Parei de fumar | Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> O INVISÍVEL
>>> Meu reino por uma webcam
>>> De louco todos temos um pouco
>>> Doces Cariocas
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Weezer & Tears for Fears
Mais Recentes
>>> Administração e Eficaz de Ellen G. White pela Religião
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Martin Claret Pocket (1999)
>>> A Chance de uma Bola de Neve no Inferno da Natureza de Fronhas e Lenço de Fabio Brandi Torres pela Patuá (2014)
>>> Noite-égua de Nelson Rego pela Terceiro Selo (2015)
>>> Direito Constitucional - Décima Nona de Alexandre de Moraes pela Atlas (2006)
>>> Bar Don Juan de Antônio Callado pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Passagem para Ravena de José Ricardo Moreira pela Formato (2004)
>>> Moderna Plus - Geografia - Parte II de Lygia Terra pela Moderna (2011)
>>> Revolução do Caráter de Peter Howard pela Palácio dos Livros (1964)
>>> Pippi Longstocking de Astrid Lindgren; Louis S. Glanzman pela Puffin Usa
>>> Woyzeck. Leonce e Lena de Georg Büchner pela Ediouro
>>> Tanto Barulho por Tullia de Ilaria Borrelli pela Globo
>>> Ratos e Homens - Edição de Bolso - Texto Integral de John Steinbeck pela L&pm Pocket (2007)
>>> Doing Business in Brazil (versão Em Português) de Vários Autores pela Britcham (2007)
>>> Negociação Total de José Augosto Wanderley pela Gente (1998)
>>> A Cama Desfeita de François Sagan pela Circulo do Livro
>>> Minha Vida Indecisa de Jessica Brody pela Novo Seculo (2012)
>>> Seu Léo e o Pintadinho de Odette de Barros Mott pela Atica (1987)
>>> Manual Merck de Informação Médica: Saúde para a Família de Robert Berkow pela Manole (2002)
>>> Aventuras do Cara de Macaco, as - V. 3 de Knife & Packer; Marcia Regina Frai pela Fundamento (2016)
>>> Etica Empresarial - 3ªrevista de Robert Henry Srour pela Campus (2008)
>>> As Digitais das Sombras de Wilker Sousa pela Patuá
>>> Os Pensadores: Wittgenstein de Victor Civita pela Nova Cultura
>>> Uma Canção Nas Trevas de Edgar Wallace pela Abril Cultural (1982)
>>> A Mula de Juan Eslava Galán pela Benvira (2010)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 25/5/2022
Parei de fumar
Raul Almeida

+ de 800 Acessos

O habito de fumar encontrou abrigo na minha geração, como um dos seus modos de afirmação. Beber qualquer bebida alcoólica completava a muleta, aumentando o sentimento de poder, de estar próximo a ser ou até sentir-se adulto.
Hoje Sabemos o mal que o tabaco traz para a saúde, apesar da eventual sensação de prazer, que os fumantes dizem encontrar no cigarro ou mesmo em outros produtos de tabaco.
Parei com o cigarro faz um bom tempo.
Fiquei menos fedorento, mais disposto, com o olfato e paladar absurdamente melhorados e deixei de incomodar aos mais inteligentes, que não se deram ao risco do tabagismo ou desistiram antes de mim.
Quando um vizinho vai para a varanda tocar fogo na mecha, mesmo em andar mais afastado, percebo o sinistro odor. Pior é caminhar pela rua e sentir a pobreza tabagista consumindo as verdadeiras bombas paraguaias, cigarros contrabandeados, cujo fedor se propaga sem qualquer respeito. Sinto pena e nojo.
Começar a fumar é sempre precedido de uma atividade subliminar, enfiada em nossas mentes através dos outdoors, clipes, fotos nas revistas mais elegantes, anúncios finamente elaborados, mostrando gente bonita, elegante, bem sucedida, em lugares maravilhosos e bem decorados. Mulheres lindas, sufocantemente atraentes e varões corajosos, intrépidos, heróicos, fortes, poderosos, atléticos e suas baforadas sinistras.
Quando vamos ao cinema a marca que está pagando para aparecer, acho que chamam de merchandising, está em todos os cantos e momentos mais dramáticos, românticos ou bonitos do filme. O espectador desavisado, distraído com a narrativa, vai levando marteladas no subconsciente:
Ser vencedor, ser bonito, ser heróico, inteligente, grande sedutor e conquistador passa, obrigatoriamente, por fumar cigarros, charutos e até, o prosaico cachimbo.
O álcool não fica atrás.
Uma cena com dois executivos poderosos começa mostrando os copos curtos e cubos de gelo, que serão rapidamente cobertos por alguma bebida forte e, se os negócios forem bem,os cigarros ou charutos aparecem.
O mesmo acontece quando a história é com valentões, etc.
Num outro viés, vamos ter licores, vermutes, vinhos comuns ou espumantes, e, na melhor das hipóteses, a cerveja, hoje metida a besta, cara, exclusiva, cheia de ciência, especialistas, cronistas, e muito blá blá blá.
A turma que cria vontades ou dificuldades para vender produtos ou soluções é a mais diabólica, fascinante inteligente e propulsora de negócios bons ou maus.
Conforme a índole dos geniais inventores de desejos e expectativas, o bem e o mal, o inútil e o indispensável vão fazendo a economia rodar.
Aqui percebo similitude com os acontecimentos recentes da atividade política que se imaginou melhor, mais confiável e certeira em suas promessas e afirmativas.
O cheiro horrível do tabaco e do álcool que infesta corpos, mentes, roupas, cabelos e boca, permite analogia quando vemos cadáveres insepultos de um passado politico rejeitado, saindo de covas que não imaginávamos tão rasas.
Nomes contaminados por sinistra convivência com os dilapidadores da Bolsa da Viúva, com o que de mais repulsivo e enojante controlou a nossa ingênua e generosa Republica, aparecem serelepes e incensados, de banho tomado e cabelo penteado, no desenho daquilo que se imaginou impoluto. Figuras horrendas ainda vivas no cenário nacional confraternizando entre si, preparando mais uma desfeita para nossa mais profunda e determinada fé na redenção do Pais.
Nossa confiança na reabilitação econômica, política, cívica, moral.
Os cinqüenta e sete milhões e algumas centenas de milhares de eleitores votaram na esperança da neutralização dos contumazes operadores de mamatas,não nos patifes que engambelaram boa parte do eleitorado e ainda se acham capazes de continuar atrapalhando a nossa vontade de progresso, precedido de muita ORDEM.
A nossa expectativa não é pelo cheiro de podre, contaminante e hediondo, semelhante ao do tabaco ou do mau hálito dos bebedores contumazes, que simbolicamente, sentimos quando vemos declinados os nomes dos que continuam posando de autoridade em ou sobre alguma coisa.
A nossa esperança está sob ataque.
Dize-me com quem andas e te direi que és.
Andar com patife, corrupto, ladrão, prevaricador,ou incompetente, deixa marcas indeléveis tal como uma tatuagem. Se apagar fica a cicatriz. Se deixar, revela o passado.
Estamos esperando que desliguem a vitrola, as entrevistas, o blá blá blá e queremos de volta o que nos foi prometido, berrado, jurado.
Ou, o que for imoral e ilegal, vai continuar se alternando e engordando a malta dos privilegiados amigos e serventes dos patifes bons de pose e conversa.
Queremos a nossa esperança mantida viva, sem sustos, espantos ou aflições.


Postado por Raul Almeida
Em 25/5/2022 às 09h54


Mais Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cal - um Diário de Amor e Terrorismo na Irlanda.
Bernard Mac Laverty
Brasiliense
(1986)



Équitation Classique Expliquée (cavalos)
Henri Decelle
Crépin Leblond
(1988)



Concubinato União Estavel
Irineu Antonio Pedrotti
Leud
(1997)



Carta a Proba e a Juliana. Direção espiritual
Santo Agostinho
Paulinas
(1987)



Projeto Universos - História - 9º Ano - 2º
Ediçoes Sm
Sm
(2012)



Revista Careta Nº 2745
Tarso de Castro
Três
(1981)



El Libro de las Tintas
Ruth Rocha e Otávio Roth
Melhoramentos
(1992)



Açucar: Amigo Ou Vilão?
Yotaka Fukuda
Manole
(2004)



Nova Enciclopédia da Família Vol. 5
Diário de São Paulo
Visor
(2004)



A adúltera
Adelaide Carraro
A L Oren





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês