Wanda Louca Liberal | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
34579 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Coleção de arte sacra é destaque em leilão virtual
>>> Nova voz do samba, Thais Duran revela compositores paulistanos em seu primeiro disco
>>> Yoga é tema de série de atividades no Sesc Belenzinho, entre 24 e 27 de agosto
>>> Grupo Palimpsesto homenageia Violeta Parra
>>> Exposição Asas Na Arte - Artista Henrique Vieira Filho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Jerry Lewis, um verdadeiro louco
>>> Se está ruim para todos, seja melhor que os outros
>>> The game of Prones
>>> Pétalas neon
>>> À Lígia
>>> Um biombo oscila entre o côncavo e o convexo
>>> Síndrome da desesperança
>>> Simbiose
>>> Grafologia
>>> Premiadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com João Moreira Salles
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Os 25 anos do SBT
>>> The rock'n'roll of our time
>>> Sobre o Jabá
>>> O que é crítica, afinal?
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Hells Angels
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Watchaman nele ( O homem espiritual v. 1. 2. E 3)
>>> Empresas feitas para vencer
>>> Casamento Blindado
>>> O Que é Questão Agrária
>>> Iniciando uma Pequena Empresa Com Sucesso
>>> Redes Locais - o Estudo de Seus Elementos
>>> Introdução À Macroeconomia
>>> Introdução À Psicologia
>>> Morcegos Negros
>>> Programação e Métodos Computacionais Volume 1
>>> Hepatite C - Guia Prático para o Convívio Diário Com a Doença
>>> Memórias Anapolino de Faria - Histórias e Estórias
>>> Aventura Poética 1987-1988
>>> Que Nome Darei ao Meu Filho?
>>> Duas Opções - a Vida de um Pequeno Fazendeiro Num País Subdesenvolvido
>>> Até Que a Morte nos Separe
>>> O Fim dos Tempos
>>> Vito Grandam
>>> Beleza Negra (autobiografia de um Cavalo)
>>> Os Computadores! da Mesa de Areia ao Cérebro Eletrônico
>>> Parece Que foi Ontem - Global Juvenil
>>> Haidi - a Filha das Montanhas
>>> Filho da Liberdade
>>> Sigismundo do Mundo Amarelo - 8ª Edição
>>> Os Sete Ladrões de Bagdá/a Bela e a Fera/...
>>> Caçadas na África
>>> Ben-hur
>>> Encanto e Verdade
>>> Paraíso Infantil - Em 3 Volumes -1ª Edição
>>> A Verdade por Trás de o Código da Vinci
>>> Servir sem Medir
>>> Contos e Encontros
>>> Já Estava Escrito
>>> Um Santo, Esculpido pela Vida, Lapidado pela Dor
>>> A Sombra de Schumann
>>> Cinco Anos sem Chover
>>> Um Gosto de Quero Mais - 2ª Edição
>>> Minha Vida Como um Burrito Amassado Com Molho Extra de Pimenta
>>> Taras Bulba
>>> O Velho Carro e o Sonho
>>> Glorinha e o Mar - Coleção Jovens do Mundo Todo
>>> Filho da Rua
>>> Histórias do País de Ali-babá
>>> Álbum das Crianças
>>> Álbum das Crianças
>>> Uma Aventura na Idade Média (ficção:usos e Costumes de uma Época)
>>> O Guarany
>>> Reino Infantil - Volume Terceiro
>>> As Minas do Rei Salomão
>>> Ben-hur
COLUNAS

Sexta-feira, 10/6/2016
Wanda Louca Liberal
Marta Barcellos

+ de 2900 Acessos

Muitos escritores de ficção já desabafaram: está difícil competir com a realidade.

Eu, por exemplo, jamais conseguiria criar uma personagem como Wanda-louca-liberal. Aliás, numa ficção, a personagem não poderia se autodenominar Wanda-louca-liberal, para as cinco amigas que a acompanhavam no jantar. Nem a mesa do restaurante poderia estar justamente abaixo de uma plaquinha vintage com os dizeres “É um modo de amar”. O pacto de verossimilhança com o leitor, tão necessário à narrativa ficcional, estaria irremediavelmente comprometido.

Quem acreditaria em tamanha crueldade? Como aquela conversa, envolvendo mulheres de aparência tão banal, poderia estar acontecendo ali, na mesa ao lado? “Não sei, só sei que foi assim”, diria Chicó, o personagem de Ariano Suassuna que não se importava em embaralhar ficção e realidade. Eu acrescento: não sei, só sei que foi contado assim.

Isto porque, no fundo de meu ser ultimamente esmagado pela brutalidade do "real" (do golpe, do estupro coletivo, da hipocrisia humana), gostaria de acreditar que Wanda construiu uma ficção a partir de fatos não tão graves. Que sua narrativa seria apenas uma bravata (?), pois na prática ninguém consegue ser cruel e ardiloso como ela se gabava de ter sido.

Mas vamos à versão dos fatos. Ou melhor, às gravações - sempre elas. Não haverá necessidade de usarmos, aqui, algum símbolo (como ***) para substituir os palavrões. Nenhuma das seis mulheres falou um único palavrão. Aparentemente, educadíssimas. Isso apesar de gargalharem e endossarem cada detalhe sobre como Wanda-louca-liberal perseguira a atriz Letícia Sabatella e humilhara sua família, em especial a mãe de 71 anos, durante um voo internacional. O motivo? Ela ser “petista”.

***

As seis amigas estão reunidas em um restaurante do Leblon, não muito chique (a carta de vinhos é a mais viável do bairro). Falam simultaneamente, num burburinho alegre, até que Wanda consegue fisgar a atenção do grupo. “Ah, vocês não sabem o que eu fiz com a Letícia Sabatella.” A maldade orgulhosa, no tom de voz, é suficiente para calar as outras.

A atriz havia aparecido na classe executiva, a pretexto de conversar com os pais. Ousara mais, usar o banheiro da classe executiva. Foi quando, então, ousou terrivelmente: ao sair do banheiro, sentou-se em uma poltrona vaga, próxima aos pais.

“Espertinha”, comenta a amiga número 1 de Wanda, sentada à sua frente na mesa retangular. É quem tem a gargalhada mais alta.

Mas Wanda não deixou barato: “Pein! [imita campainha] Chamei a comissária e falei assim mesmo: ela pagou econômica. Não quero ela aqui. Você manda ela pra trás.”

Amiga 1, concordando: “Já que você pagou executiva...”

A comissária argumentou: “Ah, é família, sabe?”, Wanda imita, com voz melosa. Continua, como se estivesse se dirigindo à comissária: “Então, eu [inaudível] executiva. [amiga 1 dá gargalhada]. Aqui é o seguinte: pagou, anda. Não pagou, não anda!”

A comissária concordou: “Tem razão.” E Wanda: “Então pega essa senhora e manda pro lugar dela, que não é aqui. Nem no banheiro, nem na poltrona, nem no corredor. Rua!”

A amiga 2 encoraja Wanda (“Adorei”), que acrescenta: “O papa não quis falar com ela. [inaudível, risadas] Sinceramente, se fosse qualquer outra pessoa, não tô nem aí. Não vai me deixar nem mais pobre nem mais rica. Ao contrário, acho até um absurdo, na classe econômica, porque eu sempre viajei de econômica também, ter um banheiro para trocentas mil pessoas, e aquele banheiro lá na frente vazio.

Amiga 1: “O problema era ela, né?”

Wanda: “Lógico, lógico. A comissária começou a falar e ela [imitando Letícia, com voz mais melosa ainda]: ‘Aqui ninguém entende, aqui ninguém entende. Mas não quero confusão, vou lá pra trás’. Aí eu disse: ‘Vai, vai, ô Tico Santa Cruz, vai lá pra trás.’” [gargalhadas generalizadas]

Amiga 1: “Aí ela sacou, finalmente?”

Wanda: “Sacou, foi embora. Mas os pais ficaram lá. E a mãe dela, cada vez que queria passar, dizia assim: pode levantar o banco que eu quero ir ao banheiro?, pode levantar o banco que eu quero ir ao banheiro? [inaudível]. Aí, sabe quando você já está relaxada, pronta pra dormir, se desfez daquele entulho [risada]... Aí a mulher [querendo passar] e eu: Olha aqui, minha senhora, a senhora vai sentar, e ficar com esse rabo sentado até o fim da viagem. Eu não vou mais levantar, a senhora não vai mais ao banheiro, e sua filha não vai viajar aqui, estamos entendidas? Fui clara? Peguei ela no [inaudível] e enfiei [inaudível] pra ela.

A amiga 3, na ponta oposta da mesa, pela primeira vez se faz ouvir: “Será que ela pagou a passagem?”

Wanda: “Claro que não. Foi paga pela Dilma, né.”

Amiga 3: “Ou, lá na hora do embarque [inaudível] os pais eram mais velhos, de repente...”

Amiga 2: “Mas quem mandou foi a Dilma.”

No trecho seguinte, não fica claro se Wanda ainda se refere ao momento em que teria expulsado Letícia da classe executiva, ou quando todos saíam do avião.

Amiga 4: “Aí ela [inaudível]? Ficou em pânico?

Wanda: “Saiu fugida! Saiu correndo na frente. Ela queria se livrar de mim, mas eu saí batida atrás dela também.”

Amiga 1: “Deve ter pensado: ela vai fazer um escândalo no aeroporto e vão atrás de mim, igual foram atrás da Gleise [Gleise Hoffman, ex-ministra da Casa Civil].

Wanda: “Não! Eu fiz pior! Foi todo mundo esperar a mala, a família buscapé toda juntinha esperando a mala passar, aí eu peguei meu telefone. Wanda-louca-liberal!” [Começa a cantar, como se fosse a música do celular] “Chora, petista!” “E eu dançandinho. Gente, a mulher ficou desesperada. Pegou a mãe e arrastou [inaudível]. Sabe por quê? Você tem que ganhar deles na resistência, está me entendendo? Tem que fazer a vida dela ficar desagradável.

Burburinho. A conversa agora é sobre artistas, e, concluída a narrativa de Wanda, todas falam simultaneamente. É possível apenas ouvir os nomes Camila [Pitanga] e Jô Soares.

***

Espero que Letícia e sua família estejam bem. E que continuem se mantendo zen. Se precisarem, contem comigo.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 10/6/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
03. Correio de Elisa Andrade Buzzo
04. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
05. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉLESTIN FREINET
MARISA DEL CIOPPO ELIAS
VOZES
(2004)
R$ 11,00



FIM DA ETERNIDADE
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 26,40



AS 100 MELHORES PIADAS DE TODOS OS TEMPOS
PAULO TADEU
MATRIX
(2005)
R$ 10,00



SUPERANDO O CÁRCERE DA EMOÇÃO
AUGUSTO CURY
ACADEMIA
(2006)
R$ 6,00



O CORPO EM DEPRESSÃO (AS BASES BIOLÓGICAS DA FÉ E DA REALIDADE)
ALEXANDER LOWEN
SUMMUS
(1983)
R$ 23,00



MACUNAÍMA: O HERÓI SEM NENHUMA CARÁTER
MÁRIO DE ANDRADE
CIRANDA CULTURAL
(2016)
R$ 10,00



LAS CONTROVERSIAS DE JÉSUS - JOHN R.W. STOTT (ESPANHOL)
JOHN R.W. STOTT
EDICIONES CERTEZA
(1975)
R$ 25,00



O LADO NEGRO DE CAMELOT - SEXO E CORRUPÇÃO NA ERA KENNEDY
SEYMOUR HERSH
LPM
(1998)
R$ 19,90



AS MÃOS SUJAS - JEAN-PAUL SARTRE (TEATRO FRANCÊS)
JEAN-PAUL SARTRE
EUROPA-AMÉRICA
(1972)
R$ 30,00



A LITERATURA NA POLTRONA - JORNALISMO LITERÁRIO EM TEMPOS INSTÁVEIS
JOSÉ CASTELLO
RECORD
(2007)
R$ 21,00





busca | avançada
34579 visitas/dia
1,1 milhão/mês