Plágio | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
17058 visitas/dia
635 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil apresenta show do Nação Zumbi no programa Todas as Bossas
>>> TV Brasil apresenta final da série O Tempo entre Costuras nesta sexta (13/1)
>>> TV Brasil homenageia Zygmunt Bauman nesta sexta (13/1)
>>> Teatro do Incêndio promove oficina cênica grátis com Kleber Montanheiro
>>> Valadão Muda o Mundo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
>>> O Natal de Charles Dickens
>>> Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso
>>> Gerald Thomas: uma autobiografia
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> 'Hysteria' Revisitada
>>> O tremor na poesia, Fábio Weintraub
>>> Lançamento de Viktor Frankl
>>> E por falar em aposentadoria
>>> O quanto podemos compreender
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
Últimos Posts
>>> Abraço
>>> Paralamas do Sucesso: Novo álbum e shows em SP
>>> Lô Borges ou a estreia 45 anos depois
>>> Águas abertas ao mito
>>> Arranha-céu
>>> Da população ao empoderamento de Brasília
>>> Belém do Pará, ano um. 401.
>>> Na trilha de um corredor
>>> Entropias
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Eu nunca fui nerd
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (IV)
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> A seguir cenas dos próximos capítulos
>>> A literatura de ficção morreu?
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Mamilos
>>> FHC abrindo a Flip 2010
>>> Semana da Canção Brasileira
Mais Recentes
>>> A executiva
>>> Collins Press (UK
>>> Great Expectations
>>> Obras
>>> As Dimensões e os Extraterrestres
>>> Coração de Diamante - Livro Um- Elementos do Real no Homem e Essência
>>> Meus Antepassados
>>> Pinochio
>>> Como e porque se Faz Arte
>>> Alice no Pais da Mentira
>>> Seu Gentil
>>> O Catador de Papel
>>> O Maior Heroi do Mundo
>>> Senna
>>> Os meninos da rua Paulo
>>> O Som dos Acordes - Exercícios de acodes Para Piano e Jazz
>>> Epistemologias do Século XX-Popper- Kuhn- Lakatos- Laudan Bachelard, Toulmin,FEyerabend, Maturana, Bohm, Bunge, Prigogine, Mayr
>>> A Quem Enviarei? Doze Cestos Cheios- Volume 1
>>> Repertório
>>> Doze Cestos Cheios- Volume 1
>>> O Ateneu
>>> A Caça nos Sertões do Seridó
>>> O Mutirão no Nordeste
>>> A História da Imprensa no Brasil
>>> O Quinze
>>> A dominação ocidental na Ásia Vol. 1
>>> O Mandarim
>>> Revista Fluir Edição 228
>>> Constituicion de la Union de Republicas Socialistas Sovieticas
>>> Violão de Rua Vol. 2
>>> Veja 25 Anos: Reflexões Para O Futuro
>>> Violão de Rua
>>> Sonata de Primavera
>>> National Geographic Brasil Nº 08
>>> Revista Paisagismo E Jardinagem Especial Nº 24: Jardins Comerciais
>>> Poe's Prose Tales
>>> Michaelis Pequeno Dicionário: italiano-português português-italiano
>>> National Geographic Brasil Nº 34
>>> National Geographic Brasil Nº 16
>>> Revista Fluir Edição 159
>>> Tom Jones
>>> Revista Casa E Jardim Nº 537
>>> National Geographic Brasil Nº 05
>>> National Geographic Brasil Nº 23
>>> Encantador de Pessoas
>>> O Navio das Noivas
>>> Como eu era antes de Você
>>> A Garota que você deixou para trás
>>> Baía da esperança
>>> Quando você voltar
COLUNAS

Segunda-feira, 4/4/2011
Plágio
Daniel Bushatsky

+ de 4300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O primeiro caso de plágio da história brasileira aconteceu em 1888. O quadro de Pedro Américo, O Grito do Ipiranga, que retrata a cena da Independência Brasileira é uma cópia quase idêntica de uma obra famosa de Jean-Louis Ernest Meissonier, o quadro 1807, Friedland, que celebra uma famosa vitória de Napoleão Bonaparte.

Não obstante o quadro de Pedro Américo não representar nem de perto os acontecimentos, que de glamorosos não tinham nada, pois o Brasil Colônia estava afundado em crises e o Príncipe Regente passava mal (intoxicação alimentar, provavelmente), ficou o triste registro de a primeira obra artística famosa brasileira, pós-independência, ser acusada de plágio.

Pedro Américo, no texto de apresentação da obra, na academia Real de Belas Artes de Florença, no dia 8 de abril de 1888, 66 anos depois da Independência, não citou possíveis semelhanças com a obra de Meissonier. Limitou-se a explicar as mudanças factuais, deixando claro que a pintura tinha uma intenção moral (e talvez de manipulação do povo, em minha opinião).

A acusação de plágio feita pelo jornalista Elcio Gaspari na edição da revista Veja de 15 de novembro de 1982 nunca ficou realmente provada. Isto porque, para a historiadora Claudia Valladão de Mattos, por exemplo, a obra que retrata Napoleão foi, somente, detalhadamente estudada por Pedro Américo.

Polêmica à parte, o fato é que para leigos a obra da Independência é plágio da vitória de Napoleão.

Como não estudamos história o suficiente na escola, a acusação de plágio contra o Brasil voltou a se repetir 122 anos depois, quando da apresentação do logotipo elaborado pela cidade do Rio de Janeiro para as Olimpíadas. As acusações vieram de todos os lados e, mais uma vez, o Brasil e os organizadores saíram pela tangente com argumentos pouco concretos e de amplo sentido, tais como: "inspirado", "lembra", "coincidência".

As palavras que possuem "todo" e "nenhum sentido" relembram o país que já nasceu com sua história alterada, por um possível plágio, sem que ninguém fizesse nada a respeito.

No caso da logomarca das Olimpíadas, o desenho se parece com dois já existentes: o da Telluride Foundation, no estado de Colorado, dedicada à filantropia e o quadro A dança, de Henri Matisse. Ou seja, a inspiração, lembrança e coincidência vieram de duas obras e não de uma só! Haja coincidência!

O que é uma pena nos casos de plágio (e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima) é a prepotência de achar que vai conseguir enganar organizadores e participantes quanto à originalidade de uma obra.

Quando o evento ainda é importante, como a Independência do Brasil ou as Olimpíadas no Rio de Janeiro, a ilicitude continua a mesma, mas a falta de noção e a vergonha para o Brasil aumentam em progressão geométrica.

Com um pouco de estudo, todos saberiam que cedo ou tarde os plágios são descobertos. Um país que nasceu, artisticamente falando, com uma cópia, poderia mostrar que 122 anos depois é todo original.

Se definir o que é plágio exige técnica e cuidado, pois inspiração não é crime, um pouco de bom senso também deve ser acrescentado à mistura. Ou seja, na dúvida, é cópia, e para o Brasil se destacar, o que menos precisamos é de dúvida.

Vale aqui um parêntese: segundo o dicionário eletrônico Houaiss, plágio é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem".

A título de comparação, a Bosch, empresa mundialmente famosa pelas várias áreas de atuação, passando de amortecedor para carro a fogão, em 2004 registrou 2.791 patentes. Para explicar, é patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial.

Supõe-se, assim, que para a filosofia da Bosch, copiar é mais que uma vergonha. A empresa está orientada a sempre ser criativa.

Assim, aqui fica o recado: ou reforçamos as aulas de História ou as de Criatividade. Em ambos os casos o resultado será o aprendizado do que é plágio e a vergonha de se copiar obra feita por alguém como se fosse sua.

Mas o grande resultado mesmo seria tirar um pouco da prepotência de quem não só imita, como ainda acha que ninguém vai descobrir: casos de plágio estão toda hora na mídia.

Espero que daqui para frente "inspirado", "lembra", "coincidência" virem inspiração, esforço e criatividade.

Viva a descoberta! Viva a Bosch!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 4/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
02. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
03. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal
04. Contra a breguice no Facebook de Marta Barcellos
05. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2011
01. Plágio - 4/4/2011
02. Felicidade - 14/2/2011
03. O que queremos do Natal? - 21/11/2011
04. Souza Dantas, Almoço e Chocolate - 4/7/2011
05. Preconceitos - 14/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2011
11h29min
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
8/6/2011
14h29min
É o plágio do plágio! O autor do logotipo da Telluride Foundation poderia dizer que foi inspirado no quadro "A dança", de Matisse. O autor do logo do RIO já "chupou" direto da Telluride, talvez pensando que ninguém ia se lembrar de uma fundaçãozinha perdida lá no Colorado.
[Leia outros Comentários de José Frid]
11/6/2011
12h08min
Será fácil resolver o problema. Já que Matisse não pode requisitar os seus "direitos", o dinheiro ganho por quem "criou" a logomarca das Olimpíadas seja devolvido ou entregue para uma "obra" e tem que ser "real" e "autêntica" de "caridade". Não foi assim, com esse espírito de caridade que norteou a "cópia", "lembrança", etc. Será um bom exemplo para o futuro e evitará novos "criadores" de algo já existente. E não venham dizer que se trata de "criatividade" copiar o que é bonito. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
30/11/2012
17h29min
Engraçado que o autor não cita qual é a fonte da informação histórica contida no primeiro parágrafo. Não seria isso plágio???
[Leia outros Comentários de JB]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMÉDIAS PARA SE LER NA ESCOLA
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2001)
R$ 15,00
+ frete grátis



PRELÚDIO PARA A MORTE
VAL MCDERMID
BERTRAND BRASIL
(2009)
R$ 42,00
+ frete grátis



SEIS PEÇAS DE TEATRO PARA CRIANÇAS - STELLA LEONARDOS (TEATRO INFANTIL)
STELLA LEONARDOS
EDIOURO
R$ 8,00
+ frete grátis



SIMPLESMENTE CHIQUE - RECEITAS PRÁTICAS PARA SEU DIA A DIA
PAULA NASSER
DO AUTOR
(2015)
R$ 10,00
+ frete grátis



A ESTRATEGIA EM AÇÃO BALANCED SCORECARD
ROBERT S. KAPLAN / DAVID P. NORTON
CAMPUS
(1997)
R$ 45,00
+ frete grátis



A TRAMA DOS TAMBORES - A MÚSICA AFRO-POP DE SALVADOR
GOLI GUERREIRO
34
(2000)
R$ 20,00
+ frete grátis



TEM GENTE QUE SÓ SE MATA POR ERRO DE CÁLCULO
TEM GENTE QUE SÓ SE MATA POR ERRO DE CÁLCULO
REDONDEZAS CONTOS
(2013)
R$ 11,00
+ frete grátis



LIBRAS, QUE LÍNGUA É ESSA?
AUDREI GESSER
PARÁBOLA
(2009)
R$ 10,00
+ frete grátis



THE POWER OF GENEROSITY
DAVE TOYCEN
AUTHENTIC MEDIA
(2004)
R$ 12,00
+ frete grátis



REDAÇÃO E INTERPRETÇÃO INSTRUMENTAL
WILSON DE ARAÚJO MELO
RIO
(1980)
R$ 9,00
+ frete grátis





busca | avançada
17058 visitas/dia
635 mil/mês