Plágio | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
65765 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Roberto Seresteiro lança CD no Sesc Belenzinho, 20/9, com participação de Roberto Luna
>>> Orquestra de Câmara da USP convida violinista Cármelo de Los Santos, Tomie Ohtake, 02/09, 21h
>>> Brasilianas.org recebe o Ministro da Educação Renato Janine Ribeiro
>>> Partituras lança ferramenta de manipulação de áudio para episódio especial
>>> Papo de Mãe discute o fenômeno da "geração ganguru" na TV Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Pantanal
>>> Por que a discussão política tem de evoluir
>>> Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim)
>>> Fake-Fuck-Fotos do Face
>>> Silêncio
>>> Dando conta de Minas
>>> Em noite de lua azul
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> O testemunho de Bernanos
>>> George Orwell e o alerta contra o totalitarismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> 16 de Agosto
>>> Elvis 2015
>>> Eugênio Christi
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> Monica Cotrim
>>> Solange Rebuzzi
>>> Aden Leonardo Camargos
>>> Helena Seger
>>> Camila Oliveira Santos
>>> Cassionei Niches Petry
Últimos Posts
>>> DÍZIMA PERIÓDICA
>>> Um poeta e três esposas
>>> Um poeta e três esposas
>>> Continuísmo - A Praga Maior
>>> É para ter medo de Virginia Woolf
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Monumento a Noël Rosa
>>> SUPERLUA
>>> A grandiosa máquina em busca do êxito
>>> Trilogia de um texto só
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> O que é a memética?
>>> Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte III)
>>> O dia em que traduzi Renato Russo
>>> Música Folclórica: Bahia Singular e Plural
>>> 50 Contos e 3 Novelas de Sérgio Sant'Anna
>>> O caminho rumo ao som e a fúria
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> Hoje a festa é nossa
Mais Recentes
>>> A Criança Divina e o herói
>>> Sócrates
>>> Veritas
>>> Helena/ O Alienista
>>> Indícios incriminadores
>>> A dama de ferro
>>> Viagem por um Mar Desconhecido
>>> Os casos mais difíceis de Lilyj White
>>> A marca da maldade
>>> ALÉM DAS FORÇAS - NOBEL DE LITERATURA DE 1903
>>> Contágio criminoso
>>> O SENHOR PRESIDENTE - NOBEL DE LITERATURA DE 1967
>>> HISTÓRIA DE ROMA - NOBEL DE LITERATURA DE 1902
>>> Lavoura de corpos
>>> FOME - NOBEL DE LITERATURA DE 1920
>>> Causa mortis
>>> O HEREGE DE SOANA e MICHAEL KRAMER - NOBEL DE LITERATURA DE 1912
>>> COLAS BREUGNON - NOBEL DE LITERATURA DE 1915
>>> POESIAS - NOBEL DE LITERATURA DE 1931
>>> POESIAS - NOBEL DE LITERATURA DE 1966
>>> POESIAS ESCOLHIDAS - NOBEL DE LITERATURA DE 1906
>>> O PÁSSARO AZUL - NOBEL DELITERATURA DE 1911
>>> O FAROLEIRO E OUTROS CONTOS - NOBEL DE LITERATURA DE 1905
>>> POEMAS - NOBEL DELITERATURA DE 1963
>>> POESIAS ESCOLHIDAS - NOBEL DE LITERATURA DE 1959
>>> DIÁRIO ÍNTIMO e PENSAMENTOS - NOBEL DE LITERATURA DE 1901
>>> INTERESSES CRIADOS e ROSAS DE OUTONO - NOBEL DE LITERATURA DE 1922
>>> MANCHA QUE LIMPA - NOBEL DE LIETARATURA DE 1904
>>> MIRÉIA
>>> HISTÓRIA MODERNA DOS ESTADOS UNIDOS - 3 VOLs.
>>> OS SERTÕES - 3 volS.
>>> Uma mesa no deserto
>>> O LIVRO DE ENOCH - O LIVRO DAS ORIGENS DA CABALA
>>> Realidad y Juego
>>> O Visconde Que Me Amava
>>> Os Evangelhos: Jesus Cristo
>>> MBA Curso Prático de Marketing
>>> Freakonomics o lado oculto e inesperado de tudo que nos afeta
>>> 1001 dicas e conselhos úteis para melhor usar seu computador: um guia práticopara aproveitar todas as possibilidades do seu PC e da internet
>>> Nadando para o século XXI
>>> O amor é mais um labirinto
>>> O Barroco no Brasil
>>> Evandro Carneiro Esculturas
>>> Stores of the year / 7
>>> Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal
>>> Jogos sem Regras Game Without Rules
>>> Santiago de Compostela Os 8 portais do caminhos
>>> Museu Imperial
>>> Spanish Style
>>> Candido Portinari 1903-1962
COLUNAS

Segunda-feira, 4/4/2011
Plágio
Daniel Bushatsky

+ de 3700 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O primeiro caso de plágio da história brasileira aconteceu em 1888. O quadro de Pedro Américo, O Grito do Ipiranga, que retrata a cena da Independência Brasileira é uma cópia quase idêntica de uma obra famosa de Jean-Louis Ernest Meissonier, o quadro 1807, Friedland, que celebra uma famosa vitória de Napoleão Bonaparte.

Não obstante o quadro de Pedro Américo não representar nem de perto os acontecimentos, que de glamorosos não tinham nada, pois o Brasil Colônia estava afundado em crises e o Príncipe Regente passava mal (intoxicação alimentar, provavelmente), ficou o triste registro de a primeira obra artística famosa brasileira, pós-independência, ser acusada de plágio.

Pedro Américo, no texto de apresentação da obra, na academia Real de Belas Artes de Florença, no dia 8 de abril de 1888, 66 anos depois da Independência, não citou possíveis semelhanças com a obra de Meissonier. Limitou-se a explicar as mudanças factuais, deixando claro que a pintura tinha uma intenção moral (e talvez de manipulação do povo, em minha opinião).

A acusação de plágio feita pelo jornalista Elcio Gaspari na edição da revista Veja de 15 de novembro de 1982 nunca ficou realmente provada. Isto porque, para a historiadora Claudia Valladão de Mattos, por exemplo, a obra que retrata Napoleão foi, somente, detalhadamente estudada por Pedro Américo.

Polêmica à parte, o fato é que para leigos a obra da Independência é plágio da vitória de Napoleão.

Como não estudamos história o suficiente na escola, a acusação de plágio contra o Brasil voltou a se repetir 122 anos depois, quando da apresentação do logotipo elaborado pela cidade do Rio de Janeiro para as Olimpíadas. As acusações vieram de todos os lados e, mais uma vez, o Brasil e os organizadores saíram pela tangente com argumentos pouco concretos e de amplo sentido, tais como: "inspirado", "lembra", "coincidência".

As palavras que possuem "todo" e "nenhum sentido" relembram o país que já nasceu com sua história alterada, por um possível plágio, sem que ninguém fizesse nada a respeito.

No caso da logomarca das Olimpíadas, o desenho se parece com dois já existentes: o da Telluride Foundation, no estado de Colorado, dedicada à filantropia e o quadro A dança, de Henri Matisse. Ou seja, a inspiração, lembrança e coincidência vieram de duas obras e não de uma só! Haja coincidência!

O que é uma pena nos casos de plágio (e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima) é a prepotência de achar que vai conseguir enganar organizadores e participantes quanto à originalidade de uma obra.

Quando o evento ainda é importante, como a Independência do Brasil ou as Olimpíadas no Rio de Janeiro, a ilicitude continua a mesma, mas a falta de noção e a vergonha para o Brasil aumentam em progressão geométrica.

Com um pouco de estudo, todos saberiam que cedo ou tarde os plágios são descobertos. Um país que nasceu, artisticamente falando, com uma cópia, poderia mostrar que 122 anos depois é todo original.

Se definir o que é plágio exige técnica e cuidado, pois inspiração não é crime, um pouco de bom senso também deve ser acrescentado à mistura. Ou seja, na dúvida, é cópia, e para o Brasil se destacar, o que menos precisamos é de dúvida.

Vale aqui um parêntese: segundo o dicionário eletrônico Houaiss, plágio é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem".

A título de comparação, a Bosch, empresa mundialmente famosa pelas várias áreas de atuação, passando de amortecedor para carro a fogão, em 2004 registrou 2.791 patentes. Para explicar, é patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial.

Supõe-se, assim, que para a filosofia da Bosch, copiar é mais que uma vergonha. A empresa está orientada a sempre ser criativa.

Assim, aqui fica o recado: ou reforçamos as aulas de História ou as de Criatividade. Em ambos os casos o resultado será o aprendizado do que é plágio e a vergonha de se copiar obra feita por alguém como se fosse sua.

Mas o grande resultado mesmo seria tirar um pouco da prepotência de quem não só imita, como ainda acha que ninguém vai descobrir: casos de plágio estão toda hora na mídia.

Espero que daqui para frente "inspirado", "lembra", "coincidência" virem inspiração, esforço e criatividade.

Viva a descoberta! Viva a Bosch!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 4/4/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Abominável Mundo Novo de Marilia Mota Silva
02. Um mês depois de Julio Daio Borges
03. Hosana na Sarjeta, de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
04. A Copa mais triste de todos os tempos de Elisa Andrade Buzzo
05. A utopia das paredes de vidro de Carla Ceres


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2011
01. Plágio - 4/4/2011
02. Felicidade - 14/2/2011
03. Souza Dantas, Almoço e Chocolate - 4/7/2011
04. O que queremos do Natal? - 21/11/2011
05. Preconceitos - 14/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2011
11h29min
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
8/6/2011
14h29min
É o plágio do plágio! O autor do logotipo da Telluride Foundation poderia dizer que foi inspirado no quadro "A dança", de Matisse. O autor do logo do RIO já "chupou" direto da Telluride, talvez pensando que ninguém ia se lembrar de uma fundaçãozinha perdida lá no Colorado.
[Leia outros Comentários de José Frid]
11/6/2011
12h08min
Será fácil resolver o problema. Já que Matisse não pode requisitar os seus "direitos", o dinheiro ganho por quem "criou" a logomarca das Olimpíadas seja devolvido ou entregue para uma "obra" e tem que ser "real" e "autêntica" de "caridade". Não foi assim, com esse espírito de caridade que norteou a "cópia", "lembrança", etc. Será um bom exemplo para o futuro e evitará novos "criadores" de algo já existente. E não venham dizer que se trata de "criatividade" copiar o que é bonito. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
30/11/2012
17h29min
Engraçado que o autor não cita qual é a fonte da informação histórica contida no primeiro parágrafo. Não seria isso plágio???
[Leia outros Comentários de JB]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


CRIANDO EQUIPES
RICHARD LUECKE

De R$ 39,00
Por R$ 19,50
50% off
+ frete grátis



WHITNEY, MEU AMOR
JUDITH MCNAUGHT

De R$ 22,00
Por R$ 11,00
50% off
+ frete grátis



RECEITAS SABOROSAS - MASSAS
ANDRÉ BOCCATO

De R$ 69,00
Por R$ 34,50
50% off
+ frete grátis



ROLAND BARTHES
ÉRIC MARTY

De R$ 50,00
Por R$ 25,00
50% off
+ frete grátis



SARTORIS
FAULKNER, WILLIAM

De R$ 79,00
Por R$ 39,50
50% off
+ frete grátis



CONCEPÇÕES ABERTAS NO ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA
REINER HILDEBRANDT-STRAMANN

De R$ 35,00
Por R$ 17,50
50% off
+ frete grátis



CONTOS OBSCUROS DE EDGAR ALLAN POE
BRAULIO TAVARES

De R$ 49,00
Por R$ 24,50
50% off
+ frete grátis



CULTURA BRASILEIRA - UTOPIA E MASSIFICAÇÃO
MARCOS NAPOLITANO

De R$ 25,10
Por R$ 12,55
50% off
+ frete grátis



HUMANOMAR
JULIANA LOUREIRO E LUISA PITANGA

De R$ 48,00
Por R$ 24,00
50% off
+ frete grátis



ARGUMENTAÇÃO E LINGUAGEM
INGEDORE G. VILLAÇA KOCH

De R$ 37,00
Por R$ 18,50
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
65765 visitas/dia
1,5 milhão/mês