Pelo bem, pelo mal, Oswald Canibal | Blog de Enderson Oliveira

busca | avançada
31130 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 28/6/2015
Pelo bem, pelo mal, Oswald Canibal
Enderson Oliveira

+ de 1500 Acessos


Há mais de um ano, mais precisamente em 13 de março de 2014, enviei um e-mail ao professor, pesquisador e músico Henry Burnett (foto ao lado - crédito: Renato Rosa). O e-mail também era dirigido a Victória Costa, da produtora Fóton Filmes, e a Adriana Camarão, da empresa MCubo. Seu conteúdo, aparentemente simples, carregava em suas linhas, mais que um convite, uma proposta ousada: a produção de um videoclipe de alguma música de Henry.
Como esperado, a ideia de pronto foi aceita com entusiasmo por todos. De início, a sugestão era a canção Oswald Canibal, minha favorita. Outras, no entanto, chegaram a ser cogitadas e planejadas; pareciam ter preferência. Entretanto, quis o destino - e não somente eu - que, por algumas questões, a escolhida pela maioria no final das contas fosse mesmo Oswald Canibal.
Tudo aparentemente muito simples e bem resolvido (canção escolhida, parceiros definidos, datas e valores pensados), teve início a pré-produção do videoclipe, que contou com o financiamento coletivo através do site paraense Eu Patrocino . Ao todo, 24 pessoas contribuíram e tornaram possível a produção da obra. No entanto, as aparências "enganaram" e o processo de produção foi, apesar de curto, difícil e cansativo, seja pelas agendas de cada um, seja pela distância geográfica (dificuldades resolvidas com paciências, e-mails e conversas pela internet).
Como resultado, meses depois, tivemos um videoclipe denso e complexo que talvez possa ser "compreendido" (se é que o termo cabe aqui ou em qualquer outra discussão acerca de arte) ou mesmo analisado com a singela contribuição deste texto. Antes, porém, acredito que seja oportuno e necessário observar e conhecer um pouco mais a canção e Henry Burnett.

O cantor e a canção
Henry Burnett nasceu em Belém do Pará em 1971. Pós-doutor em Filosofia, atualmente é professor na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Como músico, possui quatro CDs gravados: o experimental Linhas Urbanas, 1996; Não Para Magoar, 2006; Interior, 2007, gravado em Buenos Aires em parceria com Florencia Bernales e o livro/CD Retruque/Retoque, 2010, em parceria com o poeta paraense Paulo Vieira. Além disso, Henry também produziu o CD Depois da revoada, 2012, junto com o músico e poeta paulistano Julio Luchesi. Conheça mais sobre o músico clicando aqui.
Já como pesquisador, Henry é autor do livro Cinco prefácios para cinco livros escritos: uma autobiografia filosófica de Nietzsche (Tessitura Editora, Belo Horizonte, 2008), da coletânea de ensaios sobre filosofia e música Nietzsche, Adorno e um pouquinho de Brasil (Editora Unifesp, 2011) e do volume da Coleção Leituras Filosóficas da Editora Loyola Para ler O Nascimento da Tragédia de Nietzsche (2012).
Com tal repertório, não é de se estranhar que Oswald Canibal, resultado da parceria de Henry com Vieira, também seja fruto de uma simbiose de fatores, referências e estilos: da poesia modernista de Oswald Andrade e a filosofia contemporânea de Benedito Nunes, passando pelo interstício que une (pelo bem, pelo mal) São Paulo e Belém do Pará. A canção "fala" da ambição do modernista Oswald e cita o recorrente diagnóstico de Benedito Nunes sobre o esfacelamento de Belém. Em meio a efervescência cultural contemporânea da cidade, a música chama a atenção para problemas que existem e persistem na capital do estado:

Como vai aí no inferno, afinal?
por aqui vamos bem, vamos mal,
até você, canibal, daria risada
e passaria aperto nesta selva magricela



Segundo Paulo Vieira, o mote para a composição foi o livro Um homem sem profissão, primeiro e único volume da autobiografia de Oswald Andrade, que seria escrita em cinco volumes, mas interrompeu-se pela morte do autor. Indo além, há também na canção a referência a Benedito Nunes, um dos melhores críticos do modernista, autor do livro Oswald Canibal, investigação profunda do pensamento do poeta da antropofagia. É daí que vem a referência ao "canibalismo" na letra da canção e no título do livro de Benedito. "A música não se refere ao livro de Benedito diretamente, só o título é que foi tomado 'emprestado'", esclarece Vieira.
De acordo com Burnett, ao referir-se ao cenário apresentado na canção, "o Brasil - principalmente suas capitais - estão cada vez mais parecidas; infelizmente elas se igualam pela destruição, e não pela incorporação de elementos positivos. O cenário pode ser atribuído às artes em qualquer lugar do Brasil", destaca o músico.

Fugindo de uma imagem "turística", o clipe apresenta uma Belém decadente, cujo grande ícone é a noite vazia do centro da cidade, que ao mesmo tempo encanta e assusta. Imagem: Reprodução/ videoclipe Oswald Canibal



Não por acaso, os locais escolhidos para a gravação do videoclipe foram os bairros do Comércio, Reduto e da Cidade Velha, ícones das transformações não somente arquitetônicas e urbanas pelas quais passa Belém, mas também estéticas e sociais. Uma nova fisionomia, menos idealizada e mais "decrépita", não somente surge como é apresentada.
"A canção forma um todo muito coeso entre letra e música, algo que vem se tornando frequente em nossa parceria. Acho que uma constatação da decadência em que vivemos, e ao mesmo tempo não temer essa decadência, é um trunfo da canção", comenta Henry.
Feitas tais apresentações, vamos então ao videoclipe.

O videoclipe
A produção do videoclipe ficou sob a responsabilidade da Fóton Filmes, produtora que também já lançou Eu quero cerveja , de Félix Robatto e Redenção, da banda Álibi de Orfeu.
O vídeo foi gravado no início de junho de 2014, em Belém, e contou com a equipe formada por Ana Carolina Costa, Rodolfo Gomes Pereira, Victória Costa, Woylle Masaki, Woltaire Masaki e Yasmin Pires, além de outros colaboradores e equipe de apoio.
Para Henry, foi o primeiro clipe de fato de sua carreira. "Gravei um clipe para a TV Cultura do Pará alguns anos atrás, criado e dirigido pelo Roger Paes, e foi uma boa experiência; mas com a pré-produção e tudo que cercou o trabalho sobre o Oswald Canibal, sem dúvida foi o clipe mais produzido que fiz. O processo foi muito novo, as etapas, as gravações externas com muitos atores, as diversas fases, enfim, quando assisto ao clipe tenho muito clareza em relação ao profissionalismo da equipe, ao tamanho e importância do projeto", destaca.
A direção ficou por conta de Rodolfo Gomes. "O Oswald foi minha primeira experiência dirigindo videoclipe e também o primeiro trabalho da Fóton Filmes como empresa, então todo o processo de elaboração e produção do vídeo foi um aprendizado, desde o esforço para conseguirmos o financiamento coletivo até a estreia no FAB", destaca o diretor citando o Festival de Audiovisual de Belém (FAB), onde a obra foi lançada em 17 de setembro de 2014.
Ouça e assista:


Ainda de acordo com Rodolfo, "a proposta do clipe desde o início era mostrar uma Belém pouco retratada, mais marginal, com personagens da beira inseridos em um contexto nosso. Além disso, eu sempre quis fazer algo na cidade velha a noite, aquela luz amarela dos postes antigos que (infelizmente) estão sendo substituídos confere um clima quase noir para o bairro. Soturno e ao mesmo tempo bem saturado. Bem Belém", enfatiza.
No videoclipe, o que vemos é justamente este caráter marginal (da margem) de Belém, que obviamente não é restrita somente aos bairros em que foi filmado, nem a determinados grupos de pessoas e, muito menos, à noite paraense. Prostitutas, jovens que bebem e se drogam, um homem solitário que "afoga" (ou afaga?) o cansaço e suas angústias em algumas cervejas e cigarros. Todos estão presentes no clipe e ajudam, mais que a compor o cenário, "personificar" a canção.
Angústias. Talvez a canção e o videoclipe tenham como marca justamente este sentimento ou sensação de incapacidade de se mudar alguma realidade presente ou futura, que talvez nem exista. É - para mim - o mote da canção e do vídeo: o incômodo que deve servir para (tentar) modificar algo, ainda que seja difícil acreditar nisso.
Esteticamente, o clipe possui duas "composições": ora um tom lilás, preto e rosa, ora dourado, degradé, preto e azulado, numa simbiose de cores que é reconhecida por quem passa ou transita pela noite da capital paraense. Tais cores, ao mesmo tempo que encantam por certa beleza, incomodam pelo "risco" de ficar mais vulnerável a algum ato violento. A direção de arte não somente merece destaque pelo apuro estético, mas também por compor e reforçar o clima angustiante da obra.
"A cidade velha noturna tinha o clima perfeito para o que queríamos falar no clipe, uma Belém com uma identidade própria, pouco explorada, marginal e suja. Apesar de ser bem "nosso", o cenário também da um clima mais universal, o que não conseguiríamos se apelássemos para os pontos turísticos mais usados", explica Rodolfo.
Neste sentido, é possível dar ênfase a um homem, um personagem noir, interpretado por Zhumar de Nazaré, que caminha pela noite, sem destino e nem aparentemente porquê. Silencioso, seu aparente incômodo e angústia dizem muito sobre o clipe e a música. O homem, com ou sem profissão, vaga, caminha, se arrasta pelas suas da cidade.

Zhumar interpreta o principal personagem "noir" do clipe. Imagem: Reprodução/ videoclipe Oswald Canibal



Tal caminhar não é solitário e outros personagens, ao fazerem seus trajetos, por vezes cruzam-se com o dele. Dentre estes, a travesti interpretada por Caled Garcês carrega certa angústia e olhar desafiador, tal qual a canção. Nos momentos em que "canta" Oswald Canibal, pode surgir a indagação: seria tal personagem uma referência a própria cidade? Alguém que foi usada e hoje parece esquecida, abandonada, até mesmo por quem a vive e diz que a ama? Divagação ou não, fica a reflexão.

Belém? Misteriosa, perdida, abandonada, a personagem de Caled talvez possa ser compreendida como um ícone da capital paraense. Imagem: Reprodução/ videoclipe Oswald Canibal



Além de tal personagem, merece destaque ainda a prostituta interpretada por Anne Beatriz, não somente pelas curvas e pela sensualidade que cintila na atriz, mas pelo ar cansado e enfadonho que carrega no clipe. Talvez o cansaço da personagem "represente" a resignação dos próprios moradores da cidade, que não acreditam mais em alguma mudança, seja da sua própria vida, seja da capital do estado.

Mas como vai aí no inferno, canibal?
Por aqui vamos bem, vamos mal
Até porque quem vê de perto não vê
mas a distância, o binóculo, cadê?

Em meio à ruína, a beleza e o encanto. As personagens das prostitutas, com destaque para Anne, ajudam a conceber tal diálogo no clipe. Imagem: Reprodução/ videoclipe Oswald Canibal



Ainda sobre a canção e seu vídeo, é possível por fim notar certa "fuga" (ou mesmo somente a não reprodução) de diversos clichês regionalistas ou mesmo geográficos da capital paraense. "Os estereótipos de Belém e da Amazônia são fortes, impactantes e difíceis de ser transpostos, mas existe uma longa tradição em Belém que não foi orientada apenas pelos lugares-comuns da cidade, estou falando, claro, da tradição do rock. De algum modo me sinto parte dessa tradição, que sem descuidar da vivência da cidade, conseguiu mostrar que existem muitos outros tipos de experiência em Belém, e que, sem precisar abandonar suas referências, produzem linguagens descoladas do clichê", destaca Henry.
Para o músico, "não deixa de ser curioso que uma canção orientada por uma concepção eletrônica, em função do arranjo do Fabio Cavalcante, seja gravada na parte mais antiga da cidade, que de algum modo é a que melhor espelha tudo que a canção diz", complementa.
Nesta miríade de referências e personagens, somados ao belo e cuidadoso trabalho estético, a canção se "materializa" no vídeo. As observações cirúrgicas e poéticas de Henry Burnett e Paulo Vieira transmutam-se no clipe, fortalecendo o diálogo entre música e imagem, belezas e problemas da capital paraense, seus vícios e vicissitudes. Pelo bem e pelo mal, um livro, uma música, um videoclipe, uma cidade. Oswald Canibal.

Por Enderson Oliveira


Postado por Enderson Oliveira
Em 28/6/2015 às 21h57



Mais Blog de Enderson Oliveira
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANTÍGONA (ADAPTAÇÃO GITA WOF / SIRISH RAO)
SÓFOCLES
CONRAD
(2006)
R$ 18,00



DISCIPLINE: TRAINING THE MIND TO MANAGE YOUR LIFE
HARRIS KERN, KAREN WILLI
AUTHORHOUSE
(2003)
R$ 43,28



HERETICOS DA POLITICA
MAX NOMAD
FUNDO DE CULTURA
(1963)
R$ 6,00



PATOLOGIA ESOFAGICA
EDITORIAL UNIVERISTARIA
EDITORIAL UNIVERISTARIA
R$ 23,34



ASSUNTOS DE VENTO BREVES HISTÓRIAS DA MPB EM JUIZ DE FORA
MÁRCIO ITABORAY
EDIÇÃO DO AUTOR
(2001)
R$ 25,00



ROSE NASCIMENTO NINGUÉM VAI TE DETER
CHICO ALENCAR
MODERNA
(1986)
R$ 4,50



A HORA DA LUTA
ÁLVARO CARDOSO GOMES
FTD
(1997)
R$ 19,90



ARBITRAGEM E PROPRIEDADE INTELECTUAL
NATHALIA MAZZONETTO
SARAIVA
(2017)
R$ 53,00



NOVA ANTOLOGIA POÉTICA
VINICIUS DE MORAES
CIA DE BOLSO
(2006)
R$ 29,90



PHYSIKALISCHE - GEOGRAPHIE VON GRIECHENLAND
C. NEUMANN J. PARTSCH
BRESLAU
(1885)
R$ 148,00





busca | avançada
31130 visitas/dia
1,3 milhão/mês