O beatle George | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O soldado absoluto
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> Entrevista com Daniel Piza
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Tin-tin!
>>> Cartas, de Antônio Vieira
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Cartas de Kafka a Felice Bauer, por Elias Canetti
>>> Outsiders, de Howard S. Becker
>>> A fila sempre anda
Mais Recentes
>>> Comunicação Alternativa e Movimentos Sociais na Amazonia Ocidental de Pedro Vicente Costa Sobrinho (Autografado) pela Ed. Univ. Ufpb; João Pessoa (2001)
>>> Emoções Amazônicas: Guia Fotográfico-... dos Ecossistemas Amazônicos de Francisco Ritta Bernardino pela Photoamazonica (1998)
>>> Reumatismo e Artrite: Tratamento Médico e Cuidados Caseiros... de John H. Bland pela Ibrasa (1962)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> Mosaico Crítico: Ensaios Sobre Literatura Contemporânea de Georg Otte - Silvana Pessôa de Oliveira/ Org. pela Autêntica/ Belo Hte. (1999)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> Liga da Justiça "A Guerra da Trindade" de Geoff Johns pela Panini Books (2017)
>>> Star Wars "Episódio IV: Uma Nova Esperança" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Terras do Sem Fim de Jorge Amado pela Martins (1964)
>>> Star Wars "Episódio V: O Império Contra-Ataca" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Star Wars: Ascensão da Força Sombria; Trilogia Thrawn Livro 2 de Timothy Zahn pela Panini Books (2018)
>>> Superman "Universo DC Renascimento" Vol. 2 de K. Perkins pela Panini Books (2018)
>>> The Walking Dead: Segurança Atrás das Grades de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Direito e Relações Internacionais de Vicente Marotta Rangel pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> O Cão: 1000 Perguntas, 1000 Respostas de Théo Gygas pela Discubra (1987)
>>> Follow Up do Recém-Nascido de Alto Risco de Sonia Maria B. Lopes e José Maria de A. Lopes pela Medsi (1999)
>>> The Walking Dead: Os mais íntimos desejos Vol. 4 de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Torneio de Campeões "Coleção Histórica" de Marvel pela Panini Books (2017)
>>> Escalpo "Edição de Luxo" Livro 2 de Jason; Aaron pela Panini Books/ Vertigo (2018)
>>> Batman "O príncipe encantado das Trevas" Livro 1 de Marini pela Panini Books (2018)
>>> Universo X de Marvel pela Panini Books (2018)
>>> Fábulas 1 - Edição de Luxo de Bill Willinghan pela Panini Books (2018)
>>> O Incrível Hulk - Planeta Hulk de Greg Pak pela Panini Books (2018)
>>> Outra Vez Heidi de Johanna Spyri pela Ediouro (1972)
>>> O Cachorrinho Samba na Floresta de Maria José Dupré pela Ática (1987)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2003)
>>> Assistência Integrada ao Recém-Nascido de Cléa Rodrigues Leone e Daisy Maria Rizatto Tronchin pela Atheneu (1996)
>>> Centro Cirúrgico: Aspectos Fundamentais Para Enfermagem de Terezinha Ghellere pela Ufsc (1993)
>>> Técnicas de Pesquisa de Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos pela Atlas (1999)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Imensa Asa Sobre o Dia de Antônio Mariano pela Dinâmica (2005)
>>> Este Padre Escapou das Garras do Papa!!! de Aníbal Pereira Reis pela Edições Caminho de Damasco (1976)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> Programado Para Aprender de H. Ronald Pulliam e Christopher Dunford pela Zahar (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1986)
>>> Didática e Psicologia: Crítica ao Psicologismo na Educação de Maria Mercedes Capelo Alvite pela Edições Loyola
>>> O Pensamento Vivo de Gandhi: Edição Ilustrada de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1985)
>>> Da Sua Vida & dos Seus Negócios de Clóvis Mezzomo pela C. Mezzomo (1998)
>>> As Batalhas do Castelo de Domingos Pellegrini pela Moderna (1991)
>>> O Diário Roubado de Régine Deforges pela Klick (1998)
>>> James Dean por Ele Mesmo - Edição Ilustrada de James Dean/ Estudo: Edgar Morin (e Outros) pela Martin Claret (1994)
>>> Contato Imediato com Criação de Propaganda de Julieta de Godoy Ladeira pela Global (1997)
>>> Vida, Caminho & Destino - Missão Vórium de Edson Luiz Pocahi pela Novo Século (2016)
>>> Relaxe... e Viva Feliz de Núbia Maciel França e Haroldo J. Rahm pela Edições Loyola (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/2/2011
O beatle George
Luiz Rebinski Junior

+ de 6700 Acessos
+ 3 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Não é preciso ser nenhum aficionado pelo quarteto de Liverpool para deduzir que John Lennon e Paul McCartney foram os gênios que levaram os Beatles à posição de maior banda de rock que já pisou ― e provavelmente pisará ― neste planeta. Talvez genial não seja um adjetivo definitivo para a dupla, mas transitório. Em suas carreiras solo, nem Paul nem John fizeram álbuns à altura dos melhores momentos dos Beatles ― ainda que tenham construído carreiras exuberantes, mas infinitamente menores quando em perspectiva à história musical do grupo. Coube ao coadjuvante da banda esse papel.

George Harrison fez o mais fantástico ― e genial ― álbum-solo gravado por um Beatle. All things must pass é daqueles álbuns apaixonantes, que não se consegue largar até que a música comece a encher o saco, não pelo conteúdo, claro, mas pela exaustiva repetição. Todo mundo conhece a história de monopólio da dupla Lennon-McCartney sobre as composições e principais decisões do grupo. O que alijava os outros dois integrantes de qualquer participação mais incisiva na banda, tendo como missão nada além do que executar o que a dupla principal criava. Ainda assim, All things must pass não é uma superação de um músico mediano que passou quase uma década burilando suas músicas enquanto apenas executava pérolas criadas por mentes mais geniais que a sua.

Mesmo com a presença castradora da dupla Lennon-McCartney, Harrison emplacou alguns dos sons mais interessantes ― e maduros musicalmente ― do repertório dos Beatles, o que inclui "Love you too", de Revolver, "Within you without you", de Sgt. Pepper's, e "While my guitar gently weeps", do White Álbum. Três canções fantásticas, que enriqueceram musicalmente a banda. Isso sem falar de hits poderosos como "Here comes the Sun", "I need you" e "Something", a música mais regravada dos Beatles depois de "Yesterday". O que quer dizer que All thing must pass não foi o que se pode chamar de golpe de sorte. Em 1970, o ano da separação dos Beatles, os quatro integrantes da banda lançaram discos separadamente. Paul compôs uma obra-prima ― "Maybe i'm amazed" ― que rivaliza com suas composições de maior sucesso, mas, no geral, seu disco de estreia não é tão bom. Lennon fez Plastic Ono band, um disco amargo com bons momentos ("God", em que Lennon diz: "eu não acredito nos Beatles, só acredito em mim", e "Mother", mais uma canção que tentava exorcizar fantasmas do passado). E Ringo... Bem, Ringo lançou um álbum (ou melhor, dois) inexpressivo, com diversas regravações.

Na faixa-título de All thing must pass, George canta que "tudo deve passar/ nada na vida pode durar pra sempre/ então, devo seguir meu caminho/ e encarar um novo dia". Depois que os Beatles se separaram, tudo que seus ex-integrantes diziam era interpretado como uma resposta velada às antigas rusgas. Isso pode até fazer algum sentido no caso de Harrison, mas All things must pass é muito mais um grito de independência do que dedo em riste. Harrison finalmente estava livre para colocar suas canções à prova não mais dos companheiros de banda, mas do público, e, principalmente, de si próprio.

O que poderia ser melhor para um jovem oriundo do subúrbio de Liverpool (uma cidade portuária e à época decadente) do que ser um Beatle na fervilhante década de 1960? No final da década em que os Beatles emergiram para o sucesso, Harrison queria qualquer coisa, menos continuar sendo um besourinho, ainda que o cabelo e a barba crescidas já tivessem expulsado a ingenuidade dos anos de formação. Harrison e Lennon foram os responsáveis pela interrupção dos shows dos Beatles a partir de 1966. Estavam de saco cheio da beatlemania e acreditavam que os shows não contribuíam em nada para o aperfeiçoamento deles como músicos. Uma meia verdade que ajudava a disfarçar o incômodo real: os rapazes não se suportavam mais. "Não conseguia me relacionar com mais ninguém. Nem mesmo [...] com meus amigos, minha mulher, ninguém!", disse George, em 1983, a Geoffrey Giuliano, um dos muitos biógrafos dos Beatles.

Ainda assim, com um clima pouco amistoso, a banda teve fôlego para fazer álbuns genias, como Sgt. Pepper's e o famoso White Álbum, nos anos que restaram até McCartney se adiantar a Lennon, que foi persuadido pelo colega a não revelar sua saída do grupo antes do lançamento de Let It be, e avisar ao mundo que estava deixando a banda ― uma mágoa que Lennon levou para o caixão.

Por mais traumático que tenha sido para milhares de fãs, o fim dos Beatles era a carta de alforria que George e John tanto sonhavam. É incrível pensar como uma coisa tão fantástica ― a existência dos Beatles ― se tornou um fardo para aqueles que mais usufruíram de suas benesses. Mas, mais incrível ainda, é acreditar que os Beatles viviam em um permanente estado de vazio existencial, principalmente John e George. E acabar com a banda talvez tenha sido a melhor maneira de encontrar algo que preenchesse esse vazio. Daí os Beatles saírem em voo solo fazendo discos e mais discos.

All things must pass, nesse sentido, parece ter tido o efeito de uma superdose de Prozac em Harrison. O disco é todo sentimento. Um misto de melancolia e fé no futuro ronda o álbum todo, especialmente em músicas como "Isn't it a pity?", "Let it down", "Run of the Mill" e "Beware of darkness", canções que, isoladas, fariam de qualquer disco um clássico atemporal. Mas o álbum triplo de Harrison (o primeiro da história do rock), ainda tinha a maravilhosa faixa-título, "All things must pass", capaz de emocionar um ogro, e o insuperável cover de "If not for you", de Bob Dylan. Além de canções mais ensolaradas, como a evocação do blues em "Plug me in" e o tributo à fé oriental em "My sweet lord", a música que, de alguma forma, eclipsou o disco todo. A canção, sem dúvida, é linda, mas, executada de forma isolada e repetitiva, pode dar a falsa impressão de que All thing must pass é uma compilação de mantras Hare Krishna. Impressão que é logo dissipada nos primeiros acordes de "Wah-Wah", o rockão folk orquestrado que vem logo depois de "My sweet lord".

Em uma entrevista para o lançamento do projeto The Beatles Anthology, em 1995, ao ser indagado sobre sua carreira solo, Harrison diz ao entrevistador, com um sorriso irônico no rosto, que nunca teve uma carreira fora dos Beatles, que não promovia seus álbuns, não cantava em programas de rádio ou tevê e dificilmente excursionava. Harrison nunca conseguiu fazer um álbum que superasse All thing must pass (e poderia?), mas criou álbuns fantásticos nos anos posteriores, como Dark horse (que daria nome à sua própria gravadora) e Living in the material world. Além de ter participado dos dois discos do Traveling Wilburys no final dos anos 1980 (a banda que formou com Bob Dylan, Roy Orbison e Tom Petty).

Ainda assim, Harrison parece nunca ter se recuperado da experiência de ter participado dos Beatles. Sua reclusão em Friar Park, onde sofreu um atentado de um maluco esquizofrênico, era uma atitude compatível à sua personalidade, mas, pelo que se lê nas entrevistas que Harrison concedeu depois da separação dos Beatles, ter participado da maior banda de rock de todos os tempos não seria uma escolha tão fácil caso pudesse ter traçado seu destino.

Nota do autor
Este texto foi inspirado pela leitura de "O mistério em George Harrison", presente no livro Ponto Final, a imperdível coletânea de ensaios sobre os anos 1960, do jornalista Mikal Gilmore.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 23/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim é... de Marta Barcellos
02. Só sei que nada sei de André Pires
03. Da vitrola ao microchip de Rodolfo Felipe Neder
04. A Invenção de Orfeu de Jorge de Lima de Fabrício Carpinejar
05. Só a macarronada justifica o casamento de Marcelo Guedes Nunes


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. O beatle George - 23/2/2011
02. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/2/2011
12h09min
Apesar de composto de regravações, "New York City", de John Lennon, foi brilhante, e "Band on the Run", na minha opinião, perfeito. Talvez eu diga isso por "fui" contra a maré. Conheci primeiro os Beatles separados, para descobrir, ainda criança, vendo "Help" na antiga TV-E, hoje TV Brasil, que Lennon & McCartney eram os gênios de Liverpool. Não, não minimizo George. Penso que ele e Ringo eram o contraponto, os "garçons" que serviam não somente a segunda guitarra e a bateria. Mas nenhuma é ou foi perfeita. Por outro lado, nenhuma outra esteve tão perto da perfeição.
[Leia outros Comentários de Claudio Pereira]
26/2/2011
14h20min
"All Things Must Pass" é mesmo uma proeza - sincero, catártico, modesto. É uma experiência religiosa para mim, e olha que eu sou ateu. De certa forma, é meu disco predileto de toda a carreira dos Beatles, solo ou não. Mas que "Apple Jam" é um saco, é. hahaha
[Leia outros Comentários de Junior Martuchelli]
27/12/2011
13h25min
Quem está lendo isso no final de 2011 não pode perder o documentário do Martin Scorsese sobre o George Harrison. É simplesmente sensacional.
[Leia outros Comentários de Juca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MANDARINS DA REPUBLICA - ANATOMIA DOS ESCÂNDALOS DA ADMINISTRAÇÃ...
JOSÉ CARLOS DE ASSIS
PAZ E TERRA
(1984)
R$ 11,76



NO VERAO, A PRIMAVERA
LUCILIA DE ALMEIDA PRADO
MELHORAMENTOS
R$ 8,00



MODERNA GRAMÁTICA EXPOSITIVA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA
ARTUR DE ALMEIDA TÔRRES
FUNDO DE CULTURA
(1966)
R$ 39,00
+ frete grátis



DIREITO PENAL PARA UNIVERSITÁRIOS E CONCURSANDOS - CONCEITOS, HISTÓRIA
ESTANISLAU FRAGOSO BATISTA
FORENSE
(1996)
R$ 19,28



TESTES PARA ADMISSÃO EM EMPRESAS E EMPREGOS PÚBLICOS
JEAN GOBET
EDIOURO
(1985)
R$ 5,60



JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA -13 EDIÇAO
ATHOS GUSMÃO CARNEIRO
SARAIVA
(2004)
R$ 18,50



O RETORNO DE HOOLIGAN
NORMAN MANEA
AMARILYS
(2012)
R$ 20,00



DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS
ARCHÉ INTERDISCIPLINAR Nº 27 VOL. 9 DE 2000
UNIV CÂNDIDO MENDES
(2000)
R$ 18,82



365 BENÇÃOS - TEXTOS BÍBLICOS....
MAX LUCADO
THOMAS NELSON
(2007)
R$ 39,90
+ frete grátis



CRESCER É PERIGOSO
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1986)
R$ 4,06





busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês