar minha bully interior. Eu estou muito on fire.

A graça (e o problema) do Twitter é que lá é onde você começa a realmente ver a personalidade das pessoas. É meio como o BBB. Com aquela facilidade toda de falar, você acaba exibindo sua personalidade em algum momento, mesmo sem querer. Você está lá, com seu smartphone na mão, preso no engarrafamento e... Pronto. De repente, eis um tweet babaca comentando sobre a ineficiência do transporte público no Rio de Janeiro. Você não queria dizer isso, sabe. Você nunca quis ser uma dessas pessoas. Mas sucumbiu. E seus seguidores viram. Com o tempo, as fraquezas se tornam mais frequentes. As pessoas interagem. É um tal de mention e RT tentando você. Você quer ter RTs, você quer ver suas palavras ecoando. As coisas vão acontecendo e, do dia pra noite, pronto, você, é um estereótipo de Twitter. Não se acanhe, meu amigo. Estamos todos no mesmo barco. Somos todos, enfim, gigantescos estereótipos. Eles são vários. Pessoas como eu, propensas à compulsão, tendem a se encaixar em todos. E odiar a todos ao mesmo tempo. É bem confuso, na verdade.

Elaboremos sobre isso. Um dos estereótipos mais básicos é o povo Foursquare. Veja bem: claro que o povo Foursquare não posta só localização. Falo de um conceito mais abrangente. Em geral, o simples fato de uma pessoa aderir ao Foursquare já diz muito sobre ela. O povo Foursquare é um pouquinho mais sem noção que o resto, no sentido de que não se incomoda de simplesmente falar onde está. É uma coisa na qual obviamente ninguém está interessado, mas e daí? Você quer dizer onde está, sabe-se lá por quê. E diz. A pessoa Foursquare é geralmente aquela que acorda e fala "hum, sono". É aquela que sente fome e diz "hum, fome". É aquela que pode informar, sem maiores constrangimentos, que está vendo televisão. Sem nem especificar o programa, claro. Isso seria trabalhoso demais. Eu sempre recriminei o povo Foursquare, mas agora eu vejo que eles não são tão diferentes de nós, aliás. Na verdade, são até mais práticos. Não precisam nem se dar ao trabalho de digitar uma irrelevância, há um aplicativo que cuida disso tudo. Smart.

Aí, do outro lado, tem a galera da opinião. A galera da opinião está muito convencida de que, bem, tem algo importante a dizer. Eles têm um método. Geralmente atestam um fato, por exemplo: "a polícia matou não-sei-quantos. Acho chato." Vejam bem, os opinativos sentem um pouco de remorso, ao contrário dos "Foursquare". Eles tentam disfarçar a própria irrelevância com uma informação antes. Seduzem o leitor de forma a fazê-lo acreditar que aquilo ali é de alguma maneira importante. E aí, quando você menos espera... Pow!, opinião irrelevante. E eles tendem a terminar a opinião assim, com duas palavras. Talvez três. Pra aumentar o efeito de choque, sabem. Eles não vão simplesmente jogar um fato ou um sentimento. Eles vão contextualizar. E provavelmente usarão memes da década passada para enfeitar aquela opinião. Os opinativos são bem espertinhos.

Aí tem os engajados. Os engajados vão aderir a todo tipo de hasthag e movimento que tiver rolando. Os engajados vão usar twibbons, os engajados vão amar o Rio, os engajados vão rezar pelo Japão, os engajados vão dar RT em apelos pelo Egito, pela Líbia, pelo Piauí... Os engajados vão morrer de pena da capela da ECO pegando fogo. Os engajados são admiráveis, até, porque acreditam numa coisa de força da internet que eu acho comovente. Nem todos os engajados acreditam que uma hasthag vá mudar qualquer coisa, claro, mas no fundo, no fundo, eles curtem sentir que estão movimentando, construindo, que estão participando de algo maior que eles. Os engajados são os órfãos da ditadura que, na falta de uma galera pra ir pra rua reclamar da vida, querem participar via Twitter. São tímidos, ineficientes e frustrados visionários. Mas visionários, há de se reconhecer. E isso é corajoso num mundo cada vez mais apático.

Os engajados são especialmente corajosos porque lidam com uma raça perigosa. Os antiengajados. No caso, eu. Os antiengajados não só não querem participar de nada como vão zoar todos que, dear God, ousam participar. Os antiengajados são os bullies da timeline. São aqueles que não podem ver uma hasthag que querem atacá-la tal qual uma piñata recheada de docinhos. Os antiengajados curtem oprimir, ver o circo pegar fogo, causar constrangimento. Os antiengajados veem um tweet engajado e zoam logo depois, refocilando na inibição dos oprimidos. Nós, os antiengajados, somos os covardes. Nós, os antiengajados, zoamos quem tuíta em outros idiomas, quem tuíta citação, quem lamenta algo particular. Nós somos chatos, implicantes, escrotos. Nós somos os babacas. Os engajados, tímidos que só eles, calam-se perante nossa opressão. Veem um manifesto antiengajamento e pensam "é; melhor, não". E se retiram pra almoçar sozinhos no banheiro, porque os antiengajados estão tocando o terror no recreio.

Aí, tem aqueles que não são engajados nem antiengajados: são os "questionadores". Esses são bem irritantes. Eles se recusam a assumir uma posição sobre o assunto do momento. Eles opinam sobre alguns assuntos, claro, mas sempre sobre pautas frias. Jogam uma coisinha aqui ou acolá, nada que possa criar muita intriga. Mas, quando o negócio esquenta, eles ficam na deles. Ficam quietinhos, à espreita, apenas aguardando enquanto os antiengajados soltam toda a munição em cima dos pobres engajados. E aí, lançam um questionamento bombástico. "O que é pior: se lamentar ou atacar quem se lamenta?". O ataque é esperto porque é em frente dupla. Ele provavelmente receberá comentários dos dois lados da questão, e brincará de advogado do diabo. Jogará um engajado contra um antiengajado e se sairá como o "ponderado" da questão. Lamentará a polarização de sua timeline, pobres seres radicais, e observará do alto de seu trono de reflexão e racionalidade. Os questionadores não apartam a briga, jamais. Eles incitam a polêmica. Como inspetores de colégio que, vendo o pau comer, deixam a parada ficar feia o suficiente antes de chamarem a diretora da escola. E narram tudo em detalhes sádicos, recheados de julgamento e satisfação contida. São semeadores silenciosos da discórdia.

Em paralelo a tudo isso, ainda temos os monocórdicos, ou seja, aqueles que só sabem falar sobre um assunto e o esgotam até o fim. Temos os monocórdicos de futebol, os monocórdios de MMA, os monocórdios de cinema, os monocórdicos de televisão. Varia. Os monocórdicos, em geral, não curtem sair do assunto. Eles veem seus perfis no Twitter como, por que não?, uma forma de utilidade pública. Os monocórdicos têm informação e opinião, eles buscam fundamentar o que dizem e gostam de pensar que as pessoas vieram a seus perfis por um motivo. Eles querem "fidelizar", garantir que aquele cara que chegou até ali por um motivo não vai dar unfollow. Unfollow é um temor absoluto do monocórdico, e ele vai evitar que isso aconteça. Nem que isso signifique segurar a vontade de comentar a eliminação do BBB. Ou de comentar aquele gol ridículo que só o Renato Abreu poderia perder.

Os tuiteiros monocórdicos, é importante diferenciar, às vezes sequer são intencionais. Tem gente que só sabe mesmo falar de um assunto só. Tem gente que, realmente, na falta de coisa melhor pra fazer, só sabe fazer maratona de séries. Só sabe ir ao cinema e achar coisas sobre os filmes. Só sabe ler o globoesporte.com e reclamar das contratações do time. São espécimes em geral solitários, devo dizer, mas geralmente autênticos. Tendem a não sair muito disso. Já os monocórdicos intencionais, e eu digo isso por experiência própria (já tentei ser uma), são calculados, cuidadosos. Mas têm seus dias contados. A tentação é forte e, em algum momento, o cotidiano vai sair pelos seus dedos. É questão de tempo. Até você perder seus seguidores fiéis, receber unfollows dolorosos e ler indiretas. Ah, meus amigos, digo a vocês que dói. Mas passa. Afinal, quem aguenta quem só sabe falar de uma coisa só, não é?

No fim das contas, somos todos muito, muito chatos. E acho que sempre soubemos disso, mas é como dizem: nada como a convivência para trazer o que há de pior nas pessoas. E foi isso que o Twitter fez. Permitiu que todos convivêssemos, diariamente, como uma grande e disfuncional família. Eis que, do nada, estou ciente de cada passo do dia de dezenas de pessoas com as quais eu sequer trocaria duas palavras no MSN. Eu sei o que elas comem, o que elas ouvem, onde elas almoçam e qual tipo de bunda preferem. E elas aprendem que eu odeio engarrafamento, citação da Clarice Lispector e gente que atravanca a Lagoa no meio da minha corrida de sábado. O problema disso tudo é que ninguém perguntou. E meio que ninguém quer saber. O fato é que, em menor ou maior escala, todos viramos informação de mais.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no seu blog O superficial é o novo profundo. (Leia também "Sinais de Vulgaridade", "10 tipos de Comentador de Forum" e "Como ser uma webcelebridade".)


Fernanda Prates
Rio de Janeiro, 18/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A jornada do herói de Gian Danton
02. Os Melhores de Sempre Desta Semana de Nemo Nox
03. O primeiro código de Brown de Luis Eduardo Matta


Mais Fernanda Prates
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM NOVO MUNDO
ALFONS BALBACH
EDIFICAÇAO DO LAR
R$ 6,90



PROJETO ATHOS MATEMÁTICA A CONQUISTA 6º ANO
JOSÉ RUY GIOVANNI / JUNIOR / CASTRUCCI
FTD
(2017)
R$ 28,00



SEDUÇÃO PELA REDE
EMA FERRETI
ESCALA
(2005)
R$ 5,00



OS JUROS SUBVERSIVOS
JOELMIR BETING
BRASILIENSE
(1985)
R$ 6,90



CADERNO DE ARTES CÊNICAS VOL 1
SESI
SESI SP
(2012)
R$ 5,20



MACRO - ECONOMIA
THOMAS F. DERBURG
MESTRE JOU
(1971)
R$ 7,20



OBSESSÃO - UM DA TRILOGIA BREATHLESS
MAYA BANKS
QUINTA ESSÊNCIA
R$ 14,00



ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS - CLÁSSICOS INCRÍVEIS DISNEY
CULTURAMA
CULTURAMA
(2016)
R$ 8,38



A NOVA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA
JOSÉ PEREIRA DA SILVA
IMPETUS
(2010)
R$ 13,75



DE MENINA PARA MENINA COM OS CONSELHOS DE MARI
INÊS STANISIERE
LEITURA
(2006)
R$ 5,90





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês