Digestivo Blogs

busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS

Sexta-feira, 31/7/2015
Digestivo Blogs
Blogueiros

 
Verso de Ausência

Elevar-se pela embriaguez Das mais pálidas palavras Que o pensamento retorne Sem cessar meu espírito E as cores sejam mais vivas Que a constelação das idéias Seja clara no horizonte Com linhas abruptas E gestos patéticos Com mera superficialidade Delírios dos sonhos e das loucuras Movimentos frágeis De homem desprovido de alma Dias úmidos e sombrios Que fazem renunciar ao mundo Sem ao menos conhecê-lo Com a frieza do olhar que ofende Tudo se perde onde o tempo Não faz sentindo, lá estarei!

[Comente este Post]

Postado por Blog de Raimundo Santos de Castro
31/7/2015 às 20h49

 
A culpa da alegria

IMG_4545

Havia quatro anos que não nos víamos. Eu, tu e a inevitável velhice. Achei-te mais jovem desta vez: parecias mais exausta e decadente, em nosso último encontro. Talvez a tua pele tenha sido renovada pela popularidade tardia, ou quem sabe a vaidade tenha finalmente tocado teus poros. Fiquei com ciúmes de ti.

Estávamos, contudo, em perfeita sintonia. Ah, as tardes amareladas em doçura não podiam enganar-me! Sabia-me, uma vez mais, amada por tua presença. O amor, ao menos, é uma maneira de possuir-me a mim.

Não foram, pois, os copos, tantos, que enfeitiçaram meu espírito, visceralmente. Juro-te que nada tem a ver com os amanheceres em Alfama, cercados de gaivotas em pertencimento. Ainda me lembro quando te disse, ao pé do ouvido, o quão eras incapaz de abrigar vampiros, como eu. Estar contigo é abandonar as fronteiras da própria alma.

Mas, afinal, deitaste-me fora, em noite de Santos, como se eu fosse uma amante qualquer. Apenas mais uma brasileira, igual a todas: sedenta de aventuras e anestesiada para a melancolia.

Fiquei tão triste contigo. Aquela festa, suntuosa, tão sonhada nas minhas sensações, fora aniquilada em ruas estreitas e sardinhas mal assadas. Fiquei mesmo triste contigo, porque parecia que ias esquecer-te do dia dos meus anos. Tive medo que não me dissesses nada.

Saí à tua procura, despassarada. O rosto milimetricamente desenhado. Os lábios encarnados. Andei pelo Príncipe Real, na chuva. Envelheceria privada de ti? Cheguei ao Bairro, já desesperançada de ter contigo. Mas apareceste, em trajes de surpresa, dizendo-me que a casa era minha e que podia estar para sempre em tua morada. Acho que não sabes, mas já tinha decorado teu código postal, há muitos anos.

Os dias e noites, a seguir, preenchiam as saudades. Alimentaste-me de cores, em Belém. Fomos ao Cabo da Roca, realizar o velho sonho de ventar. Passeámos em comboios, autocarros, metros, eléctricos. Revivemos o Cais do Sodré, em comunhão com nossos fantasmas.

Em nossa última noite, no Tejo Bar, pudemos reconhecer nossos amigos. Eu jamais me senti tão querida em toda a minha vida. Cantámos e brindamos esse amor que não se explica, nem em lirismo exacerbado. Sentámos à igreja, para invocar todos os sons de todas as guitarras de toda a gente que passou pelo miradouro de Santo Estevão. O sol escancarava os adeuses.

Acendias o rio naquele azul impossível, farto de eternidades. Meu coração, a nau, arrependia-se de partir. Tuas mãos ainda aqueciam as maçãs de meu rosto, rubras de vinho e poesia.

Tu me beijaste por todas as madrugadas insones, silenciando minhas juras. Tantos versos ficaram enclausurados. Não aceitaste que a correspondência viesse pelo correio. Toda descoberta é uma renúncia ao ninho. E eu te prometo, Lisboa: estaremos juntas, muito em breve, para navegarmos as nuvens que nos enchem de plenitude. Ensinaste-me que não é preciso sentir culpa da alegria.

[Comente este Post]

Postado por Consultório Poético
31/7/2015 às 17h10

 
Frase da semana

Foto: Feitosa dos Santos

A duras penas aprendi, na vida nada temos a não ser uma pretensa ilusão de que tudo o que tocamos é nosso. Pertinaz vaidade humana! O lugar para aonde vamos tudo o que é concreto cede lugar ao abstrato. Caminhemos o caminho da vida.

30 de julho de 2015
Feitosa dos Santos

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
31/7/2015 às 15h22

 
A vitória da pochete

Fonte da imagem: http://www.tiarabolsas.com.br/

Eu tento, com alguma periodicidade, sentar na frente do computador e escrever um bom texto para o blog. Penso num tema interessante e, partindo dele, procuro estabelecer uma narrativa agradável e, dentro dos meus limites, inteligente. Não sei se consigo, mas a intenção é boa.

A realidade, porém, é cruel. Por mais feliz que eu possa ser na elaboração do texto, ele será só um barquinho de papel à deriva nesse oceano profundo e revolto que é a internet. De blogueiros bem (e mesmo mal) intencionados, a web está cheia. O Digestivo Cultural, inclusive. Nós, blogueiros, somos iguais ao demônio naquela célebre passagem da Bíblia e à banda do Renato Russo: formamos uma legião.

Mas não é aí que a realidade dói, amigos. É na seguinte constatação: por melhor que meu texto possa ser (e mesmo que eu fosse o Hemingway aqui), uma foto de um animal com um chapéu sempre será MUITO mais compartilhada do que ele. Se o animal for um filhote, então, vai ser uma goleada em acessos. Maior do que Brasil x Alemanha. Não é um lamento, amigos, é uma constatação.

A internet tem muitas distrações mais agradáveis do que ler um texto do blogueiro Zé Ninguém (vídeos, charges, jogos, tirinhas, redes virtuais...). Escrever é ser antiquado. Pré-histórico. Ficamos nessa de "ui ui, sou antenado, não preciso publicar em papel e posso ser lido no Japão, ui ui" e não percebemos que somos obsoletas peças de museu. Ninguém quer ler textos com mais de 140 caracteres.

E por que não estou lambuzando as teclas do meu computador com o sangue dos meus pulsos enquanto escrevo este texto? Por causa das pochetes. Quer coisa mais esculhambada do que uma pochete? Há décadas são malditas, taxadas de brega. Acho que elas devem ter sido tendência durante dois meses nos anos 1980 e, a partir de então, foram condenadas a uma eternidade de restrições.

De fato, são feias as coitadas. Os homens (público que geralmente se sujeita a esse acessório) já têm uma tendência de abrigar uma pochete natural - a barriga. Com a artificial fica ainda mais estranho. Pochetes até teriam a defesa de serem funcionais, não houvessem inventado antes um outro acessório, os bolsos das calças. Já se imaginou usando uma pochete num encontro com os amigos sem ser festa à fantasia? Não consigo pensar num acessório ou peça de vestuário mais depreciado do que a pochete. Mas, por acaso, numa rápida passagem pelo centro de BH (rápida mesmo, cerca de 05 minutos num ônibus) pude contar 04 pessoas usando pochete. QUASE UMA POR MINUTO. Amigos, amigas, apesar dos esquadrões de moda na internet (outra coisa que dá mais audiência do que textos, a lista é longa) e na tv, com seus jargões fashionistas tipo "esse modelo está um arraso", "essa combinação é super tendência" e "eu adoro", que naturalmente condenam a pochete, ela SOBREVIVE. E talvez num armário mais perto de você do que imagina.

Nós, blogueiros e escritores em geral, somos as pochetes. Antiquados, pré-históricos, de gosto duvidoso. Mas, sobretudo, resistentes. O mundo zomba de nossa impopularidade, mas nós continuamos aqui, postando contos, crônicas e poemas. Mesmo que ver um vídeo do Porta dos Fundos seja muito mais divertido - já viram o da "Santa Ceia"?

Eis a nossa virtude: sobreviver. Não ache que é pouco, os dinossauros não conseguiram. Somos mais fortes, os blogueiros e as pochetes.

E você, sobreviveu ao meu blá blá blá? Então, segue uma recompensa - quem sabe assim você anima de indicar esse texto entre seus amigos, nem que seja pela simpatia do coelho? .

Fonte da imagem: http://hellogiggles.com/animals-wearing-tiny-hats-officially-lifes-greatest-joy/2/



[Comente este Post]

Postado por Blog de Luís Fernando Amâncio
31/7/2015 às 09h31

 
Farmácia popular

- Por favor, escreva aqui o nome de sua mãe.
- Não tenho mãe.
- Nasceu de um ovo abandonado ao sol...É hoje...
- Hein?
- Coloca aí o nome da sua mãe adotiva.
- Fui adotado, não. Minha mãe me criou.
- Então coloca aí o nome de sua mãe.
- Minha mãe morreu.
- Essa sua mãe que morreu tinha nome?
- Claro que sim.
- E qual era?
- Mas o remédio é para mim.
- Eu preciso cadastrar seus dados no computador.
- Não tenho dados, sou crente. Não jogo.
- Posso ver seu documento?
- Na carteira não tem o nome do remédio. A receita tá aqui.
- Certo. Primeiro, a receita. Agora, sua carteira de identidade.
- Pra que? Eu já entreguei a receita.
- Na carteira de identidade tem o nome de sua mãe.
- A senhora tá complicando. Eu vou chamar a TV.
- Chama a TV, o jornal, a polícia, o Papa, mas informa o nome da sua mãe.
- Quero meu remédio. Porque a TV diz que todo cidadão tem direito de pegar remédio aqui sem pagar nada.
- Desde que preencha o formulário.
- Tá aqui.
- Falta o nome da mãe.
- Minha mãe morreu.
- E o nome morreu com ela?
- Vixe, fala assim não que até ofende.
- Minha paciência acabou. Saia da fila. Próximo!
- De jeito nenhum! Só saio daqui com meu remédio.
- Ai, ai, meu Pai...
- Agora entrou o pai no meio também? Não basta a mãe?
- E qual é o nome da mãe?
- A senhora é muito da curiosa, quer saber o nome da minha mãe por que?
- Não estou nem aí para sua mãe.
- Então por que pergunta?
- Porque eu preciso ganhar o meu salário. Porque não sou mulher de presidiário. Porque meu filho não recebe bolsa escola. O dinheiro lá em casa vem deste suado e honesto empreguinho de balconista que ainda por cima tem de perder tempo com um filho da mãe como você.
- Filho da mãe uma ova! Filho da Dona Maria da Silva Santos, com muito orgulho.
- Obrigada.

Parte integrante do livro Coisas de médicos, poetas, doidos e afins.

Foto copiada do site que primeiro publicou o texto acima: LeioEu

[Comente este Post]

Postado por Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
30/7/2015 às 16h50

 
Transparência Democrática

SIC TRANSIT GLORIA MUNDI
(insólito, surreal)
Hoje, aqui em Niterói, observei emocionante cena protagonizada por uma criatura simplória e distraída. Tudo aconteceu no centro da cidade, nas proximidades ajardinadas da estação das barcas, bem na frente de um dos centros de compras mais conhecidos.

A ex-capital do Estado do Rio de Janeiro é um município em constante desenvolvimento, onde o Rio de Janeiro, a deslumbrante capital da alegria praiana, da irreverência e do bom humor carioca nos dá a sua melhor vista (dizem os tais bem humorados), e consegue desafogar sua necessidade por moradias, além do caminho de volta para casa ser um agradável passeio marítimo.

Estava eu dentro de um ônibus 47 Circular, voltando ao Ingá, meu bairro, sentadinho ao lado da janela e olhando para fora, quando tive a atenção despertada por um indivíduo completamente paralisado numa atitude de enorme concentração no meio de um dos canteiros. Num primeiro momento imaginei ser um ator em plena performance, um artista de rua divertindo e provocando admiração.

Era uma novidade. Nunca tinha visto um deles em Niterói. Era um avanço cultural, pois não representava a corriqueira estátua da liberdade, um santo, um senador romano ou qualquer coisa do gênero. Completamente nu, lembrava mais uma interpretação livre da célebre escultura do Pensador de Rodin, apesar de não estar com o rosto voltado para baixo, nem apoiado numa das mãos como o magnífico trabalho.

O performista olhava para frente sem fixar nada, igual aos políticos nos comícios, mirando o fundo, o alem do alem. Numa das mãos um tecido pendente lembraria uma túnica grega, algo do gênero. Absolutamente Imóvel, passaria por um jardineiro descansando, um assentador de pedras portuguesas ou um caipira matutando à beira do riacho. Bem juntinho, na calçada ao lado, o povaréu seguia caminhando apressado cada um com seus problemas, alguns rebocando crianças em passo mais lento, enfim ninguém além da própria vida e da necessidade de seguir vivendo.

Em segundos não mais identifiquei o cidadão como um performático, mas um ecologista, um observador atento da natureza descobrindo uma novíssima espécie recém chegada de algum percevejo alienígena ou de formigas modificadas pelos gases mortais, pelas chuvas ácidas ou pela necessidade de galgar prédios em vez de arvores.

Não. Não era nada disso.

Então, atônito com a insólita ocorrência que, por sorte, presenciava a distância e longe suficiente para não perceber odores, pensei tratar-se de um companheiro do "Movimento Pela Liberdade dos Direitos de Usar a Rua Para Qualquer Coisa" ou ainda mais importante, um membro da diretoria do imaginado Movimento, um ativista feroz lutando pela categoria no meio de um jardim público, sem qualquer preocupação com o vai-e-vem dos carros pela avenida ou os pedestres nas calçadas a poucos metros de distância.

Completamente alheio ao mundo, super concentrado em sua tarefa, não enxergava nada, ninguém, e não tomou conhecimento do universo à sua volta. Missão cumprida, o adubador levantou-se, sacudiu o quadril, vestiu um primeiro calção, depois uma bermuda, espreguiçou-se e saiu caminhando.

Demorou menos de 01 minuto no meio do jardim, meio de esguelha, atrás da moita, na cara de todo mundo, sem que ninguém o notasse as 09,25h da manhã, na mais absoluta transparência democrática.



[Comente este Post]

Postado por Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
30/7/2015 às 16h34

 
Robert Randolph And The Family Band

Robert Randolph é um dos maiores guitarristas da atualidade. Além de possuir uma técnica altíssima e de enveredar pelo blues e pelo soul, chama a atenção sua especialização no pedal steel, um instrumento semelhante à guitarra havaiana, tocada com slide. Juntamente à sua Family Band ele possui quatro discos lançados, sendo o mais recente deles Lickety Split, de 2013.

A sonoridade de seu trabalho busca toda a essência da música dos Estados Unidos. Do blues com todo estilo de velha guarda às pegadas mais recentes criadas dentro do funk, suas influências junto à sua técnica e estilo pessoal criam uma sonoridade bastante peculiar.

Em Lickety Split é possível achar um pouco de tudo. Born Again é plenamente soul gospel, com direito a coral. Brand New Wayo (que conta com a participação de Carlos Santana) é funk do melhor estilo, com ritmo dançante. O grupo também regrava Love Rollercoster, do Ohio Players, a mesma regravada pelo Red Hot Chilli Peppers, com um diferencial significativo das outras duas versões que é o pedal steel e seu timbre único. Outra regravação é Good Lovin', do The Rascal, rock de festa dos anos 1960 igualmente incrementada.

O grupo já conta mais de 10 anos de carreira e já subiu aos palcos com nomes como Eric Clapton. A Rolling Stones chegou a eleger Robert Randolph como o 97° melhor guitarrista da história.



[Comente este Post]

Postado por Blog do Carvalhal
30/7/2015 às 15h26

 
Agora cava a cova da própria alcova


Imagem: 1.000.000 Pictures



Contei onde morava um sonho. Só porque lá tem nuvens não pude provar. Enrolei tudo pronto, prontinho, prático de fast food, uma ou outra coordenada, nada de tempo perdido, vários "siga" um "pare". Nem precisava exploração ecológica. Nada. Era coisa simples, mas penso: óbito é tão simples. Basta uma declaração profissional, escrito numa folha carimbada. É um passo só para a certidão. Certidão é uma certeza enorme? Aqui jaz a certeza enorme que morreu. Algo. Agora cava a cova da própria alcova.

Eu mostrei um castelo sombrio, ah que Deus me perdoe. Achei ser feito de folhas, de vento com sonhos embrulhados. Até escuto ainda a porta ranger lá no oculto de mim. Mas foi feito de puro poço, forjado na mais vil pura sombra. Sou o avesso de um castelo. Um avesso de contrários. Todo poço reflete nuvens.

Nesses dias vou ficar muito nublada. Faz mau tempo em mim. Daqui a pouco chovo. E vem aquele cheiro de novo de novo. Aquele que eu sei que nunca mais era uma vez para sempre... É um final de esperar, feito rodoviária vazia. Sem luz. A moça diz ladies and gentlemans. Ela sabe que só eu estou esperando. Insiste no mesmo e eterno plural errado. Amanhã vou esperar tudo ir embora, até não ter como voltar. Vou morder meu braço direito como um cão faminto. Assim me alimento de pura palavra bebendo papel escorrido e coado na saliva dos meus dedos.

[Comente este Post]

Postado por Blog de Aden Leonardo Camargos
30/7/2015 às 14h19

 
Das praças das cidades às dos shoppings

Das praças das metrópoles do final do século XIX e início dos XX às praças de alimentação dos shoppings centers contemporâneos. Do caminhar do flâneur, anônimo na multidão, mas central nela mesma, ao caminhar deambulatório de um passante "comum" na confusão das grandes cidades. Essas e outras discussões fizeram parte da segunda entrevista do documentário que está sendo produzido pela equipe do projeto de pesquisa "Comunicação, Antropologia e Filosofia: estética e experiência na comunicação visual, audiovisual e literária urbana da contemporaneidade de Belém do Pará", coordenado pelo Prof. Dr. Relivaldo Pinho, da Universidade da Amazônia (Unama). A conversa foi realizada com o professor Ernani Chaves (foto ao lado), no final de 2014. Na entrevista, além das referências aos diferentes modos de trajetos e caminhares que iniciam este texto, foram discutidas e apresentadas impressões sobre o estado da arte produzida em Belém, em especial nas últimas três décadas, bem como as modificações urbanas que a capital paraense passou no mesmo período. Tais modificações, é importante destacar, vão além de "somente" sua paisagem.



Ernani Chaves durante a filmagem da entrevista. Foto: Priscila Bentes.

"As representações de uma cidade são sempre representações históricas, fantasmagóricas e são feitas de determinado presente", explicou Ernani. É justamente aí que reside o risco de se cair na afirmação ligeira e muitas vezes "enganosa" de que há nada de bom atualmente e de que no passado tudo foi melhor. Tal idealização de algo que não foi vivido, a "saudade do desconhecido", pode ser considerada resposta fácil e muitas vezes oportunista, que pode embaçar uma série de novas possibilidades, complexidades e mesmo ocultaria a busca de soluções a alguns problemas. Ainda para o pesquisador, outra marca da Belém atual, ou mesmo de toda e qualquer metrópole, é que a cidade contemporânea não é mais "simplesmente" dividida em bairros mais próximos ou distantes ao centro. "Em todos é possível ver todas estas diferenciações, que eram diferenciações da cidade", esclarece Ernani. Surgem então "micro cidades", complexas e fluidas. Deste modo, a própria geografia é ressignificada: para condutores e passageiros, os trajetos que antes eram feitos em cerca de vinte minutos hoje levam mais de uma hora. A ação do passante também é modificada: com olhar cansado e fatigado com diversos estímulos publicitários, mira mais as telas de smartphones do que a paisagem à sua frente ou ao seu lado. Mudam-se os hábitos, mudam-se avenidas, modos de consumo. Ou seja, muda-se além da geografia da cidade, sua fisionomia urbana e seu modo de compreendê-la. Tais mudanças, ou mesmo sua miscelânea, são potencializadas em Belém, já que "a Amazônia vive vários tempos", seja o mítico, o moderno, o pós-moderno, como destacou o professor. Uma cidade heterotópica emerge então, o que também está presente não somente na produção publicitária, mas também nas artes. Neste panorama, ainda há a recorrência de referências e citações repetitivas, questionáveis e incensadas - como a recorrência das representações da natureza, o verde amazônico caracterizando a fisionomia da região, hábitos ainda ribeirinhos ou mesmo a prevalência na utilização de alguns pontos turísticos, como o Ver-o-Peso, para citar somente alguns exemplos.



Bar Azul, de Luiz Braga. Fonte: Reprodução. Veja uma análise sobre a fotografia no texto "Imagem e representação em Bar azul, de Luiz Braga", de Relivaldo Pinho

Outros tipos de produção, no entanto, confrontam e incomodam: como se o olhar para si causasse mais estranheza do que para o outro, em uma realidade em movimento, mutante, desconfortante. Exemplo disso podem ser as fotografias de Luiz Braga, citadas por Ernani, que apresentariam tal sensação não somente como (quiçá) uma inovação estética, mas sim como uma nova interpretação ou ressignificação da Belém contemporânea, discutida no documentário.


Texto originalmente escrito por mim para o blog "Fisionomia Belém", do grupo de pesquisa "Comunicação, Antropologia e Filosofia: estética e experiência na comunicação visual, audiovisual e literária urbana da contemporaneidade de Belém do Pará"

Veja também: "Belém, esse estranho ir e vir, ou uma conversa com Edyr", sobre a entrevista feita com Edyr Augusto.



[Comente este Post]

Postado por Blog de Enderson Oliveira
30/7/2015 às 09h30

 
O outono

Fotos: Feitosa dos Santos

A natureza é sem dúvida uma dádiva suprema, a sua beleza, as indagações deixadas nas entrelinhas, faz-me compreender que por detrás de tudo isso, há um ser supremo, que age e controla todas as coisas.

Andando pelas ruas percebo as folhas se desprendendo dos galhos e formando um tapete abaixo de suas copas, para dar passagem a mudança e receber a vida que se renova a cada instante.

Bandos de pássaros migratórios, sobrevoam nosso litoral, buscam refúgios para alimentação, e locais adequados para a procriação das espécies. É a natureza desempenhando o seu papel ativamente.

O aspecto cinzento do dia, cá nos trópicos, denota a mudança de ares, até pouco tempo claro e reluzente.

Parece-me até as pessoas se tornam mais leve e menos apressadas, como se a natureza lhes incutisse a atenção antes desperdiçada. Vejo-as paradas como se alheias estivessem, mas sem especulação, creio que no íntimo, contemplam o sublime, a natureza esplendorosa.

Ao fazer a limpeza na gaiola do Baltazar, fiquei surpreso, suas penas estão caindo, percebi então que os pássaros também trocam de vestimentas neste período do ano, renovam sua plumagem.



Ah! Esqueci de falar, Baltazar é o nome de um canário, que entrou sem pedir licença em nossa casa, pela janela da cozinha e vive conosco a doze anos.

Como ele veio parar em nossa casa? Bem certa manhã percebi um canto estridente, lá para o lado da cozinha, minha surpresa foi tamanha, quando o vi, o até então canário, hoje Baltazar, pousado sobre o varal de estender roupas cantando sem parar. Notei que ele era anilhado, fugiu de algum criadouro, não seria capaz de sobreviver sozinho. Corri a loja comprei uma boa vivenda e comida. Ele sem cerimônia, adentrou a sua nova morada. Acredito que nunca conheceu a liberdade de voar livremente para conquistar o seu mundo. Tornou-se o xodó do lar, meu filho mais velho o chama de Pavarotti. O seu canto é simplesmente maravilhoso.

Baltazar já era amarelinho, quando veio ficar conosco, geralmente esta espécie quando nasce leva 18 meses para amarelar, e vive cerca de trinta anos, nosso Balta vive conosco a 12 anos, ele está forte e bem-disposto, creio que ainda terá muitos anos pela frente para compartilharmos.

O outono precisa continuar acontecendo. As folhas precisam continuar caindo para renascer depois; os pássaros carecem de sua roupagem nova, a natureza precisa renovar-se a cada instante, para o homem não se surpreender com ela. A natureza nos trata segundo o tratamento que lhe dispensamos.

Que venham outros outonos e cada vez mais me surpreenderei, com a beleza gratuita que nos é dispensada a cada instante pelo supremo ser do tempo.

Rio, 22/03/2014
Feitosa dos Santos

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
29/7/2015 às 23h18

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS MEDICINAS DIFERENTES - BIBLIOTECA PLANETA
LEPRINCE / FOUQUÉ
TRÊS
(1973)
R$ 7,90



PINKERTON
FRANCO CORDELLI
ROCCO
(1989)
R$ 7,90



PEQUENOS POEMAS EM PROSA
CHARLES BAUDELAIRE
JOSÉ OLYMPIO
(1950)
R$ 19,90



RAZÕES DE VIVER
SERGIO GALLO
RELUME DUMARÁ
(1999)
R$ 4,90



A CASA DAS SETE MULHERES
LETICIAM WIERZCHOWSKI
RECORD
(2003)
R$ 8,11



BRASIL OS DESCAMINHOS DO PAÍS DAS TERRAS ACHADAS
MOACIR LONGO
FUNDAÇÃO ASTROJILDO PEREIRA
(2008)
R$ 36,65
+ frete grátis



A GRANDE ESPERANÇA
PROF. CHARLES RICHET
LAKE
(1999)
R$ 19,90
+ frete grátis



LIGA DA JUSTIÇA E BATMAN - 16 - SOB A SOMBRA DO MORCEGO!
DC COMICS
ABRIL JOVEM
(1995)
R$ 7,00



CAMINHO DE PEDRAS
RACHEL DE QUEIROZ
DO AUTOR
(1990)
R$ 12,00



PSICOLOGIA PARA ADMINISTRADORES
MORTIMER R. FEINBERG, PH.D.
IBREX
(1975)
R$ 28,00
+ frete grátis




>>> A Lanterna Mágica
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês