Os intelectuais e a gastronomia | Ricardo Gessner

busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FAAP discute Semana de Arte Moderna de 22
>>> Toda Quinta retoma 1ª edição no Teatro Vivo com menção a Dominguinhos
>>> ENSINAR A FAZER - MARCENARIA
>>> O Peso do Pássaro Morto faz duas sessões online dias 30 e 31/10
>>> Exposição recupera a memória da ditadura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um homem de Oz
>>> 12 de Junho #digestivo10anos
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Sobre futebol e hinos nacionais
>>> Zeitgeist
>>> Capacidade de expressão X capacidade linguística
>>> Silêncio e grito
>>> Sejam Bem-Vindos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
Mais Recentes
>>> Invisível cativeiro de Roberto De Carvalho pela Aliança (2017)
>>> Putting Peace Into Practice de Nancy Nyquist Potter(editor) pela Rodopi (2004)
>>> Nove Partes do Desejo o Mundo Secreto das Mulheres Islâmicas de Geraldine Brooks pela Gryphus (1996)
>>> Os contos de beedle o bardo de J.K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> Saúde Integral de Márcia Regina Colasante Salgado pela Ame (2017)
>>> Iracema em cena de Walcyr Carrasco pela Ática (2008)
>>> A Kabbalah da alma de Leonora Leet pela Madras (2006)
>>> O livro das princesas de Meg Cabot pela Galera Record (2013)
>>> Wicca Para Todos: um Guia Completo Para a Prática da Bruxaria Moderna de Claudiney Prieto pela Alfabeto (2013)
>>> O Acaso Criador- O Poder Criativo do Acaso de Rémy Lestienne pela Edusp (2008)
>>> Prova de fogo de Pedro Bandeira pela Scipione (1999)
>>> Jesus viveu na índia de Holger kersten pela Best Seller (1988)
>>> A mente de Deus de Dr. Jay Lombard pela Cultrix (2018)
>>> Lutando na espanha de George Orwell pela Globo (2006)
>>> Seu universo interior: Você é a história da humanidade de Jiddu Krishnamurti pela Planeta do Brasil (2018)
>>> A História da Filosofia de Anne Rooney pela M.Books (2015)
>>> Carlos Sciliar de Roberto Pontual pela Emanoel Araujo (1983)
>>> Partidos e Modelo Politico de Ismael Gonzalez pela Julex
>>> Dissociação da Sociedade Mercantil de Alberto Gomes da Rocha Azevedo pela Resenha Universitária (1975)
>>> Curso de Direito Penal Volume 1 Parte Geral de Wiliam Wanderley Jorge pela Forense (1986)
>>> Curso de Direito da Criança e do Adolescente de Cristiane Dupret pela Ius (2012)
>>> Osuna de Frente de Alvaro Montoya Gomez pela El Ancora (1983)
>>> Teoria dos Salários de K W Rothschild pela Quadrante (1971)
>>> Sociedades Anônimas 2 Volumes de Aloysio Lopes Pontes pela Forense (1957)
>>> Tutela Especifica de Luiz Guilherme Marinoni pela Resenha Tributária (2001)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 4/11/2018
Os intelectuais e a gastronomia
Ricardo Gessner

+ de 1400 Acessos

Combinar temperos e ingredientes requer arte: deve-se conhecer suas propriedades e proporções para que o resultado não seja uma desagradável gororoba. Aprecio a boa mesa e a culinária de diversos países, com exceção da gastronomia molecular, pois comida deve ter aparência e sabor de comida. Com isso, também aprecio metáforas derivadas da gastronomia: temperar certo conceito com pessimismo; empanar tal ideia em liberalismo; saborear um poema; devorar um livro.

O ensaísta catalão Xavier Rubert de Ventós, no ensaio “Fé e gastronomia”, visualiza uma analogia entre a cultura religiosa de um país com sua cultura gastronômica. Um alimento fundamental, como um corte de carne, pode ser o item mais importante de um prato; os temperos, por sua vez, são aplicados de forma suave e equilibrada para realçar o seu sabor, tudo na medida certa. Em termos espirituais, isso equivale aos cultos em que Deus é o centro de veneração; os rituais, as orações e as demais práticas litúrgicas são um realce para maior proximidade com Deus.

Por outro lado, existe uma cultura gastronômica em que o corte de carne deixa de ser o elemento mais importante, apesar de mais nutritivo, e passa a servir de base para que a mistura de condimentos se torne a porção mais importante do prato, embora menos nutritiva. Nesses casos, o alimento fundamental é usualmente convertido num derivado insosso, no qual se acrescenta todo tipo de condimento forte e/ou engarrafado, como ketchup, mostarda, curry etc. Há lojas especializadas em que o freguês “tempera” seu alimento à vontade, sem qualquer receita a não ser o gosto (ou ousadia) pessoal. Em termos espirituais, é equivalente ao culto em que a cantoria, os gritos, as danças etc, compõem uma impressão catártica quando, na verdade, rechaçam o aspecto mais sagrado ao adquirirem projeção principal durante o culto. Ou, então, equivale aos indivíduos que, em busca de uma experiência transcendente, temperam-na com pitadas de budismo e candomblé, mas, no final das contas, realizam uma Arte do Chá com hoasca.

De uma para outra, o elemento mais nutritivo e, simbolicamente, sagrado, passou do lugar principal para o mais insignificante. Segundo de Ventós, o primeiro equivale ao culto europeu; o segundo, ao americano: “Pois bem, as Transcendências e Absolutos que proliferaram nos Estados Unidos são para mim, por assim dizer, como o pepinilho ou o ketchup espiritual que eles acrescentam à ‘simples base’ de um mundo pragmático e competitivo” . Dessa forma, a fé professada se distingue do modo como se manifesta, sendo que uma não corresponde, obrigatoriamente, com a outra. Como bem observou T. S. Eliot:

"Qualquer indivíduo com a mais escassa consciência religiosa deve se afligir, de tempos em tempos, com o contraste entre sua fé religiosa e seu comportamento; qualquer indivíduo com o gosto que a cultura individual ou de grupo confira deve estar consciente dos valores que não pode chamar de religiosos. E tanto ‘religião’ quanto ‘cultura’, além de significarem coisas diferentes entre si, deveriam significar algo a que aspiram, e não apenas algo que possuem"

O pensador britânico Roger Scruton, em seu magistral livro As vantagens do pessimismo, também aplicou essa analogia para dizer do comportamento utopista:

"Quando os revolucionários franceses criaram o seu famoso slogan Liberté, Regalité, Fraternité, eles estavam em um estado de exaltação utópica que os impedia de detectar nele quaisquer falhas. Aos seus olhos a liberdade era boa, a igualdade era boa e a fraternidade era boa, então sua combinação era três vezes boa. Isso equivale a dizer que se a lagosta é boa, o chocolate é bom e o ketchup é bom, então a lagosta cozida com chocolate e ketchup é três vezes boa. Naturalmente, a culinária americana exemplifica esse tipo de erro em maneiras que nunca deixam de surpreender o paladar exigente do europeu. Porém, na esfera política, os erros apresentam consequências muito piores do que aquelas que podemos encontrar em um prato americano."

Novamente, há um contraste entre a cultura gastronômica europeia e americana, que confirma a exposição anterior, mas agora incidindo numa crítica à perspectiva dos revolucionários franceses.

Como afirmei desde o início, a composição de um prato requer arte; deve-se conhecer as qualidades tanto do item principal quanto dos secundários para que o resultado não ofusque a ambos. Essa prática também é análoga ao procedimento reflexivo dos que se dedicam exclusivamente a atividade mental – os intelectuais.

Segundo Thomas Sowell, o intelectual se caracteriza por ser alguém que exerce uma atividade exclusivamente dedicada às ideias, conceitos, sistemas de pensamento e, para isso, possui um repertório mínimo de conhecimento. Nesse ínterim, o economista americano faz uma diferenciação basilar entre intelecto, inteligência e sabedoria:

"A capacidade para apreensão e manipulação de ideias complexas é suficiente para definirmos o intelecto, mas não é suficiente para darmos conta da inteligência, cuja realidade envolver a combinação do intelecto com a capacidade de julgamento e acuidade na seleção de fatores explicativos relevantes; assim como envolve a capacidade de, ao fazer uso das teorias que surgem, promover testes empíricos. Inteligência menos julgamento é igual a intelecto. Temos também a sabedoria, que é a qualidade mais rara de todas – a qual se verifica na habilidade de combinar intelecto, conhecimento, experiência e julgamento, de forma a produzir uma compreensão ou avaliação coerente."

Inteligência e sabedoria são qualidades de competências, isto é, definem capacidades distintas para utilização do intelecto. Nesse entremeio, onde se enquadra o intelectual? “... neste nosso caso, ‘intelectuais’ será entendido como uma categoria ocupacional, composta por pessoas cujas ocupações profissionais operam fundamentalmente em função de ideias – falo de escritores, acadêmicos e afins” . Dessa forma, intelectual é aquele que se ocupa – que faz uso – do intelecto, da inteligência e/ou da sabedoria, assim como um chef é aquele que se ocupa de carnes, vegetais e temperos. O resultado de um trabalho intelectual é um estudo, uma apreciação, um novo conhecimento ou um modo diferente de perceber e reafirmar o já existente, em que estão aplicados sua capacidade intelectiva. O mesmo raciocínio se aplica ao chef: sua obra final é um prato, que pode ser inventado ou conhecido, mas feito a partir de sua personalidade.

Entretanto inteligência não implica sabedoria ou sensatez, como bem delineado por Sowell. Relembrando Orwell, o economista afirma que há certas ideias que, de tão insensatas, somente um intelectual poderia lhes dar algum crédito, enquanto que o senso comum, prudente, intui os seus perigos. Infelizmente, o “mundo intelectual” está cheio de insensatez, para não dizer loucura.

Uma pessoa comum não gostaria de ser assaltada, pois descontado o risco de vida, ter seus pertences levados por outra pessoa não é uma experiência prazerosa, além de ser desonesta com a aquele que trabalhou duro para comprar seus bens. Nesse momento, a loucura de alguns intelectuais começa a aflorar: questionam os motivos e necessidades de se comprar bens, armando um sistema de pensamento para concluir que tudo se trata de consumismo: um vício que corrompe a pureza humana. Num mundo em que alguns podem comprar e outros não, quem não tem o mesmo poder aquisitivo se ressente e não vê outra saída se não o assalto. É tudo culpa do capitalismo, portanto.

Durante uma entrevista ao programa Espaço Público, da TVBrasil, a filósofa e feminista ou, melhor dizendo, feminista e filósofa Márcia Tiburi deixou isso evidente ao se declarar favorável ao assalto:

"Eu sou a favor de muitas coisas que as pessoas não são a favor. Eu não vou falar o que eu penso... é também complicado você dizer ‘sou a favor ou sou contra’. Se eu disser que sou a favor, por exemplo, sou a favor do assalto. Não, eu penso assim: tem uma lógica no assalto. Eu não tenho uma coisa que eu preciso, eu fui contaminado pelo capitalismo... Começa a pensar do ponto de vista da inversão. Eu não vou falar em termos do que eu sou a favor, porque, é assim, tem muitas coisas que são muito absurdas, mas que se você vai olhar a lógica interna do processo, você vai me dizer: ‘sabe, isso seria justo dentro de um contexto tão injusto. Muitas violências são justas num contexto muito injusto’."

A sra. Márcia Tiburi tem algumas dezenas de livros publicados entre romances e teóricos; além do seu engajamento em trabalhos de divulgação científica, assinando uma coluna na revista Cult. A senhora Tiburi é uma intelectual, portanto.

Sua formação é adorniana (defendeu uma tese de doutorado sobre o filósofo Theodor Adorno). Percebemos isso, por exemplo, quando ela convida o entrevistador para refletir dialeticamente, procedimento caro aos pensadores marxistas. Entretanto, o termo que ela usa é “ponto de vista da inversão”. É um lapso revelador. A anti-tese é manifestada como “inversão”, e não como uma perspectiva contrária à tese, cujo pressuposto é um outro olhar. Na inversão, tudo se altera e, consequentemente, o raciocínio deixa de ser dialético.

Em seguida, ela continua realizando o que desde o início de sua fala disse que não faria: falar o que é a favor. Sua ressalva é de que “tem muitas coisas que são muito absurdas”; por isso a necessidade do pensamento invertido. Se o pensamento normal é lógico, então é sensato; se é ilógico, então é absurdo. Apesar do simplismo como coloquei, quero enfatizar que a fala de Tiburi tem coerência somente por olhar o “absurdo” pela “inversão”, por isso é capaz de dizer – como realmente faz – que é favorável ao assalto. Basta “olhar a lógica interna do processo” e invertê-la.

Sua fala embute um apreço exagerado pela lógica, principalmente por nela creditar uma justificativa para uma ação criminosa e violenta. Se a lógica é necessária para um pensamento coerente, o seu exagero é loucura:

"Todos aqueles que têm tido a infelicidade de lidar com criaturas completamente doidas, ou que estão no estádio inicial da doença mental, sabem que uma de suas características mais sinistras é a espantosa clareza nos pormenores: as coisas ligam-se umas às outras em um plano mais intrincado do que um labirinto. (...) A perda de certas afecções sãs tornou-o mais lógico. A maneira como se encara, vulgarmente, a loucura é errônea: o louco não é o homem que perdeu a razão, mas o homem que perdeu tudo, menos a razão."

Essa fala pertence ao escritor Gilbert Keith Chesterton, no capítulo inicial de Ortodoxia. Sua ironia nos diz, implicitamente, que a realidade é maior do que a lógica; há aspectos da condição humana que são incoerentes, pois extravasam os limites da razão. A lógica não explica tudo. Entretanto, há quem a aplique para enxergar (e fazer o público ver) coerência na incoerência. Na Antiguidade Clássica, estes eram chamados de Sofistas, mas também é possível aplicá-la aos loucos. O conto “Um coração delator”, de Edgar Allan Poe é um exemplo: o protagonista pretende a todo momento convencer o leitor de que assassinou o velho por motivos absolutamente compreensíveis e justificados. No entanto, uma pessoa comum – provavelmente um não-intelectual – sabe que assassinar é imoral; assassinar deliberadamente é loucura. E o mesmo em relação ao assalto.

"A experiência nos mostra que o doido é, comumente, um lógico e, frequentemente, um lógico bem-sucedido. (...) O doido vive na arejada e bem iluminada prisão de uma única ideia, e todo o seu espírito converge para um ponto afiado e doloroso, sem aquela hesitação e complexidade próprias das pessoas normais."

Dessa forma, vemos o princípio de loucura que Márcia Tiburi incorre ao ensaiar uma gororoba teórica para justificar o assalto, revelando a insensatez – para relembrar Orwell – a que um intelectual pode chegar.

"A explicação que um doido dá a respeito de qualquer coisa é sempre completa e, por vezes, satisfatória, num sentido puramente racional. Falando mais rigorosamente, podemos afirmar que qualquer explicação dada por um louco, se não é conclusiva, é, pelo menos, irrespondível."

Quando não há arte na gastronomia, ou na ausência de comprometimento em sua preparação, o prato se torna desagradável, insosso. Não me refiro a alta gastronomia, mas àquela mais nutritiva: o arroz, feijão e bife, às vezes acrescentado de ovo frito. Na ausência de comprometimento para combinar adequadamente os ingredientes, o resultado é uma gororoba. Pode até ser saborosa, mas nunca é de aparência agradável e raramente é nutritiva, correndo-se o risco de uma disfunção estomacal.

A fala da senhora Tiburi durante a entrevista se enquadra nessa categoria, pois pretende temperar uma ideia com um ingrediente que não combina. Declarar que algo ilógico é lógico sob o ponto de vista da inversão é o mesmo que dizer que arroz, feijão e bife é um prato doce: basta usar açúcar. Dessa forma, quando ideias são combinadas sem prudência, o resultado é uma gororoba teórica: saborosa para alguns, intragável para muitos, indigesta para todos.

Originalmente publicado na revista "O Conservador", 3 Edição


Postado por Ricardo Gessner
Em 4/11/2018 às 15h44


Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




El Español de los Negocios
Ana María Martín-ignacio Martín-josé Siles
Sgel
(1997)



A Força da Palmeira
Anabella Lopez
Pallas
(2014)



Criação de Caracóis
Jaceguay Ribas
Nobel
(1984)



Revista Tempo número 710. Armas para Maputo. Do simbolismo à ação.
Vários
Tempo Gráfica
(1984)



A Invasão Cultural Norte-americana
Júlia Falivene Alves
Moderna
(1993)



Bússola - A invenção que mudou o mundo
Amir D. Aczel
Jorge Zahar
(2002)



Pedro e o Lobo - Coleção Ferinha
Eunice Braido e João Alves
Anglo
(2006)



La Celula Viva
Prof. J. R. Villanueva
Blume
(1969)



Um último Abraço Antes de Partir
Carla Wills Brandon
Butterfly
(2003)



Rituais Familiares aos Sagrados Orixás - 1ª Edição
Cris Egídio & Lurdes de Campos Vieira
Madras
(2017)





busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês