Digestivo Blogs

busca | avançada
40230 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS

Sábado, 18/4/2020
Digestivo Blogs
Blogueiros

 
Flúmen do dia

Vertendo sussurros de calma, o líquido
repercute a voz da carranca de pedra.
Colar d’água, desliza o vazadouro
a circundar o umbigo da terra.

Lado a lado, corredeira e tempo.
Carregam palavras não ditas.
Recordam idos e havidos.

Livres, água e tempo descem à terra.
Entre córregos e limos, caminham.
Livres, rocha e queda sobem às nuvens.
Sobre o ilusório, evaporam-se.

Resta um tempo inexistente.
Corre um tempo enclausurado
de enlouquecedora trégua.

Surge um tempo que não passa.

Pudera eu parar o flúmen do dia.

Pudera eu alimentar o redil
do meu coração em chamas.


(Do livro Vazadouro)

[Comente este Post]

Postado por Blog da Mirian
18/4/2020 às 10h23

 
Geladeira quebrada
Comida estragada


Era uma vez uma despensa cheia de alimentos vencidos. As latas de conservas estufadas, os sacos cheios de grãos bichados, o mofo e sujeira dos ratos espalhada por todos os cantos.
A geladeira e o freezer, lotados de carnes, lacticínios e pescados podres.

A necessidade de uma limpeza e reforma era evidente. A desordem e imundície com os víveres, acabaria por envenenar e até matar todo mundo.

Uma eleição para expulsar os intendentes responsáveis por tanta desgraça foi marcada e quase todos foram trocados. A esperança de melhores dias voltou.

Boa alimentação, boa saúde, economia e equilíbrio com os recursos, respeito e ordem, paz, alegria, orgulho de fazer parte daquela mudança.

Mas...

Na primeira oportunidade, as incapacidades e insegurança, começaram a mostrar suas caras. Quem precisa berrar sua autoridade, não está seguro de seu poder.
Os ratos e baratas de novas cepas, começaram a sua nefanda tarefa, de roer e estragar o sonho recém renovado.

A insanidade moral é a doença mais danosa a atividade política.

A vaidade e ânsia pelo exercício do poder são suas formas mais graves.
Depois, a ganância, a ambição, a falsidade e, igualmente a incompetência, completam o perfil do mau político ou lider.
A cereja do bolo é a burrice, a falta de percepção do próprio entorno, a ilusão com as parcerias danosas.

Quaisquer semelhanças não são meras coincidências.

[Comente este Post]

Postado por Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
16/4/2020 às 12h36

 
Tonéis

Traços, notas e cores,
percurssivos por natureza,

através de timbres,
texturas e dores...

Só o corpo os coa,

assim são as vozes
assim são os vinhos
assim são os amores...

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
14/4/2020 às 10h32

 
Propulsão

Buscar a palavra
como a tensão
da corda de
um arco,

tanto da flecha
que se lança,
como o da
corda vibrante
de uma lira...

Palavra é
TENSÃO

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
13/4/2020 às 20h47

 
Ironia macabra

Enquanto
se
morre
por
falta
de
ar
aqui
na
terra,
no
céu
a
atmosfera
se
purifica

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
13/4/2020 às 20h36

 
O tempo é um construtor de ruinas

A comportada vitrine ressaltando os elegantes modelos de roupas masculinas bem combinadas, prendeu minha atenção por um instante, provocando a vontade de vestir o bom gosto sugerido. E o melhor, facilitado em modicas prestações ou generoso desconto para pagamento a vista.
Os ternos e costumes bem cortados, camisas de colarinhos impecáveis, gravatas singulares em seus desenhos, um e outro acessório trouxeram lembranças.
No reflexo do vidro, as pessoas no indo e vindo da vida, sem prestar atenção a nada, só no caminho, molhado pela chuva intermitente do outono.
Distraído, quase não notei a imagem do outro observador das modas e ofertas da loja. Não sou de conversar com estranhos, puxar assunto, comentar atoa.
O senhor discretamente vestido, olhava, interessado, cada uma das composições, buscando os detalhes. O caseado dos botões dos paletós, a posição das mangas, as golas, o desenho das gravatas, a padronagem das camisas. Dava para perceber sua atenção.
Fiquei curioso, mas não o incomodei. Parecia ser bem mais velho do que eu. Talvez uns 15, 20 anos, sei lá. Fingindo interesse no interior da vitrine , olhava para o espectro refletido no vidro.
O porte, o modo de encarar os manequins de gesso, a falta de cabelos, o cenho semi-serrado, o rosto cavado e as bochechas caídas, sinalizando falhas dentais. O pescoço papudo, pós obeso, a boca enérgica, sem sorriso, sem paz. As orelhas características dos velhos: ou cresceram ou a cabeça encolheu.Baixei os olhos e, reparei as mãos vasculadas, magras, ossudas.
Num repente, dei conta de que não havia ninguém ali de frente para aquela vitrine.
Eu ainda não tinha sentido tudo que o tempo havia feito comigo.
Entrei na loja e comprei um boné de tweed, estilo inglês, para combinar com a nova fachada.


[Comente este Post]

Postado por Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
11/4/2020 às 16h02

 
Com Jesus, num papo reto

Jesus de Nazaré, o filho de Maria, filho nutriente de José, segundo os escritos deixados. Na realidade, Jesus é o filho do Santo dos Santos, Deus pai, onipotente, onisciente e onipresente.

No ano 2020 do teu nascimento, relembramos a tua paixão e morte no monte do Calvário, no centro da velha Jerusalém, há 1997 anos atrás.

- Jesus o Senhor acredita, que se hoje fosse, seria diferente? É que muito se fala da evolução humana, hoje tudo é diferente, muita coisa mudou, fala-se da cultura dos povos, não sei se isso seria ponto positivo ou negativo da tua causa.

No teu tempo haviam os santos homens, tidos como profetas, anunciavam a tua vinda, o teu Reino, mesmo assim, uma parte da população não te aceitou, como o filho de Deus, apesar dos constantes milagres relizados por Ti em toda a Judéia e Samaria.

- Porque hoje, a massa humana, compreenderia e Ti aceitaria como o salvador da humanidade? Senhor, sei que tudo vês, tudo podes e estais em todos os lugares e, bem sabes, que as criaturas do teu Pai, em nada mudaram, e se mudaram, foi para pior.

Sei também que és compassivo para com os humanos, a quem um dia os chamastes de irmãos, mas também dissestes “homens de pouca fé”. Continuam assim, acredito que um pouquinho além do que eram em teus dias.

Sei que não preciso Ti falar isso, mas estou falando, para me posicionar de qual lado da balança eu estou: se do peso ou do objeto pesado, se da medida ou do objeto medido. Afinal não tenho tanta intimidade com o Senhor e faço parte dessa massa humana que cobre toda a terra.

Senhor, vou te falar uma coisa, nesse teu rebanho, há tantas ovelhas desgarradas, que não dá para contar. Muitas têm a aparência de cordeiro, mas por dentro são os velhos lobos de sempre, tentando inverter os campos de pastagem dos rebanhos desinformados.

Hoje, aqui na terra, briga-se por tudo: pelo poder, pelo dinheiro, por posição social, isso para não falar do orgulho, da soberba, da arrogância, da falta de ética, do decoro. Ah! Tem uma tal de corrupção, que não deixa pedra sobre pedra. O dinheiro que deveria ser do povo, lembra, “dá a Cesar o que é de Cesar”, pois bem, hoje é propinoduto, petrolão, mensalão, mensalinho, rachadinha, etc. Está difícil senhor!

Assim como no teu tempo, os gestores do povo vivem numa brigalhada só. Resolveram dividir a população de cada país, (Tribos e/ou Região em teus dias) em: eles e nós. Não consigo entender bem, porque dos dois lados tem pobres miseráveis e miseráveis milionários. A única coisa que percebo é que todos seguem sem rumo, sem direção.

Jesus me desculpe, não sou muito de falar, mas o papo está tão bom que vou me deixando levar pela conversa. O senhor não se incomoda, não né?

Sabe Jesus, tudo o que nós, os humanos, fazemos aqui, por vezes, piores barbáries, colocamos na tua conta: em nome de Jesus, por amor a Deus, o Senhor me enviou, Jesus é meu testemunho entre outros. A humanidade mente demais e é dissimulada, Jesus.

Os humanos pedem muito ao Senhor e quase nada repartem com os irmãos mais carentes. Pedir, pedem mesmo, esquecem, pois, é de agradecer e louvar a Deus pela dádiva recebida.

Nesse dia em que lembramos da tua saída da vida humana, para a vida Divina, deveríamos nos conciliar convosco e com o Pai, mas estamos amedrontados com a praga, não a do Egito, mas a do Corona Vírus. E mais uma vez, todos a te pedirem o livramento desse mal.

Jesus, sei que não são todos, mas há aqueles que dobram os joelhos a Ti e ao Pai, pedindo por misericórdia. Pelo verdadeiro amor a Deus, tende piedade de todos, piedoso e compassivo Pai, Filho e Espirito de Deus.

Muito obrigado, por esse bate papo e pelo conforto que me destes enquanto eu falava.

Obrigado por me ouvir e por tua compaixão para comigo.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
10/4/2020 às 10h17

 
A vela
Cera, pavio, e chama.


Enquanto o pavio não é aceso, a treva predomina em seu entorno.
O limite da escuridão só será percebido quando a chama começar a iluminar.
Agora a vela está brilhando. Dependendo do tamanho da cera, vai durar mais ou menos, ajudando a sinalizar o caminho, a praticar a fé, a comemorar uma data.
O pavio e a cera serão consumidos enquanto produzirem luz. Basta uma lufada, uma brisa mais forte, um vento encanado e a luz se apaga.
Um pouco de sorte, alguma esperança e o pavio volta a queimar.
Algumas velas sempre estarão protegidas dos ventos dos acasos ou fatalidades. Poucas terão enorme brilho e várias serão acesas e apagadas conforme os ritos ou necessidades.
Outras vão quebrar e nunca viverão um momento de luz, além das que, em grande número, apagarão antes de terminarem o pavio e a cera.
Um grupo especial vai permanecer até chegar ao fim, com os últimos tremores da chama, o curvar do resto do pavio e o frio da treva. Poderá ser num altar, num velório, numa cabana na floresta, num despacho, durante a falha da cia. de luz e força.
Apenas uma vela.
®

[Comente este Post]

Postado por Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
9/4/2020 às 09h28

 
Amigo, amigos.

Amigo, amigos Eu tenho um princípio desenvolvido ao longo da vida: Amigo é amigo.
Já subi e desci a ladeira muitas vezes. Aprendi um pouco. Amigo é amigo.

Não tem nenhuma maneira de classificar,organizar, priorizar, graduar, enfim, estabelecer uma quantificação de valor.
Amigo é amigo. Parentes ou não, colegas ou não, camaradas ou não.
Amigo é amigo. Por isso, geralmente, são poucos. Pouquíssimos durante a vida.

Já. os conhecidos...
Conhecidos podem ser parecidos com amigos, mas... Conhecidos sempre tem um mas. Amigo a gente sente.

Conhecidos a gente conhece, gosta, não gosta, não importa, importa, deixa de ser importante, diverte, ou não, enfim, conhecidos são fáceis de esquecer, desistir, afastar.
Amigo é amigo. É definitivo.



[Comente este Post]

Postado por Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
7/4/2020 às 10h59

 
Belhell: a vida jogada na Amazônia de Edyr Augusto


Imagem: boitempo


Jogada em um canal de água, em uma mata, de dentro de um carro, ou sob a marquise de um prédio. Jogada no dia a dia das relações cotidianas de violência, na futilidade dos barões regionais, ou na mesa de pôquer de um cassino. Tudo em plena Belém do Pará. “O que haverá de ficção no relato?”. Não importa. A Belhell, de Edyr Augusto, não quer ser apenas identificada, ela quer ser exibida, como cartas à mesa, com seus naipes fatais.

O escritor paraense retorna, nesse romance, com plenitude, à temática que o consagrou. A capital de uma região, que ainda se imagina apenas violentada em sua natureza idílica, ressurge em sua imagem aterrorizante, estrebuchando, com a garganta cortada e com um tiro na têmpora, implorando, mas sem poder se salvar.

“Atira, caralho. Não faça isso, homem. Tenho mulher e filhos pra criar. Atira, moleque! Ou vai gelar agora, hein. Pelo amor de Deus, homem, faz isso, não! Três tiros secos e Gio começou a vomitar”.

Gio, também grafado como Gil, no romance, um nome recorrente em outros livros do escritor, é um garoto pobre que é doado pela mãe a um comerciante. Ele se tornará um dos personagens símbolos da decadência existencial na cidade. Criado no Ver-o-Peso, ele logo saberia que a cidade vai além do bucolismo imaginal da feira à beira do rio, mergulhando em uma corrupção da qual não deseja sair.

Ninguém, na verdade, deseja sair. Não existem arrependimentos na literatura de Augusto. Seus personagens submergem em tudo que parece excitante, perigoso e pútrido. Os bairros da Campina e Comércio são seu lamaçal diário nos quais, como urubus, se deleitam sem escolher o que devorar.

Paulo, apaixonado por Paula desde da adolescência, sonhava ser policial; Clayton era um médico promissor; Paula queria sair da pobreza a qualquer custo. Todos ascendem. Mas essa ascensão sempre os impele à existência infernal da cidade. Belhell.

Roubo de carros, corrupção política e policial, assassinatos, prostituição e jogos. Temas que já surgiriam em outros livros do autor, como “Selva concreta” (2012) e “Pssica” (2015), fazem parte dos caminhos lúgubres por onde terão que se esgueirar e adentrar. Não se negam. Não possuem grandes crises existenciais para alcançar seus objetivos. Como jogadores, não devem titubear. Jogam-se, jogam e são jogados.

No Cassino Royal, do médico Clayton, a elite degenerada (os barões) arrisca seus milhões em busca de algo. Há o dinheiro, mas há a excitação do jogo, o desafiar a cada instante. Atravessam a madrugada jogando, e o jogo os atravessa, impiedosamente. Sem titubear.


Reprodução



“Belhell” repete, em sua capa, o mesmo motivo do primeiro livro de Edyr Augusto, “Os Éguas” (1998). Se, em seu romance de estreia, temos a imagem de um prédio que parece arruinado por uma época decadente, nesse, temos uma das imagens icônicas da cidade, as imediações do Ver-o-Peso.

Mas, nessa capa, esse ambiente conota o espírito da urbe que a literatura busca, novamente, representar. Seu cartão postal, em fundo preto e mergulhado em um tom lilás, não escapa da metaforização de uma existência vil, atroz e horrenda. Gil, enraivecido, resolve por lá passar, “táí, vou até a beira do Ver-o-Peso. Aquilo tem cheiro de merda...”

Nessa imagem da cidade, na qual vidas parecem naipes a serem descartados, a ideia de que “o ser humano é cheio de defeitos, faz tudo certinho, mas pode contar que alguma coisa está fora do lugar”, prevalece. Na abertura desses casulos individuais de cada personagem, a cidade se abre, e lá, está Hades, em uma esquina escura, para acolher suas almas.



Fora do lugar. O serial killer, que corta, com abjeta destreza e crueldade, a garganta dos moradores de rua do centro de Belém, acredita que suas vítimas assim devem ser encaradas, como outsiders, dispensáveis. Ele, em sua psicopatia, sempre, após cometer os assassinatos, retorna para aquilo que julga seu lugar. O desviante é o outro; o psicopata é sempre, nas aparências da cidade, insuspeito.

Também Paula parece inofensiva. Lindamente juvenil, com seus ardis, ela enlouquece Paulo, Gil e Clayton. Mas Paula, talvez, seja apenas a rodada de uma partida que não parece ter fim, nas pulsões irrefreáveis dos personagens, da cidade, do desejar e do morrer.

Sim, o binômio freudiano, desejo e morte, está aqui. Está especialmente metaforizado na imagem do jogo de cartas que mimetiza a vida. Sem poder ter certeza da próxima jogada, todos, de algum modo, se arriscam. Jogam-se, jogam e são jogados. O jogo é, como a narrativa, realidade e fantasia. “O que haverá de ficção no relato?”. Não importa.


Este texto foi publicado em 29/03/2020 no Diário Online

Relivaldo Pinho é autor de, dentre outros livros, Antropologia e filosofia: experiência e estética na literatura e no cinema da Amazônia, ed.ufpa, 2015.
[email protected]

[Comente este Post]

Postado por Relivaldo Pinho
6/4/2020 às 18h17

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ÚLTIMO MAFIOSO
OVID DEMARIS
FRANCISCO ALVES
(1982)
R$ 11,00



ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS - LIVRO DE EXERCÍCIOS - 3ED.
DANTE C. MATARAZZO - ARMANDO OLIVEIRA
ATLAS
(1995)
R$ 8,90



A CRIAÇÃO DOS FILHOS
R. R. SOARES
ED. GRAÇA EDITORIAL
R$ 5,00



OS ESCRITOS SECRETOS
SEBASTIAN BARRY
BERTRAND BRASIL
(2013)
R$ 13,00



3 VOLUMES - HISTÓRIA GERAL DA ARTE - ARTES DECORATIVAS
EDICIONES DEL PRADO
DEL PRADO
(1996)
R$ 40,87



VALE A PENA VIVER
DANIELLE STEEL
RECORD
(1993)
R$ 7,90



CAPITÃO SINGLETON
DANIEL DEFOE
GLOBAL
(1985)
R$ 11,00



UMA VERDADE INCONVENIENTE
AL GORE
MANOLE
(2008)
R$ 15,00



GEOGRAFIA 6º ANO PROJETO RADIX
VALQUÍRIA E BELUCE
SCIPIONE
(2011)
R$ 5,80



O ROMANCE DA TERRA
RUDOLF THIEL
LITERATURA ESTRANGEIRA
R$ 10,50




>>> A Lanterna Mágica
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
40230 visitas/dia
1,3 milhão/mês