Jornais do futuro? | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Mais Recentes
>>> A Loucura de Tristão (La Folie Tristan) de Anônimo Francês do Século XII(Trad.? Autografo): G. D. Leoni pela Rassegna Brasiliana/ SP. (1965)
>>> A Religião viva do Cristo de Cesar D' Almeida Campos pela Livraria Cultura (1951)
>>> Evangelho da Solidão de Eduardo de Oliveira pela Cupolo (1969)
>>> Villa-Rica de Alcibiades Delamare pela Nacional (1935)
>>> Revista do Arquivo Municipal Clxvii (167) de Nicanor Miranda/alceu Maynard Araújo pela Depart. de Cultura (1962)
>>> La Celestina de Fernando de Rojas pela Madrid (1959)
>>> Economia e Sociologia de Adolf Lowe pela Revista Forense (1956)
>>> Movimento Praieiro:imprensa, Ideologia e Poder Politico de Izabel Andrade Marson pela Contemporanea (1980)
>>> Perfil do Mercado Consumidor:de Santo André e da Grande São Paulo de Felicio P. Benatti pela Fund. Santo André (1969)
>>> A Força Invisível de Wayne W. Dyer pela Sextante (2007)
>>> Revista de Educação:AEC, A Atualidade do Começo. Ano. 35 julho / Se... de Olmira Bernadete Dassoler pela Salesianas (2006)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> XXll de Agosto de Nelson de Souza Carneiro pela Nacional (1933)
>>> São Francisco de Sales de Abbe Jacques Leclerq pela Vozes (1957)
>>> Os Dogmas do Espiritismo de Rosalina Calmon dos Santos pela Arte Moderna
>>> La puerta Cerrada de Simón H. pela Esoteria (1981)
>>> Os Galos da Aurora de Hélio Pólvora pela Civilização Brasileira (1958)
>>> O Triumpho das Forças Mentaes de O. S. Marden pela América Latina (1929)
>>> Anuário Militar 1987 de John Pimlott pela Globo (1987)
>>> Cannaviaes de Alberto Deodato pela Rio de Janeiro (1922)
>>> Introdução á Poesia de Augusto dos Anjos de Júlio de Oliveira Martins pela Livraria Brasil (1958)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> Trinta Anos Depois da Volta de Octavio Costa pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> 2194 Giorni Di Guerra de Mondadori pela Ediouro (1979)
>>> Encyclopedia of the Vietnam War de Stanley I. Kutler pela Charles Scribners (1996)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (1988)
>>> Foguetes e Mísseis da III Guerra Mundial de Robert Berman e Bill Gunston pela Livro Técnico S/A (1983)
>>> A Segunda guerra mundial (Vol. 2 Somente esse Volume) de Raymond Cartier pela Primor (1975)
>>> Os Aviões de Enzo Angelucci pela Arnoldo Mondadori (1975)
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
COLUNAS

Terça-feira, 15/6/2010
Jornais do futuro?
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5300 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Amiúde as recentes mudanças editoriais e gráficas, há um texto, na última página do suplemento especial de apresentação do novo projeto, assinado por Otávio Frias Filho sobre sua Folha de S.Paulo. No artigo, Frias Filho dá algumas pistas acerca das motivações e das intenções do jornal. "Talvez jornais, revistas e livros impressos venham a desaparecer, talvez não. (...) Mas é pouco provável que o jornalismo de qualidade, tal como definido acima, desapareça da face da terra." Noves fora o fato de implicar que o jornalismo de qualidade seja aquele publicado nas páginas do veículo do qual é Diretor de Redação, o trecho de Frias é singular porque, pela primeira vez, um grande dirigente assume o que, aqui e ali, já vêm sendo fartamente comentado sobre o futuro dos jornais, a saber: a plataforma de papel talvez ― leia-se atentamente, aqui, o talvez ― não seja para sempre. Em outras palavras, trata-se de uma concessão que, até agora, os jornalistas brasileiros resistiram a dar. Nesse sentido, mais do que apreciar ou depreciar a reforma gráfica, ou, por outra, comemorar ou contestar as atualizações editoriais, melhor será observar o significado simbólico dessa renovação.

Em certa medida, a reforma na Folha é o fim de um ciclo de mudanças na mídia nacional. O leitor mais atento há de se recordar que, nos últimos três anos, boa parte dos principais veículos brasileiros sofreu mudanças gráficas. Da CartaCapital à Veja, passando pelo Estado de S.Paulo e Valor Econômico, alcançando, agora a Folha ― sem mencionar, no meio do caminho, o Jornal Nacional, com seu novo leiaute audiovisual. O termo "sofreu" não foi utilizado aleatoriamente. As mudanças acima citadas poderiam ser resumidas a restrições no tamanho dos textos ― com o aumento da fonte, mudança tipográfica ― e aumento sensível de infografia ― o aviso é claro: toda e qualquer informação que for passível de ser transmitida via arte não deve ser deixada em texto. Todavia, o que faz a mudança na Folha ser mais comentada que as demais se deve ao fato de que, para o jornalismo brasileiro, o veículo da rua Barão de Limeira tem um caráter por demais representativo, norteador, paradigmático. Assim, enquanto o Estadão muda para reafirmar sua posição editorial ― como na defesa do conteúdo de qualidade, em cadernos como o recém-lançado "Sabático", a mudança na Folha instaura um novo modelo de pensar o jornalismo. Grosso modo, é acertado observar nessa mudança uma conexão com o jornal que, na década de 1980, tornou-se aquele que os leitores adoravam odiar; o veículo que lançava as polêmicas mais saborosas de se acompanhar (José Arhtur Giannotti x Otávio Frias Filho; Paulo Francis x Caetano Veloso etc.); o diário que contava com o caderno cultural mais arrojado, provocador; por tudo isso, o jornal de preferência dos jovens.

Curiosamente, na mesma década de 1980, foram os jovens que implementaram uma verdadeira revolução no jornal. A análise está documentada em diversas pesquisas acadêmicas, mas alguns livros relatam bem o que houve no período. Dois deles ajudam a compreender o que aconteceu de maneira crítica. Em um livro de ensaios intitulado Síndrome da Antena Parabólica, o professor da USP Bernardo Kucinski explica de que modo a Folha se tornaria o jornal mais relevante ― mais odiado, utilizando os termos do autor ― do país. Já a pesquisadora Gisela Taschner, da Fundação Getúlio Vargas, no livro Folhas ao vento: análise de um conglomerado jornalístico, comenta como a ideia de renovação esteve no DNA do veículo, o primeiro a assumir uma vocação de produto jornalístico de forma tão escancarada. De cunho mais memorialístico, Carlos Eduardo Lins da Silva, tendo já pertencido do núcleo duro do jornal (e, mais recentemente, ombudsman entre 2008 e 2010), escreveu, em 1988, Mil Dias: a história da revolução de um jornal, obra em comenta e analisa o processo de adaptação daquela instituição para com o então novíssimo projeto editorial, cuja linha-mestra se pautava por um "jornalismo crítico, apartidário e pluralista", menos leniente com os erros, e que passaria a adotar um Manual da Redação. Este, por sua vez, não se tratava apenas de um documento que organizava a edição de textos, mas de um livro-texto normativo com as visões que a Folha assumiria editorialmente, dentre os quais o polêmico mandato do leitor, segundo o qual o público concedia à Folha a tarefa de investigar os fatos, recolher material jornalístico, editá-lo e publicá-lo. Ainda de acordo com o documento: "A força de um jornal repousa na solidez e na quantidade dos mandatos que lhe são delegados". Nesse período, essa afirmação, embora um tanto presunçosa, fazia total sentido, uma vez que o veículo, com efeito, conquistou corações e mentes, sobretudo entre os formadores de opinião. Dito de outra forma, o veículo estava em conformidade com o espírito de seu tempo.

Da década de 1980 para cá, no entanto, muita coisa mudou. E, em especial, houve a chegada da internet, que alterou a maneira como as pessoas consomem informação. E é fácil pensar que se trata de uma discussão exclusivamente econômica, ou seja, de que os jornais perdem financeiramente com a queda de anunciantes e o aumento do custo do papel. Com efeito, Otávio Frias Filho até comentou a respeito em seu artigo sobre o novo projeto editorial: "Durante décadas, o jornalismo clássico, dito de qualidade, que cultiva compromissos com a exatidão do que publica, com a relevância coletiva dos temas que aborda, com a manutenção do debate público foi sustentado por um modelo econômico hoje em risco". O problema, contudo, não é apenas econômico; tem a ver com os valores que o jornal, como ideia, representa. Assim, se, na década de 1980 e 1990, a Folha conseguia fazer o britpop acontecer por aqui, ou encampar a campanha a favor das eleições diretas, ou, ainda, chamar o presidente da República às falas em uma carta aberta, tudo isso estava relacionado à reputação, ao capital político que a publicação possuía junto aos formadores de opinião e, por extensão, junto à sociedade. Para o bem ou para o mal, essa realidade mudou.

Agora, são vários os leitores e muitas as leituras. Dificilmente, os formadores de opinião conseguem congregar em torno de si um exército de seguidores, e os jornais não mais moldam a cabeça do grande público. Nesse ponto, pode-se arriscar que a reforma na Folha, para além do novo projeto gráfico e dos 101 colunistas que compõem o quadro do jornal, tem mais a ver com a necessidade de a publicação se atualizar diante desse novo público/leitorado. Como que interessado, o jornal começa a perguntar: "do que você precisa saber?". Assim, por exemplo, sai de cena a análise sofisticada de um economista como Paulo Nogueira Batista Jr. e entra em cena a análise mais mundana do consultor Gustavo Cerbasi, autor de Casais inteligentes enriquecem juntos. Outros membros do chamado star system compõem o escrete do jornal, como Nizan Guanaes, Fernanda Torres, Antonio Palocci e Eike Batista. Aqui, é o que a Folha chama de aposta no conteúdo, mas o leitor mais experimentado está ansioso pelas grandes reportagens, pelo texto de qualidade. A conferir.

De volta ao texto em que dá algumas explicações sobre as mudanças ocorridas na Folha, Otavio Frias Filho, já no fim do artigo, afirma que, com a reformulação implantada, o jornal espera sinceramente melhorar, experimentar e arriscar. As intenções são semelhantes às da década de 1980. Naquele período, porém, toda a equipe que estava no comando da mudança estava na casa dos 20 e 30 anos. Este foi um fator determinante para que se estabelecesse um diálogo entre leitor e público jovem, conquistando, então, uma nova camada de leitores que permaneceriam fiéis aos jornais por muitos anos. Agora, Sergio Dávila, novo editor-executivo, e o próprio diretor de Redação estão distantes, em anos vividos, da chamada Geração Y. Conseguirá aquele grupo se fazer atraente para este último? Eis um desafio que está para além de uma questão de formato ou plataforma.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 15/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
02. Mais uma crise no jornalismo brasileiro de Julio Daio Borges
03. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo
04. Imitação da Vida e as barreiras da intolerância de Carla Ceres
05. A escolha de Gauguin de Humberto Pereira da Silva


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso
01. Orgulho e preconceito, de Jane Austen - 5/5/2006
02. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
03. Por que quero sair do Orkut (mas não consigo) - 2/2/2006
04. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
05. Teoria da Conspiração - 10/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/6/2010
12h45min
Melhorar a Folha é complicado, pois um jornal não se muda só com estética. Mas com estética, conteúdo e filosofia de vida. E isto é impossível. Tem às vezes conteúdos deprimentes e a filosofia do puxa-saquismo que é horrivel.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A IMIGRAÇÃO JAPONÉSA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO
ADEMIR MEDICI
FAC
(1983)
R$ 100,00



MISTÉRIOS DA PINDORAMA
MARION VILLAS BOAS
BIRUTA
(2000)
R$ 21,59



CIDADE DOS ANJOS CAÍDOS (VOL.4 OS INSTRUMENTOS MORTAIS)
CASSANDRA CLARE
GALERA RECORD
(2014)
R$ 19,00



CRIATURA CONTRA CRIADOR
SARAH K.
SM
(2016)
R$ 10,00



UMA PROVA DE CORAGEM
RITA FOELKER
EME
(1993)
R$ 8,00



MEMORIAS DE UM SARGENTO DE MILICIAS
MANUEL ANTONIO DE ALMEIDA
OBJETIVO
(1997)
R$ 5,00



LOUCURAS DE UMA PAIXÃO
MARIA ESTELA ORLANDELI
PETIT
(2018)
R$ 18,00



MORTE E VIDA POSITHIVA
BETO VOLPE
REALEJO
(2016)
R$ 46,00



TERAPIA DA SOLIDÃO
DANIEL GRIPPO
PAULUS
(2005)
R$ 6,90



GO GIRL - TODA HISTÓRIA TEM DOIS LADOS - VERDADE OU DESAFIO?
MEREDITH BADGER
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 34,50





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês