O lugar certo | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Distribua você também em 2008
>>> A proposta libertária
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> As fronteiras da ficção científica
Mais Recentes
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
>>> Revista Crescer em Família – Ano 7 – Nº 74 - Primeiro Ano do Bebê de Vários Autores pela Globo (2000)
>>> Revista Mente e Cérebro – Ano XVI – Nº 197 – As 5 Idades do Cérebro de Vários Autores pela Duetto (2009)
>>> Poder, Política e Partido de A. Gramsci pela Brasiliense (1992)
>>> Gramsci : Cem anos de um pensamento vivo - coleção P&T de J. Luiz Marques e Luiz Pilla Vares (Orgs.) pela Palmarica (1991)
>>> Memórias da Resistência de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2019)
>>> Supercapitalismo Como o capitalismo tem transformado os negócios, a democracia e o cotidiano de Robert B. Reich pela Campus (2008)
>>> Marx Engels - História -Coleção Grandes Cientistas Sociais 36 de Florestan Fernandes (Org.) pela Ática (1983)
>>> Começo de Conversa – Orientação Sexual de Osny Telles Marcondes Machado pela Saraiva (1996)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1999)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> A dieta dos 17 dias Um método simples para perder barriga de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> O Especialista em Educação na Perspectiva da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 10 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> Dez Leis Para Ser Feliz - Ferramentas par se apaixonar pela vida de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> Projeto Revista de Educação – Nº 1 - Ano 1 de Vário Autores pela Projeto (1999)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Dicionário do Pensamento Marxista de Tom Bottomore - Editor pela Jorge Zahar (2001)
>>> Um tango para 5 Rainhas de Jony Wolff pela Edição do autor (2018)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Os Clássicos da Política vol. 1- Mquiavel-Hobbes-Montesquieu- Rousseau de Francisco C. Welfort (Org.) pela Ática (2006)
>>> Nacionalismos - O estado nacional e o nacionalismo no século XX de Montserrat Guibernau pela Jorge Zahar (1997)
>>> Bibliografia Estudos Sobre Violência Sexual Contra a Mulher:1984-2003 de Kátia Soares Braga - Elise Nacimento (Orgs.) pela Letras Livres - UNB (2004)
>>> O reino de James T. harman pela Restauração (2013)
>>> A importancia da cobertura de Lance Lambert pela Classicos (2013)
>>> O Reino Entre Nós de Não Informado pela O Lutador
>>> Como Realizar a Aprendizagem de Robert M. Gagné pela Mec (1974)
>>> Yoga para a Saúde do Ciclo Menstrual de Linda Sparrowe/ Patrícia Walden pela Pensamento (2004)
>>> Pequenos Segredos da Arte de Escrever de Luiz A. P. Victoria pela Ouro (1972)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1988)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1989)
>>> Paca, Tatú...Contos Infantis de Malba Tahan pela Cruzada da Boa Imprensa (1939)
>>> A Marquesa de Reval de May Logan pela Anchieta (1944)
>>> Camilo Compreendido Tomo 1 e 2 de Gondim da Fonseca pela Martins (1953)
>>> Técnicas de Yoga de Dr.M.L.Gharote pela Phorte (2007)
>>> A Essência da Alma de Sônia Tozzi (psicografia) pela Lúmen (2006)
>>> Minutos de Oração de Legrand (coord) pela Soler (2007)
>>> A Norma Jurídica de Tercio Sampaio Ferraz Jr. E Outros pela Freitas Bastos (1980)
>>> Le Bateau Ivre Análise e Interpretação de Augusto Meyer pela São José (1955)
>>> Franz Kafka Os Filhos Rossmann Bendemann e Samsa de Ruth Cerqueira de Oliveira Röhl pela Universidade de São Paulo (1976)
>>> Fios de Ariadne - Ensaios de interpretação marxista de Centro de Estudos Marxistas pela Universidade de Passo Fundo (1999)
>>> Três Momentos Poéticos de Nelly Novaes Coelho pela Conselho Estadual de Cultura
>>> A Luz Perdida de Murillo Araujo pela Pongetti (1952)
>>> História e Consciência Social de Leôncio Basbaum pela Globo (1985)
>>> Dostoievsky de David Magarshack pela Aster
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Phorte (2009)
>>> A Ciência do Yoga de J.K.Taimni pela Teosófica (2006)
>>> Osso no seu Osso indo além da imitação de cristo de F. j. Huegel pela Restauração (2019)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/3/2004
O lugar certo
Eduardo Carvalho

+ de 4800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A sensação de morar em São Paulo

Chega de festas forçadas e de obras desnecessárias: a cidade de São Paulo está totalmente dominada pela mais cruel bandidagem, e é muito incômodo observar que - das vítimas às autoridades - o assunto tem sido sistematicamente desprezado. Claro que, de vez em quando, os jornais se dedicam ao assunto, os políticos lançam novas estratégias, enquanto a população, quando perguntada sobre o que a incomoda, cita a violência em primeiro ou segundo lugar. Mas isso não é nada. Ou, pelo menos, é muito insignificante, como proposta ou resultado, se considerarmos o absoluto estado de terror em que a situação chegou. A cidade não está em guerra, como querem ou anunciam alguns. Ela está é sendo tranqüilamente invadida por assassinos alucinados, que não encontram quase nenhuma resistência - nem civil nem militar - à escolha que fizeram para ganhar a vida.

Nenhuma área de São Paulo está imune à brutalidade dessa covardia. Um executivo foi assaltado, na semana passada, dentro do estacionamento em que paro o carro, na esquina da R. Tabapuã com a Av. Nova Faria Lima, quando saia do Faria Lima Financial Center, o mais moderno edifício comercial da cidade. Há um mês, aproximadamente, ali ao lado, na R. Iguatemi, outros dois motoqueiros-assaltantes foram baleados, na hora do almoço, durante uma perseguição policial. O prédio em que um amigo mora, aqui em Higienópolis, foi invadido em janeiro, e vários andares foram saqueados. A professora de ginástica da Sociedade Harmonia de Tênis, no Jardim Europa, foi, também há uma semana, assaltada e estuprada quando saía do clube, numa rua em que todas as casas têm câmeras de vigilância. Uma amiga, que mora no Jardim Paulistano, foi proibida de sair de casa depois das 18hrs., porque duas amigas e seu motorista já foram assaltados na porta de sua casa, numa rua aparentemente tranqüila. E esses são todos, veja só, acontecimentos próximos e recentes, suficientes para uma curta ilustração - ou eu reservaria colunas citando outros exemplos.

A violência é o mais grave defeito que um centro urbano pode ter. Todos os outros - a feiúra das construções, o trânsito engarrafado, a poluição do ar, etc. - podem ser compreendidos ou tolerados, havendo qualidades que compensem esses problemas - atividade comercial e cultural, proximidade dos amigos, clubes convenientes, etc. Mas é completamente impossível viver satisfeito numa cidade em que o risco de ser baleado ou estuprada seja tão grande. Um investidor de sucesso sabe que certos riscos não se podem correr, mesmo que a expectativa de retorno seja infinitamente alta. E, vivendo em São Paulo, são esses riscos - de perda total - que todo dia estamos assumindo.

A tomada da cidade de São Paulo pela bandidagem organizada - e desorganizada também - é explícita e praticamente oficial. As vagas nos quarteirões em volta da PUC, em Perdizes, e da FAAP, no Pacaembu, à noite são reservadas - com caixas e cones - por assaltantes assumidos, sustentados mensalmente pelos próprios estudantes. (Alguém acha que eles não estão armados? E quem são esses estudantes - os mesmos que depois fazem passeatas pela paz?) O Ibirapuera, onde eu poderia fazer meus treinos de bicicleta, está rodeado por trombadinhas, que levariam a minha depois de um empurrão. E ninguém - nem as vítimas nem as autoridades - faz nada. Parece que há um charme em viver assim: um certo orgulho do aluno roubado em se sentir "brother" do provável assassino que guarda o seu carro. E todas as pontas se amarram: a ingenuidade maliciosa do estudante, que acha que é malando enquanto está sendo assaltado; a corrupção das autoridades, que muito provavelmente embolsam seus trocados para fingirem que não vêem; e a picaretagem do "maluco" da periferia, que recolhe suas mensalidades para torrar em roupas e drogas.

A única esperança numa situação dessas é quando ainda existe, na cidade, uma elite lúcida - política, cultural e econômica -, que se oponha a esse ciclo criminoso, com propostas firmes e eficientes. Onde está ela? Geraldo Alkmin se esforça, comprando carros e equipando a polícia, mas - mesmo que isso tenha algum efeito imediato - é uma solução paliativa. (Quando, aliás, vão municipalizar a segurança neste país?) O que consideramos elite cultural, no Brasil, meteu-se numa viagem intelectual intergaláctica, e não voltará viva. Emir Sader, para se ter uma idéia, professor da USP e guru da molecada da PUC, acredita que uma organização secreta do governo norte-americano pode ter explodido os trens em Madri. E Antônio Ermírio de Moraes, numa entrevista recente, anunciou que a violência em São Paulo é "exagerada", já que ele nunca foi assaltado. (Por que, então, muros tão altos protegendo sua casa? Porque é bonito?) Como conversar com essa gente? Impossível. Merecem a cidade em que vivem. Por mais errado que o lugar esteja, certas pessoas nasceram no lugar certo.

Um palhaço erudito

Li recentemente, atrasado - deveria ter lido antes -, Chatô - O Rei do Brasil, o tijolo que Fernando Morais escreveu sobre Assis Chateaubriand. A leitura é de fato indispensável, por dois motivos: Chateaubriand foi provavelmente o brasileiro mais influente do século XX, talvez mesmo acima de Getulio Vargas e Juscelino; e Fernando Morais soube traçar com nitidez a personalidade do biografado, antes de misturar sua opinião aos acontecimentos que narra.

Chateaubriand foi um palhaço erudito. Sua formação autodidata, como leitor voraz e colecionador de livros na adolescência, impressiona. E é determinante para o seu - se se pode dizer assim - sucesso posterior. Goethe o ensinou a aproveitar ao máximo os prazeres da vida. Nietzsche foi sua referência em moral. É uma combinação perigosa. E, em jornalismo, o polêmico Carlos Laet - tataravô dos meus primos, sobre quem devo uma nota - foi sua principal influência. A esse triângulo soma-se a inesgotável energia de Chateaubriand, e seu excêntrico senso de humor, e isso basta para virar um país frágil como o Brasil de ponta cabeça, chacoalhá-lo pelos pés - e depois pegar as migalhas que caíram do seu bolso.

Chateaubriand fez o que quis com o Brasil. Tudo bem: ele era inteligente e habilidoso, mas não justifica. Não é apenas pela curiosidade sobre a vida de Chateaubriand que Chatô merece ser lido. É também pela detalhada demonstração de como o Brasil foi - é? - um país institucionalmente fraco, vulnerável à imposição dos caprichos de um engenhoso megalomaníaco. Suas extravagâncias, num país politicamente organizado, teriam sido barradas por leis e homens decentes - e restaria sua força empreendedora. É por isto que não escolhemos Chateaubriand como herói nacional: porque ele expôs o Brasil a um insuportável ridículo, logo quando o país queria se mostrar sério.

Dom Helder Câmara foi quem, curiosamente, melhor definiu o dono dos Diários Associados: "De Chateaubriand se pode dizer o melhor e o pior. Haverá quem diga horrores pensando nele, mas como não recordar as campanhas memoráveis que ele empreendeu? Dentro do maquiavélico, do chantagista, do cínico, o Pai saberá encontrar a criança, o poeta. Deus saberá julgá-lo". É por aí: mas o Brasil se nega a aceitar as qualidades de um homem que tanto o confundiu.

A criança e o poeta somados, aliás, dão nisto: num palhaço mesmo, mas - no caso de Chateaubriand - num palhaço que escrevia maravilhosamente bem. Dificilmente há alguém, no Brasil, que conheceu e usou tantos adjetivos depreciativos diferentes. E poucos jornalistas conseguiram escrever com uma prosa tão ágil e tão forte. A coleção dos seus 11.870 artigos possivelmente não servirá de leitura para um curso de ética jornalística. Mas deveria pelo menos ser indicada a certos novatos em redação, que - perseguindo interesses às vezes pessoais também - nem sequer aprenderam a expressá-los com beleza.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 26/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O produto humano de Ana Elisa Ribeiro
02. O detetive Alyrio e as paisagens noturnas de Fabio Silvestre Cardoso
03. Ainda a insustentável leveza do cérebro feminino de Ana Elisa Ribeiro
04. O melhor nacional do ano de Lucas Rodrigues Pires


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
04. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2004
15h00min
Belo texto, Eduardo. Mas não é só São Paulo, aqui no Rio tb é um inferno. Para coibir a violência urbana, o governo confisca armas e promete levar à cadeia quem as carregar. Mas com isso desarma só a população, criminoso não precisa se preocupar com a lei - afinal, ele não vive dentro da lei. O governo (e a grande mídia, que fez campanha contra as armas) parece querer que o cidadão esteja bem desamparado, resignado à violência. Que guarde o relógio de pulso no bolso quando entre num ônibus. Afinal, é apenas um pagador de impostos, não deve ter nenhuma ilusão de estar no controle.
[Leia outros Comentários de Mauricio Dias ]
26/3/2004
08h34min
Edu, acabei de saber de um ex-colega de trabalho que foi sequestrado, ligou p/ 190 e a polícia ignorou o seu chamado! Incrível e inacreditável! ADORO suas crônicas, leio sempre todas mas há uma especial: "Não li em vão", maravilhosa, juntamente com o comentário de sua mãe, que tb merece os meus parabéns e tem tudo para realmente se orgulhar muito. Realmente vc mereceu todos os investimentos! Acompanhei alguns (as viagens c/ o Luís) em que vocês realmente curtiram e aproveitaram o máximo! um beijão para vc e sua mãe, tia Lú
[Leia outros Comentários de Vera Lucia A. Lima ]
2/4/2004
13h59min
Eduardo, este cenário vai mudar. Para pior. Segurança Pública, a despeito de alguns abnegados, está completamente falida. Salários de fome, mal treinados, mal equipados, policiais vivem sob a égide do medo. A corrupção corre solta. Me recordo com nostalgia um filme de Sidney Lumet (O Príncipe da Cidade) no início dos anos 70. Nova York foi submetida a uma verdadeira faxina, com expulsão dos policiais corruptos. Nunca vi acontecer isto em Pindorama. Vou me mudar para a faixa de Gaza; pelo menos saberei porque a morte me espreita.
[Leia outros Comentários de Heraldo Vasconcellos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ
THEREZINHA BITTENCOURT E VITOR LIMA RAIMUNDO
ODORIZZI
(2011)
R$ 10,00



TEM AQUELA DO...
CHICO ANÍSIO
CÍRCULO DO LIVRO
(1978)
R$ 8,38



SOMBRAS QUE ASSOMBRAM - O EXPRESSIONISMO NO CINEMA ALEMÃO
SESC
SESC
(2013)
R$ 7,27



NOVAS GEOPOLÍTICAS
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
CONTEXTO
(2011)
R$ 18,00



PROSPERIDADE EM 42 DIAS
HUMBERTO PAZIAN
BUTTERFLY
(2008)
R$ 19,00



FILHOTES - OS CUIDADOS NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA DO SEU CÃO
SCOTT MILLER
MANOLE
(2008)
R$ 25,00



EXEGESE DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL-04 VOLUMES-CRÍTICA-INTER-JUR 9429
ANTONIO PEREIRA BRAGA
MAX LIMONAD
R$ 143,00



OS SEIS LIVROS DA REPÚBLICA - LIVRO SEGUNDO - 1ª EDIÇÃO
JEAN BODIN
ÍCONE
(2011)
R$ 34,95



O CRIME DO PADRE AMARO
EÇA DE QUEIRÓS
W. BUCH
(2009)
R$ 14,90



OS EXTRATERRESTRES - OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA ?
HEBER CASAL SÁENZ
PLANETA
(2005)
R$ 12,90





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês