A cidade e/ é sua música. | Blog de Enderson Oliveira

busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manual prático do ódio
>>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
>>> Roberto Carlos:Detalhes em PDF
>>> Olhos de raio x
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Fred Trajano sobre Revolução Digital na Verde Week
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 7 de Setembro
>>> Fazendo as Pazes com o Swing
Mais Recentes
>>> Superdicas Para Escrever Bem Diferentes Tipos de Texto de Edna M. Barian Perrotti pela Saraiva (2006)
>>> Técnica da Redação Comercial de Helena Montezuma pela Tecno Print (1963)
>>> Todo o Mundo Tem Dúvida, Inclusive Você de Édison de Oliveira pela L&PM Pocket (2012)
>>> Manual de Estilo Editora Abril de Vários Autores pela Nova Fronteira (1990)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Guia Prático de Redação de Massaud Moisés pela Cultrix (1967)
>>> Estudo Sintético e Racional da Arte e da Técnica de Escrever de Dr. Paulo Acioly pela Exame
>>> Comunique-se Melhor e Desenvolva Sua Memória de Jorge Luiz Brand pela Pe. Berthier (1996)
>>> Os Pecados da Língua – Pequeno Repertório de Grandes Erros de Linguagem de Paulo Flávio Ledur & Paulo Sampaio (Sampaulo) pela Age (1993)
>>> Independence Day - O ressurgimento de Alex irvine pela Nemo (2016)
>>> Técnica de Redação – O Texto nos Meios de Informação de Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari pela Francisco Alves (1977)
>>> Óculos, aparelho e Rock ' N ' Roll de Meg Haston pela Intrínseca (2012)
>>> O doador de memórias de Lois Lowry pela Arqueiro (2014)
>>> Dez leis para ser feliz de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> #Manual da Fossa de Mica Rocha pela Benvirá (2020)
>>> Como Parar O Tempo de Matt Haig pela Harper Collins (2017)
>>> O guia dos curiosos: língua portuguesa de Marcelo Duarte pela Panda Books (2010)
>>> Mentes Geniais: Aumente em 300% a Capacidade do Seu Cérebro de Alberto Dell Isola pela Universo dos Livros (2013)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intríseca (2009)
>>> Tipo Destino: E se sua alma gêmea fosse o namorado de sua melhor amiga? de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2013)
>>> Seu Cachorro É O Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Os Contos dos Blythes Vol 2 de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2020)
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Globolivros (2014)
>>> Cidade dos Ossos de Cassandra Clare pela Galera (2014)
>>> A Casa de Hades de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Amores impossíveis e outras perturbações quânticas de Lucas Silveira pela Dublinense (2016)
>>> A Marca de Atena de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Will e Will, Um nome, Um Destino de John Green, David Levithan pela Galera (2014)
>>> O Azarão de Markus Zusak pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Capitão América: A Ameaça Vermelha de Steve Epting, Mike Perkins, Ed Brubaker pela Panini (2005)
>>> O Fio do Destino de Zibia M. Gasparertto pela Vida e Consciência (1500)
>>> O Fantasma da Ópera de Gaston Leroux pela Principis (2020)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Lafonte (1500)
>>> Coleção folha tributo a Tom Jobim nº8 Tide de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Rostos Do Protestantismo de José Míguez Bonino pela Sinodal/Est (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Fred Astaire nº4 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Sherlock Holmes – O Vampiro de Sussex e Outras Histórias de Sir Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (2003)
>>> As pernas de Úrsula e outras possibilidades de Claudia Tajes pela L&PM (2001)
>>> Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> A vitória final de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2008)
>>> Apoliom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> O glorioso aparecimento de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Armagedom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Assassinos de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Nicolae de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O possuído de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Profanação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O remanescente de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> A marca de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Comando Tribulação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 25/1/2017
A cidade e/ é sua música.
Enderson Oliveira

+ de 1000 Acessos



Henry volta a se apresentar no Sesc Boulevard na próxima sexta-feira (27) para lançar "Belém Incidental". Foto: Divulgação


"Sou um compositor de canções tradicional, com a diversidade rítmica e poética de quem passou a maior parte da vida em Belém e que se nutre da cidade até hoje". Assim se apresenta Henry Burnett, músico paraense que lança seu quinto álbum, "Belém Incidental", na próxima sexta-feira (27), às 19h, em show gratuito no Sesc Boulevard.
Falar da obra de Henry é também falar de Belém. Não porque o músico, que também é pós-doutor em Filosofia e professor na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), repita clichês que se proliferam nas artes, no turismo e na mídia da capital paraense, mas sim por apresentar em suas canções diversas “facetas”, muitas vezes angustiantes e que incomodam, de uma população que não raramente se esquece e desconhece a si mesma.
(Re)unindo poesia e música, em boa parte de suas canções podemos notar "diagnósticos" sobre a cidade, reflexos de seu discurso e análise sobre uma urbe em que o “desamor” predomina e em que parece haver pouca ou quase nenhuma esperança.
Mais que isto: talvez suas canções - para além das que estão no álbum a ser lançado - carreguem certo "espírito de época" de uma metrópole cada vez mais conturbada, apressada e desorganizada, onde a frieza da população se choca cada vez mais com as altas temperaturas que castigam humanos, animais e objetos.


A banda de Henry Burnett (voz, violão, guitarra) é formada ainda por Renato Torres (guitarras e vocais); Maurício Panzera (baixo) e Tiago Belém (bateria)

Levando todo este panorama em conta, aproveitei a data de lançamento do álbum de Henry para, assim como fiz nos últimos dois anos, ouvi-lo sobre as perspectivas (?) para a cidade em seu mês de aniversário, “comemorado” (?) no dia 12, quando completou 401 anos. Enviei então a Henry a provocação/ exercício de imaginação utópica que fiz com outras doze pessoas, que resultaram no texto "Belém do Pará, ano um. 401". A questão era:
"Após 400 anos, Belém pode começar uma nova trajetória. Vive o 'ano 01'. O que a cidade precisa com mais urgência? Qual o conselho tens a dar à cidade imaginando que sua história (re)começa agora? O que desejas a ela/ à população?".

Siga-me no Facebook!

Acredito que em um primeiro momento tais questões surpreenderam (ou assustaram) Henry. "Quem disse isso? parece uma fala de político, de quem não tem responsabilidade pública e utiliza o ano redondo para criar uma falsa ilusão de projeto.", disse o músico ao se deparar com tal proposição, comentando a situação da cidade. Bingo! Era exatamente o tipo de reação esperada, que tem como fio condutor a mesma sensação/ sentimento citados por outras pessoas: o incômodo da reflexão e da observação, em retrospectiva ou não, da cidade e suas diversas circunstâncias cada vez mais problemáticas.
Logo após, Henry explicou sua resposta. "Belém não tem projeto, o último, apenas insinuado, foi elaborado na gestão do Edmilson Rodrigues, mas ao que parece o povo preferiu a continuidade do atual prefeito e o descalabro pelo qual passa nossa cidade agonizante. Não tenho nenhum conselho a dar, é tarde para isso ou para qualquer reação que possa recuperar o que foi a cidade. Nem se trata disso, de ‘voltar ao passado’, mas de um cuidado elementar com a arquitetura, a vida social e com o que resta em pé, nem isso existe. A história não está começando, está terminando. O que pode eventualmente começar é uma nova história, mais triste e decadente", decretou.

Veja também: Belém do Pará, ano um. 401

Parecer pessimista? Não. Análise realista? Possivelmente. Tal diagnóstico, que erroneamente pode ser transformado em bandeira “política” ou de outras ordens, revela uma precisão que não cai somente no lugar de fala ou queixas aleatórias "de cunho social".
Neste sentido, é possível citar a violência que toma conta da cidade, em especial nos inúmeros bairros e áreas periféricas da capital paraense. Sons de fogos de artifício, rojões e de disparos não raramente se unem em meio a festejos de ordens diversas, como comemorações (ou discussões) por conta de uma vitória ou derrota azul marinha ou bicolor, situação "descrita" em “Terra Firme”, canção presente no álbum-livro Retruque/ Retoque.



Nesta cidade em que a água da chuva dilui as manchas de sangue, sangrias abertas diariamente, ainda que se tente fugir, alguns clichês (símbolos ou mesmo ícones?) parecem inevitáveis, como a referência à chuva da tarde, ou mais precisamente às 14h30, como na canção presente no CD “Não para magoar”. A mesma chuva que “nos escurece” e que serve de “cenário para mil amantes" causa diversos riscos e é a base de "Chuva op. 14:30":



Apesar de toda a poesia e lirismo da canção, sabemos que o cenário atual da cidade é bem mais complexo, problemático e menos idílico. Talvez isto explique o grande número de “exilados” fora do Estado ou ainda pessoas que seguem uma rotina “em movimento”, habitando na cidade, mas viajando sempre que possível (seja para casas no interior ou mesmo outros estados ou países). Cria-se então uma Belém mais contemporânea, menos ligada a um espaço físico de fato, mas sim a insigths, lembranças e cenários "nebulosos". Uma Belém somente de relance, em movimento, de passagem. Sonora e violenta, a cidade das aparelhagens é a base de uma das principais canções do novo álbum do músico: "Belém de passagem".



Neste movimento, diversas "Beléns" se cruzam, por vezes dialogam e em muitas ocasiões se chocam. Em especial uma Belém mais melancólica, próxima e acessível a todos, evidenciada (ou evidenciando) a decadência citadina, como a apresentada em "Oswald Canibal", resultado da parceria de Henry com o poeta Paulo Vieira.



Simbiose de fatores, referências e estilos, a canção tem sua gênese na relação entre a poesia modernista de Oswald Andrade e a filosofia contemporânea de Benedito Nunes, passando pelo interstício que une (pelo bem, pelo mal) São Paulo e Belém do Pará. A canção "fala" da ambição do modernista Oswald e cita o recorrente diagnóstico de Benedito Nunes sobre o esfacelamento de Belém.

Leia também: Pelo bem, pelo mal, Oswald Canibal

Neste “ciclo”, se é que podemos chamar assim, tal decadência termina sendo fortalecida pelos próprios moradores, que desamam a cidade, como afirmou o próprio Henry em entrevista em 2015, em outra reportagem minha, sobre o então aniversário de 399 anos da capital paraense. Aos problemas públicos e privados que se reproduzem em escala e dificultam melhorias na capital paraense, se soma então “o desamor pelos espaços de convívio, a destruição do patrimônio” por parte da população.
Na época, para Henry, este seria o maior problema observado na capital paraense. A solução? O próprio Henry responde: “A necessidade maior é simplesmente amar a cidade e cuidar dela como cuidamos da nossa casa, entendendo que a cidade deve ser uma continuidade amorosa de nossa intimidade”, explica. E isto pode ser feito através de linguagens artísticas, como a música, ainda que permaneçam inúmeras " promessas inscritas nas artes da cidade, que ainda não as merece".

Confira: “Desamor”, mudanças na fisionomia e problemas marcam Belém contemporânea

Belém Incidental
Em entrevista, Burnett deu detalhes de Belém Incidental. "Foi um álbum pensado muito lentamente, embora tenha sido finalizado de modo rápido. São 10 faixas, que começaram a ser gravadas em Santarém há mais ou menos 4 anos, com produção de Fábio Cavalcante”, explica.
Além disso, Henry afirmou que “o álbum mistura canções antigas ("Vozes do norte", "Balanço de onda") com a safra mais recente ("Belém de passagem, com letra de Paulo Vieira); no meio delas, canções com meus outros dois parceiros frequentes, Renato Torres ("Reino") e Edson Coelho ("Trem do samba"). Cada faixa foi escolhida com calma, por isso o conjunto fala. A exceção é "E nós", que escrevi para os 70 anos da minha mãe, no ano passado", antecipou.


O disco estará disponível para download a partir de sexta. Imagem: Divulgação.

Seguindo o modelo de música independente (ou de “contra-indústria”, utilizado por alguns autores), o músico disse ainda que "o disco foi todo gravado em home studio, quatro no total. Mas a maior parte foi gravada e finalizada no Guamundo home studio, do Renato Torres, que divide a produção do disco com o Fábio, destacou.
Para quem já conhece sua obra, Henry avisou que "uma mudança muito grande foi feita neste álbum, onde assumi uma faceta apenas insinuada nos discos anteriores: o rock. De algum modo, esta opção significa uma homenagem ao grande movimento do rock paraense, simbolizado pela única convidada do disco, a Sammliz", finalizou.



Perfil
Henry Burnett nasceu em Belém do Pará em 1971. Pós-doutor em Filosofia, atualmente é professor na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Como músico, possui quatro CDs gravados: o experimental “Linhas Urbanas”, 1996; “Não Para Magoar”, 2006; “Interior”, 2007, gravado em Buenos Aires em parceria com Florencia Bernales e o livro/CD “Retruque/Retoque”, 2010, em parceria com o poeta paraense Paulo Vieira. Além disso, Henry também produziu o CD “Depois da revoada”, 2012, junto com o músico e poeta paulistano Julio Luchesi.
Já como pesquisador, Henry é autor do livro “Cinco prefácios para cinco livros escritos: uma autobiografia filosófica de Nietzsche” (Tessitura Editora, Belo Horizonte, 2008), da coletânea de ensaios sobre filosofia e música “Nietzsche, Adorno e um pouquinho de Brasil” (Editora Unifesp, 2011) e do volume da Coleção Leituras Filosóficas da Editora Loyola “Para ler O Nascimento da Tragédia de Nietzsche” (2012).

Serviço
Lançamento do álbum Belém Incidental, de Henry Burnett
Onde? Sesc Boulebard (Boulevard Castilhos França, 562/563, Campina)
Quando? Sexta-feira (27), 19h.
Entrada Franca

Por Enderson Oliveira


Postado por Enderson Oliveira
Em 25/1/2017 às 13h06



Mais Blog de Enderson Oliveira
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DE MEMOIRE
PIERRE SALINGER
DENOEL
(1995)
R$ 39,82



TRÊS SEMANAS PARA ESQUECER
IRWIN SHAW
RECORD
(1957)
R$ 4,24



GIOTTO PINTOR DE PAREDES- COL. POR DENTRO DA ARTE
SYLVIE GIRARDET; CLAIRE MERLEAU; NESTOR SALAS
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(1997)
R$ 8,00



CONTOS DE APRENDIZ
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 25,00



A REVISTA DOS AMANTES DA NATUREZA--109--ESPECIAL--10 ANOS.
EDITORA EUROPA
EUROPA
(1997)
R$ 16,00



GHOST STORIES
ROSEMARY BORDER
OXFORD
R$ 6,99



O POTE VAZIO
DEMI
MARTINS FONTES
R$ 34,00



LA CRISI DELLA MEDICINA - 7167
EVELINO LEONARDI
CORBACCIO
(1938)
R$ 30,00



COZINHA REGIONAL BRASILEIRA PERNAMBUCO 6
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL COLEÇÕES
(2010)
R$ 6,90



LA CONDITION HUMAINE
ANDRÉ MALRAUX
GALLIMARD
(1977)
R$ 15,00





busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês