O Ira! na formação do adulto contemporâneo | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS

Segunda-feira, 16/4/2001
O Ira! na formação do adulto contemporâneo
Adriana Baggio

+ de 4000 Acessos

Nem lembro quando comecei a gostar do Ira!. Na época dos primeiros sucessos deles, no início dos anos 80, eu tinha somente um disco de adulto, da Rita Lee. Lembro que as rádios tocavam umas músicas muito loucas, como Mamma Maria, Vamos a la Playa, etc. Era tudo muito ingênuo e divertido.

Enquanto o Ira! ia se dando bem no rock brasileiro, eu curtia o RPM. Fiz meu pai me levar a um show lotadíssimo no ginásio do Tarumã, em Curitiba. Enquanto estávamos na fila, ele ia me dizendo que aquilo não prestava, que o que estava acontecendo de bom era Paralamas do Sucesso. Bem, mas isso é outra história.

No segundo grau, tendo contato com outras cabeças, outros estilos, começo a gostar de coisas diferentes. Nessa época tinha uma rádio maravilhosa em Curitiba, a Estação Primeira. Só tocava rock, música boa, dos novos e dos velhos tempos. Foi uma injeção de experiência musical, concentradíssima. Tudo que eu poderia ter conhecido sobre música desde o começo da adolescência foi despejado em cima de mim naquela época. A rádio me proporcionou um leque de bandas e músicos para eu gostar, amar, falar, ir em shows. E toda noite eu gravava minhas fitinhas cassete com as músicas de um programa de música brasileIra. Mas e o Ira!? Bom, o Ira! entra nessa fase. Tocava muito na Estação. Isso já era início dos anos 90, ou seja, a banda já estava há tempos na estrada. Eu adorava Pobre Paulista! Ficava arrepiada toda vez que escutava! Foi o hit dos hits das minhas cassetes!

Quando ouvi Pobre Paulista e amei, e ouvi outras músicas do Ira! e amei, não tinha nenhum motivo racional para amar. Não amei o Ira! porque eles tocavam assim ou assado, porque os solos de guitarra eram isso ou aquilo, ou por qualquer outro argumento lógico-crítico. Amei porque amei. Gostei do peso, da força, das letras. Gostei na energia que me chacoalhava quando começava a música. Gostei de sentir que podia tomar emprestado um pouco do "punkismo" daqueles caras. Ah, me deu uma vontade de ter meus 18 anos na década de 80... Por mais normal, até careta que eu fosse, de repente me senti vibrando com punk rock! As coisas que eles falavam eram as coisas que eu sentia, mas nem sabia que sentia. Eu queria pular, cantar, gritar, dar mosh (nem sei se é assim que escreve), ficar toda roxa de tanto me bater com os outros. Eu queria ser punk, mas estava só uns 10 anos e uma discoteca atrasada!

Fui acompanhando de longe a carreIra dos caras, nunca comprei um disco, ficava esperando aquele frisson que me dava quando, de surpresa, ouvia o comecinho de Pobre Paulista. Por causa do Ira!, conheci e aprendi a gostar de outros punks rockers, como Ramones, Sex Pistols, The Clash.

Até que, no ano passado, em Curitiba, estava eu no meio de vários dilemas adultos e extremamente sacais quando chega o Ira!. Fazia séculos que não ia num show. Fui. Foi o máximo. Me senti transportada no tempo. Primeiro porque a faixa etária tinha subido misteriosamente naquele ponto da noite curitibana, e eu não era mais velha do que as pessoas que estavam do meu lado. Olhávamos desconfiados uns para os outros, avaliando nossas idades e experiências, se estávamos deslocados ou não. Observávamos nossas roupas, e tentávamos descobrir as referências de cada um. Por que você está aqui? Por que ele está aqui? Por que eles estão aqui? Por que nós estamos aqui? O ponto máximo antes do show foi observar uma dupla que estava por perto. Dois caras, altos e magros. Braços cruzados, cabeça levantada, cara emburrada. Nada interessava, nada chamava a atenção deles. Eles eram... fleumáticos! Essa é a palavra! Vestiam botas, roupas escuras, mas nada que impedisse que saíssem na rua à luz do dia. Só se dignaram a balançar um pouco os pés quando tocou um Smiths enquanto a gente esperava o Ira!. Fiquei ao lado deles durante o show. Enquanto eu pulava, me esgoelava, chacoalhava minha garrafa de cerveja, eles assistiam o show impassíveis, na deles.

Acabou o show. A turba de dispersou. Entre os que ficaram, começaram a aparecer os conhecidos, as pessoas da sua faixa etária, aqueles que você nunca mais tinha encontrado. Estavam todos lá, no show do Ira!. Engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários. Pessoas "normais" no dia-a-dia, mas que, naquela noite, graças ao Ira!, tiveram a oportunidade de liberar seu lado punk. Isso não significa necessariamente que eles pularam, berraram, chutaram. Significa que puderam curtir uma noite de bom rock, que puderam sentir aquela raiva rebelde contra as coisas que estão erradas, que puderam ser melancolicamente românticos e nada práticos.

No dia seguinte, restou a nostalgia que as coisas "do nosso tempo" provocam. E uma tremenda dor no corpo, de tanto ficar pulando. Ficou um pequeno travo na garganta, de saudades de um jeito que você era e nunca mais será. Da maneIra como o mundo se apresentava. E da possibilidade de ter outras bandas como o Ira!, que tornem nossa vida um pouco mais punk.


Adriana Baggio
Curitiba, 16/4/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Correio de Elisa Andrade Buzzo
02. O Oeste Selvagem de Marilia Mota Silva
03. Palácio dos sabores 3/5 de Elisa Andrade Buzzo
04. Coisa de menino de Ana Elisa Ribeiro
05. Um ano de reflexões na Big Apple de Luis Eduardo Matta


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2001
01. À luz de um casamento - 18/10/2001
02. O Segredo do Vovô Coelhão - 15/11/2001
03. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra - 25/3/2001
04. Marmitex - 1/11/2001
05. Aqui o sol nasce primeiro - 8/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Klick
(1998)



Balanço da Bossa e Outras Bossas - 5ª Edição - 4ª Reimpressão
Augusto de Campos
Perspectiva
(2015)



Pollyanna
Eleanor H. Porter
Companhia Nacional



Clareando
Maria Rosa Teixeira
Ie
(2003)



Cinqüenta Tons de Liberdade
E. L. James
Intrínseca
(2012)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Psicologia Econômica - Estudo do Comportamento Econômico
Vera Rita de Mello Ferreira
Campus
(2008)



A Filosofia da Arte Moderna
Herbert Read
Ulisseia



Prevenção a Uso de Drogas - uma Visão Espírita
Paulo Pio
Letras e Textos
(2012)



Mónica y Su Pandilla 5 La Sirena
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2010)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês