O que fazer com este corpo? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL CORO NA QUARENTENA
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Esboços de uma biografia precoce não autorizada
>>> A une passante
>>> 12 de Julho #digestivo10anos
>>> The Good Life
>>> A odisseia do homem tecnomediado
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
>>> Van Halen 2013
>>> Treehouse
>>> Música em 2004
Mais Recentes
>>> Folha Explica - Guimarães Rosa de Walnice Nogueira Galvão pela Publifolha (2000)
>>> A Linguagem das Cem Flores de Regina Obata pela Círculo do Livro (1986)
>>> A partilha do Sensível de Jacques Rancière pela 34 (2009)
>>> Revista Caras Extra Nr 18 Álbum De Xuxa E Sasha de Vários Autores pela Caras (1998)
>>> Marco Polo e a Rota da Seda de Jean-Pierre Drège pela Objetiva (2021)
>>> Psicoterapia Reencarnacionista: A terapia da Reforma Íntima de Mauro Kwitko pela Besouro Box (2015)
>>> A pesquisa na psicologia social de Leon Festinger e Daniel Katz pela FGV (1974)
>>> Xuxa de Ana Lucia Neiva pela ArtMeios (2001)
>>> Poesia 1930 - 1962 (Edição Crítica) de Carlos Drummond de Andrade pela Cosac Naify (2012)
>>> Psicoterapia à luz da Apometria de Clecio Carlos Gomes pela Terceira Margem (2000)
>>> O prazer de Viver de Felipe Rodrigues pela Chiado (2016)
>>> Psicologia Integral de Ken Wilber pela Cultrix (2017)
>>> Leadership and the New Science: Discovering Order in a Chaotic World de Margaret J. Wheatley pela Berrett-Koehler (1999)
>>> Por que os Homens Amam as Mulheres Poderosas de Sherry Argov pela Sextante (2009)
>>> A Aura Humana de Walter J. Kilner a Aura Humana pela Pensamento (1989)
>>> Estudios Sobre Técnica Psicoanalitica de Heinrich Racker pela Editorial Paidos (1979)
>>> Learning to Be Me: My Twenty-three-year Battle With Bulimia de Jocelyn Golden pela Iuniverse (2007)
>>> Em Busca de Mim de Isabel Vieira pela Ftd (2000)
>>> Valiosa Vida de Felipe Quartero pela Livre Expressão (2011)
>>> O Cérebro Consciente de Steven Rose pela Alfa-omega (1984)
>>> Royal Botanic Gardens Kew de Souvenir Guide pela Royal Botanic Gardens (2000)
>>> As Dez Maiores Descobertas da Medicina de Meyer Friedman; Gerald W. Friedland pela Companhia das Letras (2000)
>>> A Arte de Curar no Budismo Tibetano de Terry Cliffford pela Pensamento (1987)
>>> And the Winner Is... os Bastidores do Oscar de Emanuel Levy pela Trajetória Editorial (1990)
>>> The Fate of Art - Aesthetic Alienation From Kant to Derrida and Adorno de J. M. Bernstein pela Penn State University Press (1992)
>>> Loterofilia - A arte de colecionar bilhetes de loteria de Sylvio Luongo pela Publicação independente (2014)
>>> Viva Bem Com a Coluna Que Você Tem. de José Knoplich pela Ibrasa (1979)
>>> O Sorriso Distante de Anita Brookner pela Bertrand (2000)
>>> O Eu e o Inconsciente - Vol. VII / 2 de Carl Gustav Jung pela Vozes (2008)
>>> Auras Humanas: Onde o Abstrato Se Cruza Com o Concreto de Colette Tiret pela Pensamento (1985)
>>> Samba na Cidade de São Paulo - 1900-1930: um Exercício de Resistência de Iêda Marques Britto pela Ffclusp (1981)
>>> Fotos e Faces do Brasil, Personae de Madalena Schwartz pela Funarte (1997)
>>> Semiologia e Comunicação Linguística de Eric Buyssens pela Cultrix
>>> Gangsta - Vol. 1 de Kohske pela Jbc (2015)
>>> Exercícios de Arte para Grupos de Marian Liebmann pela Summus Editorial (2000)
>>> Zetsuen no Tempest - Vol. 10 de Kyo Shirodaira Ren Saizaki e Arihide Sano pela Jbc (2015)
>>> Fernando e Humberto Campana de Carlos Eduardo Leite Perrone pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Relativizando Uma Introdução à Antropologia Social de Roberto da Matta pela Rocco (1987)
>>> Estudos Fotográficos, Thomaz Farkas de Thomas Farkas, Sergio Burgis e outros pela Instituto Olga Kos (2019)
>>> Curso de Direito Constitucional de Manoel Jorge e Silva Neto pela Lumen Juris (2009)
>>> Direito Constitucional de Leo van Holthe pela Podium (2007)
>>> Estratégias do Pensamento de Larry E. Wood pela Circulo do Livro (1986)
>>> História do Paraná de Romário Martins pela Farol do Saber (1995)
>>> Cien Años de Soledad - Edicíon Conmemorativa de Gabriel Garcia Márquez pela Alfaguara (2007)
>>> Direito Penal de Paulo Queiroz pela Lumen Juris (2010)
>>> Direito Civil/Teoria Geral de Cristiano Chaves de Farias/Nelson Rosenvald pela Lumen Juris (2010)
>>> Como Passar/Super-Revisão de Wander Garcia pela Foco (2012)
>>> Cinquenta Tons de Cinza Vol 1 de E. L. James pela Intrinseca (2012)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos. Finanças Para Casais de Gustavo Cerbasi pela Gente (2018)
>>> Caminho Percorrido - Poesias de Vera Maria pela Folha Carioca (1961)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/1/2021
O que fazer com este corpo?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 1200 Acessos

"Como morrer" é um negócio que a gente faz questão de pensar pouco, mas incomoda bastante. Às vezes fico pensando por dias sobre gente que considero que teve certa sorte ao morrer, gente que morreu terrivelmente, mortes lentas, mortes rápidas, mortes provocadas, premeditadas, muito imprevisíveis, etc. Penso como o Estado lida com a morte, como a gente lida com ela.

Temos falado tanto em morte neste último ano e já ouvi, mais de uma vez, alguém dizer que tem medo de morrer sem ar, justamente uma das possibilidades assustadoras da covid-19. Quando me lembro dos meus avós, me vem a ideia de que uns morreram "bem", outros, nem tanto. Uns ficaram morrendo por anos e anos... outros levaram horas, minutos e nem souberam a causa. Que felicidade, penso.

Outro dia, soube de alguém que morreu subitamente... e só deram falta dias depois. Nosso confinamento em solidão deve ter ensejado várias mortes assim. Também soube de gente que morreu arrastadamente, matando um pouco todos e todas que estavam em volta. Minha mãe tem falado muito em morte, mas por conta de um problema cardíaco. Já até escrevi aqui sobre a vontade dela de ser enterrada num determinado cemitério, no plano funerário que ela quer adquirir, etc. Eu não quero. Outro dia, recebi um telefonema de telemarketing de um plano desses. Desliguei antes de terminarem de falar. Não sei o que me deu. Depois tive medo de rogarem uma praga mortal. Será que esse pessoal tem mais poder nessas coisas?

Chegou por WhatsApp, num dos poucos grupos que aguento ter, um link para uma revista acadêmica de estudos sobre a morte. Fiquei impressionada, positivamente. Deu vontade de ler tudo, todos os artigos, em sua cientificidade, falando em mortes invisíveis, mortes violentas, adolescentes que morrem e "somem" ou "são sumidos", gente que desaparece na burocracia do Estado.

Morrer é um grande incômodo; o que fazer com o corpo é ainda mais. Como dar cabo de uma carcaça que nos entristece, pela qual ainda temos respeito? Ou, ao contrário, dar fim a um corpo indesejado? Isso é problema de assassino, e tal não é o meu caso. Mas aquele momento esquisito de tomar decisões sobre o morto ou a morta queridos é bem incômodo.

Tem sempre alguém mais diligente na família, que bom. Tem sempre quem consiga telefonar, pedir a coroa de flores (escolher, fazer uma encomenda, curadoria floral, etc.). Alguém tem de decidir o modelo do caixão, se a família tiver condições. Mapear um cemitério, ver a posição da cova, plaquinha e tal e coisa. Terrível. Eu acho que não serei essa pessoa. Eu me desmonto demais por muito menos.

Essa tal revista científica me deu um choque de realidade, tratou de coisas que geralmente são tabus. A gente evita falar do que não quer, evita aproximações. Não é assim? E a morte é, em nossa cultura, algo de ruim, de indesejado. Não a queremos rondando, exceto quando temos uma necropolítica no poder. Aí são outros quinhentos.

Perdi relativamente poucas pessoas na família. Do núcleo próximo, ninguém, ainda bem. Um susto aqui e outro ali, mas nada irreversível. Aí vamos nos distanciando e vão aparecendo casos: tias, avós. Quando as pessoas morrem velhas, têm nossa compreensão. É triste, claro, mas a despedida é serena, embora essas mortes possam ter gerado outros sofrimentos. Cada pessoa tem sua história de vida e sua história de morte. Cada um dos meus quatro avós morreu de um modo completamente diferente do outro. Uns sofreram mais, durante anos e anos, tornando a convivência sempre envolta num clima de tristeza. Sempre me abalei muito. Outros se foram "como passarinhos", como dizemos aqui, o que causava dor, mas trazia um alívio que era sentido pelas pessoas ao redor quanto ao próprio morto: não sofreu.

As primeiras mortes com que tive contato foram de pessoas conhecidas, mas não muito próximas. Isso me chocava, me deixava meio sem sono. Morreu primeiro um ex-paciente do meu pai, um senhor que havia me apadrinhado quando nasci. Tive ataques agudos de tristeza na morte dele, e ele só me via uma vez por ano. Depois a mãe de uns amigos, o pai de uma amiga. E sempre evitei velórios, como evito casamentos. A morte nunca desceu bem e ainda não desce; pior ainda quando é de alguém mais querido, mais próximo, caso de uma tia jovem que se foi num acidente de carro. Essa me deixou trêmula por horas a fio. E vê-la no caixão foi algo que ainda me devolve a uma das cenas mais tristes da minha vida, a um dos abraços mais sentidos que já dei: aquele na minha avó, mãe dela.

Assisti meio recentemente à primeira cremação da minha vida e achei digno. Bem mais digno do que aquele caixão baixando e uma terra ávida o soterrando. O fogo me parece inclusive mais purificador. O problema é o que fazer depois... como sabemos. Um parente guarda a urna da esposa na mesa de cabeceira. Não, eu nem dormiria direito desse jeito. E deve ser um incômodo para o morto, em alguma dimensão, sei lá. Só sei que esta carcaça que usamos e gastamos ao longo da vida, curta vida, dá um trabalho danado depois que se torna um amontoado de ossos e carnes em decomposição. Ver um rosto sem a alma no olho é uma cena impressionante. E não somos educados para isso, para esse dia que sempre chegará. Imagina! Se não somos educados para envelhecer, se nos fazemos tão mal não aceitando a velhice e a doença, o que esperar de nossas disposições para a morte, não é mesmo? Às vezes é só o que desejo: uma vida bacana, apesar de tudo o que há contra, e uma morte serena.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 1/1/2021


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
04. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quando Ele Voltar
Ricky Medeiros
Vida e Consciencia
(2000)
R$ 8,00



A Quietude da Terra, Vida Cotidiana, Arte Contemporânea e Projeto Axé
France Morin
Museu de Arte Moderna da Bahia
(2000)
R$ 20,00



Poetry Comics a Cartooniverse of Poems
Dave Morice
Quartet Books
(1983)
R$ 60,00



Symposiumciba Tomo 09 Nª 2
Ciba
Ciba
(1961)
R$ 17,00



Fragmentos
Stanley Buchthal/Bernard Comment
Tordesilhas
(2011)
R$ 54,90



Farsália. Cantos de I a V
Lucano
Unicamp
(2016)
R$ 52,28



Para Filosofar Edição Remormulada
Cord/Santos/ Schlesener E Outros
Scipione
R$ 25,00



Las Meninas: los Enigmas de La Obra Maestra de Velázquez;
História National Geographic, Nº 144
National Geographic
(2012)
R$ 28,82



A Lei Maria da Penha em Cordel
Tião Simpatia
Armazém da Cultura
(2012)
R$ 15,00



As Fogueiras do Rei
Pedro Casals
Record
(1990)
R$ 5,00





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês