Jornais do futuro? | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 15/6/2010
Jornais do futuro?
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5300 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Amiúde as recentes mudanças editoriais e gráficas, há um texto, na última página do suplemento especial de apresentação do novo projeto, assinado por Otávio Frias Filho sobre sua Folha de S.Paulo. No artigo, Frias Filho dá algumas pistas acerca das motivações e das intenções do jornal. "Talvez jornais, revistas e livros impressos venham a desaparecer, talvez não. (...) Mas é pouco provável que o jornalismo de qualidade, tal como definido acima, desapareça da face da terra." Noves fora o fato de implicar que o jornalismo de qualidade seja aquele publicado nas páginas do veículo do qual é Diretor de Redação, o trecho de Frias é singular porque, pela primeira vez, um grande dirigente assume o que, aqui e ali, já vêm sendo fartamente comentado sobre o futuro dos jornais, a saber: a plataforma de papel talvez ― leia-se atentamente, aqui, o talvez ― não seja para sempre. Em outras palavras, trata-se de uma concessão que, até agora, os jornalistas brasileiros resistiram a dar. Nesse sentido, mais do que apreciar ou depreciar a reforma gráfica, ou, por outra, comemorar ou contestar as atualizações editoriais, melhor será observar o significado simbólico dessa renovação.

Em certa medida, a reforma na Folha é o fim de um ciclo de mudanças na mídia nacional. O leitor mais atento há de se recordar que, nos últimos três anos, boa parte dos principais veículos brasileiros sofreu mudanças gráficas. Da CartaCapital à Veja, passando pelo Estado de S.Paulo e Valor Econômico, alcançando, agora a Folha ― sem mencionar, no meio do caminho, o Jornal Nacional, com seu novo leiaute audiovisual. O termo "sofreu" não foi utilizado aleatoriamente. As mudanças acima citadas poderiam ser resumidas a restrições no tamanho dos textos ― com o aumento da fonte, mudança tipográfica ― e aumento sensível de infografia ― o aviso é claro: toda e qualquer informação que for passível de ser transmitida via arte não deve ser deixada em texto. Todavia, o que faz a mudança na Folha ser mais comentada que as demais se deve ao fato de que, para o jornalismo brasileiro, o veículo da rua Barão de Limeira tem um caráter por demais representativo, norteador, paradigmático. Assim, enquanto o Estadão muda para reafirmar sua posição editorial ― como na defesa do conteúdo de qualidade, em cadernos como o recém-lançado "Sabático", a mudança na Folha instaura um novo modelo de pensar o jornalismo. Grosso modo, é acertado observar nessa mudança uma conexão com o jornal que, na década de 1980, tornou-se aquele que os leitores adoravam odiar; o veículo que lançava as polêmicas mais saborosas de se acompanhar (José Arhtur Giannotti x Otávio Frias Filho; Paulo Francis x Caetano Veloso etc.); o diário que contava com o caderno cultural mais arrojado, provocador; por tudo isso, o jornal de preferência dos jovens.

Curiosamente, na mesma década de 1980, foram os jovens que implementaram uma verdadeira revolução no jornal. A análise está documentada em diversas pesquisas acadêmicas, mas alguns livros relatam bem o que houve no período. Dois deles ajudam a compreender o que aconteceu de maneira crítica. Em um livro de ensaios intitulado Síndrome da Antena Parabólica, o professor da USP Bernardo Kucinski explica de que modo a Folha se tornaria o jornal mais relevante ― mais odiado, utilizando os termos do autor ― do país. Já a pesquisadora Gisela Taschner, da Fundação Getúlio Vargas, no livro Folhas ao vento: análise de um conglomerado jornalístico, comenta como a ideia de renovação esteve no DNA do veículo, o primeiro a assumir uma vocação de produto jornalístico de forma tão escancarada. De cunho mais memorialístico, Carlos Eduardo Lins da Silva, tendo já pertencido do núcleo duro do jornal (e, mais recentemente, ombudsman entre 2008 e 2010), escreveu, em 1988, Mil Dias: a história da revolução de um jornal, obra em comenta e analisa o processo de adaptação daquela instituição para com o então novíssimo projeto editorial, cuja linha-mestra se pautava por um "jornalismo crítico, apartidário e pluralista", menos leniente com os erros, e que passaria a adotar um Manual da Redação. Este, por sua vez, não se tratava apenas de um documento que organizava a edição de textos, mas de um livro-texto normativo com as visões que a Folha assumiria editorialmente, dentre os quais o polêmico mandato do leitor, segundo o qual o público concedia à Folha a tarefa de investigar os fatos, recolher material jornalístico, editá-lo e publicá-lo. Ainda de acordo com o documento: "A força de um jornal repousa na solidez e na quantidade dos mandatos que lhe são delegados". Nesse período, essa afirmação, embora um tanto presunçosa, fazia total sentido, uma vez que o veículo, com efeito, conquistou corações e mentes, sobretudo entre os formadores de opinião. Dito de outra forma, o veículo estava em conformidade com o espírito de seu tempo.

Da década de 1980 para cá, no entanto, muita coisa mudou. E, em especial, houve a chegada da internet, que alterou a maneira como as pessoas consomem informação. E é fácil pensar que se trata de uma discussão exclusivamente econômica, ou seja, de que os jornais perdem financeiramente com a queda de anunciantes e o aumento do custo do papel. Com efeito, Otávio Frias Filho até comentou a respeito em seu artigo sobre o novo projeto editorial: "Durante décadas, o jornalismo clássico, dito de qualidade, que cultiva compromissos com a exatidão do que publica, com a relevância coletiva dos temas que aborda, com a manutenção do debate público foi sustentado por um modelo econômico hoje em risco". O problema, contudo, não é apenas econômico; tem a ver com os valores que o jornal, como ideia, representa. Assim, se, na década de 1980 e 1990, a Folha conseguia fazer o britpop acontecer por aqui, ou encampar a campanha a favor das eleições diretas, ou, ainda, chamar o presidente da República às falas em uma carta aberta, tudo isso estava relacionado à reputação, ao capital político que a publicação possuía junto aos formadores de opinião e, por extensão, junto à sociedade. Para o bem ou para o mal, essa realidade mudou.

Agora, são vários os leitores e muitas as leituras. Dificilmente, os formadores de opinião conseguem congregar em torno de si um exército de seguidores, e os jornais não mais moldam a cabeça do grande público. Nesse ponto, pode-se arriscar que a reforma na Folha, para além do novo projeto gráfico e dos 101 colunistas que compõem o quadro do jornal, tem mais a ver com a necessidade de a publicação se atualizar diante desse novo público/leitorado. Como que interessado, o jornal começa a perguntar: "do que você precisa saber?". Assim, por exemplo, sai de cena a análise sofisticada de um economista como Paulo Nogueira Batista Jr. e entra em cena a análise mais mundana do consultor Gustavo Cerbasi, autor de Casais inteligentes enriquecem juntos. Outros membros do chamado star system compõem o escrete do jornal, como Nizan Guanaes, Fernanda Torres, Antonio Palocci e Eike Batista. Aqui, é o que a Folha chama de aposta no conteúdo, mas o leitor mais experimentado está ansioso pelas grandes reportagens, pelo texto de qualidade. A conferir.

De volta ao texto em que dá algumas explicações sobre as mudanças ocorridas na Folha, Otavio Frias Filho, já no fim do artigo, afirma que, com a reformulação implantada, o jornal espera sinceramente melhorar, experimentar e arriscar. As intenções são semelhantes às da década de 1980. Naquele período, porém, toda a equipe que estava no comando da mudança estava na casa dos 20 e 30 anos. Este foi um fator determinante para que se estabelecesse um diálogo entre leitor e público jovem, conquistando, então, uma nova camada de leitores que permaneceriam fiéis aos jornais por muitos anos. Agora, Sergio Dávila, novo editor-executivo, e o próprio diretor de Redação estão distantes, em anos vividos, da chamada Geração Y. Conseguirá aquele grupo se fazer atraente para este último? Eis um desafio que está para além de uma questão de formato ou plataforma.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 15/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
03. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
04. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
05. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso
01. Orgulho e preconceito, de Jane Austen - 5/5/2006
02. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
03. Por que quero sair do Orkut (mas não consigo) - 2/2/2006
04. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
05. Teoria da Conspiração - 10/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/6/2010
12h45min
Melhorar a Folha é complicado, pois um jornal não se muda só com estética. Mas com estética, conteúdo e filosofia de vida. E isto é impossível. Tem às vezes conteúdos deprimentes e a filosofia do puxa-saquismo que é horrivel.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DECIDA-SE PELO SUCESSO
NOAH ST. JOHN
CULTRIX
(2003)
R$ 29,90



TEEN VILLAGE 1
DAVID SPENCER
MACMILLAN
(2008)
R$ 10,00



DO FUTURO - FATOS, REFLEXÕES, ESTRATÉGIAS
ANTONIO PASQUALI
UNISINOS
(2004)
R$ 7,90



RECIFE DOS HOLANDESES
JULIETA DE GODOY LADEIRA
ÁTICA
(1990)
R$ 4,42



O HÓSPEDE DE DRÁCULA COLEÇÃO MINI BIBLIOTECA
BRAM STOKER
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1996)
R$ 21,78



O CAVALEIRO DOS SETE REINOS HISTÓRIAS DO MUNDO DE GELO E FOGO
GEORGE R.R. MARTIN
LEYA
(2017)
R$ 42,00



A VERDADEIRA HISTÓRIA DE MARIA MADALENA
DAN BURSTEIN J. DE KEIJZER
EDIOURO
(2006)
R$ 74,00



O LAVATER DAS SENHORAS
EDOUARD HOCQUART
IMPRENSA OFICIAL
(2010)
R$ 31,99



O CANTOR PRISIONEIRO
ROGÉRIO BORGES; ASSIS BRASIL
MODERNA
(2004)
R$ 10,00



JUSTIÇA E COMPORTAMENTOS DE CIDADANIA NAS ORGANIZAÇÕES UMA ABORD
ARMÉNIO REGO
SÍLABO
(2000)
R$ 39,70





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês