Daniel Piza, sempre aberto ao diálogo | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Outsiders, de Howard S. Becker
>>> A fila sempre anda
>>> Na praia
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
Mais Recentes
>>> Estudos Feministas - v. 15, n. 1 (2007) de Vários pela Edufsc (2019)
>>> Estudos Feministas - v. 17, n. 3 (2009) de Vários pela Edufsc (2009)
>>> Mauá Empresário do Império de Jorge Caldeira pela Companhia das Letras (1995)
>>> Camilo - Señor de la Vanguardia de William Galvez pela Editorial de Ciencias Sociales (1979)
>>> Mutações Ensaios Sobre as Novas Configurações do Mundo de Adauto Novaes (Org.) pela Agir (2008)
>>> Síndrome da Violência de Hosmany Ramos pela Sequência Editorial (1984)
>>> Ame e Dê Vexame de Roberto Freire pela Guanabara (1990)
>>> À Sombra das Chuteiras Imortais - Crônicas de Futebol de Nelson Rodrigues pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Solidariedade Antifascista Brasileiros na Guerra Civil Espanhola 1936-1939 de Thaís Battibugli pela Edusp (2004)
>>> Como Esmagar o Fascismo de Leon Trotski pela Autonomia Literária (2018)
>>> Como nasce e morre o fascismo de Clara Zetkin pela Autonomia Literária (2019)
>>> A aventura de contar-se - Feminismos, escrita de si e invenções da subjetividad de Margareth Rago pela Unicamp (2012)
>>> Pró: reivindicando os direitos ao aborto de Katha Pollitt pela Autonomia Literária (2019)
>>> A Revolução Ignorada: Liberação da Mulher, Democracia Direta e Pluralismo Radical No Oriente Médio de Dilar Dirik et al. pela Autonomia Literária (2015)
>>> Despindo Corpos Uma história da liberação sexual feminina no Brasil (1961 - 1985) de Gisele Bischoff Gellacic pela Alameda Editorial (2017)
>>> Erguer a voz: Pensar como feminista, pensar como negra de Bell Hooks pela Elefante (2019)
>>> Olhares negros raça e representação de Bell Hooks pela Elefante (2018)
>>> Feminismo no exílio: o Círculo de Mulheres Brasileiras em Paris e o Grupo Latino-Americano de Mulheres em Paris de Maira Abreu pela Alameda Editorial (2016)
>>> Relatar a si mesmo: Crítica da violência ética de Judith Butler pela Autêntica (2015)
>>> Quadros de guerra: Quando a vida é passível de luto? de Judith Butler pela Civilização Brasileira (2015)
>>> Trotski - O Profeta Banido de Isaac Deutscher pela Civilização Brasileira (1984)
>>> Nos Tempos de Getúlio: Da Revolução de 30 ao Fim do Estado Novo de Sonia de Deus Rodrigues Bercito pela Atual/ Sp. (1995)
>>> De Getulio a Getúlio: o Brasil de Dutra e Vargas (1945 a 1954) de Francisco Fernando Monteoliva Doratioto (e outro) pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1991)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
COLUNAS >>> Especial Daniel Piza (1970-2011)

Segunda-feira, 16/1/2012
Daniel Piza, sempre aberto ao diálogo
Humberto Pereira da Silva

+ de 3300 Acessos

O diálogo on-line abaixo foi travado há oito anos entre mim e Daniel Piza. Na ocasião, divergimos sobre um comentário que ele fez em sua coluna Sinopse, no jornal O Estado de S. Paulo, a respeito do filme O Desprezo, de J. L. Godard. Não o conhecia pessoalmente, o que só ocorreu tempo depois, no lançamento do livro que escreveu sobre Machado de Assis.

Bem, mas em 2003 iniciei o diálogo com uma missiva que reconheço dura e, talvez para alguns, pedante e arrogante. Com a morte precoce, e recente, de Daniel, torno-o público para dar aos leitores e admiradores uma ideia do enorme respeito que ele tinha por quem o lia. O modo como me expressei levaria qualquer outro a simplesmente me ignorar. Não foi o caso com ele. Estranhos caminhos da vida; chato imaginar sem ele o espaço Sinopse no Estadão...

* * *

From: Humberto
To: dpiza@estado.com.br
Sent: Sunday, April 27, 2003 6:36 PM
Subject: cinema


Caro Daniel Piza,

Já lhe escrevi outrora justamente para elogiá-lo e situá-lo entre os nomes mais proeminentes do jornalismo cultural desde Paulo Francis. A primeira coisa que faço com o Estadão dominical é abrir sua coluna. Inteligente, sagaz, independente, neste país de pensamento rasteiro e ideologia de boteco. Gosto imensamente de ler o que você escreve na Bravo! e já comprei "brigas" com colegas na filosofia, defendendo-o de ataques como o de que jornalistas culturais como você falam de tudo e não entendem de nada. Acho esse tipo de desqualificação espúria para quem fica na academia e não se expõe para o grande público.

Guardada a admiração, fiquei embasbacado ao ler hoje seu comentário sobre O Desprezo, de Godard. Mesmo levando em conta a agilidade do jornalismo cultural, fiquei simplesmente incrédulo com o que li. Ora, caro Daniel, se você me responder que procurou expressar seu gosto ("Gosto não se discute?") aí tudo bem. Eu fico em paz com minha consciência e a pensar com meus botões: "o Daniel Piza não gosta de Godard, tudo bem, eu também não gosto de Francis Bacon, de Edward Hopper, sei lá, de um pintor qualquer que ele gosta". Ficamos em paz e eu continuo a ler e admirar uma das grandes novidades do jornalismo cultural dos últimos anos.

Ou seja, não é para eu levar a sério a bobeira sobre "o limite do cinema" na coluna de hoje. De outro modo, vou dar a mão à palmatória aos meus colegas na filosofia: "até tu, Brutus, escapa ao ar inteligente e é contaminado pela imbecilização jornalística, ao trocar gostos por sapatos?". Já dizia um dito provecto: que o sapateiro fique no sapato.

Ao ler seu texto fico com a sensação de que estou sendo ensinado sobre Godard. Um cineasta antigo, que fez um filme desconhecido que não diz mais nada sobre o mundo ou a vida, com uns achadinhos verbais ou visuais. Ora, Daniel Piza, do punhado de jornalistas que pululam nas redações dos jornais e revistas neste país pode-se esperar o clichê imbecilizante "alguns achados verbais, visuais e algumas sequências chatas...", mas de você eu sinceramente não esperava.

Antes de tudo, devo dizer-lhe que sou totalmente avesso ao endeusamento de figuras excêntricas e polêmicas como Miles Davis, Stockhausen, Godard, João Gilberto, Pasollini, Andy Wharol e assim vai. Então acho que há muito de mitificação em torno de Godard desde os anos 60. Agora, para mostrar que não "entendeu" Godard parece que o melhor é dizer coisas como: está datado, filmou mal tal sequência...

Mesmo que eu não gostasse de Godard, e esse não é o caso, a pergunta é simples e cândida: por que perder tempo comentando um filme de 1964? Por que há mostras e mostras Godard pelos quatro cantos? Por que o tumulto em torno de O Elogio do Amor em Cannes? Por que entrevistas na The New Yorker? Por que quando vem "um Godard" no MAM há público? Por que colunistas inteligentes escrevem sobre o mito Godard? Daniel, você é jovem e eu também. Em 2023 veremos um Godard qualquer, em uma mostra pelo mundo. E, desde já, convido-o para o assistirmos, tomarmos uma cerveja depois e discutirmos a sobrevivência dos filmes de Godard.

Você sabe bem que Godard é um dos símbolos da cultura do século passado. Se seu projeto de cinema falhou, se estamos meio distantes para percebermos sua fortuna crítica, se a aproximação com um público tal é difícil, se é, nos seus ingênuos dizeres, "pseudo-erudito", não acho que seu texto se sirva para confundir os incautos e tomar Godard como um extemporâneo que merece o mesmo tratamento que um garoto que fez uma bobagem qualquer como As horas (aliás, de cujo comentário que você fez mereceu de minha parte uma boa exposição para amigos sobre a personalidade do Leonard Woolf), Frida ou Cidade de Deus.

Caro Daniel, para quem "entende" de cinema você escreveu bobagem; para quem não "entende", gera mal-entendido. Clichês empobrecem o jornalismo e dão lenha para que os acadêmicos encham o peito e digam: "fala de tudo e não entende de nada". Falar sobre Godard é intelectualmente chique? E isso é porque, talvez, os agentes da CIA vejam em Godard um símbolo do imperialismo para divulgar mensagem burguesa? Assim como, para ficarmos na seara do cinema, falar sobre Riefensthal, Eiseinstein, Griffith ou Buñuel. A propósito, o que não seria "datado" para você? E isso me enche de curiosidade: o que é uma sequência "bem filmada"?

Para alguém com algo mais que minhoca na cabeça será que resta dúvida que qualquer bobagem que Spielberg filmar é muito "bem filmada". Se para você o "bem filmado" de Spielberg está um grau acima do "mal filmado" de Godard, para aludirmos a critérios estéticos, então passo a desconfiar imensamente de suas críticas de arte para a Bravo!. Seus critérios sobre o que é "bem filmado" seriam para mim muito estranhos. E eu não teria parâmetros para considerar suas apreciações sobre arte em geral.

E, entenda, tudo isso porque nutro por você grande admiração. Do contrário, não perderia tempo com estas linhas.

Abraço do leitor,

Humberto Pereira da Silva

* * *

From: Daniel Piza
To: Humberto
Sent: Wednesday, May 07, 2003 6:54 PM
Subject: Re: cinema


Caro Humberto,

Primeiro, quero apontar uma desproporção. Vc dedica um texto de mais de 100 linhas para uma nota que não tinha mais de 5. Uma nota impressionista, específica, dentro dos parâmetros de uma coluna pessoal. Não uma resenha analítica sobre o filme, muito menos sobre a obra de Godard como um todo.

Quanto à questão em si, simplesmente acho que o excesso de citações e repetições deixa o filme chato. Não é preciso ter uma grande história; no entanto, quando ela não existe, é preciso adensá-la de forma consistente, seja pelas experiências de linguagem, seja pela exposição de idéias. Não fechei os olhos para Godard, mas apenas fui rever
O Desprezo e achei que o filme se perde em inegável inabilidade técnica e pouca originalidade intelectual.

Vc também argumenta que se Godard não fosse importante não estaríamos discutindo sua obra. Me parece óbvio. Assim como me parece óbvio que suas indagações sobre os limites do cinema são indispensáveis, como eu mesmo afirmo num ensaio, "Imagens, imagens, imagens", em meu livro
Questão de Gosto, onde tb cito Greenaway.

O fato é que o cinema pretensamente ensaístico de Godard, como ele mesmo reconhece, tem altos e baixos, até mesmo pelos riscos que corre.
O Desprezo me parece um baixo. A Bout de Souffle, Vivre sa Vie e Pierrot le Fou estão entre os altos, talvez porque não negligenciam a força cinética dessa arte, saturando-a intelectualmente na medida certa.


C'est tout. Abraço

Daniel Piza


* * *

P.S. ― Infelizmente em 2023 Daniel Piza não poderá falar sobre Godard; até lá, para lembrar outro provérbio antigo, a roda da fortuna continuará em movimento.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 16/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
02. Cidade-sinestesia de Elisa Andrade Buzzo
03. Fotonovela: Sociedade/ Classes/ Fotografia de Duanne Ribeiro
04. Mulher-Flamingo de Marilia Mota Silva
05. Só Cronista se Explica de Joca Souza Leão


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


Mais Especial Daniel Piza (1970-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOVAS PROFECIAS DE NOSTRADAMUS
ERIKA CHEETHAM
CIRCULO DO LIVRO
R$ 5,00



VITÓRIA PELA ORAÇÃO
ALBERTO GAMBARINI
AGAPE
(2014)
R$ 8,00



CURSO DE FÍSICA BÁSICA 1 - MECÂNICA
H. MOYSÉS NUSSENZVEIG
EDGARD BLÜCHER
(2002)
R$ 40,00



BOLETIM DA ABRALIN - II CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIN VOLUME II
MARIA ELIAS SOARES (ORG)
IMPRENSA UNIVERSITÁRIA
(2003)
R$ 20,00



O BRASIL REPUBLICANO 1 - O TEMPO DO LIBERALISMO EXCLUDENTE
JORGE FERREIRA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2006)
R$ 43,00



RECONSTRUCTIVE BREAST SURGERY
NICHOLAS G. GEORGIADE
THE C V MOSBY COMPANY
(1976)
R$ 548,00



PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO DE MANOBRAS NA REDE ELÉTRICA EM ESTAÇÕES
ALEXANDRE SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



AVALIAÇÕES PARA GARANTIAS - 7680
IBAPE
PINI
(1983)
R$ 63,00



DIREITO BANCÁRIO
NELSON ABRÃO
SARAIVA
(2007)
R$ 30,00



MOVIMENTOS POPULARES NA IDADE MÉDIA - COLEÇÃO DESAFIOS
JOSÉ RIVAIR MACEDO
MODERNA PARADIDÁTICO
R$ 12,00





busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês