O lugar certo | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pronétaires, unissez-vous!
>>> O mapa da África
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
>>> Solidão Moderna
Mais Recentes
>>> Assumindo o Controle do Seu Tempo de Hbr pela Elsevier (2007)
>>> Feliz Ano Novo de Rubem Fonseca pela Companhia das Letras (1990)
>>> Ai de Ti, Copacabana de Rubem Braga pela Record
>>> O Poder da Esposa Que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (1998)
>>> Alexandre e Outros Heróis de Graciliano Ramos pela Record
>>> Nosso Lar de Chico Xavier pela Feb (1997)
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Maria, a Maior Educadora da História de Augusto Cury pela Planeta (2007)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupéry pela Harper Collins Br (2006)
>>> Ação e Reação de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> O Mestre dos Mestres Análise da Inteligência de Cristo Vol 1 de Augusto Cury pela Sextante (2006)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Mantenha Seu Cérebro Vivo de Lawrence C Katz pela Sextante (2000)
>>> Terminologia Em Enfermagem de Maria Aparecida Modesto dos Santos pela Martinari (2006)
>>> Oração de São Francisco de Leonardo Boff pela Sextante (1999)
>>> Dom Quixote - Série Reencontro de Miguel de Cervantes / José Angeli pela Scipione (1985)
>>> Orixás, Caboclos e Guias de Edir Macedo pela Unipro (2007)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Circulo do Livro
>>> O Quinze de Rachel de Queiroz pela Salamandra
>>> O Que Você Precisa Saber Sobre Maçonaria de Elias Mansur Neto pela Universo dos Livros
>>> Filha da Noite de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Rainha da Dança de Thalia Kalkipsakis pela Fundamento (2005)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/3/2004
O lugar certo
Eduardo Carvalho

+ de 5100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A sensação de morar em São Paulo

Chega de festas forçadas e de obras desnecessárias: a cidade de São Paulo está totalmente dominada pela mais cruel bandidagem, e é muito incômodo observar que - das vítimas às autoridades - o assunto tem sido sistematicamente desprezado. Claro que, de vez em quando, os jornais se dedicam ao assunto, os políticos lançam novas estratégias, enquanto a população, quando perguntada sobre o que a incomoda, cita a violência em primeiro ou segundo lugar. Mas isso não é nada. Ou, pelo menos, é muito insignificante, como proposta ou resultado, se considerarmos o absoluto estado de terror em que a situação chegou. A cidade não está em guerra, como querem ou anunciam alguns. Ela está é sendo tranqüilamente invadida por assassinos alucinados, que não encontram quase nenhuma resistência - nem civil nem militar - à escolha que fizeram para ganhar a vida.

Nenhuma área de São Paulo está imune à brutalidade dessa covardia. Um executivo foi assaltado, na semana passada, dentro do estacionamento em que paro o carro, na esquina da R. Tabapuã com a Av. Nova Faria Lima, quando saia do Faria Lima Financial Center, o mais moderno edifício comercial da cidade. Há um mês, aproximadamente, ali ao lado, na R. Iguatemi, outros dois motoqueiros-assaltantes foram baleados, na hora do almoço, durante uma perseguição policial. O prédio em que um amigo mora, aqui em Higienópolis, foi invadido em janeiro, e vários andares foram saqueados. A professora de ginástica da Sociedade Harmonia de Tênis, no Jardim Europa, foi, também há uma semana, assaltada e estuprada quando saía do clube, numa rua em que todas as casas têm câmeras de vigilância. Uma amiga, que mora no Jardim Paulistano, foi proibida de sair de casa depois das 18hrs., porque duas amigas e seu motorista já foram assaltados na porta de sua casa, numa rua aparentemente tranqüila. E esses são todos, veja só, acontecimentos próximos e recentes, suficientes para uma curta ilustração - ou eu reservaria colunas citando outros exemplos.

A violência é o mais grave defeito que um centro urbano pode ter. Todos os outros - a feiúra das construções, o trânsito engarrafado, a poluição do ar, etc. - podem ser compreendidos ou tolerados, havendo qualidades que compensem esses problemas - atividade comercial e cultural, proximidade dos amigos, clubes convenientes, etc. Mas é completamente impossível viver satisfeito numa cidade em que o risco de ser baleado ou estuprada seja tão grande. Um investidor de sucesso sabe que certos riscos não se podem correr, mesmo que a expectativa de retorno seja infinitamente alta. E, vivendo em São Paulo, são esses riscos - de perda total - que todo dia estamos assumindo.

A tomada da cidade de São Paulo pela bandidagem organizada - e desorganizada também - é explícita e praticamente oficial. As vagas nos quarteirões em volta da PUC, em Perdizes, e da FAAP, no Pacaembu, à noite são reservadas - com caixas e cones - por assaltantes assumidos, sustentados mensalmente pelos próprios estudantes. (Alguém acha que eles não estão armados? E quem são esses estudantes - os mesmos que depois fazem passeatas pela paz?) O Ibirapuera, onde eu poderia fazer meus treinos de bicicleta, está rodeado por trombadinhas, que levariam a minha depois de um empurrão. E ninguém - nem as vítimas nem as autoridades - faz nada. Parece que há um charme em viver assim: um certo orgulho do aluno roubado em se sentir "brother" do provável assassino que guarda o seu carro. E todas as pontas se amarram: a ingenuidade maliciosa do estudante, que acha que é malando enquanto está sendo assaltado; a corrupção das autoridades, que muito provavelmente embolsam seus trocados para fingirem que não vêem; e a picaretagem do "maluco" da periferia, que recolhe suas mensalidades para torrar em roupas e drogas.

A única esperança numa situação dessas é quando ainda existe, na cidade, uma elite lúcida - política, cultural e econômica -, que se oponha a esse ciclo criminoso, com propostas firmes e eficientes. Onde está ela? Geraldo Alkmin se esforça, comprando carros e equipando a polícia, mas - mesmo que isso tenha algum efeito imediato - é uma solução paliativa. (Quando, aliás, vão municipalizar a segurança neste país?) O que consideramos elite cultural, no Brasil, meteu-se numa viagem intelectual intergaláctica, e não voltará viva. Emir Sader, para se ter uma idéia, professor da USP e guru da molecada da PUC, acredita que uma organização secreta do governo norte-americano pode ter explodido os trens em Madri. E Antônio Ermírio de Moraes, numa entrevista recente, anunciou que a violência em São Paulo é "exagerada", já que ele nunca foi assaltado. (Por que, então, muros tão altos protegendo sua casa? Porque é bonito?) Como conversar com essa gente? Impossível. Merecem a cidade em que vivem. Por mais errado que o lugar esteja, certas pessoas nasceram no lugar certo.

Um palhaço erudito

Li recentemente, atrasado - deveria ter lido antes -, Chatô - O Rei do Brasil, o tijolo que Fernando Morais escreveu sobre Assis Chateaubriand. A leitura é de fato indispensável, por dois motivos: Chateaubriand foi provavelmente o brasileiro mais influente do século XX, talvez mesmo acima de Getulio Vargas e Juscelino; e Fernando Morais soube traçar com nitidez a personalidade do biografado, antes de misturar sua opinião aos acontecimentos que narra.

Chateaubriand foi um palhaço erudito. Sua formação autodidata, como leitor voraz e colecionador de livros na adolescência, impressiona. E é determinante para o seu - se se pode dizer assim - sucesso posterior. Goethe o ensinou a aproveitar ao máximo os prazeres da vida. Nietzsche foi sua referência em moral. É uma combinação perigosa. E, em jornalismo, o polêmico Carlos Laet - tataravô dos meus primos, sobre quem devo uma nota - foi sua principal influência. A esse triângulo soma-se a inesgotável energia de Chateaubriand, e seu excêntrico senso de humor, e isso basta para virar um país frágil como o Brasil de ponta cabeça, chacoalhá-lo pelos pés - e depois pegar as migalhas que caíram do seu bolso.

Chateaubriand fez o que quis com o Brasil. Tudo bem: ele era inteligente e habilidoso, mas não justifica. Não é apenas pela curiosidade sobre a vida de Chateaubriand que Chatô merece ser lido. É também pela detalhada demonstração de como o Brasil foi - é? - um país institucionalmente fraco, vulnerável à imposição dos caprichos de um engenhoso megalomaníaco. Suas extravagâncias, num país politicamente organizado, teriam sido barradas por leis e homens decentes - e restaria sua força empreendedora. É por isto que não escolhemos Chateaubriand como herói nacional: porque ele expôs o Brasil a um insuportável ridículo, logo quando o país queria se mostrar sério.

Dom Helder Câmara foi quem, curiosamente, melhor definiu o dono dos Diários Associados: "De Chateaubriand se pode dizer o melhor e o pior. Haverá quem diga horrores pensando nele, mas como não recordar as campanhas memoráveis que ele empreendeu? Dentro do maquiavélico, do chantagista, do cínico, o Pai saberá encontrar a criança, o poeta. Deus saberá julgá-lo". É por aí: mas o Brasil se nega a aceitar as qualidades de um homem que tanto o confundiu.

A criança e o poeta somados, aliás, dão nisto: num palhaço mesmo, mas - no caso de Chateaubriand - num palhaço que escrevia maravilhosamente bem. Dificilmente há alguém, no Brasil, que conheceu e usou tantos adjetivos depreciativos diferentes. E poucos jornalistas conseguiram escrever com uma prosa tão ágil e tão forte. A coleção dos seus 11.870 artigos possivelmente não servirá de leitura para um curso de ética jornalística. Mas deveria pelo menos ser indicada a certos novatos em redação, que - perseguindo interesses às vezes pessoais também - nem sequer aprenderam a expressá-los com beleza.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 26/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
02. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel de Duanne Ribeiro
04. A resistência, de Ernesto Sabato de Rafael Rodrigues
05. Do brócolis ao samba de Adriana Baggio


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
04. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2004
15h00min
Belo texto, Eduardo. Mas não é só São Paulo, aqui no Rio tb é um inferno. Para coibir a violência urbana, o governo confisca armas e promete levar à cadeia quem as carregar. Mas com isso desarma só a população, criminoso não precisa se preocupar com a lei - afinal, ele não vive dentro da lei. O governo (e a grande mídia, que fez campanha contra as armas) parece querer que o cidadão esteja bem desamparado, resignado à violência. Que guarde o relógio de pulso no bolso quando entre num ônibus. Afinal, é apenas um pagador de impostos, não deve ter nenhuma ilusão de estar no controle.
[Leia outros Comentários de Mauricio Dias ]
26/3/2004
08h34min
Edu, acabei de saber de um ex-colega de trabalho que foi sequestrado, ligou p/ 190 e a polícia ignorou o seu chamado! Incrível e inacreditável! ADORO suas crônicas, leio sempre todas mas há uma especial: "Não li em vão", maravilhosa, juntamente com o comentário de sua mãe, que tb merece os meus parabéns e tem tudo para realmente se orgulhar muito. Realmente vc mereceu todos os investimentos! Acompanhei alguns (as viagens c/ o Luís) em que vocês realmente curtiram e aproveitaram o máximo! um beijão para vc e sua mãe, tia Lú
[Leia outros Comentários de Vera Lucia A. Lima ]
2/4/2004
13h59min
Eduardo, este cenário vai mudar. Para pior. Segurança Pública, a despeito de alguns abnegados, está completamente falida. Salários de fome, mal treinados, mal equipados, policiais vivem sob a égide do medo. A corrupção corre solta. Me recordo com nostalgia um filme de Sidney Lumet (O Príncipe da Cidade) no início dos anos 70. Nova York foi submetida a uma verdadeira faxina, com expulsão dos policiais corruptos. Nunca vi acontecer isto em Pindorama. Vou me mudar para a faixa de Gaza; pelo menos saberei porque a morte me espreita.
[Leia outros Comentários de Heraldo Vasconcellos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Noite de Autógrafos
Reinaldo
Desiderata
(2010)



Muito além da loucura
Marcelo Simões
Geração
(2013)



Empreendedorismo Na Veia
Rogerio Chér
Elsevier
(2014)



Aos Quatro Ventos
Ana Maria Machado
Nova Fronteira
(1993)



Concreto Armado - Eu Te Amo - Vol. 2 - 4ª Edição
Manoel Henrique Campos Botelho & Osvaldemar M. ...
Blucher
(2015)



Complete Cae Students Book Without Answers With Cd Row
Guy Brook Hart and Simon Haines
Cambridge
(2012)



Poesia Visual - Vídeo Poesia - 1ª Edição
Ricardo Araújo
Perspectiva
(2012)



Onde a Religiao Termina?
Marcelo da Luz
Editares
(2011)



Manual de Ioga
Georg Feuerstein
Cultrix
(1975)



Imunizações Em Pediatria Serie Atualizações Pediatricas
Helena Keico Sato e Outros
Atheneu
(2013)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês