Construindo a democracia através do cidadão 1 | Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 1/9/2016
Construindo a democracia através do cidadão 1
Antonio Feitosa dos Santos

+ de 400 Acessos



É difícil definir a democracia moderna, tendo em vista, que essa foge às classificações tradicionais da filosofia política. O fato é que consideramos democracias Estados que são monarquias, (como a Espanha ou a Inglaterra).

Porém nas democracias em geral, todos nós sabemos, que o poder na totalidade, cabe a quem costumamos chamar de classe política. Essa se constrói por meio de canais bem definidos: carreira feita num partido político, na administração pública ou ainda em universidades de prestígios, entre outros.

Assim sendo, as democracias modernas são de fato aristocracias. Se considerarmos que são governadas pela elite dos cidadãos ditos mais competentes; ou então oligarquias se forem dirigidas pela minoria dos mais abastados, ou ainda, pela dos “decisores” oriundos do mundo dos negócios.

Maurice Duverger define as democracias ocidentais contemporâneas como “tecnodemocracias”, estritamente controladas por uma oligarquia econômica.

A estas dificuldades acresce o fato de que não sabemos com exatidão distinguir república – forma de governo - de democracia – soberania popular - e o uso corrente costuma confundir os dois termos.

Se quisermos dar sentido à palavra democracia, convém levar em conta a estrutura jurídica do Estado, bem como o método de governo.

O que dá fundamento ao estado é a autoridade da lei. Disso resulta uma primeira consequência relativa à educação do cidadão: o “espírito” de uma república, para falar como Montesquieu, é o do respeito à lei por princípio, isto é, independentemente das imposições, mais ou menos violentas que podem forçar os indivíduos a obediência.

Assim sendo, a educação do cidadão deve difundir esse espírito de obediência livremente consentida, às leis e o sentido de igualdade que lhe está intimamente ligado. E para que isso aconteça, é necessário que as leis sejam validas para todos. Todos sem exceção e não validar frases como a de um “célebre” político que costumava dizer, “ Aos amigos, tudo. Aos inimigos, a lei”.

É verdade que o Estado recorre com frequência à força e que o medo das sanções desempenha papel importante no respeito a certas obrigações: (pagamento de impostos pelos cidadãos e arrecadação fiscal pelo Estado).

Embora a questão da segurança, no caso do Estado do Rio de Janeiro, em relação ao crime organizado, deixa os cidadãos desamparados, isso porque, enquanto o estado não tiver meios para colocar um policial atrás de cada indivíduo (e outro atrás do primeiro...), o princípio do Estado moderno será, o cidadão obedece às leis porque essa obediência lhe parece em consciência legítima.

Os direitos fundamentais - liberdade, segurança, propriedade - não resultam de acordos particulares entre o Estado e um cidadão ou grupo social, mas são direitos de todos, como está na lei maior, a Constituição. Assim, ao defender os direitos de todos, uma pessoa está defendendo os seus. Esse ponto é capital porque se baseia não só na liberdade, mas em todo o funcionamento do organismo social, numa forma de solidariedade.

A sociedade moderna é muitas vezes caracterizada como sociedade “individualista”, em que o sentido de comunidade é preterido pelas ambições e pelo conforto do indivíduo.

Na medida em que o homem está habituado a calcular, por conta própria, o que convém fazer, a observação é verdadeira.

Pode-se, entretanto, formular a hipótese de que a sociedade moderna incute em cada um, o senso da solidariedade, senão dos indivíduos, pelo menos das funções nos grupos sociais. Entendemos por funções sociais os trabalhos que o indivíduo efetua enquanto elemento do funcionamento da sociedade como um todo.

O indivíduo, em suas ambições e reivindicações (de status, salário, cargos...), percebe que não se confronta apenas com um interlocutor (o Estado, um empregador, um cliente), mas que também está inserido numa rede de funções, cuja solidariedade deve ser preservada para garantia do bom funcionamento do conjunto.

Esse dado se bem compreendido, deve estabelecer um limite aos desejos de uns e de outros, ou seja, na hipótese de uma sociedade cada vez mais organizada será necessário que os indivíduos, ao mesmo tempo, em que se tornem mais calculistas, concebam sua atividade como uma função extremamente social. Devem perceber que o cálculo, puramente individual, indiferente à coesão do todo é cada vez menos racional.

Fontes bibliográficas:
Patrice Canivez, “Educar o cidadão”.
Sergio Buarque de Holanda, “Raízes do Brasil”.


Postado por Antonio Feitosa dos Santos
Em 1/9/2016 às 09h56


Mais Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PAULO FREIRE E A EDUCAÇÃO
JAIME ZITKOSKI
AUTÊNTICA
(2007)
R$ 20,00



MOZARTIANA
JOSEPH SOLMAN
NOVA FRONTEIRA
(1991)
R$ 4,00



A VIDA DOS GRANDES BRASILEIROS - 8 BARÃO DO RIO BRANCO
MARCIO TAVARES
TRÊS
(1974)
R$ 6,00



HISTÓRIA DA RIQUEZA DO HOMEM - 21ª ED. REVISTA
LEO HUBERMAN
LTC
(2008)
R$ 59,90



NOVO TESTAMENTO - TRADUÇÃO DA CNBB
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
PAULUS
(2003)
R$ 5,00



LEXIKON DER WELTLITERATUR
VÁRIOS AUTORES / PROF. GERHARD STEINER (ORG.)
VEB BIBLIOGRAPHISCHES INSTITU
(1965)
R$ 65,00



A VERDADEIRA NATUREZA DO GENE VOL. 2 DO TRATADO DO SER VIVO
JACQUES RUFFIÉ
FRAGMENTOS
(1982)
R$ 39,66



LATITUDES: CAHIER DEXERCICES 1 & CD-AUDIO (FRENCH EDITION)
REGINE MERIEUX & YVES LOISEAU
DIDIER
(2008)
R$ 100,00



A PROFECIA CELESTINA
JAMES REDFIELD
OBJETIVA
(2009)
R$ 21,00



A INDÚSTRIA PARA-PETROLEIRA NACIONAL
REGINA ZAMITH
ANNABLUME
(2001)
R$ 8,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês