Cultura do livro digital? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Concerto reunirá Orquestra da Colômbia e Ensemble Multipiano
>>> Poeta cearense Priscilla Pinheiro estreia na literatura infantojuvenil com livro de poemas
>>> Ambulantes leva show de novo álbum para o Centro Cultural Galeria Olido
>>> Nas férias, Festival Allegria reúne atrações gratuitas de teatro, circo e música em São Paulo
>>> Projeto ‘Mulheres Rurais da Montanha’ oferece oficinas gratuitas de tecelagem em Itamonte (MG)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Deleter
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Trio 3-63, de Andrea Ernest, Marcos Suzano e Paulo Braga
>>> Os contistas puros-sangues estão em extinção
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> O que está por baixo do medo de usar saia?
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Meu Amor é Puro Sangue
Mais Recentes
>>> O que é Revolução 2 edição - coleção primeiros passos 25 de Florestan Fernandes pela Brasiliense (1981)
>>> Resistencia de Materiales de Ferdinand L. Singer pela Harla (1971)
>>> Construindo um Blog de Sucesso com o Wordpress 3 de Daniella Borges de Brito pela Brasport (2011)
>>> Elementos de Resistência dos Materiais de Prof. Gerson Cunha pela Universidade Católica de Mina (1973)
>>> Ternura e Desejo de Rita Foelker pela Lachâtre (2011)
>>> Correr é Fácil de Lisa Jackson, Susie Whalley pela Marco Zero (2011)
>>> O Uso dos Jogos Teatrais na Educação de Libéria Rodrigues Nevese Ana Lydia B pela Papirus (2009)
>>> Por dentro da lei de Rabino Itzchak Zilberstein pela Makom (2000)
>>> Desenho Tecnico E Tecnologia Grafica ( 2 ed) de Thomas E. French pela Globo (1989)
>>> Os Lusíadas - Comentada pelo Prof. Othoniel Motta de Luis de Camoes pela Melhoramentos
>>> El Juicio de Nuremberg desde el Punto de Vista Aleman de Wilbourn E. Benton pela Georg Grimm (1959)
>>> Ideias Em Perspectiva de Paul Brunton pela Pensamento
>>> Ingrid Bergman de Curtis F. Brown pela Artenova (1974)
>>> The Posthumous Papers of The Pickwick Club de Charles DIckens pela Oxford University Press (1956)
>>> Escalada de Luz de Jerônimo Mendonça pela Eme (2007)
>>> O Teatro Dos Vicios: Transgressao E Transigencia Na Sociedade Urbana Colonial de Emanuel O Araujo pela J. Olympio (1993)
>>> Les Protégés D'Isabelle de M. Fresneau pela Hachette (1890)
>>> A função manutenção: formação para a gerência da manutenção industrial0 de François Monchy pela Durban (1989)
>>> Lectures Allemandes - Second Partie de Paul Verrier, Marius Nicolas pela Jules Groos (1903)
>>> O Processo Civilizador vol 1 de Norbert Elias pela Jorge Zahar (1994)
>>> A Heresia Dos Indios: Catolicismo E Rebeldia No Brasil Colonial de Ronaldo Vainfas pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Contos Escolhidos de Luigi Pirandello pela Verbo (1972)
>>> Novíssimo Testamento: com Deus e o Diabo de Iotti pela L&Pm (2008)
>>> Le Temps D'un Soupir de Anne Philipe pela Julliard (1963)
>>> Torto Arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2021)
COLUNAS >>> Especial Livro Eletrônico

Quinta-feira, 11/2/2010
Cultura do livro digital?
Vicente Escudero
+ de 5400 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A discussão sobre os livros digitais é literária, comercial ou agrega estas ideias? Pensei nessa questão enquanto assistia Steve Jobs demonstrar as maravilhas do iPad, o último lançamento da Apple, que pretende ser o matador do Kindle, além de imperador dos gadgets no quesito convergência.

Puxe lá do fundo do baú o nascimento do walkman. A música que era ouvida dentro das casas, num aparelho de som gigante, que podia no máximo acompanhá-lo enquanto dirigia seu carro, num toca-fitas com som de péssima qualidade, de repente começou a ser carregada num aparelho pequeno, pendurado na cintura da calça, para qualquer lugar. Então o Metallica nasceu, fez shows e mais shows com seus integrantes incitando os fãs a gravar suas músicas diretamente do rádio, em fitas cassete. Depois de quase quinze anos a internet surgiu, o formato de arquivos MP3 foi criado e os downloads começaram a derrocada da indústria da música. Daí os integrantes do Metallica começaram a discursar contra a pirataria. Alguém, lá no fundo da plateia, ouvindo "Enter Sandman" num iPod, virou as costas e foi embora do show. E o Metallica permanece tocando em eventos esgotados, pelo mundo afora.

Meio século antes de a Sony começar a revolucionar a forma de ouvir música, alguém teve uma ideia parecida para os livros. Gutemberg, o Steve Jobs da Mogúncia, criou os tipos móveis para impressão de livros em série, separando cada uma das letras em chapas individuais de metal, reutilizáveis, em vez das chapas fixas de madeira para a impressão de todo o texto. Qual o resultado disso? Mais livros, mais leitores, menos escribas. Cinco séculos depois, o mesmo Steve Jobs afirma que se inspirou em aulas de caligrafia para criar as fontes dos softwares no primeiro Macintosh: decies repetita placebit. Os escribas agradecem.

Essas mudanças repentinas nas formas de reprodução da escrita e da música criaram o consumo em larga escala e não diminuíram a qualidade das manifestações culturais posteriores. Se a música e a literatura não pioraram (há quem defenda o contrário), resta saber por que ainda impera a resistência aos avanços. Os livros e os CDs têm um significado pessoal maior para o consumidor pela textura, inexistente no material digital? Ou será que essa textura refere-se ao papel moeda que para de cair na conta bancária dos intermediários?

O fim da indústria fonográfica atual é certo, na permanência da resistência dos consumidores em comprar música e do descaso dos governos em regulamentar os direitos autorais com rigor. Já para a indústria da escrita, especificamente as editoras, parece não haver a mesma dificuldade de ingresso no novo mercado do consumo digital. Enquanto os CDs foram quase exterminados instantaneamente com o surgimento do MP3, as editoras têm tempo suficiente para se transformar em produtoras de conteúdo digital, gastando a gordura da reserva de mercado dos livros técnicos e das compras governamentais. As escolas não vão aderir rapidamente ao modelo digital de ensino pela ausência de recursos e dezenas de outros motivos, os leitores também já deram sinais de que resistirão à mudança do suporte. Enquanto existirem, haverá suporte financeiro. A migração de suporte ocorrerá lentamente.

Parece estúpido, no mínimo, que em mais de dois mil e quinhentos anos de descobertas científicas da civilização ocidental, nossa forma de armazenamento do conhecimento para as gerações futuras não seja inteligente. Quantos incêndios não destruíram escritos de filosofia ou soluções de problemas de física? Quantos naufrágios não acabaram com romances, poesias e cartas que poderiam mudar o destino de civilizações? Imagine ― se você não for vestibulando ― se Camões não tivesse resgatado os escritos de Os Lusíadas do naufrágio do qual sobreviveu, na Costa do Camboja, em 1556? Quantos problemas como esses poderiam ter sido evitados com a utilização de uma forma de armazenamento perene?

Olhando através dessa extensa linha do tempo, é possível perceber como a resistência a modelos de divulgação em massa da cultura é mesquinha. Nos dois momentos em que a escrita e a música passaram a ser produzidas em larga escala, os mercados consumidores se tornaram cada vez maiores, aumentando proporcionalmente o lucro das empresas envolvidas na produção. Neste ritmo de mudanças, resistir corresponde a morrer. Conservadorismo é a causa mortis.

Nesse redemoinho de mudanças, pouco é esperado dos escritores e seu ofício. Com a digitalização dos livros e o contato direto com vendedores, a possibilidade de negociação aumenta. Embora o escritor possa perder sem o auxílio de um editor competente, a relação com os melhores leitores, em longo prazo, pode suprir essa ausência. O risco de desvalorização da literatura, armazenada em dispositivos que fornecem também arte visual, é um problema que está muito além de qualquer previsão razoável. Beowulf, poema escrito há mais mil anos, é a prova inconteste de que o cinema e as artes visuais são dependentes crônicos da literatura. A partir daí, alea jacta est.

Aguardo o lançamento do iPad para vender meu Kindle. Gosto do cheiro dos livros, de carregá-los, olhar para a estante abarrotada do meu quarto, suas tábuas entortando pelo peso excessivo. Imaginar que parte de meu conhecimento tem o mesmo peso de todos eles é desafiador. Como a tábua que resiste, impedindo a queda dos livros no chão, anseio suportar esse peso cada vez mais, até a tábua ceder. Contudo, gostarei mais ainda desses livros se permanecerem iguais, na tela de um iPad, guardados numa estante virtual, prontos para leitura a qualquer momento. Perderei peso, mas ganharei a elegância da leveza.


Vicente Escudero
São Paulo, 11/2/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
02. Uma entrevista literária de Marta Barcellos
03. Rugas e rusgas de Elisa Andrade Buzzo
04. O Valor da Ideia de Daniel Bushatsky
05. O que é a memética? de Adrian Leverkuhn


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
04. Ausência do mal? - 15/4/2010
05. Dentes usados, dentes guardados - 7/10/2010


Mais Especial Livro Eletrônico
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/2/2010
19h11min
Qual sua opinião a respeito dos celulares?
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes Fernan]
15/2/2010
15h22min
Também "gosto do cheiro dos livros, de carregá-los, olhar para a estante abarrotada do meu quarto, suas tábuas entortando pelo peso excessivo". E espero continuar assim, já que não estou ansiosa pelo lançamento e nem quero um iPad.
[Leia outros Comentários de Paola]
22/2/2010
09h38min
Não gosto do cheiro dos livros nem do das bibliotecas porque sou alérgica, mas gosto de olhar a ficha catalográfica, ver quem editou, em que ano foi a primeira edição, apreciar o projeto gráfico. Pôxa, um "iPadzinho" agora não seria nada mal!
[Leia outros Comentários de Juliana Galvão]
23/2/2010
11h17min
Primeiramente, gostaria de parabenizar o autor pela maestria com que redigiu o artigo, misturando "simbioticamente" história e poesia! Quanto ao tema em questão, acredito que tenhamos mais medo do novo, como sempre ocorreu na história da civilização, que propriamente da coisa em si, ou seja, do iPad. É notório, ou pelo menos nos fazem acreditar nos benefícios trazidos por tal aparelho: menor custo de acesso ao conteúdo dos livros, se comparado aos preços exorbitantes praticados pelas livrarias; maior facilidade de armazenamento do material nas bibliotecas virtuais, quando comparado aos imensos espaços físicos que precisamos ter, ou seja, longas paredes, com inúmeras prateleiras, ou enormes estantes. Todavia, não podemos nos esquecer que assim como o incêndio que pode destruir o livro físico, temos os problemas de hardware e software que podem apagar tudo. Bem, ainda estou no tempo do livro físico, com seu odor e textura única. Porém, acredito que ambos poderão existir bem juntos.
[Leia outros Comentários de Claudio Cruz]
24/2/2010
12h18min
Sou radicalmente contra a substituição dos livros por arquivos digitais. Como você disse, adoro o cheiro do livro, ter aquele objeto ao meu lado é de uma sensação de conhecimento gratificante. Mas nunca vi um texto se expressar tão bem quanto o seu. A ideia de uma forma inteligente para guardar as obras dos nossos escritores para as futuras gerações nunca tinha me ocorrido e confesso que faz todo o sentido. Acho que pela primeira vez vou começar a olhar o Kindle ou o iPad com outros olhos.
[Leia outros Comentários de Guilherme]
29/3/2010
10h36min
As plataformas digitais nunca se compararão com o físico. O cheiro dos livros novos, a sensação única e prazerosa de "pegar" o livro nas mãos é indescritível (assim como os musicófilos têm essas mesmas tendências pelos discos de vinil), sem falar na possibilidade de poder vê-los juntos em estantes super-limpas dentro de nossas salas de estar; tudo isso faz parte de um "ritual literário" pós-literatura. Para os loucos ou ávidos, a leitura acaba, mas os livros permanecem.
[Leia outros Comentários de Lucas Feat]
1/5/2010
06h36min
Não discuto aqui a substituição dos livros impessos por digital (e-books). Gostaria que as escolas adquirissem o mais rápido possível uma versão brasileira do Kindle (alguém já pirateou?). Diminuiria (e quanto!) as despesas dos pais. Só este ano (2010) gastei quase R$1.000,00 com livros da escola. E já descobri a Estante Virtual há tempos. Sem contar o peso das mochilia que diminuiria bastante, de 15 quilos para três ou quatro.
[Leia outros Comentários de Manoel Amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um trunfo a mais
James Hadley Chase
Record
(1971)



The Future of Fantasy Art
Aly Fell e Duddlebug
Collins Design
(2010)



Processo Decisório
Elsevier
Elsevier
(2006)



Angústia
Graciliano Ramos
Record
(2009)



A Gente Se Acostuma a Tudo
João Ubaldo Ribeiro
Nova Fronteira
(2006)



Livro História Geral Arigatô Edição Bilíngue
Jhony Arai, Cesar Hirasaki
Jbo
(2008)



Em busca de Aparecida
Mariana Godoy
Petra



Livro Didáticos Cambridge Certificate in Advanced English 1
Cambridge
Geral
(2008)



Livro Faith In The City A Call For Action By Church And Nation
Commission On Urban Priority Areas
Church House Publishing
(1985)



Nossa Doutrina
Vanderli Lima Carreiro
Derp
(2018)





busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês