Cultura do livro digital? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
>>> Cisne Negro
Mais Recentes
>>> Lições de Sociologia de Émile Durkheim pela Martins Fontes (2002)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (2020)
>>> Orações da noite junto a um recém-nascido de Jean Yves Garneau pela Ave-Maria (2019)
>>> Le Lagon Noir de Arnaldur Indridason pela Métailié (2016)
>>> Vernon Subutex - Tome 1 de Virginie Despentes pela Bernard Grasset (2015)
>>> Com Teresa de Jesus, Desejo ver a Face de Deus! de Irmã Maria José do Espírito Santo pela Edições Loyola (2013)
>>> A Náusea de Sartre Jean-Paul pela Europa-América
>>> The petroleum handbook de Royal detch e outros B8 pela Elsevier (1983)
>>> O Conto Da Aia de Margaret Atwood pela Rocco (2021)
>>> Um Chute Na Rotina de Roger Von Oech pela Cultura (2006)
>>> Os poderes de cura da Cabala de Dr. Raphael Kellman pela Campus (2004)
>>> Os Endereços Curiosos de Roma de Claudia Monteiro de Castro pela Panda Books (2002)
>>> Teresa de Ávila: É Tempo de Caminhar de Frei Patrício Sciadini pela Edições Loyola (2015)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Espaço (1997)
>>> Les Émotions Cachées des Plantes de Didier Van Cauwelaert pela Plon (2018)
>>> Los abogados del dolar de Joseph C goulden pela Grijalbo (1973)
>>> Guia da Ecologia de Fábio Feldmann pela Abril (1992)
>>> Gramática da Língua Portuguesa de Pasquale & Ulisses pela Scipione (1998)
>>> Signos da Marca: Expressividade e Sensorialidade de Clotide Perez pela Thomson (2004)
>>> As 48 Leis do Poder de Robert Greene, Joost Elffers pela Rocco (2021)
>>> Anna Karenina - Volume I e II de Tolstói pela Nova Cultural (1995)
>>> Un Avios Sans Elle de Michel Bussi pela Presses de La Citê (2016)
>>> Caminho para a Plenitude: As Três Vidas de Teresa D'Ávila de Erika Lorenz pela Santuário (2017)
>>> Os Endereços Curiosos de São Paulo volumes 1 e 2 de Marcelo Duarte pela Panda Books (2004)
>>> La Muraille de lave de Arnaldur Indridason pela Métailié (2012)
COLUNAS >>> Especial Livro Eletrônico

Quinta-feira, 11/2/2010
Cultura do livro digital?
Vicente Escudero

+ de 5000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A discussão sobre os livros digitais é literária, comercial ou agrega estas ideias? Pensei nessa questão enquanto assistia Steve Jobs demonstrar as maravilhas do iPad, o último lançamento da Apple, que pretende ser o matador do Kindle, além de imperador dos gadgets no quesito convergência.

Puxe lá do fundo do baú o nascimento do walkman. A música que era ouvida dentro das casas, num aparelho de som gigante, que podia no máximo acompanhá-lo enquanto dirigia seu carro, num toca-fitas com som de péssima qualidade, de repente começou a ser carregada num aparelho pequeno, pendurado na cintura da calça, para qualquer lugar. Então o Metallica nasceu, fez shows e mais shows com seus integrantes incitando os fãs a gravar suas músicas diretamente do rádio, em fitas cassete. Depois de quase quinze anos a internet surgiu, o formato de arquivos MP3 foi criado e os downloads começaram a derrocada da indústria da música. Daí os integrantes do Metallica começaram a discursar contra a pirataria. Alguém, lá no fundo da plateia, ouvindo "Enter Sandman" num iPod, virou as costas e foi embora do show. E o Metallica permanece tocando em eventos esgotados, pelo mundo afora.

Meio século antes de a Sony começar a revolucionar a forma de ouvir música, alguém teve uma ideia parecida para os livros. Gutemberg, o Steve Jobs da Mogúncia, criou os tipos móveis para impressão de livros em série, separando cada uma das letras em chapas individuais de metal, reutilizáveis, em vez das chapas fixas de madeira para a impressão de todo o texto. Qual o resultado disso? Mais livros, mais leitores, menos escribas. Cinco séculos depois, o mesmo Steve Jobs afirma que se inspirou em aulas de caligrafia para criar as fontes dos softwares no primeiro Macintosh: decies repetita placebit. Os escribas agradecem.

Essas mudanças repentinas nas formas de reprodução da escrita e da música criaram o consumo em larga escala e não diminuíram a qualidade das manifestações culturais posteriores. Se a música e a literatura não pioraram (há quem defenda o contrário), resta saber por que ainda impera a resistência aos avanços. Os livros e os CDs têm um significado pessoal maior para o consumidor pela textura, inexistente no material digital? Ou será que essa textura refere-se ao papel moeda que para de cair na conta bancária dos intermediários?

O fim da indústria fonográfica atual é certo, na permanência da resistência dos consumidores em comprar música e do descaso dos governos em regulamentar os direitos autorais com rigor. Já para a indústria da escrita, especificamente as editoras, parece não haver a mesma dificuldade de ingresso no novo mercado do consumo digital. Enquanto os CDs foram quase exterminados instantaneamente com o surgimento do MP3, as editoras têm tempo suficiente para se transformar em produtoras de conteúdo digital, gastando a gordura da reserva de mercado dos livros técnicos e das compras governamentais. As escolas não vão aderir rapidamente ao modelo digital de ensino pela ausência de recursos e dezenas de outros motivos, os leitores também já deram sinais de que resistirão à mudança do suporte. Enquanto existirem, haverá suporte financeiro. A migração de suporte ocorrerá lentamente.

Parece estúpido, no mínimo, que em mais de dois mil e quinhentos anos de descobertas científicas da civilização ocidental, nossa forma de armazenamento do conhecimento para as gerações futuras não seja inteligente. Quantos incêndios não destruíram escritos de filosofia ou soluções de problemas de física? Quantos naufrágios não acabaram com romances, poesias e cartas que poderiam mudar o destino de civilizações? Imagine ― se você não for vestibulando ― se Camões não tivesse resgatado os escritos de Os Lusíadas do naufrágio do qual sobreviveu, na Costa do Camboja, em 1556? Quantos problemas como esses poderiam ter sido evitados com a utilização de uma forma de armazenamento perene?

Olhando através dessa extensa linha do tempo, é possível perceber como a resistência a modelos de divulgação em massa da cultura é mesquinha. Nos dois momentos em que a escrita e a música passaram a ser produzidas em larga escala, os mercados consumidores se tornaram cada vez maiores, aumentando proporcionalmente o lucro das empresas envolvidas na produção. Neste ritmo de mudanças, resistir corresponde a morrer. Conservadorismo é a causa mortis.

Nesse redemoinho de mudanças, pouco é esperado dos escritores e seu ofício. Com a digitalização dos livros e o contato direto com vendedores, a possibilidade de negociação aumenta. Embora o escritor possa perder sem o auxílio de um editor competente, a relação com os melhores leitores, em longo prazo, pode suprir essa ausência. O risco de desvalorização da literatura, armazenada em dispositivos que fornecem também arte visual, é um problema que está muito além de qualquer previsão razoável. Beowulf, poema escrito há mais mil anos, é a prova inconteste de que o cinema e as artes visuais são dependentes crônicos da literatura. A partir daí, alea jacta est.

Aguardo o lançamento do iPad para vender meu Kindle. Gosto do cheiro dos livros, de carregá-los, olhar para a estante abarrotada do meu quarto, suas tábuas entortando pelo peso excessivo. Imaginar que parte de meu conhecimento tem o mesmo peso de todos eles é desafiador. Como a tábua que resiste, impedindo a queda dos livros no chão, anseio suportar esse peso cada vez mais, até a tábua ceder. Contudo, gostarei mais ainda desses livros se permanecerem iguais, na tela de um iPad, guardados numa estante virtual, prontos para leitura a qualquer momento. Perderei peso, mas ganharei a elegância da leveza.


Vicente Escudero
Campinas, 11/2/2010


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
04. Ausência do mal? - 15/4/2010
05. Dentes usados, dentes guardados - 7/10/2010


Mais Especial Livro Eletrônico
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/2/2010
19h11min
Qual sua opinião a respeito dos celulares?
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes Fernan]
15/2/2010
15h22min
Também "gosto do cheiro dos livros, de carregá-los, olhar para a estante abarrotada do meu quarto, suas tábuas entortando pelo peso excessivo". E espero continuar assim, já que não estou ansiosa pelo lançamento e nem quero um iPad.
[Leia outros Comentários de Paola]
22/2/2010
09h38min
Não gosto do cheiro dos livros nem do das bibliotecas porque sou alérgica, mas gosto de olhar a ficha catalográfica, ver quem editou, em que ano foi a primeira edição, apreciar o projeto gráfico. Pôxa, um "iPadzinho" agora não seria nada mal!
[Leia outros Comentários de Juliana Galvão]
23/2/2010
11h17min
Primeiramente, gostaria de parabenizar o autor pela maestria com que redigiu o artigo, misturando "simbioticamente" história e poesia! Quanto ao tema em questão, acredito que tenhamos mais medo do novo, como sempre ocorreu na história da civilização, que propriamente da coisa em si, ou seja, do iPad. É notório, ou pelo menos nos fazem acreditar nos benefícios trazidos por tal aparelho: menor custo de acesso ao conteúdo dos livros, se comparado aos preços exorbitantes praticados pelas livrarias; maior facilidade de armazenamento do material nas bibliotecas virtuais, quando comparado aos imensos espaços físicos que precisamos ter, ou seja, longas paredes, com inúmeras prateleiras, ou enormes estantes. Todavia, não podemos nos esquecer que assim como o incêndio que pode destruir o livro físico, temos os problemas de hardware e software que podem apagar tudo. Bem, ainda estou no tempo do livro físico, com seu odor e textura única. Porém, acredito que ambos poderão existir bem juntos.
[Leia outros Comentários de Claudio Cruz]
24/2/2010
12h18min
Sou radicalmente contra a substituição dos livros por arquivos digitais. Como você disse, adoro o cheiro do livro, ter aquele objeto ao meu lado é de uma sensação de conhecimento gratificante. Mas nunca vi um texto se expressar tão bem quanto o seu. A ideia de uma forma inteligente para guardar as obras dos nossos escritores para as futuras gerações nunca tinha me ocorrido e confesso que faz todo o sentido. Acho que pela primeira vez vou começar a olhar o Kindle ou o iPad com outros olhos.
[Leia outros Comentários de Guilherme]
29/3/2010
10h36min
As plataformas digitais nunca se compararão com o físico. O cheiro dos livros novos, a sensação única e prazerosa de "pegar" o livro nas mãos é indescritível (assim como os musicófilos têm essas mesmas tendências pelos discos de vinil), sem falar na possibilidade de poder vê-los juntos em estantes super-limpas dentro de nossas salas de estar; tudo isso faz parte de um "ritual literário" pós-literatura. Para os loucos ou ávidos, a leitura acaba, mas os livros permanecem.
[Leia outros Comentários de Lucas Feat]
1/5/2010
06h36min
Não discuto aqui a substituição dos livros impessos por digital (e-books). Gostaria que as escolas adquirissem o mais rápido possível uma versão brasileira do Kindle (alguém já pirateou?). Diminuiria (e quanto!) as despesas dos pais. Só este ano (2010) gastei quase R$1.000,00 com livros da escola. E já descobri a Estante Virtual há tempos. Sem contar o peso das mochilia que diminuiria bastante, de 15 quilos para três ou quatro.
[Leia outros Comentários de Manoel Amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Felicidade das Borboletas
Patrícia Engel Secco (autor), Daniel Kondo
Melhoramentos
(2003)



Didatica de Cinecias - Atraves de Módulos Instrucionais
Vera Joullie e Wanda Mafra
Vozes
(1977)



Negrinha - 30ª
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1998)



Livro - A Audaciosa: uma Pungente e Empolgante Estória de uma Mulher
Henry Kane
Nova Época Editorial
(1975)



Inflação Zero: Brasil , Argentina, Israel
Persio Arida
Paz e Terra
(1986)



Anglo Saxon Attitudes
Angus Wilson
Penguin Books
(1978)



Real Talk Series
Wise Up
Wise Up
(2016)



Livro Físico - Um Sorriso Ou Dois: para Mulheres Que Querem Mais
Frederico Elboni
Benvirá
(2014)



Livro - Os Filhos Vêm do Céu
John Gray
Rocco
(2003)



10 O Antigo Regime e a Revolução
Alexis de Tocqueville
universidade de brasilia
(1979)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês