Tropikaos | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
35732 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> Big Band Infanto-Juvenil do Guri traz o melhor do Jazz para Casa-Museu Ema Klabin
>>> Pátio Alcântara realiza a '6ª Mostra de Orquídeas'
>>> Espetáculo 'Ana Bastarda' dança o feminismo no Brasil
>>> Série Bravos! apresenta a trajetória da artista maranhense Thabata Lorena
>>> Caminhos da Reportagem discute preconceito, tabu e silêncio em torno do suicídio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> No compasso de espera
>>> O que sei do tempo V
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Meu Primeiro Livro
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> O Mistério dos Incas
>>> Black Sabbath 2013
>>> 20 anos do Dois
>>> Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse
>>> Orquestra de Câmara F. Liszt
>>> perversão sexual
>>> Amy e a hipocrisia coletiva
Mais Recentes
>>> Revista de literatura
>>> Revista de literatura
>>> Vida acadêmica - Guia Prático do Universitário
>>> A Cidade de Mil Olhos
>>> A Saúde em Estado de Choque
>>> O Futuro do EU- um Estudo da Sociedade da Pós-Identidade
>>> Kathryn Kuhlman- uma Biografia autorizada
>>> Fundamentos de Engenharia de Petróleo
>>> Como Fazer Seu Filho Trocar O Não Pelo Sim
>>> Paratii: Entre Dois Polos
>>> Resposta Certa
>>> Lineamentos De Direito Eleitoral
>>> A Moda
>>> Comer Rezar Amar
>>> A Ponte
>>> Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber
>>> Agora estou sozinha... 3ª ed.
>>> A Invasão Cultural Norte Americana
>>> Manual De Ética, Redação E Estilo Zero Hora
>>> Feias, quase cabeludas
>>> Como Fazer As Pessoas Gostarem De Você À Primeira Vista
>>> Tópicos Em Bancos De Dados, Multimídia E Web
>>> O Papel Do Educador Na Era Da Interdependência
>>> Sexo Na Cabeça
>>> Comprometida - Uma história de amor
>>> O Livreiro De Cabul
>>> Disputas Antigas E Outras Citações
>>> O Levante de 44 - A Batalha Por Varsóvia
>>> BR 040 - Na Trilha Das Capitais Do Brasil
>>> Os Eleitos
>>> Cálculo Volume 2
>>> Tempo de travessia - O segredo das pedras II
>>> Contabilidade Geral Fácil
>>> Administração de Vendas - PLT
>>> Villa-Lobos e a Música Popular Brasileira: Uma Visão Sem Preconceito
>>> A Escola como Sistema Complexo- A ação, o poder e o sagrado
>>> Estudos afro-asiáticos 5 - O pensamento de Frantz Fanon...
>>> Os condenados da terra
>>> Mães Pais & Filhos
>>> Para Tarsila
>>> Corações Blues E Serpentinas
>>> Nunca Antes Na História Deste País
>>> Diário De Uma Encrenqueira - Pérolas Ou Pegas
>>> Terceirização E Multifuncionalidade
>>> Adequação Empresarial - Direção E Foco
>>> Anábase - História Da Gazeta Mercantil
>>> O Longo Inverno - A Batalha do Bulgre
>>> 30 Segundos de Televisão Valem Mais do que 2 Meses de Bienal de São Paulo - Isto é Bom ou é Ruim?
>>> Diário de Berlim Ocupada - 1945 - 1948
>>> As Leis Fundamentais Para O Crescimento Na Vida
COLUNAS

Quarta-feira, 19/12/2007
Tropikaos
Guga Schultze

+ de 7500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Tropicalismo é um termo não muito funcional para definir o que estava acontecendo na música, no Brasil, no final dos anos sessenta. Assim como a gente pode, por exemplo, apelidar um cachorro de "Banana", isso é só um nome e, encarado como tal, é perfeitamente admissível, mesmo que o cachorro lembre apenas vagamente uma banana, ou nem isso.

Tropicalismo é a mesma coisa, não é um nome que caracterizava perfeitamente a bagunça alegre dos baianos, que apareceram bem na hora em que havia uma tentativa de politização musical dentro da MPB, a famigerada música popular brasileira. Havia alguma coisa tropical ali, é verdade, mas aquele visual colorido (que influenciou fortemente a consolidação do nome Tropicália junto à mídia) a gente via estampado igualmente naquelas kombis velhas dos hippies de São Francisco, Califórnia. Era o auge do flower power nos EUA e os baianos eram, na aparência, hippies assumidos. Mas não estavam realmente nessa onda, pelo menos musicalmente.

O som da Tropicália era um caos. Ainda parece um caos, ouvido hoje. Algumas orquestrações exageradamente estridentes, formulações musicais díspares demais entre si, o laboratório de algum cientista maluco e meio trapalhão. Esse sujeito poderia ter sido o Chacrinha, por exemplo, o grande animador da TV brasileira, que já era um tropicalista por natureza, antes da tropicália. Chacrinha era um agente da Kaos (melhor que "do caos") e seus programas de auditório eram uma coisa divertida, colorida e anárquica. Fica difícil não imaginar que ele poderia ser, com muita propriedade, o inventor do tropicalismo.

Depois do intimismo "burguês" da Bossa Nova, considerado por muitos como excessivo, e sob a botina militar do governo vigente (vigente de "vi gente sendo presa"), ensaiava-se, no Brasil, uma "conscientização política", a ser ministrada nas canções, em doses cada vez menos homeopáticas. Por "conscientização política" entenda-se marxismo, ou trotskismo, ou lenilismo, ou stalinismo, ou maoísmo, ou castrismo... essas coisas, o de sempre. Esse também é um termo francamente inadequado, a menos que "política" signifique esquerda e "conscientização"... bem, se refira ao uso exclusivo do lado esquerdo do cérebro, talvez. Ou será o direito? Sei lá.

Naquela época a MPB era levada a sério, uma coisa meio impensável, hoje. Era tema constante de debates acalorados, artigos inflamados nos jornais ou revistas. Em suma, lenha na fogueira das vaidades. Na TV havia uma série de sujeitos, provavelmente admiradores ferrenhos de Carlos Lacerda, que apareciam em alguns programas, discutindo, julgando como magistrados a música brasileira. Imitavam os trejeitos de Lacerda, o punch verbal, o terno cinza levemente amarrotado, a gravata torta e os óculos de aros grossos, pretos, que eles tiravam e colocavam na cara durante as frases bombásticas. Era uma boa caricatura e funcionava, atraía a atenção da classe média - que era quem assistia televisão -, interessada mais pela encenação cafajeste, pela promessa de baixaria, ainda latente na TV, do que pela discussão em si que, na maioria das vezes, era tão cretina quanto seus articuladores.

A classe estudantil, então chamada assim, também levava a coisa a sério. Outro termo esquisito, porque uma classe estudantil seriam alunos dentro de uma sala de aula. Mas não, aqueles estudantes reinvidicavam o status de camada social, toda composta de estudantes, claro, ainda que a maioria deles nem estudasse muito. Contra a seriedade ostensiva do regime, contra a seriedade histriônica da TV, os estudantes da época gostariam de impor a seriedade, não menor, de seus ideais revolucionários. Todo mundo era muito sério. Para não dizer reacionário mas, já que foi dito, é melhor consertar para "intransigente". A MPB era discutida por facções intransigentes, várias convicções e pouco consenso. A não ser este: de que o negócio da MPB era um assunto da maior seriedade.

Mas é bom lembrar que, enquanto isso, a juventude suburbana das grandes cidades já descobria seus ídolos, Roberto Carlos e a patota barulhenta, feliz e visceralmente brega (com pouquíssimas exceções?) da Jovem Guarda, que só foi levada a sério, inicialmente, pelos tropicalistas e, naturalmente, pela mídia "pensante" alguns anos depois.

Os baianos vieram bagunçar o coreto, embaralhar as perspectivas, "desafinar o coro dos contentes", dos descontentes e dos (raros) indiferentes. Como movimento, a Tropicália poderia ser apenas a história do jovem Caetano Veloso, do momento em que apareceu nos palcos da TV Record, no festival da canção de 1967, cantando "Alegria, alegria" até seu exílio em Londres, no ano seguinte. O movimento se resume, basicamente, nas coisas que Caetano e Gil fizeram nesse período; eles e o diâmetro daquele círculo de influência que traçaram ao seu redor. O movimento foi batizado por jornalistas e o nome, Tropicalismo, posteriormente assumido.

Caetano, magrelo, com aquela cara de curinga de baralho, era mesmo um curinga, uma carta que podia mudar o jogo. Conseguiu um quarto lugar naquele festival da canção com uma melodia que era quase uma marchinha de carnaval. De rock mesmo só havia a banda, os cabeludos argentinos Beat Boys, mas Caetano foi imediatamente acusado de corromper a MPB com o rock'n'roll. Uma acusação que pecava pela rigidez, já meio boba naquela época em que os Beatles estavam distorcendo até os ouvidos menos atentos ao novo som do rock.

O impacto mais poderoso de "Alegria, alegria" (a canção que abre, praticamente, o tropicalismo), foi causado pela sua letra. Essa sim, inovadora e com um clima completamente fora dos padrões habituais da MPB de então. Existiam, até então, palavras-chave no cancioneiro popular e o universo que elas aglutinavam à sua volta era característico. Havia o samba, com as rosas, as morenas, as mulatas, o batuque, a dor de cotovêlo, o lamento, o pinho, a viola, a paixão e o luar, por exemplo. O universo brejeiro e choroso do samba. A Bossa Nova inovou no tom coloquial, no uso do diminutivo; algumas letras mais arrojadas mas, ainda assim, uma crônica intimista e um pouco mais otimista dos mesmos sentimentos básicos, o amor, o sorriso e a flor. A emergente canção de protesto cantou Marias, lavadeiras, favelas, morros, seca e retirantes - uma nota de desespero se instalava num grande número dessas canções e o desespero, seja boêmio, apaixonado ou político, ainda era uma tônica imediatamente reconhecida, portanto, tradicional. Mas a letra de "Alegria, alegria" simplesmente fugia desse padrão e apontava para outra visão possível, para uma modernidade até então ausente nos textos musicais.

Caetano valorizou, ou revalorizou como ninguém a letra de uma canção. Fez algumas que são poemas verdadeiros, na tradição da grande poesia sul-americana, se quiserem. "Janelas abertas num. 2"; "Tropicália"; "Sua presença morena". Como músico, é apenas competente. O grande músico tropicalista (continua sendo) foi Gilberto Gil que, inclusive, é um letrista muito bom. A pergunta já foi feita: letra de música é poesia? A resposta correta é uma pérola da concisão: depende. Acredito, por exemplo, que "Janelas abertas num. 2" é um poema, antes de possuir a melodia. Ou seja, foi escrita, talvez, como um poema, depois veio a música. De qualquer forma, pode ser lida como um poema e é um poema notável, em qualquer dimensão. As canções são geralmente feitas na ordem inversa, o que não invalida o fato de que algumas letras alcancem o terreno da poesia explícita. Muitas vezes a poesia de uma letra está numa frase, ou num verso apenas. Mas Caetano chegou a produzir alguns poemas inteiros e reais.

Poesia, inclusive, é um dos aspectos fundamentais do tropicalismo, na medida em que ele arregimentou alguns nomes como Torquato Neto, Capinam e mesmo Tom Zé. Ou era algo que se parecia mais com poesia do que com qualquer outra coisa e não apenas com uma letra de música. Caetano inaugurou uma nova sensibilidade poética e conseguiu, por incrível que pareça, impor sua refinada lírica no coral, geralmente meio jeca, da MPB.

Outra coisa que o tropicalismo fez, apesar da oposição inicial dos puristas, foi também uma revalorização da velha guarda. De Vicente Celestino a Carmem Miranda, Lupicínio Rodrigues a Ismael Silva. Caetano surpreendia esses puristas com seu apreço às vertentes mais tradicionais da MPB. E tangos, rumbas e mambos; a américa latina, carnaval e purpurina. E praticamente nada de rock. Isso talvez tenha sido um problema para mim, por exemplo. Era uma época em que a segunda onda do rock chegava com força total (a primeira foi Elvis e sua turma) e os tropicalistas não estavam nem aí, as roupas hippies não escondiam a indiferença e isso causava um contraste estranho para os jovens roqueiros de então. Havia, sim, Os Mutantes, mas não eram a tropicália. Gal Costa cantou em 72 o "Vapor Barato", de Jards Macalé e Wally Salomão, mas os tempos já eram outros.

E os tempos, efetivamente, se tornaram outros a partir do exílio de Caetano e Gil. De Londres, Caetano escrevia algumas coisas para O Pasquim. Eu ficava mais tranqüilo, o poeta ainda estava lá, com sua verve intacta. Mas O Pasquim promovia então um "carioquismo", uma apologia do jeito carioca de ser, incompatível com a "baianice" dos tropicalistas. Acabaram brigando. Caetano voltou do exílio, O Pasquim pasquinava, os Beatles acabaram. Não necessariamente nessa ordem. Mas, usando o linguajar irônico d'O Pasquim, todo mundo sabia desde então que a Tropicália tinha sido inserida no contexto.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 19/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
02. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos
03. Abdominal terceirizado - a fronteira de Marta Barcellos
04. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou de Jardel Dias Cavalcanti
05. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Tropikaos - 19/12/2007
04. Barba e bigode - 4/7/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/12/2007
08h31min
Sei que em relação à Tropicália há muitas controvérsias, até mesmo, como denominação. Mas, o que temos de ver é que, mesmo musicalmente caótica, trouxe novas cores para a música brasileira. Quem viveu aquela época sabe disso. Na realidade, houve explosões diversas em várias direções: nem sempre simultâneas, algumas referidas em seu artigo: Bossa Nova, Jovem Guarda, os Beatles/Rolling Stones, Vinícius/Toquinho, Chico/Jobim entre outros e os Baianos. Sim, eles trouxeram uma roupagem nova para a MPB, trouxeram questionamentos, novos padrões comportamentais, novo visual. Se eram realmente bons ou ou não, é outra história. Os artistas eram divididos em grupos: alienados(como Vinicius) e engajados(como Vandré), vanguarda (como Mutantes) e aí vai. Mas, penso: Quem dera hoje na música brasileira surgissem tantos talentos! Sem nostalgia, mas faz falta. Caetano e Gil são mestres, são aves raras, a despeito de tanta crítica. Ótimo texto o seu, parabéns. Bj. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
1/1/2008
19h01min
Acredito que se não fosse a influência do tropicalismo com todos os seus personagens naquela época na música brasileira, mudando todo um modo de ser e de vestir, nós estaríamos muito mais influenciados pela música norte americana do que estamos. Afinal de contas, Tropicalismo também é brasileirismo. Quem dera se pudéssemos ter um movimento músical atual, com este cabedal de brasilidade... Iriamos banir de vez os funks e outras denominações estrangeiras de nossa cultura musical. Mas talvez agora falte o elemento principal. O excesso de liberdade de criação tira-nos a vocação de criar. É um paradoxo, pois a criação exige a liberdade de pensamentos, o que não existia na época da criação do tropicalismo. Seja como for, a falta de liberdade de criação daquela época nos deu muitos gênios musicais e culturais, o que não se vê hoje com tanta facilidade.
[Leia outros Comentários de Delton L. Martins]
10/1/2008
09h34min
Guga, esse texto ficou muito bom, tem umas partes até melodiosas. E concordo com você, o tropicalismo foi um movimento importante para o conhecimento da cultura da América Latina. E tudo que aqueles jovens, que vieram principalmente do Nordeste, talvez quisessem era apenas bagunçar o coreto, gritar que é possível ser livre e latino americano com muito orgulho. Gostei muito do texto, da retrospectiva curta que você fez, da representação de tantos nomes, a partir do parágrafo 9 o texto vira uma enciclopédia tentando abarcar tudo e todos que participaram. Mas o que mais gostei mesmo foi do desenho do Caetano Coringa, não dá para pensar que certamente ele estava no lugar certo, na hora certa.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A VIA DE CHUANG TZU
THOMAS MERTON
VOZES
(2002)
R$ 40,00



JOGO DE EXTORSÃO 8001X
R. J. KAISER
BEST SELLER
(2003)
R$ 15,00



COMO IMPLANTAR UMA ÁREA DE COMUNICAÇÃO INTERNA
PAULO CLEMEN
MAUAD
(2008)
R$ 21,90



POR QUE ALMOCEI MEU PAI
ROY LEWIS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1993)
R$ 20,00



O PRAZER DA LEITURA - COMO A ADAPTAÇÃO DE CLÁSSICOS AJUDA A FORMAR LEITORES
MÁRIO FEIJÓ
ÁTICA
(2010)
R$ 24,00



A BRUXA DE PORTOBELLO
PAULO COELHO
PLANETA
(2006)
R$ 6,00



A MAGIA EXISTE?
SILAS GUERRIERO
PAULLUS
(2003)
R$ 13,00



SEREIS UMA SÓ CARNE
FELIPE R.Q.AQUINO
RABONI
(1994)
R$ 7,50



LEGADO DE HONRA
JAMES A. MICHENER
RECORD
R$ 6,30



EL TEATRO DE STANISLAVSKI - V.O. TOPORKOV
V.O. TOPORKOV
BIBLIOTECA DEL PUEBLO - CUBA
(1962)
R$ 120,00





busca | avançada
35732 visitas/dia
993 mil/mês