Digestivo Blogs

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS

Quinta-feira, 1/8/2019
Digestivo Blogs
Blogueiros

 
Hábitos perdidos

Assim
como
as
crianças
recolhem
conchas
na
praia

escrevo
pensamentos
em
minha
caderneta

Antigos
bolsos

Velhos
diários...

Entre
os
Acumuladores
do
Bem


Guardadores
de
rebanhos

de
conchas

e
até
de
nuvens...

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
1/8/2019 às 11h25

 
Infância

Linguagem
esquecida

Sagrada
escritura...

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
1/8/2019 às 11h19

 
Em algum lugar do passado

Em algum lugar do passado ficaram:
Minha infância, adolescência e juventude.
Mas guardei em minhas reminiscências,
Pormenores dos meus momentos de glórias,
Meus instantes de revoltas e fracassos,
Não tornaram-se empecilhos, embaraços,
Se não forças, que levaram-me as vitórias.

Fui criança, fui menino e brincalhão,
De caráter, responsável e de muita atitude.
Com o tempo, trazendo-os para a vida adulta,
O sentido da família e modos de convivência,
Não esqueço das origens ou das raízes,
Daqueles a quem os denomino matrizes,
Me curvando a todos com reverências.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/8/2019 às 10h50

 
Confissões da alma

O peso do tempo é incontestavelmente insuportável para o corpo, mas a força que vem do Altíssimo em forma de mansidão e amor é imensamente confortável para a alma. Deus criou os espinhos, mas também criou as flores.

Há um tempo, no qual o homem, pessoa humana, torna-se um reservatório de lembranças. Feliz é aquele que atinge essa maturidade advinda de Deus, Aquele, creio eu, que me conduziu até o presente momento. A lucidez é uma prerrogativa divina. Não a ironize, use-a com sabedoria. Procure não maldizer o tempo, esse é justo e improrrogável.

Eu vos dou graça, por me fazer compreender, que cada ente humano, tem um caminho para seguir. E só a esse cabe obstruir e/ou desbloquear a sua passagem. Respeitar a decisão do outro é no mínimo tirar uma pequena pedra da sua própria vereda. Aqui faço lembrar da quase impossibilidade, que é cuidar de si mesmo.

As minhas crianças perderam-se no tempo. Hoje homens feitos tomam as suas próprias decisões. Procuro enxergar no tempo, mas não consigo. Talvez pelo fato de já não ver tão bem, como antes eu via. Vai pensar...

Não creio que haja grandeza, diante dos olhos do Senhor, o que fizermos ao outro mediante pedido ou obrigação, mas sim o que fizermos de livre e espontânea vontade, para minorar o sofrimento alheio.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/8/2019 à 00h14

 
Grito primal I

Meu grito gritando.
E recoberto de malícia meu corpo
em pele de bicho a rir-se muito muito
das amenidades da vida.

Meu grito gritando.

E ao descascar tangerinas, meus dedos
riem-se dos talheres de prata. Depois,
à hora do banho, o corpo inteiro escarnece
das roupas. Satiriza os enfeites. E ri
das proibições da nudez.

Meu grito gritando.

Porque há um tempo de gritar.
Porque antes das repercussões sonoras
canta em silêncio meu pássaro incriado.

Meu grito gritando.

Dos nervos ao púbis, realizo
variações em torno de um tema.

Meu grito beijando-te.

Minha rosa de carne. Meus lábios d’água.

Ao jardim e ao corpo pertence
o que só os pássaros veem.


(Do livro Nada mais que isto)

[Comente este Post]

Postado por Blog da Mirian
27/7/2019 às 09h27

 
Pelagem de flor V: BRANCO

Dançando valsas, vem à frente
meu pégaso de jasmins, a rememorar
bailados e histórias narradas
pelo jardineiro de folhas.

Evadido das florestas, esse animal
das flores mimadas transporta sela
de trevos, aguardando cavaleiro
que o conduza à dama do portão.

Pelagem de arminho dos cometas,
minha nuvem de cambraia se alteia
espantando vassouras e bruxas.

Cavalinho de lume acendendo
a noite. Meu pássaro da paz retorna
germinando bosques.




[Comente este Post]

Postado por Blog da Mirian
27/7/2019 às 09h09

 
Dimensons

A
música
é
a
régua
do
silêncio...

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
24/7/2019 às 23h06

 
EU, MOBY DICK e Caçando Moby Dick

“Eu, Moby Dick”, espetáculo teatral em cartaz no Espaço Oi Futuro (no Rio de Janeiro), até 28 de julho deste ano de 2019, apresenta profunda e sagaz releitura do texto de Herman Melville, trazendo ao público questões relacionadas ao Brasil e ao mundo nos dias atuais.

Direção: Renato Rocha
Dramaturgia: Pedro Kosovski, a partir da obra-prima de Herman Melville
Assistência de direção: Rafaela Amodeo
Elenco: Márcio Vito, Gabriel Salabert, Kelzy Ecard e Noemia Oliveira

Tocada de modo intenso pela seriedade do espetáculo “Eu, Moby Dick”, me identifiquei com os sentidos contidos e incontidos na ambiguidade da baleia imaginada por Herman Melville, e redesenhada pela dramaturgia, traduzindo-se para o público por meio do trabalho precioso, irretocável e esperançoso dos atores.
Assim, gostaria de homenagear a todos que participam desse espetáculo, dedicando-lhes imaginário diálogo entre a baleia e o mar. Para isso, publico hoje Caçando Moby Dick, texto inteiramente inspirado em “Eu, Moby Dick”.
Obs. Entre aspas, trechos de Os Lusíadas e da fala dos atores, estes em negrito.



CAÇANDO MOBY DICK

Forjando cores que jamais conheci,
me seduz impossível ofício
de animizar a palidez dos ossos.

─ Sozinho, só perguntas me chegam à solidão.
Aos longes da vida, posso imaginar-te imenso.
Quem és, desconhecido verdeazul?

─ Sou aquele do corpo d’água.
Me chamam de mar.
E quem és, nessa tua constante solidão?

─ Sou arcabouço imóvel,
o que resta da morte,
o que cinge a eternidade,
o que conheceu a finitude.
Me chamam de esqueleto.

─ Que mais queres saber de mim, alva clausura?

─ Inda não me conhecias
nem sequer sabias meu nome,
por que me acolheste em tua profundeza?
Por que insistes em lavar-me o corpo descarnado?

─ Guardar e distanciar-me,
carícia e afastamento,
eis meu ofício.

─ Então és humano, mar?

─ Quem, pálido desalento,
pode se dizer humano?

─ O que te diferencia dos humanos, ó corpo d’água?

─ Dizem que os humanos pensam e agem.
E procuram vanglórias:
“Ó glória de mandar! Ó vã cobiça
Desta vaidade, a quem chamamos Fama!”

─ Posso te dizer, ondeante azulametista:
pensar e agir, eis a falácia da humanidade.
Pensar e agir, dois atributos
“que podem levá-los à própria destruição”.

Também eu, neste meu corpo fluido,
absorto em águas de severa profundidade,
total instável pensar,
posso ser destruído.
E posso destruir praias,
pessoas, barcos.
E até cidades.

─ Tal poder não tenho, mar.
Entanto, conduzo atributos da minha terrível estirpe:
presentificar a morte.
E o medo da morte.

─ Ó templo das luzes veladas,
quem foste no passado?

─ Fui baleia de carne e osso,
barbatanas e leite.

─ O que te transformou em arcabouço das cinzas?

─ As mãos e a ira dos arpões.
Existirá nas correntes marinhas
algo mais perigoso que os arpões?

─ As mãos que os fabricam.

─ Existirá, corpo d’água, algo mais perigoso
que as mãos que os fabricam?

─ As mãos que os acionam
e me relembram versos:
“Deixa intentado a humana geração.
Mísera sorte, estranha condição!"
E existirá, pálido ermitão das cavernas abissais,
algo mais terrível ainda?

─ O comum acordo das duas faces da moeda
na razão do ouro matando a carne
e queimando o óleo das baleias.
E comandando uma nave cega.

─ Então, extinta luz, defendes a des-razão?
Exaltas o delírio?

─ Diante do pensamento repetido
a girar em torno do próprio umbigo,
acolho o delírio que nos salva
da razão doente.

─ Existe, esqueleto, algo pior que a razão doente
comandando uma nave cega?

─ Sim, imenso verdeazul,
o capitão que pensa conduzir a nave cega:
aquele que mata os rebanhos marinhos
incendeia tuas correntes d’água.
E almoça com os vendilhões do estaleiro.

─ Um tirano, esqueleto?
E o que poderá nos salvar do tirano
conduzindo a nave cega?
A razão?

─ Se a razão estiver amordaçada, mar,
ela jamais nos salvará da morte.
Eu que fui um dia
livre navegador do teu mundo líquido
e livremente escolhi caminhos de ir i vir,
sei que sozinha, doente, muda e atada,
a razão nada pode.

─ Eis que me pergunto, esqueleto,
pode o capitão da nave cega nos salvar,
já que é ele quem conduz a morte?

─ Não, “ele não”.

─ Ficaremos então, ó alva presença,
à mercê do delírio em busca da vida?

─ Posso te dizer, mar, que o delírio
nos conduz à arte de sobreviver.
Com ele escrevemos poemas e panfletos.
E, da utopia, fazemos realidade.

─ Não temes “sucumbir em nome do delírio”,
imóvel presença?

─ Não percebeste, mar, o alcance do delírio?
Ele nos acende o desejo.
É ele quem nos anima a fala.
E dá vida à poesia.

─ Mas podes sucumbir em nome do desejo da poesia,
esqueleto.

─ Eu, restolho do desejo da morte,
diante da razão fraca e vazia,
assumo o delírio que luta contra o arpão
e contra o tempo,
porque o tempo
tudo pode.
E nada pode.

─ Existe algo que nos possa livrar, Moby Dick?
Alguma coisa que nos livre dos arpões?
Algo que nos permita dobrar o irresoluto tempo?

─ Pressinto, verdeazul-corpo-d’água,
que “todos estamos num barco,
lutando com nosso monstro particular”:
Eu e meu monstro?
E quem é esse monstro, me pergunto?
E me respondo: o que não sabemos de nós.
E o que deixamos o outro decidir por nós.

─ Nós? Mas o eu não é coletivo, esqueleto.
Em sincronia, ambos são um e outro,
indivíduo e multidão entre águas e areia:
“A branca areia as lágrimas banhavam,
Que em multidão com elas se igualavam.”

─ Por enquanto, mar,
só tenho perguntas e dúvidas.
E vivo fugindo da razão do caçador
que persegue meus descendentes:

─ Partejamos petrificada solidão
ante as ameaças, esqueleto.
O que então nos percorre o existir?

─ O desejo de vencer o tempo,
a vontade de vencer o arpão.

─ O que é o tempo, Moby Dick?

─ O tempo é muitos.
Pode se tornar arpão da morte urdida pelo tirano
ou vontade do tirano executando o castigo da quilha.

─ Renovo a pergunta: haverá, baleia, algo pior
que a nave cega conduzida pelo tirano?

─ O súdito que coroa e aclama o tirano.
E àqueles que aplaudem o séquito do tirano,
rememoro outros versos de além-mar:
“Chamam-te Fama e Glória soberana,
Nomes com quem se o povo néscio engana!”

─ O que nos resta, Moby Dick?

─ Por enquanto, em volta de nós,
águas abissais.
Razão doente.
Nave cega.

Mas há o palco.
O desejo de entrar de entrar em cena.
O desejo de escrever e dirigir o espetáculo.

E o desejo de atuar.

Para isso nos basta o delírio.
E mais: o corpo e a palavra.


[Comente este Post]

Postado por Blog da Mirian
24/7/2019 às 21h26

 
Saudades não envelhecem

Saudade eu sinto do sol ao meio dia,
Sob a sombra de uma jaqueira,
Quando a sesta eu fazia.
Saudade eu sinto das flores do cafezal,
Dos perus e das galinhas,
Ao derredor do quintal.
Saudades eu sinto do cajueiro frondoso,
No qual cantavam as cigarras,
E do seu fruto gostoso.
Saudade eu também sinto do campo,
Com suas flores silvestres,
Das manhãs de gramas orvalhadas,
Da névoa que subia sobre a mata,
Do sol que surgia cor de prata,
Dos cavalos que corriam no curral.
Sinto saudades do namorico escondido,
Dos cochichos ao pé do ouvido,
Das meninadas fagueiras,
Sinto saudades das conversas na cacimba,
Dos meninos e das meninas,
Que alegravam o entardecer,
Já que o tempo não volta,
E eu não sinto revolta,
Busco nas reminiscências rever.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
22/7/2019 às 18h58

 
Pelagem de flor IV: AZUL

Acariciado por madressilvas no lugar das rédeas,
o cavalo azul encontrou par. E em cópula
atravessou a noite.
Que se tornou leito enluarado.

Chegando das selvas de junco,
o deus de anil repousa do coito ininterrupto.
E em campo de feno, ganha forças
do desejo em recomeço.

Plumas de pavão envolvendo-lhe o corpo;
atravessando rios, ele domina a sede,
para galopar dia e noite o corpo da fêmea.

Patas azuis, olhos de andorinha
cavalgando hortênsias. AZUL, ele veio do mar.
Às origens do êxtase, sempre retornará.


(Do livro O camaleão no jardim )

[Comente este Post]

Postado por Blog da Mirian
17/7/2019 às 08h41

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA SAPERE AUDI
DIVERSOS
PUCMINAS
(2011)
R$ 30,00



A LUNETA MÁGICA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
PAULUS
(2008)
R$ 6,90



ESTRANHOS PERSONAGENS
GWEN MOFFAT
FRANCISCO ALVES
(1979)
R$ 7,90



CONSENSOS E CONTROVÉRSIAS
CELI SCALON, GLÁUCIA VILLAS BÔAS, TOM DWYER
TOMO EDITORIAL
(2011)
R$ 32,00



O ROMANCE DA CIÊNCIA 2 A EDIÇÃO
H. GORDON GARBEDIAN
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1944)
R$ 6,47



A VACA FOI PRO BREJO THE COW WENT TO THE SWAMP
MILLÔR FERNANDES
RECORD
(1998)
R$ 10,00



MEU PAI, ACABARAM COM ELE (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
LUIZ CLAUDIO CARDOSO
SCIPIONE
(1997)
R$ 4,00



LA VIE SEXUELLE DE CATHERINE M.
CATHERINE MILLET
SEUIL
(2001)
R$ 50,00



MISTERIOSO
CHRISTINA LAUREN; MAURICIO TAMBONI
UNIVERSO DOS LIVROS
(2015)
R$ 15,00



VIDAS ILUSTRES
HENDRIK WILLEM VAN LOON
GLOBO
(1945)
R$ 12,50




>>> A Lanterna Mágica
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês