Plágio | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
30976 visitas/dia
949 mil/mês
Mais Recentes
>>> Peter Burke navega pela história do conhecimento para oferecer nova perspectiva da Sociedade da Info
>>> Palavras Cruzadas Brasil recebe Ignácio de Loyola Brandão ao vivo nesta quarta (24) na TV Brasil
>>> Liliane Reis entrevista Mc Soffia e Kali C no Estúdio Móvel da TV Brasil
>>> Editora Tordesilhinhas promove contação de histórias na Bienal Internacional do Livro de São Paulo
>>> Segundo romance da autora paraibana Marilia Arnaud é tema de debate em João Pessoa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
>>> Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso
>>> Meu querido mendigo
>>> Na hora do batismo
>>> Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida
>>> Existe na cidade alguém, assim como você...
>>> Eleições nos Estados Unidos
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> A que ponto chegamos, EUA!
>>> Caiu na rede, virou social
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> Casulo de névoas
>>> 24 de Agosto, um dia na recente historia do Brasil
>>> Ray-Banless
>>> Primeiro Debate dos Candidatos à Prefeitura
>>> Sem palavras
>>> Contrariando os pessimistas
>>> Fervura
>>> Sobre o Encerramento das Olimpíadas do Rio em 2016
>>> Raízes
>>> Na tessitura da toalha
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> O que é ser jornalista?
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Declínio e queda do império de papel
>>> Flip 2008, bastidores I
>>> Meu querido mendigo
>>> Choque de realidade no cinema
>>> Choque de realidade no cinema
>>> Re: Intestino Descarregado
>>> Pra que ler jornal de papel?
Mais Recentes
>>> José de Alencar - Teatro Completo (2 volumes)
>>> Gonçalves Dias - Teatro Completo
>>> Leonor de Mendonça (Teatro de Gonçalves Dias)
>>> Obra dispersa - Manuel Antônio de Almeida
>>> O novo Otelo - Joaquim Manuel de Macedo
>>> Joaquim Manuel de Macedo - Teatro Completo (3 volumes)
>>> As melhores comédias de Martins Pena
>>> Comédias de Martins Pena
>>> Folhetins: A semana Lírica - Martins Pena
>>> Dramas de Martins Pena (Teatro)
>>> O Poeta e a Inquisição - Gonçalves de Magalhães
>>> Obras de D. J. Gonçalves de Magalhães (Teatro) RARIDADE
>>> A vida de Esopo e Guerras do Alecrim e da Manjerona (Duas comédias de Antonio José)
>>> Perda e Restauração da Bahia de Todos os Santos (Obra teatral do século XVII)
>>> Hay amigo para amigo (Obra teatral)
>>> A vida de esopo e Guerras do Alecrim e da Mangerona
>>> O "Judeu" no Teatro Romântico Brasileiro
>>> A Outra Crítica - Miroel Silveira
>>> Cacilda Becker - O Teatro e suas chamas
>>> João Caetano - Décio de Almeida Prado
>>> Machado de Assis - Teatro (Antologia)
>>> As noites difíceis
>>> Teatro Completo de Machado de Assis
>>> Crítica Theatral - Machado de Assis
>>> A árvore do Halloween
>>> Machado de Assis (Esaú e Jacó/Críticas Literárias/Críticas Teatrais)
>>> João Caetano dos Santos (Ensaio Biographico) - Os fluminenses no Theatro Brasileiro
>>> Figuras do Theatro - Lafayette Silva
>>> O Teatro da Minha Vida - Luiz Iglezias
>>> Artistas de Outras Eras - Lafayette Silva
>>> Sergio Cardoso
>>> Ziembinski e o Teatro Brasileiro - Yan Michalski
>>> Revista Problemas: Vianinha: 10 Anos
>>> Dulcina e o Teatro de seu tempo
>>> 30 Annos de Theatro - Humorismo
>>> A Contribuição Italiana ao Teatro Brasileiro
>>> O Palco dos Outros - Cadernos de Viagens
>>> Depoimentos III - Entrevistas com Atores e Atrizes
>>> Depoimentos I - Entrevistas com Atores e Atrizes
>>> Revista: Ciclo de Debates do Teatro Casa Grande
>>> Yan Michalski - Ciclo de Palestras sobre o Teatro Brasileiro - 2
>>> Tônio Carvalho - Ciclo de Palestras sobre o Teatro Brasileiro - 11
>>> Alcione Araújo - Ciclo de Palestras sobre o Teatro Brasileiro - 8
>>> Geração em Transe - Memórias do tempo do Tropicalismo
>>> Oficina: do Teatro ao Te-Ato
>>> Teatro Oficina - Onde a Arte não dormia
>>> Teatro - Anos 70
>>> O Sertão Medieval - Origens europeias do Teatro de Ariano Suassuna
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues - A. Fonseca Pimentel
>>> As Aventuras da Blitz
COLUNAS

Segunda-feira, 4/4/2011
Plágio
Daniel Bushatsky

+ de 4100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O primeiro caso de plágio da história brasileira aconteceu em 1888. O quadro de Pedro Américo, O Grito do Ipiranga, que retrata a cena da Independência Brasileira é uma cópia quase idêntica de uma obra famosa de Jean-Louis Ernest Meissonier, o quadro 1807, Friedland, que celebra uma famosa vitória de Napoleão Bonaparte.

Não obstante o quadro de Pedro Américo não representar nem de perto os acontecimentos, que de glamorosos não tinham nada, pois o Brasil Colônia estava afundado em crises e o Príncipe Regente passava mal (intoxicação alimentar, provavelmente), ficou o triste registro de a primeira obra artística famosa brasileira, pós-independência, ser acusada de plágio.

Pedro Américo, no texto de apresentação da obra, na academia Real de Belas Artes de Florença, no dia 8 de abril de 1888, 66 anos depois da Independência, não citou possíveis semelhanças com a obra de Meissonier. Limitou-se a explicar as mudanças factuais, deixando claro que a pintura tinha uma intenção moral (e talvez de manipulação do povo, em minha opinião).

A acusação de plágio feita pelo jornalista Elcio Gaspari na edição da revista Veja de 15 de novembro de 1982 nunca ficou realmente provada. Isto porque, para a historiadora Claudia Valladão de Mattos, por exemplo, a obra que retrata Napoleão foi, somente, detalhadamente estudada por Pedro Américo.

Polêmica à parte, o fato é que para leigos a obra da Independência é plágio da vitória de Napoleão.

Como não estudamos história o suficiente na escola, a acusação de plágio contra o Brasil voltou a se repetir 122 anos depois, quando da apresentação do logotipo elaborado pela cidade do Rio de Janeiro para as Olimpíadas. As acusações vieram de todos os lados e, mais uma vez, o Brasil e os organizadores saíram pela tangente com argumentos pouco concretos e de amplo sentido, tais como: "inspirado", "lembra", "coincidência".

As palavras que possuem "todo" e "nenhum sentido" relembram o país que já nasceu com sua história alterada, por um possível plágio, sem que ninguém fizesse nada a respeito.

No caso da logomarca das Olimpíadas, o desenho se parece com dois já existentes: o da Telluride Foundation, no estado de Colorado, dedicada à filantropia e o quadro A dança, de Henri Matisse. Ou seja, a inspiração, lembrança e coincidência vieram de duas obras e não de uma só! Haja coincidência!

O que é uma pena nos casos de plágio (e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima) é a prepotência de achar que vai conseguir enganar organizadores e participantes quanto à originalidade de uma obra.

Quando o evento ainda é importante, como a Independência do Brasil ou as Olimpíadas no Rio de Janeiro, a ilicitude continua a mesma, mas a falta de noção e a vergonha para o Brasil aumentam em progressão geométrica.

Com um pouco de estudo, todos saberiam que cedo ou tarde os plágios são descobertos. Um país que nasceu, artisticamente falando, com uma cópia, poderia mostrar que 122 anos depois é todo original.

Se definir o que é plágio exige técnica e cuidado, pois inspiração não é crime, um pouco de bom senso também deve ser acrescentado à mistura. Ou seja, na dúvida, é cópia, e para o Brasil se destacar, o que menos precisamos é de dúvida.

Vale aqui um parêntese: segundo o dicionário eletrônico Houaiss, plágio é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem".

A título de comparação, a Bosch, empresa mundialmente famosa pelas várias áreas de atuação, passando de amortecedor para carro a fogão, em 2004 registrou 2.791 patentes. Para explicar, é patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial.

Supõe-se, assim, que para a filosofia da Bosch, copiar é mais que uma vergonha. A empresa está orientada a sempre ser criativa.

Assim, aqui fica o recado: ou reforçamos as aulas de História ou as de Criatividade. Em ambos os casos o resultado será o aprendizado do que é plágio e a vergonha de se copiar obra feita por alguém como se fosse sua.

Mas o grande resultado mesmo seria tirar um pouco da prepotência de quem não só imita, como ainda acha que ninguém vai descobrir: casos de plágio estão toda hora na mídia.

Espero que daqui para frente "inspirado", "lembra", "coincidência" virem inspiração, esforço e criatividade.

Viva a descoberta! Viva a Bosch!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 4/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Intervenção militar constitucional de Gian Danton
02. Mamãe de Julio Daio Borges
03. Tiros, Pedras e Ocupação na USP de Duanne Ribeiro
04. A marca do fútil de Daniel Bushatsky
05. As urbes e o pichador romântico de Pilar Fazito


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2011
01. Plágio - 4/4/2011
02. Felicidade - 14/2/2011
03. O que queremos do Natal? - 21/11/2011
04. Souza Dantas, Almoço e Chocolate - 4/7/2011
05. Preconceitos - 14/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2011
11h29min
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
8/6/2011
14h29min
É o plágio do plágio! O autor do logotipo da Telluride Foundation poderia dizer que foi inspirado no quadro "A dança", de Matisse. O autor do logo do RIO já "chupou" direto da Telluride, talvez pensando que ninguém ia se lembrar de uma fundaçãozinha perdida lá no Colorado.
[Leia outros Comentários de José Frid]
11/6/2011
12h08min
Será fácil resolver o problema. Já que Matisse não pode requisitar os seus "direitos", o dinheiro ganho por quem "criou" a logomarca das Olimpíadas seja devolvido ou entregue para uma "obra" e tem que ser "real" e "autêntica" de "caridade". Não foi assim, com esse espírito de caridade que norteou a "cópia", "lembrança", etc. Será um bom exemplo para o futuro e evitará novos "criadores" de algo já existente. E não venham dizer que se trata de "criatividade" copiar o que é bonito. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
30/11/2012
17h29min
Engraçado que o autor não cita qual é a fonte da informação histórica contida no primeiro parágrafo. Não seria isso plágio???
[Leia outros Comentários de JB]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BLONDEL E TEILHARD DE CHARDIN- CORRESPONDÊNCIA COMENTADA
HENRI DE LUBAC
MORAES
(1968)



MAQUIAGEM
MARCIA CEZIMBRA
SENAC
(2005)



O QUE FAZ O BRASIL, BRASIL?
ROBERTO DAMATTA
ROCCO
(1986)



RAZÃO E SENTIMENTO
JANE AUSTEN
NOVA FRONTEIRA
(2006)
+ frete grátis



UMA VIDA TRANSFORMADA
LUIZ EMÍLIO SILVA DA SILVA
LIO
(2005)
+ frete grátis



AMORES OBLÍQUOS
EVALDO BALBINO
7 LETRAS
(2013)
+ frete grátis



ACONTECEU EM SALZBURG
HELEN MACINNES
RIOGRÁFICA
(1986)
+ frete grátis



AUTORIDADE E SUBMISSÃO
WATCHMAN NEE
ÁRVORE DA VIDA
(2006)
+ frete grátis



DICIONÁRIO DO FOLCLORE BRASILEIRO
LUÍS DA CÂMARA CASCUDO
MELHORAMENTOS
(1980)
+ frete grátis



O TEATRO NO BRASIL
J.GALANTE DE SOUZA
EDIÇÕES DE OURO
+ frete grátis





busca | avançada
30976 visitas/dia
949 mil/mês