Daniel Piza, sempre aberto ao diálogo | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Daniel Piza (1970-2011)

Segunda-feira, 16/1/2012
Daniel Piza, sempre aberto ao diálogo
Humberto Pereira da Silva

+ de 3400 Acessos

O diálogo on-line abaixo foi travado há oito anos entre mim e Daniel Piza. Na ocasião, divergimos sobre um comentário que ele fez em sua coluna Sinopse, no jornal O Estado de S. Paulo, a respeito do filme O Desprezo, de J. L. Godard. Não o conhecia pessoalmente, o que só ocorreu tempo depois, no lançamento do livro que escreveu sobre Machado de Assis.

Bem, mas em 2003 iniciei o diálogo com uma missiva que reconheço dura e, talvez para alguns, pedante e arrogante. Com a morte precoce, e recente, de Daniel, torno-o público para dar aos leitores e admiradores uma ideia do enorme respeito que ele tinha por quem o lia. O modo como me expressei levaria qualquer outro a simplesmente me ignorar. Não foi o caso com ele. Estranhos caminhos da vida; chato imaginar sem ele o espaço Sinopse no Estadão...

* * *

From: Humberto
To: dpiza@estado.com.br
Sent: Sunday, April 27, 2003 6:36 PM
Subject: cinema


Caro Daniel Piza,

Já lhe escrevi outrora justamente para elogiá-lo e situá-lo entre os nomes mais proeminentes do jornalismo cultural desde Paulo Francis. A primeira coisa que faço com o Estadão dominical é abrir sua coluna. Inteligente, sagaz, independente, neste país de pensamento rasteiro e ideologia de boteco. Gosto imensamente de ler o que você escreve na Bravo! e já comprei "brigas" com colegas na filosofia, defendendo-o de ataques como o de que jornalistas culturais como você falam de tudo e não entendem de nada. Acho esse tipo de desqualificação espúria para quem fica na academia e não se expõe para o grande público.

Guardada a admiração, fiquei embasbacado ao ler hoje seu comentário sobre O Desprezo, de Godard. Mesmo levando em conta a agilidade do jornalismo cultural, fiquei simplesmente incrédulo com o que li. Ora, caro Daniel, se você me responder que procurou expressar seu gosto ("Gosto não se discute?") aí tudo bem. Eu fico em paz com minha consciência e a pensar com meus botões: "o Daniel Piza não gosta de Godard, tudo bem, eu também não gosto de Francis Bacon, de Edward Hopper, sei lá, de um pintor qualquer que ele gosta". Ficamos em paz e eu continuo a ler e admirar uma das grandes novidades do jornalismo cultural dos últimos anos.

Ou seja, não é para eu levar a sério a bobeira sobre "o limite do cinema" na coluna de hoje. De outro modo, vou dar a mão à palmatória aos meus colegas na filosofia: "até tu, Brutus, escapa ao ar inteligente e é contaminado pela imbecilização jornalística, ao trocar gostos por sapatos?". Já dizia um dito provecto: que o sapateiro fique no sapato.

Ao ler seu texto fico com a sensação de que estou sendo ensinado sobre Godard. Um cineasta antigo, que fez um filme desconhecido que não diz mais nada sobre o mundo ou a vida, com uns achadinhos verbais ou visuais. Ora, Daniel Piza, do punhado de jornalistas que pululam nas redações dos jornais e revistas neste país pode-se esperar o clichê imbecilizante "alguns achados verbais, visuais e algumas sequências chatas...", mas de você eu sinceramente não esperava.

Antes de tudo, devo dizer-lhe que sou totalmente avesso ao endeusamento de figuras excêntricas e polêmicas como Miles Davis, Stockhausen, Godard, João Gilberto, Pasollini, Andy Wharol e assim vai. Então acho que há muito de mitificação em torno de Godard desde os anos 60. Agora, para mostrar que não "entendeu" Godard parece que o melhor é dizer coisas como: está datado, filmou mal tal sequência...

Mesmo que eu não gostasse de Godard, e esse não é o caso, a pergunta é simples e cândida: por que perder tempo comentando um filme de 1964? Por que há mostras e mostras Godard pelos quatro cantos? Por que o tumulto em torno de O Elogio do Amor em Cannes? Por que entrevistas na The New Yorker? Por que quando vem "um Godard" no MAM há público? Por que colunistas inteligentes escrevem sobre o mito Godard? Daniel, você é jovem e eu também. Em 2023 veremos um Godard qualquer, em uma mostra pelo mundo. E, desde já, convido-o para o assistirmos, tomarmos uma cerveja depois e discutirmos a sobrevivência dos filmes de Godard.

Você sabe bem que Godard é um dos símbolos da cultura do século passado. Se seu projeto de cinema falhou, se estamos meio distantes para percebermos sua fortuna crítica, se a aproximação com um público tal é difícil, se é, nos seus ingênuos dizeres, "pseudo-erudito", não acho que seu texto se sirva para confundir os incautos e tomar Godard como um extemporâneo que merece o mesmo tratamento que um garoto que fez uma bobagem qualquer como As horas (aliás, de cujo comentário que você fez mereceu de minha parte uma boa exposição para amigos sobre a personalidade do Leonard Woolf), Frida ou Cidade de Deus.

Caro Daniel, para quem "entende" de cinema você escreveu bobagem; para quem não "entende", gera mal-entendido. Clichês empobrecem o jornalismo e dão lenha para que os acadêmicos encham o peito e digam: "fala de tudo e não entende de nada". Falar sobre Godard é intelectualmente chique? E isso é porque, talvez, os agentes da CIA vejam em Godard um símbolo do imperialismo para divulgar mensagem burguesa? Assim como, para ficarmos na seara do cinema, falar sobre Riefensthal, Eiseinstein, Griffith ou Buñuel. A propósito, o que não seria "datado" para você? E isso me enche de curiosidade: o que é uma sequência "bem filmada"?

Para alguém com algo mais que minhoca na cabeça será que resta dúvida que qualquer bobagem que Spielberg filmar é muito "bem filmada". Se para você o "bem filmado" de Spielberg está um grau acima do "mal filmado" de Godard, para aludirmos a critérios estéticos, então passo a desconfiar imensamente de suas críticas de arte para a Bravo!. Seus critérios sobre o que é "bem filmado" seriam para mim muito estranhos. E eu não teria parâmetros para considerar suas apreciações sobre arte em geral.

E, entenda, tudo isso porque nutro por você grande admiração. Do contrário, não perderia tempo com estas linhas.

Abraço do leitor,

Humberto Pereira da Silva

* * *

From: Daniel Piza
To: Humberto
Sent: Wednesday, May 07, 2003 6:54 PM
Subject: Re: cinema


Caro Humberto,

Primeiro, quero apontar uma desproporção. Vc dedica um texto de mais de 100 linhas para uma nota que não tinha mais de 5. Uma nota impressionista, específica, dentro dos parâmetros de uma coluna pessoal. Não uma resenha analítica sobre o filme, muito menos sobre a obra de Godard como um todo.

Quanto à questão em si, simplesmente acho que o excesso de citações e repetições deixa o filme chato. Não é preciso ter uma grande história; no entanto, quando ela não existe, é preciso adensá-la de forma consistente, seja pelas experiências de linguagem, seja pela exposição de idéias. Não fechei os olhos para Godard, mas apenas fui rever
O Desprezo e achei que o filme se perde em inegável inabilidade técnica e pouca originalidade intelectual.

Vc também argumenta que se Godard não fosse importante não estaríamos discutindo sua obra. Me parece óbvio. Assim como me parece óbvio que suas indagações sobre os limites do cinema são indispensáveis, como eu mesmo afirmo num ensaio, "Imagens, imagens, imagens", em meu livro
Questão de Gosto, onde tb cito Greenaway.

O fato é que o cinema pretensamente ensaístico de Godard, como ele mesmo reconhece, tem altos e baixos, até mesmo pelos riscos que corre.
O Desprezo me parece um baixo. A Bout de Souffle, Vivre sa Vie e Pierrot le Fou estão entre os altos, talvez porque não negligenciam a força cinética dessa arte, saturando-a intelectualmente na medida certa.


C'est tout. Abraço

Daniel Piza


* * *

P.S. ― Infelizmente em 2023 Daniel Piza não poderá falar sobre Godard; até lá, para lembrar outro provérbio antigo, a roda da fortuna continuará em movimento.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 16/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
02. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
03. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
04. Notas confessionais de um angustiado (V) de Cassionei Niches Petry
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


Mais Especial Daniel Piza (1970-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JOGOS MANGÁ COM ADESIVOS !
EDITORA GIRASSOL
GIRASSOL
(2017)
R$ 9,90



A NOVA MÍDIA A COMUNICAÇÃO DE MASSA NA ERA DA INFORMAÇÃO
WILSON DIZARD JR.
JORGE ZAHAR
(2000)
R$ 10,00



LONGE DA ÁRVORE - PAIS, FILHOS E A BUSCA DA IDENTIDADE
ANDREW SOLOMON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2015)
R$ 51,60



MANUAL DE CONDUTAS EM PATOLOGIAS OBSTÉTRICAS
ANTONIO GUARIENTO E OUTROS
SANTA JOANA
(2003)
R$ 4,00



SENHORAS PROGRESSISTAS E UMA TERRA DE CRIANÇAS
MONIQUE SOCHACZEWSKI
AUTOR (RJ)
(2007)
R$ 28,28



URUBU E O FLAMENGO
HENFIL
34
(1996)
R$ 190,00



MÃES EM GUERRA
JILL KARGMAN
ESS?NCIA
(2010)
R$ 4,25



COMUNICAÇÃO REDACIONAL
HÊNDRICA NADÓLSKIS
SARAIVA
(2011)
R$ 50,00



LENSBABY: BENDING YOUR PERSPECTIVE
COREY HILZ
FOCAL PRESS
(2010)
R$ 75,00



REFLEXÕES SOBRE A VAIDADE DOS HOMENS E CARTA SOBRE A FORTUNA
MATHIAS AIRES
ESCALA
(2008)
R$ 5,00





busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês