O pecado de torcer pelo país | Ricardo Gessner

busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 16/12/2019
O pecado de torcer pelo país
Ricardo Gessner

+ de 800 Acessos

Desde a Segunda Guerra Mundial, devido às suas desastrosas consequências, defender ou afirmar respeito pelo próprio país se tornou um gesto de gosto duvidoso. Declarar amor, então, é uma ofensa. Nacionalismo é um termo que passou a designar ideias de cunho fascista e xenofóbico, anulando formas sóbrias e saudáveis de respeito pelo próprio estado-Nação. O resultado é o desenvolvimento dessa sensibilidade anti-nacionalista, sob vestes multiculturalistas, que pretende representar uma postura tolerante, democrática, culturalmente aberta.

Tal conduta recebeu sua fundamentação teórica em âmbito acadêmico e se popularizou. Atualmente, pode ser vista em qualquer lugar, sendo que nas redes sociais proliferam mensagens, figuras e memes satirizando demonstrações de respeito ou preocupação pelo país, a exemplo da figura a seguir:



A figura emana ares de um manifesto provindo da insatisfação por algum governo. Sua mensagem, basicamente, é a seguinte: “Eu não votei no atual governo, por isso torço para que dê errado. Caso isso aconteça, caso o governo não dê certo, não culpe a mim, mas a si mesmo, que votou nele e, portanto, votou errado. Não transfira responsabilidade desse fracasso, que é sua, para mim ou para quem não quis esse governo”.

A mensagem se efetua pelo embate entre as duas frases: a primeira afirma o que não tem influência no desenvolvimento de um governo; a segunda, o que tem. Contudo, é a segunda que se destaca, não apenas pelo destaque visual, mas também pela impressão retórica ao ser lida: como é menor do que a anterior, seu efeito é de maior intensidade. Dessa forma, o sentido é centralizado na ação de “votar errado”, que, mais do que influenciar, é um fator determinante para o insucesso.

O enunciador parte da premissa que, se um governo não condiz com sua visão, não estão do mesmo lado e, assim, é viável torcer contra, como se fosse meu time rival. Se não torço para o Flamengo, que disputará a final do campeonato contra o meu time, é esperado que torcerei contra o Flamengo. Nesse caso, a vitória ou derrota de um ou outro time, de fato, tem relativa autonomia sobre a torcida, apesar de que seu apoio é relevante. Existe aí uma rivalidade saudável e condizente ao contexto em que se manifesta, mas projetar essa mesma postura, ou algo similar, na vida política é perigoso, se não infantil.

Um governo não é o mesmo que um time de futebol, apesar de muitos se comportarem em relação aos partidos políticos como se fossem. Em uma disputa de final de campeonato, os dois times ocupam lados opostos do campo, assim como a torcida, no estádio; como eu não pertenço à torcida do outro, torcer contra o meu time é um gesto de deslealdade.

A situação muda quando transpomos para o contexto político. Durante o período de campanha eleitoral, posso aderir a certa agenda política, já que ela condiz à minha visão. Dessa forma, torço para que o meu candidato vença as eleições e, assim, esse programa possa ser colocado em prática. Entretanto, independentemente do resultado final, o candidato vencedor será aquele que governará o país pelos próximos quatro anos e, a partir daí, estamos todos no mesmo barco. Se ele pertence a um espectro político diferente, torcer contra ele não é o mesmo que torcer contra um time adversário, pois o seu fracasso irá, de alguma forma, me atingir.

Sendo assim, se eu torço para que o governo dê errado, torço contra mim mesmo, assim como torço contra você, contra ele e ela; assumo uma postura deslocada, além de inadequada e infantil, pois deixo claro que sou incapaz de aceitar e conviver com as diferenças. Assumo, portanto, uma atitude antidemocrática. No fundo, parece birra de criança mimada, que chora porque o time perdeu, mas com a diferença de que não se trata de um time nem de um campeonato, mas da realidade e desenvolvimento do país. Há alguns que extrapolam na caturrice: lembro-me de um colega que postou em sua página de uma rede social a foto de uma mesa vazia, e justificou que se recusara a sentar-se nela, pois o seu número era o mesmo que o de um determinado partido político.

Torcer contra um governo revela a falta de comprometimento com o próprio país, pois, como falei, estamos todos no mesmo barco, sendo que a escolha do capitão foi feita democraticamente pelos marujos. Democracia é isso. Torcer contra simplesmente porque seu candidato não foi eleito é uma postura de quem não está preparado para conviver em uma democracia.

Além disso, a torcida contra um governo revela que houve uma dissociação da “primeira pessoa do plural”, esta, imprescindível para que haja uma democracia plena; nas palavras do filósofo inglês Roger Scruton:

"Onde quer que a experiência de nacionalidade seja fraca ou inexistente, a democracia não consegue criar raízes. Porque sem lealdade nacional a oposição se torna ameaça ao governo e as discordâncias políticas não criam pontos comuns[1]"

Por isso, quem torce contra a governança do próprio país poderia mudar-se para outro, cujo governo esteja de acordo com seu espectro político, mas que, revelando uma semelhança identitária, provavelmente não seria nem um pouco democrático.

Não se trata de justificar um nacionalismo degenerado em alguma ideologia totalitária, mas de retomar um antigo laço afetivo pelo estado-Nação, que foi perdido em grande parte devido as consequências desastrosas da Segunda Guerra Mundial, principalmente dos exageros do fascismo e nazismo. Enfatizo que não se trata de um nacionalismo ideológico, isto é, de um amor desenfreado pela pátria — afinal, isso não seria amor, mas paixão, fanatismo. Trata-se de recuperar um laço formado pelo que Michael Oakeshott chamou de associação civil. Oposta a uma associação empresarial, a associação civil se caracteriza pela ausência de uma direção a qual a sociedade deve seguir. Isso não deve ser confundido com o descaso ou falta de comprometimento, mas, sim, de uma conduta prudente, em que os problemas são discutidos segundo a própria realidade social do país, sem forçá-lo ao que pede sistemas abstratos e teses de engenharia social.

A associação civil pressupõe um laço de comprometimento entre os indivíduos de um estado-Nação. Isto é, um contrato social em que cada um tem consciência de seus direitos, assim como de seus deveres.

"Contratos são paradigmas de obrigações autoescolhidas — obrigações que não são impostas, ordenadas ou frutos de coerção [como acontece nas associações empresariais], mas livremente acordadas. Quando o direito é fundamentado em um contrato social, portanto a obediência à lei é simplesmente o outro lado da livre escolha. Liberdade e obediência são equivalentes[2]"

Ao contrário do que um rousseauniano defende, o contrato social não nasce da justificativa de uma imposição; não nasce de alguém que delimitou uma área de terra e disse, pela primeira vez, “isso me pertence”, e elaborou um código contratual para garantir sua posse; um contrato social não é o produto de aplicação racional. Trata-se do resultado de um longo período evolutivo, em que séculos de convivência formaram uma sensibilidade sobre o que seria mais adequado para os pertencentes ao grupo e, assim, protegê-los e garantir seus direitos. Esse entendimento sobre o contrato social pressupõe

"(…) uma relação de filiação como membro de uma sociedade. Teóricos do contrato social escrevem como se isso presumisse somente uma escolha racional livre na primeira pessoa do singular [“eu”]. De fato, pressupõe uma primeira pessoa do plural [“nós”] que já tinha aceito o ônus de pertencer à sociedade[3]"

Ou seja, trata-se de um enlace entre pessoas conscientes de pertencerem a uma mesma sociedade, conscientes de seus direitos e, por conseguinte, de deveres. Sem isso, não há democracia.

O resultado da associação civil é o que Scruton chama de oikophilia, isto é:

"(…) o amor pelo oikos, que significa não somente o lar, mas as pessoas nele contidas, e as comunidades que povoam o entorno que dotam esse lar de contornos permanentes e sorrisos duradouros. O oikos é o lugar que não é só meu, mas nosso[4]"

A palavra oikos, em grego, significa “lar”. Um lar é habitado por pessoas que compartilham um laço de familiaridade; unidos, procuram manter uma relação amistosa, assim como conservar um ambiente saudável, em que todos possam contar um com o outro e constituir um porto seguro. Costumes, comportamentos, regras de convivência, celebrações são itens compartilhados. Da mesma forma que a individualidade de cada membro é respeitada, também o é a família em sua totalidade, pois a convivência de um com o outro e o respeito mútuo permite que o oikos se torne um lugar aprazível.

O raciocínio é o mesmo quando pensamos em um estado-Nação. O país é como se fosse um oikos, um grande lar, em que seus habitantes formam uma família. Costumes, regras de convivência, celebrações, tradições, precisam ser respeitadas para que haja harmonia entre seus membros, assim como para que cada um tenha seus direitos assegurados. Modificações nessas estruturas podem ser feitas conforme necessário, desde que se mantenha o mais importante: o enlace familiar. O enlace familiar é o centro de tudo. Não é sem motivo que Roger Scruton tenha começado pela família para discutir o conservadorismo em alguns de seus livros, assim como não é à toa que Marx e Engels tenha atacado a família para considerar mais uma justificativa ao socialismo e o comunismo. Um lar desestruturado leva a uma desestruturação social. Autores como Dalrymple já demonstrou essa relação.

Dessa forma, alguém que torce para que o governo do próprio país dê errado não compartilha desse oikos e, portanto, é incapaz de viver e conviver em uma sociedade democrática, com outros indivíduos conscientes da existência de um nós ao qual pertence. Mais do que isso, não possui a sensibilidade de “pertencer a um lar comum”. A ausência disso resulta na transferência ou substituição do nós pelo eu de um líder, que, supostamente, guiaria o país em direção ao paraíso terrestre; ou melhor, para um admirável mundo novo. Um bom exemplo dessa sensibilidade é o culto em torno da figura do ex-presidente Luiz Ignácio Lula da Silva, em que militantes postam bordões aos borbotões em redes sociais, e que o próprio Lula tenha se declarado como uma “ideia” e, frequentemente, se apresente como um mártir; outro exemplo é a crescente projeção de Olavo de Carvalho, o conhecido “guru-da-direita” que, graças a seu bom comportamento, tem contribuído para formar uma direita sonora e truculenta, surda para seus escritos, mas atenta aos seus atos.

"Atribuímos credenciais para os que prometem guiar a sociedade ao longo do caminho que desejaram, e conferimos-lhe a autoridade para recrutar, dar ordens, organizar e punir os que restam entre nós, sem levar em consideração, por outro lado, de que maneira desejamos conduzir nossas vidas.[5]"

O resultado prático é alguma forma de tirania. Tirania que transparece nas entrelinhas daquela figura, que, explicitamente considera errado votar em um partido diferente e, implicitamente, é punitiva, pois torce contra o governo e, por conseguinte, torce para que seus compatriotas, sem perceber que faz parte dessa sociedade, fracassem.

Há um pressuposto falacioso, de que somente há duas maneiras de votar: uma certa e outra errada. Ao colocar a questão nesses termos, mais uma vez podemos vislumbrar a incapacidade do sujeito de conviver com quem pensa diferente. Por mais que o senso comum considere a política como um campo movido pelos interesses particulares, seja dos partidos ou dos candidatos, a figura é ainda mais redutora, pois configura todos os matizes partidários e ideológicos ao que se considera certo e errado: “o que compartilho é certo, o que não entra nesse espectro, errado”. Não há espaço para o diferente, nem para a convivência democrática.

"Oposição, discordância, livre manifestação e a solução conciliatória como regra, tudo isso pressupõe uma identidade comum. Tem de haver uma primeira pessoa do plural, um “nós”, se os muitos indivíduos existem para ficar juntos, aceitando as opiniões e os desejos dos demais, independentemente das divergências[6]."

Como discuti acima, a oikophilia é imprescindível: um senso familiar bem desenvolvido para que as diferenças sejam respeitadas e seus direitos, assegurados. Uma família saudável é composta por membros tolerantes, que respeitam a individualidade de cada uma para que o todo permaneça harmonioso. Mas

"Isso depende de costumes localizados e de uma rotina comum de tolerância[7]."

E “rotina de tolerância” é algo ausente em nossa cultura, principalmente na classe que mais se diz tolerante: a intelligentsia.

* Originalmente publicado na revista amálgama



______
NOTAS

[1] SCRUTON, Roger. Conservando as Nações. In: Uma filosofia política: argumentos para o conservadorismo. Trad.: Guilherme Ferreira Araújo, São Paulo: É Realizações, 2017, p. 11

[2] SCRUTON, Roger. Começando de casa. In: Como ser um conservador. Trad.: Bruno Garschagen, Rio de Janeiro: Record, 2017, p. 42

[3] Ibidem, p. 43

[4] Ibidem, p. 45

[5] Ibidem, p. 50

[6] SCRUTON, Roger. A verdade no nacionalismo. In: Como ser um conservador. Trad.: Bruno Garschagen, Rio de Janeiro: Record, 2017, p. 58

[7] Ibidem, p. 54


Postado por Ricardo Gessner
Em 16/12/2019 às 15h50


Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTAS MUNDO DOS SUPER HERÓIS - QUARTETO FANTÁSTICO
EUROPA
N/D
R$ 11,00



FAE - REVISTA DAS FACULDADES DE ADMINISTRAÇÃO. CIÊNCIAS CONTÁBEIS
DR. WOLGRAN JUNQUEIRA FERREIRA (COORDENADOR)
FAE
(1972)
R$ 10,00



O TEATRO NA ESTANTE - JOÃO ROBERTO FARIA
JOÃO ROBERTO FARIA
ATELIÊ EDITORIAL
(1998)
R$ 30,00



DIAS DE LUTA: O ROCK E O BRASIL DOS ANOS 80
RICARDO ALEXANDRE
ARQUIPÉLAGO
(2013)
R$ 35,00



MAQUINAÇÕES INTERIORES
WERNNER LUCAS
AUTOGRAFIA
(2014)
R$ 20,00



FONTE, EUGENIA E CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DA NUTRIÇÃO EM PERNAMBUCO
HISTÓRIA, CIÊNCIAS, SAÚDE: MANGUINHOS - Nº 2
FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ
(2001)
R$ 25,28



NÃO TARDARÁ! O ARREBATAMENTO DA IGREJA
ROBERTO DE CARVALHO
RENASCER
(2009)
R$ 20,00



TÓPICOS DE ADMINISTRAÇÃO APLICADA À SEGURANÇA DO TRABALHO 9ª EDIÇÃO
JOSÉ DA CUNHA TAVARES
SENAC
(2009)
R$ 5,00



CORAÇAO - MANUAL DO PROPRIETARIO
MAURICIO WAJNGARTEN
MG EDITORES
(2002)
R$ 12,00



CONSTITUINTE E PARTICIPAÇÃO POPULAR
FÁVILA RIBEIRO
SARAIVA
(1986)
R$ 15,28





busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês