Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
>>> Aulas on-line percorrem os caminhos da produção editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carnaval só ano que vem, da Orquestra Imperial
>>> Os tataravôs da filosofia
>>> Sexo, drogas e rock’n’roll
>>> Dostoiévski era um observador da alma humana
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> Nélson e Otto #Clássico
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Escritor: uma ambição
>>> O Rei Roberto Carlos e a Ditadura
>>> Uma leitura jornalística
Mais Recentes
>>> Direito Constitucional Ambiental Brasileiro e Ecocentrismo de Ana Stela Vieira Mendes Câmara pela Lumen Juris (2017)
>>> O Acesso à Justiça Internacional para Empresas Brasileiras de Rafaela Câmara Silva pela Lumen Juris (2017)
>>> Os Impactos da Proteção ao Meio Ambiente no Direito de João Luiz Nogueira Matias pela Lumen Juris (2017)
>>> Obra Completa de Oliverio Girondo pela Allca XX / Scipione Cultural
>>> Crie Peixes - as Dicas Que Você Precisa de Alzugaray pela Três (1996)
>>> O Direito e a Ciência de Giselle Marie Krepsky pela Lumen Juris (2017)
>>> O Ministério Público Sobre o Olhar do Outro de Gustavo Hermont Corrêa pela Lumen Juris (2017)
>>> Receitas para a Cura Através de Nutrientes de Phyllis A. Balch; James Balch pela Campus (1995)
>>> Filosofia de Boteco - no Reverso das Ilusões de Antônio Charles Santiago Almeida pela Moura (2019)
>>> O Que é a Inteligência? de José Fernández Tejeda, Felipe Cherubin pela Lumen Juris (2016)
>>> Lung Cancer de Paul Lorigan pela Mosby (2007)
>>> A Crise Hídrica e o Direito de Alexandre Jorge Carneiro Filho, Ana Rita Nery pela Lumen Juris (2016)
>>> A Crise Hídrica e o Direito de Alexandre Jorge Carneiro Filho, Ana Rita Nery pela Lumen Juris (2016)
>>> Combate do Irani - Amanhece o Dia 22 de Outubro de 1912 de Revista História Catarina - Ano VI Nº 44 pela Leão Baio (2012)
>>> O Menino e o Mar de Lino de Albergaria pela Saraiva (2005)
>>> Contos de Amor Novo de Edson Gabriel Garcia pela Atual (1990)
>>> A Mina de Ouro - Coleção Cachorrinho Samba de Maria José Dupré pela Atica (1989)
>>> A Escola e a Produção Textual - Práticas Interativas e Tecnológicas de Silvia M. Gasparian Colello pela Summus (2017)
>>> Conceito de Renda Para Fins Tributários e IFRS de Roberto Salles Lopes pela Lumen Juris (2017)
>>> Regimes Alimentares e Questões Agrárias de Philip Mcmichael; Sonia Midori pela Unesp (2016)
>>> O Conselho Nacional de Justiça e o Poder Judiciário Brasileiro de Maria Lírida Calou de Araújo pela Lumen Juris (2017)
>>> O Estupro - uma Perspectiva Vitimológica de Nohara Paschoal pela Lumen Juris (2017)
>>> Acesso à Justiça nos Sistemas Internacionais de Proteção de Direitos Humanos de Marcus Pinto Aguiar pela Lumen Juris (2017)
>>> Voto e Máquina Política de Eli Diniz pela Paz e Terra (1982)
>>> Afinal, Quem Sou Eu para o Direito de Débora Caroline Pereira Chaves pela Lumen Juris (2017)
COLUNAS >>> Especial Protestos

Sexta-feira, 21/6/2013
Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos?
Adriana Baggio

+ de 3000 Acessos

Sempre que se começa uma argumentação dizendo "aqui na Europa...", parece que vem atípica desqualificação do Brasil por quem está morando fora. Para contribuir com o debate sobre as tarifas e a qualidade do transporte público no meu país, mais em pauta agora por conta dos protestos em São Paulo, queria trazer as minhas percepções sobre o transporte público de Bologna, que eu considero bom. O que não significa que viver em Bologna seja melhor do que viver no Brasil. Aliás, arrisco a dizer que morar em outro país nos ajuda a valorizar o nosso. Mas enfim, isso é digressão.

Bologna fica na área mais abastada da Itália, no centro-norte. É considerada uma cidade economicamente privilegiada. Mesmo assim, tem sofrido os efeitos da crise europeia. Sua população gira em torno dos 500 mil habitantes e recebe muitos imigrantes de países da África, Ásia e leste europeu. Apesar de não ser uma cidade grande, as linhas de ônibus são fartas e possuem uma frequência adequada.

A passagem de ônibus em Bologna varia de acordo com o local onde se compra o bilhete e a quantidade comprada. Estudantes e idosos possuem algumas bonificações, que acabam tornando o preço da passagem mais barato para esses grupos. Mesmo quem não tem a passagem subsidiada pode pagar menos, por meio da compra de cartões que valem por alguns meses ou um ano.

Se o bilhete for pago dentro do ônibus, custa 1,50 euro. Se for comprado antecipadamente, numa tabacaria ou banca de revista, custa 1,20. O cartão city pass, que vem com 10 "viagens", custa 11 euros, ou seja, 1,10 por passagem. É essa tarifa que eu pago, já que costumo usar esse cartão. Convertendo para a moeda brasileira, minha passagem custaria por volta de 3,10 reais.

Uma vez comprado o bilhete, ele vale por uma hora. Ou seja, posso trocar de ônibus nesse período, sem precisar pagar outra passagem. O mesmo vale para os cartões e o bilhete comprado antecipadamente. Por isso, uma regra estritamente seguida é validar o bilhete assim que se entra no ônibus. Não há cobrador: as pessoas são responsáveis por pagar sua passagem, validar seu ticket e cumprir as demais regras. Os coletivos são fiscalizados e, se um passageiro estiver viajando sem bilhete e for pego, leva uma multa bem alta.

(Ultimamente parece estar havendo uma incidência maior de "malandragens", porque há uma campanha publicitária mostrando a importância de as pessoas pagarem sua passagem.)

Bologna é uma São Joaquim do inverno e um Rio de Janeiro no verão. Os ônibus, então, têm aquecedor e ar condicionado. Passageiros e motoristas viajam com conforto. Em todas as paradas há uma tabela com o horário em que o ônibus passa naquele local, e esses horários são cumpridos. Por tudo isso, andar de ônibus em Bologna é muito conveniente.

Você já andou de ônibus em São Paulo num dia de verão, às cinco da tarde, enquanto o sol ainda está fervendo os miolos e o trânsito já está uma merda? Se a resposta for sim, meus sentimentos. Eu também já passei por isso. Mas apesar de todo o desconforto, pensava o seguinte, enquanto tentava abstrair o calor, o cheiro ruim e o barulho do motor no meio do engarrafamento: eu desço daqui a pouco. E esses dois coitados, motorista e cobrador, que vão continuar nessa linha infernal mais não sei quantas horas?

Primeira diferença entre os ônibus de Bologna e os de São Paulo (e de Curitiba): as condições de trabalho. Os motoristas dos ônibus daqui ficam numa espécie de cabine, protegidos inclusive da eventual violência de algum passageiro. Sobre cada porta, uma câmera mostra se o passageiro já subiu ou já desceu, sem que ele precise ficar esticando o pescoço pra olhar no espelho ou sem que tenha que esperar a batidinha de moeda do cobrador pra avisar que dá pra fechar a porta.

Segunda diferença: o escalonamento de preços das passagens. Quem usa com mais frequência, paga menos. Isso é uma prática comum de mercado. Se você compra algo lá no Sam's Club em quantidade, vai pagar menos por unidade. Não poderíamos fazer o mesmo no Brasil pra distribuir melhor os custos?

Terceira: em São Paulo o cartão permite que você troque de ônibus sem pagar nova passagem. Em Curitiba, não. A integração só acontece nos terminais e nos tubos - a não ser que algo tenha mudado a partir de fevereiro. O ônibus que passa na minha casa, por exemplo, não faz integração nenhuma. Ou seja, sai mais barato pagar gasolina e estacionamento do que comprar quatro ou mais passagens - se o trajeto exigir mais de uma linha de ônibus.

Quarta: na maior parte dos ônibus, são duas pessoas trabalhando. Em Curitiba, algumas linhas funcionam só com motorista, mas ele precisa fazer o papel de cobrador também. A parte "recursos humanos" impacta bastante no preço da passagem.

Sou contra a tarifa gratuita. Acho que pode haver subsídios pra quem precisa mais. Porém, pagar ajuda a valorizar (ao menos enquanto a gente não amadurece enquanto cidadãos). Mas quem cuida do transporte público poderia pensar em soluções alternativas, como desconto para compra de passagens em grande quantidade, por exemplo.

Outra coisa: se o transporte público for bom, muita gente vai passar a usar. E se o sistema passa a ter mais usuários e o trânsito passa a ter menos carros, o custo de operação dos ônibus vai baixar.

Acho que as empresas de ônibus são uma máfia, sim. Acho que a passagem é cara e o serviço é ruim. Porém, se queremos um serviço nível europeu, estamos preparados para agir como cidadãos europeus? Vamos comprar a passagem ou validar o bilhete mesmo se o ônibus não tiver cobrador? Vamos resistir à tentação de "tirar vantagem" e andar de ônibus sem pagar, já que não haverá ninguém nos controlando? E se os cobradores forem "abolidos", os sindicatos não vão se revoltar?

Coisas pra fazer a gente pensar, para que possamos embasar muito bem nossos argumentos e protestar com coerência. A começar pelo voto: a forma mais eficaz de mostrar que estamos fartos de ser tratados com desrespeito.


Adriana Baggio
Curitiba, 21/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Silêncio de Ricardo de Mattos
02. Meu Primeiro Livro de Julio Daio Borges
03. À primeira estrela que eu vejo de Ana Elisa Ribeiro
04. Não gostar de Machado de Daniel Lopes
05. Como escrever bem — parte 1 de Marcelo Maroldi


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Hacker - Page Turners Level 2
Sue Leather / Julian Thomlinson
Heinle Cengage
(2014)
R$ 20,00



História Sociedade & Cidadania 7º Ano
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(2015)
R$ 25,00



O Melhor do Mau Humor
Ruy Castro
Companhia das Letras
(1998)
R$ 10,00



Contos e Lendas da Ilíada
Jean Martin
Wmf Martins Fontes
(2006)
R$ 29,00



Evolution of the Horse
W. D. Matthew S. H. . Chubb
American Museum Press
(1924)
R$ 68,77



Gradus Philosophique
Vários
Gf-Flammarion
(1996)
R$ 63,00



Trinta Anos de Mim Mesmo
Millôr Fernandes
Círculo do Livro
(1974)
R$ 15,00



O Registro da Hipoteca de Incorporações Imobiliárias: o fim social da lei, o princípio da boa-fé e a mitigação da finalidade do registro
Lafaiete Luiz do Nascimento
Thesaurus
(2006)
R$ 6,00



Histórias para Aquecer o Coração
Jack Canfield / M. Victor Hansen / Heather Mcnama
Sextante
(2001)
R$ 7,70



Auto da Barca do Inferno - 7ª Ed.
Gil Vicente
Ateliê
(2005)
R$ 17,41





busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês