A Bienal do Livro ― diário de bordo | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/9/2010
A Bienal do Livro ― diário de bordo
Gian Danton

+ de 6300 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Ilustra: o urso azul

Pela primeira vez conheci a Bienal do Livro de São Paulo. Como moro em Macapá, que fica a horas de viagem de avião ― ou dias, de ônibus (para quem for corajoso) ―, nunca havia tido a oportunidade de visitar o evento. Mas este ano tinha uma razão importante para comparecer: o lançamento do álbum MSP 50 (Panini, 2009, 200 págs.), em homenagem aos 50 anos de carreira de Mauricio de Sousa, do qual fui um dos autores, com uma história do Astronauta desenhada pelo cearense JJ Marreiro.

A viagem foi um horror. Na escala em Belém, entrou um garoto que sentou na cadeira do corredor. No meio, uma mulher que desmaiou tão logo o avião levantou voo. E eu na janela. Lá pelas tantas, o garoto desprendeu a bandeja de refeições, colocou os pés para cima e começou a brincar: a bandeja caía, ele a chutava, ela caía de novo e ele voltava a chutar. E foi assim a viagem toda. A mãe, sentada do outro lado do corredor, em nenhum momento sequer fez menção de pedir para ele parar. Só olhava, como se não fosse com ela. Quando o barulho se tornava insuportável, a mulher sentada entre nós fechava a bandeja e o garoto começava ou a bater no encosto da poltrona, ou a correr pelos corredores, mesmo nos momentos de turbulência. Enquanto isso, eu tentava ou dormir ou ler, e não conseguia nem uma coisa nem outra. Passei a noite e o início da manhã em claro.

Cheguei a São Paulo no dia 13 de agosto, sexta-feira, o primeiro da Bienal aberto ao público. Um dia morno, com pouca gente, muitos estandes fechados. Tivemos a oportunidade de conversar com Franco de Rosa, que produz várias revistas para a editora Escala e é dono da editora Kalaco, que está lançando o álbum de luxo com as primeiras pranchas de Flash Gordon. Além disso, encontramos com Sidney Gusman, coordenador editorial da Mauricio de Sousa Produções, que nos levou até Mauricio de Sousa, que autografava no estande de uma editora de livros.

Apesar do pouco movimento, a fila era imensa e houve muita reclamação quando ele parou para falar conosco e autografar nossos exemplares do MSP 50. Aliás, se houve uma estrela nessa Bienal, foi Mauricio de Sousa. Por onde ele andava, uma multidão o seguia. Só o padre Marcelo Rossi conseguiu atrair tanta gente. Nem mesmo políticos conseguiam competir com sua popularidade. José Serra, ao visitar a Bienal, era seguido por uns poucos assessores e muitos jornalistas. Povo mesmo, quase ninguém.

Sidney Gusman mostrou os corredores e profetizou: "amanhã vocês não vão conseguir nem mesmo andar aqui". De fato, no sábado o público do evento foi recorde: 80 mil pessoas. Em alguns estandes era impossível entrar. Também havia muitas atrações. Mesmo indo nos três dias, não conseguimos ver tudo. Havia uma exposição adornada com livros imensos, com filas igualmente imensas que em nenhum momento nos dispusemos a enfrentar. A quantidade de editoras e livrarias era um paraíso para um bom leitor e ao mesmo tempo um desespero para quem queria sair de lá ou encontrar algo. Só no segundo dia começaram a distribuir um mapa do local. Até então, era muito comum nos perdermos no meio das dezenas de estandes num espaço que, para piorar, era quadrado.

Dois fenômenos chamavam atenção: muitas editoras de livros populares, a preços de R$ 5,00 ou R$ 10,00, e muitas editoras espíritas. Havia, creio, duas editoras evangélicas (uma delas a Luz e Vida, do famoso Smilinguido, que sempre chama a atenção das crianças), uma editora católica... e quatro estandes apenas de editoras espíritas, alguns deles lotados. O romance Nosso Lar, de Chico Xavier, que se transformou em filme, fazia sucesso não só nas páginas impressas, mas na grife que incluía chaveiros e camisetas. Pesquisas demonstram que os espíritas têm, em média, um nível de estudo mais alto, o que explica o sucesso dos livros espíritas.

Outra atração muito falada foram os livros virtuais. Conheci um, o Gato Sabido, no estande do Submarino. Embora interessante, pareceu limitado, uma espécie de MP4 grande, com poucos recursos, além da ausência de cores. Apesar das limitações, há uma grande empolgação pela possibilidade de reunir em um objeto pequeno e leve até mil livros. Os estudantes de direito, que são obrigados a andar para cima e para baixo com imensos vade mecum, por exemplo, são possíveis compradores da novidade.

No domingo à tarde foi o lançamento oficial do MSP 50. A coordenação do evento reservou o horário de 16 às 17 horas para o encontro de Mauricio com os autores. Mas colocaram esse encontro numa sala de vidro, no exato local em que o criador da Turma da Mônica iria autografar a partir das 17 horas. Sua presença fez com que um verdadeiro mar de gente se aglomerasse do lado de fora. Muitos se escoravam no vidro e, com o risco de um acidente, foi necessário colocar seguranças do lado de fora, para afastar as pessoas.

Duas imagens marcaram a Bienal para mim: ver um autor de quadrinhos nacionais tratado como verdadeiro popstar e ver milhares de pessoas comprando e lendo literatura. Crianças sentavam no chão, deliciando-se com livros como se fossem brinquedos, uma visão reconfortante num país que ainda sofre com o analfabetismo funcional e baixíssimos níveis de leitura.

E, inevitavelmente, acabei me lembrando do garoto que passou a viagem infernizando os passageiros, chutando a bandeja. Meus filhos estão acostumados a viajar desde muito pequenos e ambos têm um ritual: mal entram no avião, cada um pega um livro ou gibi e passam a viagem inteira entretidos com palavras e desenhos. Como dizia Monteiro lobato, a diferença entre um bruto e um civilizado é apenas de educação. E educação passa pelos livros. Sejam eles físicos ou virtuais. Daí a importância de eventos como a Bienal do Livro.

Para ir além






Gian Danton
Goiânia, 6/9/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
03. Radiohead e sua piscina em forma de lua de Luís Fernando Amâncio
04. Por que a discussão política tem de evoluir de Julio Daio Borges
05. A terra da bruma, de Arthur Conan Doyle de Ricardo de Mattos


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2010
01. Os dilemas da globalização - 8/11/2010
02. Glauco: culpado ou inocente? - 29/3/2010
03. 2009: intolerância e arte - 4/1/2010
04. Maria Erótica e o clamor do sexo - 25/10/2010
05. As fronteiras da ficção científica - 3/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/9/2010
11h48min
As imagens que marcaram: autor de quadrinhos tratado como popstar e milhares de pessoas consumindo literatura, concordo, são imagens de Bienal. Mas note, o nome já diz: Bienal, movimento a cada dois anos. A educação que transforma o bruto tem que ser diária, cotidiana. A Bienal, sem desmerecê-la, é elitizada, para poucos. Precisamos que saraus, feiras de livros, movimentos literários periféricos sejam incentivados, precisamos que a literatura não tenha apenas palco para estrelas, estas ficam longe da terra. Há que se trabalhar na comunidade em que se vive, juntando a família e amigos para ler uns aos outros, tal qual fazemos para jogos de futebol e último capítulo de novela. Isto, sim, seria impressionante. A Bienal é maravilhosa, mas também, com as verbas e incentivo que tem, não poderia ser diferente. É um evento livreiro que marca a vida, precisamos de movimento literário que componha a vida.
[Leia outros Comentários de Eliana de Freitas]
10/9/2010
16h02min
Quando há filhos que comportam-se, que leem, estes com certeza tiveram o privilégio de um processo educacional, que é cada vez mais raro. Continuar a educar os nossos filhos pra terem uma leitura de mundo que privilegie o respeito ao próximo é ótimo, e, quando é alguém que lê, é excelente. Desperta a curiosidade e refina a intelectualidade.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIREITO E PROCESSO DO TRABALHO- COLEÇÃO OAB NACIONAL
ANDRÉ HORTA MORENO VENEZIANO
SARAIVA
(2009)
R$ 35,91



MADRU - A LENDA DA GRANDE FLORESTA
FREDERIK HETMANN
PENSAMENTO
(1995)
R$ 15,00



ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: PARA CURSOS DE ECON. ADMINISTRATIVA
MARCO ANTONIO SANDOVAL DE VASCONCELLOS / AMAURY P.
ATLAS
(1996)
R$ 6,90



DO FEUDALISMO AO CAPITALISMO - UMA DISCUSSÃO HISTÓRICA
THEO SANTIAGO
CONTEXTO
(1988)
R$ 23,57



TEATRO COMPLETO DE ARAÚJO PORTO-ALEGRE - TOMO II
EDWALDO CAFEZEIRO E RENATA GUERRA ( ORG. )
FUNARTE
(1997)
R$ 12,00



REVISTA CARTA NA ESCOLA N° 10
N/D
CONFIANÇA
(2006)
R$ 23,00



VOCABULÁRIO JURIDICO VOLS. 1, 2, 3 E 4, 2 EM 2
DE PLÁCIDO DA SILVA
FORENSE
(1996)
R$ 39,95



BRASIL-MENINO
FÁTIMA MIGUEZ
DCL DIFUSÃO CULTURAL DO LIVRO
(2006)
R$ 25,00



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2012)
R$ 12,04



REI BRANCO RAINHA NEGRA
PAULO AMADOR
LE
(1992)
R$ 5,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês