Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3 | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
>>> O Brasil da inovação
>>> A terra das oportunidades
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Two lost souls living in a fish bowl
>>> Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Almanaque Total sagitário de André De Biasi pela Três
>>> Obra Imatura de Mário de Andrade pela Agir (2009)
>>> Plotinus - ennead ii, v.2 de Plotino; A. Hilary Armstrong pela Loeb (1966)
>>> A Vida dos Grandes Compositores de Harold C. Schonberg pela Novo Século (2012)
>>> Não Há Silêncio Que Não ermine de Ingrid Betancourt pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Almirante Nelson -0 O Homem que derrotou Napoleão de Armando Vidigal pela Contexto (2012)
>>> No ser DIOS - Una Autobiografía a Cuatro Manos de Gianni Vattimo e Piergiorgio Paterlini pela Paidós Entornos 7 (2008)
>>> Pilares para uma Vida Saudável de Mohamad Barakat pela Vital (2017)
>>> Anticâncer Prevenir e vencer usando nossas defesas naturais de David Servan-Schreiber pela Fontanar (2008)
>>> A Marca da Vitória de Phil Knight pela Sextante (2016)
>>> O Grande Livro da Saúde Natural - 73 Segredos da Cura Sem Remédios de Jolovi Natural Health pela Jalovi Natural (2018)
>>> Slapstick Lonesome no more! de Kurt Vonnegut pela Dell (1976)
>>> Relatos de uma Quarentena de Acioli Junior pela Promove (2020)
>>> Les Fiançailles D'Imogène de Exbrayat pela Champs - Elysees (1971)
>>> Ce Jésus Qu'on Applle Christ de Jacques Loew pela Fayard-Mame (1970)
>>> The Enciclopedia of Reality - A Guide to the New Age de Kalinka Matson pela Granada (1979)
>>> The New Yorker de Owen Smith pela Condé Nast (2020)
>>> A Cada Um o Seu de Leonardo Sciascia pela Objetiva (2007)
>>> Rolling Stone Magazine April 2020 de Greta Thunberg pela Penske (2020)
>>> Wire Magazine 432 February 2020 de The Wire pela The Wire Magazine (2020)
>>> Songlines 107 May 2020 de Moonlight benjamin pela Ma (2020)
>>> Prog Magazine 110 June 2020 de Rick Wakeman pela Future (2020)
>>> Prog Magazine 107 March 2020 de Yes pela Future (2020)
>>> Playboy Magazine Fall 2019 de Kylie Jenner pela Playboy (2019)
>>> Downbeat Magazine April 2020 de Gregory Porter pela Db (2020)
>>> Le Coté de Guermantes de Marcel Proust pela Gllimard (1945)
>>> House & Garden July/August 2020 de Where the Hearts pela Condé Nast (2020)
>>> Uncut Magazine July 2020 de Bob Marley pela Bandlab (2020)
>>> Drogas e Álcool no Local de Trabalho de Drusilla Campbell e Marilyn Graham pela Nórdica (1991)
>>> Uncut Magazine June 2020 de Prnce pela Bandlab (2020)
>>> Uncut Magazine May 2020 de George Harrison pela Bandlab (2020)
>>> Os Deuses subterrâneos de Cristovam Buarque pela Record (2005)
>>> Uncut Magazine December 2019 de Bob Dylan pela Bandlab (2019)
>>> O livro da sabedoria dos pais de Edward Holffman pela Dcl (2010)
>>> O prazer da produção científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
>>> O leque de Oxum de Vasconcelos Maia pela Ponte da Memória (2006)
>>> O mar, o Marujo de Mauro a. L. Hespanhol pela Chiado (2012)
>>> Os 4 pilares da lucratividade de Leslie H. Moeller; Edward C. Landry pela Campus (2010)
>>> A fuga de João Goulart de Hélio Silva pela Três (1998)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Deagostini (2004)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswald de Andrade pela José Olympio (1973)
>>> Noventa e Três de Victor Hugo pela Otto (1980)
>>> A Queda de Albert Camus pela Circulo do Livro (1986)
>>> Você - A idéia mais fantástica de Deus de Max Lucado pela Thomas Nilson (2007)
>>> The abolition of the Brazilian slave trade de Leslie Bethell pela Cambridge University Press (2009)
>>> O processo de Franz Kafka pela Globo (1997)
>>> A brincadeira de Milan Kundera pela Circulo do Livro (1967)
>>> Vôo Noturno de A. de Saint - Exupery pela Circulo do Livro (1985)
>>> A Segunda Dama de Irving Wallace pela Circulo do Livro (1980)
>>> O RETRATO DE dORIAN gray de Oscar Wilde pela Circulo do Livro (1975)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/5/2010
Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3
Rafael Fernandes

+ de 6700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A seguir, a terceira parte dos meus álbuns musicais favoritos entre 2000 e 2009. Já estão no ar a primeira e a segunda partes. Agora, falo um pouco de lançamentos brasileiros.

21) Moacir Santos ― Ouro Negro (2001)
Produzido por Zé Nogueira e Mário Adnet

Moacir Santos é um dos grandes nomes da música brasileira de todos os tempos. Hoje, continua não tão conhecido, mas era menos ainda antes deste belo trabalho realizado por Zé Nogueira e Mário Adnet. A dupla selecionou algumas obras do mestre e em 2001, respeitando os arranjos originais, chamou a nata de instrumentistas nacionais para gravar novas versões. As músicas de Moacir Santos são sofisticadas e atuais, ou melhor, atemporais. Coisas que só os grandes artistas conseguem atingir. "Maracatu, nação do amor", conhecida também como "April child", é fatalmente uma das grandes músicas brasileiras. Esse disco, que é duplo, ainda traz convidados luxuosos, como Gilberto Gil, Ed Motta, Djavan, Milton Nascimento, João Bosco, Joyce e João Donato. Imperdível.

Minhas preferidas do álbum: "Coisa No. 2", "Lamento Astral", "Coisa No. 4", "Coisa No. 10", "Oduduá", "Maracatu, nação do amor", "Bodas de prata dourada", "Coisa No. 5", "Coisa No. 6", "Amphibious", "Bluishmen", "Coisa No. 9", "Orfeu".


Ouça um trecho de "Maracatu, nação do amor"

* * *

22) Chico Pinheiro ― Meia Noite, Meio Dia (2003, relançado em 2010)
Produzido por Chico Pinheiro e Swami Jr

Chico Pinheiro está provando ser um dos grandes da música brasileira. Vem fazendo seu nome aos poucos, privilegiando a alta qualidade e o trabalho duro. No começo dos anos 2000 fez uma série de concorridos e comentados shows preparatórios para esse Meia Noite, Meio Dia. O falatório foi aumentando porque em sua banda ele apresentava ninguém menos que Maria Rita ― que também cantou no disco. É claro que foi bom para a exposição de Chico, mas o disco só foi elogiado como foi porque é ótimo. Um dos clássicos da música brasileira. Nele, Pinheiro se mostra exímio instrumentista. Mais do que isso: um grande compositor. Daquela estirpe que mistura melodias difíceis e harmonias complexas de uma forma que parece simples. Duvida? Ouça as ótimas "Ao vento", "Popó", "Desde o primeiro dia", "Buritizais" e "Essa canção". Além de apresentar as cantoras Maria Rita e Luciana Alves, ainda tem convidados no nível de Ed Motta, Lenine e Chico César.

Minhas preferidas do álbum: "Ao vento", "Meia noite, Meio dia", "Buritizais", "Na beira do rio", "Desde o primeiro dia", "Onde estiver", "Choro calado".


Ouça um trecho de "Desde o primeiro dia"

* * *

23) Dr. Sin ― Dr. Sin II (2000)
Produzido por Dr Sin

A grande banda de rock do Brasil se juntou ao ótimo vocalista Mike Vescera (Yngwie Malmsteen, Obsession, Loudness, MVP). O que saiu desse encontro foi um disco potente e coeso, um dos melhores da banda. Dr. Sin II começa com a melhor do álbum: "Time after time". Lembra o rock progressivo, por ter diferentes passagens. "Eternity" é uma boa balada rock, um candidato a hit que comercialmente não fez jus à sua qualidade. É seguida por "Fly away", que parece ser um "metalzão", mas se abre para belas melodias e um refrão arrasador. "Devil inside" é uma daquelas músicas "perdidas": passam meio batidas pelos fãs e parecem meio esquecidas pelas próprias bandas, mas não deixam de ser ótimas. Nesse caso é uma música desprendida, com belos arranjos vocais no refrão. Já "Pain" é uma balada com fortes ecos de Beatles.

Minhas preferidas do álbum: "Time after time", "Danger", "Eternity", "Fly away", "Time after time", "Same old story", "Pain", "Devil inside"


Ouça um trecho de "Time after time"

* * *

24) Angra ― Temple of Shadows (2004)
Produzido por Dennis Ward

Outra das melhores bandas do país é o Angra, que faz com competência um heavy metal que dialoga fortemente com o metal melódico e o progressivo. Depois de uma traumática ruptura que gerou a saída de três membros da banda, o grupo se rearrumou e lançou Rebirth, o bom disco da volta, em 2001. O disco seguinte dessa nova fase, Temple of Shadows, foi uma pequena obra-prima do gênero. É um disco conceitual, que flerta com diversos elementos além do estilo (como música flamenca e batidas brasileiras), com arranjos muito bem feitos com elementos diversos (coros, violões e percussão) e até a participação de Milton Nascimento na faixa "Late Redemption".

Minhas preferidas do álbum: "Spread your fire", "Angels and demons", "Wishing well", "The temple of hate'", "The shadow hunter"


Ouça um trecho de "The shadow hunter"

* * *

25) Los Hermanos ― Ventura (2003)
Produzido por Kassin

O Bloco Do Eu Sozinho foi a virada do Los Hermanos. Do pop tolo a um pop inteligente ― apesar de alguns fãs terem exagerado na "profundidade". Em Ventura, o grupo melhora a receita, num cardápio de estilos variado. Do samba torto "Samba a dois" ao pop deslavado e gostoso de "O vencedor". Da discrição de "Tá bom" ao flerte com o bizarro em "Cara estranho". Das tensões que insistem em quase não se resolver em "Sétimo andar" ao tcha-tcha-tcha de "A outra". Das brincadeiras de "Além do que se vê" à singeleza de "De onde vem a calma". E as letras se sobressaem: muito acima da média do que era e é feito no pop nacional. O clima do disco, que representa bem a banda, às vezes é associado à depressão. Mas não é isso. É sobre não precisar estar alegre ou em festa o tempo todo ― essa "mania" brasileira. É de poder "estar em paz" sem essa necessidade quase "opressora" de ser feliz. E também de se resguardar, não de ficar nesse aparente oba-oba sem fim. Afinal, como eles já anunciaram no disco anterior, todo o carnaval tem seu fim.

Minhas preferidas do álbum: "Samba a dois", "O vencedor", "Além do que se vê", "Do sétimo andar", "Cara estranho", "Um par", "De onde vem a calma", "Tá bom", "Conversa de botas batidas".


Ouça um trecho de "Tá bom"

* * *

26) Chico Saraiva ― Saraivada (2007)
Produzido por Chico Saraiva

Trégua foi o disco que mostrou o talento de Chico Saraiva ao Brasil. É um belo trabalho, elegante e criativo. Mas acho que em Saraivada o músico alcança uma sonoridade única, que pode chamar de sua. Nem tanto ao Guinga, influência clara e confessa, nem tanto à Barca ― projeto de pesquisas musicais do qual é integrante. Saraiva acha o termo exato entre as raízes brasileiras, a sofisticação harmônica e melódica e o formato canção. Ele canta no disco e não é seu forte. Mas se basta e mostra a possíveis intérpretes os caminhos de suas canções: para onde elas apontam, onde estão seus pontos-chave. Saraiva chamou parceiros para escreverem as letras e eles apresentam algumas pérolas, como "os que ousaram se perder para se achar/chegaram sem saber se vão voltar" (Makely Ka, em "Moçambique").

Minhas preferidas do álbum: "Na virada da costeira", "O tamanho da tristeza", "Startrek de Tacape", "Estrela do oriente", "Sombra", "Moçambique".


Ouça um trecho de "Moçambique"

* * *

27) Sergio "Serj" Buss ― Liquid Peace Of Me (2008)
Produzido por Sergio Buss

Em Liquid Piece Of Me, Sergio Buss não só fez um disco brilhante como usou bem o formato álbum: tudo se liga, tudo se encaixa: do conceito às músicas, até o encarte. É um trabalho raro nesses últimos tempos de ansiedade e mal acabamento: foi realizando ao poucos, com calma e apuro. Era óbvio que tinha que sair algo bom. Estamos na era do MP3 avulso, da troca de arquivos, da rapidez; também num momento em que muitos aventureiros vestidos de músicos tocam suas canções tolas e toscas e têm pressa de "acontecer". Serj fez o oposto disso. Hoje em dia, cada vez mais os produtos culturais estão banalizados. São tantos Flickrs, MySpaces, blogs e afins que o que vale à pena muitas vezes se esconde sem intenção. Talvez apenas por não ser o que grita mais alto. Felizmente, Liquid Piece Of Me é um item raro em todos seus quesitos. Quem tem, que aproveite.

Minhas preferidas do álbum: "O outro lado", "Would you?", "Lines and curves", "Hostile", "Thinking heads".


Ouça um trecho de "Thinking heads"

* * *

28) Danilo Moraes e Ricardo Teté ― A Torcida Grita (2007)
Produzido por Swami Jr

No Brasil, é comum associar dupla de cantores ao sertanejo. Felizmente, esse não é o caso de Danilo Moraes e Ricardo Teté. Em A Torcida Grita, passam longe de clichês e de exageros. Eles ficaram mais conhecidos por terem ganhado o prêmio do festival de música da TV Cultura e, mais ainda, por terem sido vaiados na premiação. Essa bobagem que resume as boas sensações da música a um enfrentamento tipo Fla x Flu. Eles foram inteligentes e tiraram onda com isso em "Viva a vaia". É uma canção maravilhosa. Uma balada, com lindo arranjo de cordas e cheia de sutilezas. Vale ouvir. Outra grande canção é "Teresa e a torcida". Uma letra bem-humorada que se encaixa numa melodia pegajosa. Ainda há espaço para boas canções de amor como "Sempiterno" e "Tintim".

Minhas preferidas do álbum: "Teresa e a torcida", "Sempiterno", "Tintim", "Arredondamento", "Viva a vaia".


Ouça um trecho de "Viva a vaia"

* * *

29) Léa Freire ― Cartas Brasileiras (2007)
Direção musical: Teco Cardoso

Léa Freire já se destacava como arranjadora e musicista, em espetáculos musicais como numa homenagem à cantora Maysa e num duo com o grande Bocato. Essas duas facetas se uniram à de compositora e o resultado é um dos mais belos discos brasileiros já feitos: Cartas Brasileiras. Nele, Léa Freire junta o erudito e o popular sem restrições, além de agrupar músicos brasileiros do mais alto nível, como Tiago Costa, Bocato, André Mehmari, Mozar Terra, Zezinho Pitoco, entre tantos outros. Os diversos sabores, ritmos e cores da música brasileira foram fundidos com destreza a melodias raras. Léa também não foi nada egoísta e deixou que muitos de seus amigos músicos arranjassem diversas de suas criações. Cartas Brasileiras é um disco forte e com momentos sublimes.

Minhas preferidas do álbum: "Nove Luas", "Maré", "Rabisco", "Vila Ipojuca", "Maré", "Vento em madeira", "Caminho das pedras"


Ouça um trecho de "Maré"

* * *

30) Guinga ― Casa de Villa (2007)
Produzido por Marcus Tardelli

Em Casa de Villa, mais uma vez Guinga dá mostras de seu brilhantismo. É um disco elegante, bem elaborado, com belas melodias e harmonias ― uma boa mostra de seu estilo. Uma das coisas interessantes desse disco é que evidencia como suas músicas, embora se saiam bem no formato canção ― ou seja, acompanhadas de letra ― são melhores e mais geniais quando instrumentais, como em "Bigshot", "Jongo de Compadre", e na obra-prima "Villalobiana". Os arranjos também são ótimos. Esse disco valeu um texto.

Minhas preferidas do álbum: "Bigshot", "Jongo de compadre", "Mar de maracanã", "Porto de Araújo", "Maviosa", "Villalobiana", "Tudo fora de lugar", "Casa de Villa".


Ouça um trecho de "Villalobiana"



Rafael Fernandes
Sorocaba, 26/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
02. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
03. Vinicius de Julio Daio Borges
04. Literatura engajada de Marta Barcellos
05. Dos papéis, a dança de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2010
01. Os piores músicos da década - 22/9/2010
02. Futebol: 10 mandamentos e 5 mitos - 9/6/2010
03. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 1 - 17/2/2010
04. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3 - 26/5/2010
05. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 4 - 28/7/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/5/2010
01h09min
Oi, Rafael, parabéns por colocar na sua coluna dois do maiores valores da música instrumental, que são Moacir Santos com seus arranjos e composições de primeira grandeza, e Guinga, que é o diferencial na música instrumental com composições com um riqueza harmônica e melódica assustadora. Manda bala!
[Leia outros Comentários de CRRocha_Guitar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MISTÉRIO NA MORADA DO SOL
ISA SILVEIRA LEAL
MODERNA
(1983)
R$ 5,00



EVANGELHO ETERNO E ORAÇÕES PRODIGIOSAS
OSVALDO POLIDORO
ASSAHI
(2006)
R$ 7,50



ANDROPAUSA
JUAN CARLOS KUSNETZOFF
GENTE
(1997)
R$ 6,90



TÁBUA DE LOGARITMOS 4ª EDIÇÃO
ALBERTO NUNES SERRÃO
FENAME
(1963)
R$ 5,00



SOCIOLOGIA PARA O ENSINO MÉDIO
NELSON DACIO TOMAZI
SARAIVA
(2010)
R$ 59,90



O HOMEM É DEUS QUANDO CRIA
RENATO EZEQUIEL
ARMAZÉM DE IDÉIAS
(2002)
R$ 6,00



JAPONÊS O MELHOR GUIA DE CONVERSAÇÃO
JOSEPH R. MORGAN
VINTE UM
(2005)
R$ 14,00



CE JÉSUS QU'ON APPLLE CHRIST
JACQUES LOEW
FAYARD-MAME
(1970)
R$ 17,00



THE PROFESSIONALS BOOK OF SKILLS AND TACTICS (FUTEBOL)
KEN JONES E PAT WELTON (CAPA DURA)
MARSHALL CAVENDISH (LONDRES)
(1973)
R$ 48,82



O FATOR RENOVAÇÃO
ROBERT H. WATERMAN JR.
HARBRA
(1989)
R$ 7,00





busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês