Plágio | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
48122 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil apresenta atrações do Carnaval de Salvador nesta sexta (5)
>>> A AUTOESTIMA DO SEU FILHO,
>>> Coisas do Brechó estreia dia 12, no Teatro Municipal Café Pequeno
>>> APRENDENDO A OUVIR - UMA VIDA DEDICADA ÀS CRIANÇAS
>>> Cia. de Danças de Diadema comemora 20 anos e apresenta 'por+vir' no Sesc Santo Amaro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A proposta libertária
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> E Foram Felizes Para Sempre
>>> O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth'
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Com quantos eventos literários se faz uma canoa?
>>> Terna e assustadora realidade
>>> De louco todos temos um pouco
>>> A coerência de Mauricio Macri
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> Uma cidade se inventa
>>> Vale a pena ver de novo
Últimos Posts
>>> AÇÃO DE GRAÇA
>>> Metáfora em cedro
>>> Quimeras
>>> Em busca de extrema unção
>>> Malabar
>>> O voo, o véu e a verdade
>>> Tipos inesquecíveis da política americana
>>> Sangue oxigenado
>>> 20 anos de Graça Infinita, de David Foster Wallace
>>> A inveja é a arma dos incompetentes - Artigo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ode à Mulher
>>> 16 de Agosto
>>> Hitler e outros autores
>>> O Aspirante a Corrupto
>>> Chico Buarque e o Leite derramado
>>> A derrota do Brasil e as arbitragens na Copa
>>> Vale a pena ver de novo
>>> O melhor das revistas na era da internet
>>> FLIP 2006 I
>>> Te ganhar ou perder sem engano
Mais Recentes
>>> As Crônicas de Nárnia
>>> Por Que os Homens Têm Medo de Compromisso?
>>> Fazendo Pose
>>> O PROFETA FERIDO-Um retrato de Henri J.M. Nouwen
>>> Lucíola
>>> Vinha das Ira, As
>>> O Alienista
>>> Bíblia King James
>>> Deus não se cansa de perdoar!- Mensagens de misericórdia
>>> Terapia não- convencional- As Técnicas Psiquiátricas de Milton H. Erickson
>>> deus não é Grande
>>> Coleção Teláris - Ciências 9° ano
>>> DESTINO DO TOXICÔMANO
>>> A vida espiritual segundo sao Tomás de Aquino na suma teológica
>>> Marley & Eu
>>> O estado
>>> Curando com Amor
>>> MITO E METAFÍSICA- Introdução à Filosofia
>>> 3096 dias
>>> PAZ INTERIOR
>>> Os Litigantes
>>> O TESTAMENTO DE SÃO JOÃO
>>> Indecisão
>>> AS TÁTICAS E O JOGO DE PODER DE JESUS CRISTO e outros ensaior
>>> O Sacerdócio Expiatório de Jesus Cristo
>>> Em busca do perispírito
>>> Apologia contra os livros de Rufino
>>> TAO TE KING-o livro que revela Deus
>>> Jogando por Pizza
>>> O Último Jurado
>>> O Rei das Fraudes
>>> O Advogado
>>> Convergências
>>> O RENASCIMENTO DA NATUREZA- O Reflorescimento da Ciência e de Deus
>>> Fogos da primavera
>>> Quando nosso boteco fecha as portas
>>> Michael Kohlhaas
>>> Estilo Ipanema
>>> Incrivelmente simples
>>> Filosofia em 60 segundos
>>> Existencialismo
>>> Câncer tem cura!
>>> O Homem Que Fazia Chover
>>> A fazenda - brincando com dobraduras
>>> Meu 1º atlas
>>> Aprendendo a desenhar
>>> Música
>>> Mano descobre a ecologia
>>> Ynari a menina das cinco tranças
>>> Cacuí o curumim encantado
COLUNAS

Segunda-feira, 4/4/2011
Plágio
Daniel Bushatsky

+ de 3900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O primeiro caso de plágio da história brasileira aconteceu em 1888. O quadro de Pedro Américo, O Grito do Ipiranga, que retrata a cena da Independência Brasileira é uma cópia quase idêntica de uma obra famosa de Jean-Louis Ernest Meissonier, o quadro 1807, Friedland, que celebra uma famosa vitória de Napoleão Bonaparte.

Não obstante o quadro de Pedro Américo não representar nem de perto os acontecimentos, que de glamorosos não tinham nada, pois o Brasil Colônia estava afundado em crises e o Príncipe Regente passava mal (intoxicação alimentar, provavelmente), ficou o triste registro de a primeira obra artística famosa brasileira, pós-independência, ser acusada de plágio.

Pedro Américo, no texto de apresentação da obra, na academia Real de Belas Artes de Florença, no dia 8 de abril de 1888, 66 anos depois da Independência, não citou possíveis semelhanças com a obra de Meissonier. Limitou-se a explicar as mudanças factuais, deixando claro que a pintura tinha uma intenção moral (e talvez de manipulação do povo, em minha opinião).

A acusação de plágio feita pelo jornalista Elcio Gaspari na edição da revista Veja de 15 de novembro de 1982 nunca ficou realmente provada. Isto porque, para a historiadora Claudia Valladão de Mattos, por exemplo, a obra que retrata Napoleão foi, somente, detalhadamente estudada por Pedro Américo.

Polêmica à parte, o fato é que para leigos a obra da Independência é plágio da vitória de Napoleão.

Como não estudamos história o suficiente na escola, a acusação de plágio contra o Brasil voltou a se repetir 122 anos depois, quando da apresentação do logotipo elaborado pela cidade do Rio de Janeiro para as Olimpíadas. As acusações vieram de todos os lados e, mais uma vez, o Brasil e os organizadores saíram pela tangente com argumentos pouco concretos e de amplo sentido, tais como: "inspirado", "lembra", "coincidência".

As palavras que possuem "todo" e "nenhum sentido" relembram o país que já nasceu com sua história alterada, por um possível plágio, sem que ninguém fizesse nada a respeito.

No caso da logomarca das Olimpíadas, o desenho se parece com dois já existentes: o da Telluride Foundation, no estado de Colorado, dedicada à filantropia e o quadro A dança, de Henri Matisse. Ou seja, a inspiração, lembrança e coincidência vieram de duas obras e não de uma só! Haja coincidência!

O que é uma pena nos casos de plágio (e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima) é a prepotência de achar que vai conseguir enganar organizadores e participantes quanto à originalidade de uma obra.

Quando o evento ainda é importante, como a Independência do Brasil ou as Olimpíadas no Rio de Janeiro, a ilicitude continua a mesma, mas a falta de noção e a vergonha para o Brasil aumentam em progressão geométrica.

Com um pouco de estudo, todos saberiam que cedo ou tarde os plágios são descobertos. Um país que nasceu, artisticamente falando, com uma cópia, poderia mostrar que 122 anos depois é todo original.

Se definir o que é plágio exige técnica e cuidado, pois inspiração não é crime, um pouco de bom senso também deve ser acrescentado à mistura. Ou seja, na dúvida, é cópia, e para o Brasil se destacar, o que menos precisamos é de dúvida.

Vale aqui um parêntese: segundo o dicionário eletrônico Houaiss, plágio é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem".

A título de comparação, a Bosch, empresa mundialmente famosa pelas várias áreas de atuação, passando de amortecedor para carro a fogão, em 2004 registrou 2.791 patentes. Para explicar, é patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial.

Supõe-se, assim, que para a filosofia da Bosch, copiar é mais que uma vergonha. A empresa está orientada a sempre ser criativa.

Assim, aqui fica o recado: ou reforçamos as aulas de História ou as de Criatividade. Em ambos os casos o resultado será o aprendizado do que é plágio e a vergonha de se copiar obra feita por alguém como se fosse sua.

Mas o grande resultado mesmo seria tirar um pouco da prepotência de quem não só imita, como ainda acha que ninguém vai descobrir: casos de plágio estão toda hora na mídia.

Espero que daqui para frente "inspirado", "lembra", "coincidência" virem inspiração, esforço e criatividade.

Viva a descoberta! Viva a Bosch!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 4/4/2011


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2011
01. Plágio - 4/4/2011
02. Felicidade - 14/2/2011
03. Souza Dantas, Almoço e Chocolate - 4/7/2011
04. O que queremos do Natal? - 21/11/2011
05. Preconceitos - 14/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2011
11h29min
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
8/6/2011
14h29min
É o plágio do plágio! O autor do logotipo da Telluride Foundation poderia dizer que foi inspirado no quadro "A dança", de Matisse. O autor do logo do RIO já "chupou" direto da Telluride, talvez pensando que ninguém ia se lembrar de uma fundaçãozinha perdida lá no Colorado.
[Leia outros Comentários de José Frid]
11/6/2011
12h08min
Será fácil resolver o problema. Já que Matisse não pode requisitar os seus "direitos", o dinheiro ganho por quem "criou" a logomarca das Olimpíadas seja devolvido ou entregue para uma "obra" e tem que ser "real" e "autêntica" de "caridade". Não foi assim, com esse espírito de caridade que norteou a "cópia", "lembrança", etc. Será um bom exemplo para o futuro e evitará novos "criadores" de algo já existente. E não venham dizer que se trata de "criatividade" copiar o que é bonito. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
30/11/2012
17h29min
Engraçado que o autor não cita qual é a fonte da informação histórica contida no primeiro parágrafo. Não seria isso plágio???
[Leia outros Comentários de JB]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISIOLOGIA E AVALIAÇÃO FUNCIONAL
PAULO DE TARSO V. FARINATTI & WALACE DAVID MONTEIRO
SPRINT
(1992)
+ frete grátis



O ESCRITOR E SEUS FANTASMAS
ERNESTO SÁBATO
FRANCISCO ALVES
(1982)
+ frete grátis



A MARCA DA MALDADE
WHIT MASTERSON
RECORD
(2000)
+ frete grátis



DOZE PISTAS FALSAS
JEFFREY ARCHER
BERTRAND BRASIL
(1997)
+ frete grátis



SONHEI QUE A NEVE FERVIA
FAL AZEVEDO
ROCCO
(2012)
+ frete grátis



COACHING: O EXERCÍCIO DA LIDERANÇA
MARSHALL GOLDSMITH, LAURENCE LYONS & ALYSSA FREAS
CAMPUS
(2003)
+ frete grátis



A CANOA DE PAPEL - TRATADO DE ANTROPOLOGIA TEATRAL
EUGENIO BARBA
HUCITEC
(1994)
+ frete grátis



A LOIRA DE CONCRETO
MICHAEL CONNELLY
BEST SELLER
(1994)
+ frete grátis



O DOSSIÊ PELICANO
JOHN GRISHAM
ROCCO
(1999)
+ frete grátis



ENTRETIENS - NOTES ET ÉCRITS SUR LA PEINTURE
ANDRÉ VERDET
ÉDITIONS GALILÉE
(1978)
+ frete grátis





busca | avançada
48122 visitas/dia
1,5 milhão/mês