Plágio | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
26301 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Esquina: Conversas sobre o Centro
>>> Leilão de arte pelo contragolpe acontece amanhã na Funarte SP
>>> Caminhos da Reportagem discute o empreendedorismo em tempos de crise
>>> Leda Nagle entrevista Ney Latorraca e Ignácio de Loyola Brandão no Sem Censura
>>> Santa Cruz Shopping promove Campanha de Adoção de Cães e Gatos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas confessionais de um angustiado (IV)
>>> A Imagem do Som
>>> A noite do meu bem, de Ruy Castro
>>> Quando (não) li Ana Cristina César
>>> Elon Musk
>>> Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês
>>> Eu blogo, tu blogas?
>>> A melhor Flip
>>> Brasil em Cannes
>>> Radiohead e sua piscina em forma de lua
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> Preservativo para a inconveniência
>>> Se eterno fosse o amor
>>> A história da canção: entrevista Paulinho Moska
>>> O chato
>>> *Black flag*, etapas da criação em GIF
>>> Amor de A, a Z - Poema
>>> Filme: Um dia Perfeito - Fernando Léon Aranoa
>>> Escrever sobre o quê?
>>> O quadro
>>> Meta linguagem nisso
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deus está nos detalhes?
>>> No Tungcast reloaded
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> CardosOnline 10 anos
>>> 10 grandes
>>> Américas Antigas, de Nicholas Saunders
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> A Arte da Entrevista
>>> Moda e modismos prêt-à-porter
>>> Questões de Honra
Mais Recentes
>>> Rescisão do Contrato de Trabalho - Manual Prático)
>>> Pesquisa de Marketing - Edição Compacta
>>> Leopoldo Fróes e o Teatro Brasileiro
>>> O ator Vasques - Procópio Ferreira
>>> Heiner Müller - Guerra sem Batalha (Uma vida entre duas ditaduras)
>>> Vianinha (Teatro, Televisão, Política)
>>> Vianinha - Cúmplice da Paixão (Teatro)
>>> História dos nossos Gestos - Luís da Câmara Cascudo
>>> Cobra Norato e outros poemas - Raul Bopp
>>> Contos Judaicos com Fantasmas e Demônios
>>> Poesias Completas de Joaquim Cardozo
>>> Rasga Coração (Teatro)
>>> Apresentação da Poesia Brasileira - Manuel Bandeira
>>> Prostituição - Uma visão global
>>> O mestre das Marionetes (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> O Renascimento
>>> As melhores histórias reais de Crime, Mistério e Suspense
>>> Isadora Duncan - Minha Vida (Dança)
>>> As Mil uma Vidas de Leopoldo Fróes (Teatro)
>>> Diário de Hemingway
>>> Groucho Marx - Memórias de um amante desastrado
>>> Vida Teatro (Os grandes atores pernambucanos)
>>> Livro de Horas de Soror Dolorosa
>>> Cultura Popular na Idade Moderna
>>> Manual de Terapia Corporal como base da estética da Voz
>>> Ungáua! (101 Crônicas)
>>> Integração do Corpo
>>> Nelson Rodrigues - Teatro Completo
>>> As Estações do Corpo (Aprenda a olhar o seu corpo para manter a forma)
>>> O Correio do Corpo - Novas vias da antiginástica
>>> Relaxamento Básico - O método fisiológico para aliviar a Tensão
>>> O mito da Atividade Física e Saúde
>>> Em busca da Espiritualidade
>>> O Anjo, Como Mestre Interior
>>> O Testemunho da Fé-Verdades vitais da confissão, que facilitarão você a receber e reter a cura.
>>> Porcos Na Sala- Um Manual Prático À Libertaçao
>>> O Seu Último Livro de Auto-ajuda-Reprima sua raiva, Pense negativamente, Culpe os outros,Sufoque sua criança interior!
>>> Mantenha a juventude do seu Rosto
>>> O corpo Essencial
>>> Step - Teoria e Prática
>>> Xógun A Gloriosa Saga Do Japão
>>> Escuta, Zé Ninguém
>>> Mente e Cérebro Poderosos
>>> Jogos para treinar o Cérebro
>>> Aumente o poder o seu Cérebro
>>> Administre o Stress
>>> Mantenha o seu Cérebro Vivo
>>> O caçador de pipas
>>> Aumente o poder de sua Memória
>>> Depois de Você
COLUNAS

Segunda-feira, 4/4/2011
Plágio
Daniel Bushatsky

+ de 4100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O primeiro caso de plágio da história brasileira aconteceu em 1888. O quadro de Pedro Américo, O Grito do Ipiranga, que retrata a cena da Independência Brasileira é uma cópia quase idêntica de uma obra famosa de Jean-Louis Ernest Meissonier, o quadro 1807, Friedland, que celebra uma famosa vitória de Napoleão Bonaparte.

Não obstante o quadro de Pedro Américo não representar nem de perto os acontecimentos, que de glamorosos não tinham nada, pois o Brasil Colônia estava afundado em crises e o Príncipe Regente passava mal (intoxicação alimentar, provavelmente), ficou o triste registro de a primeira obra artística famosa brasileira, pós-independência, ser acusada de plágio.

Pedro Américo, no texto de apresentação da obra, na academia Real de Belas Artes de Florença, no dia 8 de abril de 1888, 66 anos depois da Independência, não citou possíveis semelhanças com a obra de Meissonier. Limitou-se a explicar as mudanças factuais, deixando claro que a pintura tinha uma intenção moral (e talvez de manipulação do povo, em minha opinião).

A acusação de plágio feita pelo jornalista Elcio Gaspari na edição da revista Veja de 15 de novembro de 1982 nunca ficou realmente provada. Isto porque, para a historiadora Claudia Valladão de Mattos, por exemplo, a obra que retrata Napoleão foi, somente, detalhadamente estudada por Pedro Américo.

Polêmica à parte, o fato é que para leigos a obra da Independência é plágio da vitória de Napoleão.

Como não estudamos história o suficiente na escola, a acusação de plágio contra o Brasil voltou a se repetir 122 anos depois, quando da apresentação do logotipo elaborado pela cidade do Rio de Janeiro para as Olimpíadas. As acusações vieram de todos os lados e, mais uma vez, o Brasil e os organizadores saíram pela tangente com argumentos pouco concretos e de amplo sentido, tais como: "inspirado", "lembra", "coincidência".

As palavras que possuem "todo" e "nenhum sentido" relembram o país que já nasceu com sua história alterada, por um possível plágio, sem que ninguém fizesse nada a respeito.

No caso da logomarca das Olimpíadas, o desenho se parece com dois já existentes: o da Telluride Foundation, no estado de Colorado, dedicada à filantropia e o quadro A dança, de Henri Matisse. Ou seja, a inspiração, lembrança e coincidência vieram de duas obras e não de uma só! Haja coincidência!

O que é uma pena nos casos de plágio (e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima) é a prepotência de achar que vai conseguir enganar organizadores e participantes quanto à originalidade de uma obra.

Quando o evento ainda é importante, como a Independência do Brasil ou as Olimpíadas no Rio de Janeiro, a ilicitude continua a mesma, mas a falta de noção e a vergonha para o Brasil aumentam em progressão geométrica.

Com um pouco de estudo, todos saberiam que cedo ou tarde os plágios são descobertos. Um país que nasceu, artisticamente falando, com uma cópia, poderia mostrar que 122 anos depois é todo original.

Se definir o que é plágio exige técnica e cuidado, pois inspiração não é crime, um pouco de bom senso também deve ser acrescentado à mistura. Ou seja, na dúvida, é cópia, e para o Brasil se destacar, o que menos precisamos é de dúvida.

Vale aqui um parêntese: segundo o dicionário eletrônico Houaiss, plágio é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem".

A título de comparação, a Bosch, empresa mundialmente famosa pelas várias áreas de atuação, passando de amortecedor para carro a fogão, em 2004 registrou 2.791 patentes. Para explicar, é patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial.

Supõe-se, assim, que para a filosofia da Bosch, copiar é mais que uma vergonha. A empresa está orientada a sempre ser criativa.

Assim, aqui fica o recado: ou reforçamos as aulas de História ou as de Criatividade. Em ambos os casos o resultado será o aprendizado do que é plágio e a vergonha de se copiar obra feita por alguém como se fosse sua.

Mas o grande resultado mesmo seria tirar um pouco da prepotência de quem não só imita, como ainda acha que ninguém vai descobrir: casos de plágio estão toda hora na mídia.

Espero que daqui para frente "inspirado", "lembra", "coincidência" virem inspiração, esforço e criatividade.

Viva a descoberta! Viva a Bosch!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 4/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. It's evolution, baby de Luís Fernando Amâncio
02. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio
03. Em noite de lua azul de Elisa Andrade Buzzo
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva
05. Por um 2015 sem carteiradas de Marta Barcellos


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2011
01. Plágio - 4/4/2011
02. Felicidade - 14/2/2011
03. O que queremos do Natal? - 21/11/2011
04. Souza Dantas, Almoço e Chocolate - 4/7/2011
05. Preconceitos - 14/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2011
11h29min
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
8/6/2011
14h29min
É o plágio do plágio! O autor do logotipo da Telluride Foundation poderia dizer que foi inspirado no quadro "A dança", de Matisse. O autor do logo do RIO já "chupou" direto da Telluride, talvez pensando que ninguém ia se lembrar de uma fundaçãozinha perdida lá no Colorado.
[Leia outros Comentários de José Frid]
11/6/2011
12h08min
Será fácil resolver o problema. Já que Matisse não pode requisitar os seus "direitos", o dinheiro ganho por quem "criou" a logomarca das Olimpíadas seja devolvido ou entregue para uma "obra" e tem que ser "real" e "autêntica" de "caridade". Não foi assim, com esse espírito de caridade que norteou a "cópia", "lembrança", etc. Será um bom exemplo para o futuro e evitará novos "criadores" de algo já existente. E não venham dizer que se trata de "criatividade" copiar o que é bonito. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
30/11/2012
17h29min
Engraçado que o autor não cita qual é a fonte da informação histórica contida no primeiro parágrafo. Não seria isso plágio???
[Leia outros Comentários de JB]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O LIVREIRO DE CABUL / EU SOU O LIVREIRO DE CABUL
ÄSNE SEIERSTAD E SHAH MUHAMMAD RAIS
RECORD/BERTRAND DO BRASIL
(2006)



AMAR PODE DAR CERTO
ROBERTO T. SHINYASHIKI
GENTE
(1988)



VISÃO E PARÁBOLAS. COMPREENDENDO A CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES
FRANCISCO GOMES DE MATOS
CAMPUS
(2004)



INICIAÇÃO A MAGIA DOS CRISTAIS
GARY RICHMAN, GUSTAVO BARBOSA
RECORD
(2016)



CREPÚSCULO
STEPHENIE MEYER
INTRÍSECA
(2009)



COMO SER POPULAR
MEG CABOT
GALERA RECORD
(2008)



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)



OS PERIGOS DO LADO BOM DA ALMA
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(2010)



OS SOFRIMENTOS DO JOVEM WERTHER
J. W. GOETHE
ABRIL COLEÇÕES
(2010)



BORLAND DELPHI 6
MARCELO LEÃO
AXCEL
(2001)





busca | avançada
26301 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server