Os intelectuais e a gastronomia | Ricardo Gessner

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> Noções do Grego Bíblico de Lourenço Stelio Rega pela Vida Nova (1995)
>>> Análise Real: uma Introdução de A. J. White; Elza P Guimarães (coordenação) pela Edgard Blucher; Edusp (1973)
>>> Juventude e Revolução : uma Investigação Sobre a Atitude Revoluci de Hermes Zaneti pela Edunb (brasília) (2001)
>>> Ritos Mágicos e Ocultos de Idries Shiah pela Três (1973)
>>> Sócrates: os Pensadores de Nova Cultural pela Nova Cultural (1987)
>>> Da Revolução de 30 ao Terror do Estado Novo de J I Cabral de Vasconcellos Filho pela Cátedra (1982)
>>> Quo Vadis: a Ordem Mundial Perspectiva 2 de Alexander Zhebit pela Bennett (2003)
>>> Antologia Mitavaí: Poesia e Prosa da Oficina Literária Icp de Ivan Cavalcanti Proença pela Mitavaí (rj) (1986)
>>> Joana dos Santos de Ivan Bichara pela Bertrand Brasil (1995)
>>> Dictionnaire de La Bible de Andre Marie Gerard pela R Laffont (1989)
>>> Terapêutica Clínica - Segunda Edição de Paul G. Ramsey e Eric B. Larson & Cols. pela Artes Médicas (porto Alegre) (1995)
>>> Introduction to Opera (capa Dura) de Mary Ellis Peltz (editor) pela Barnes & Noble (1957)
>>> A Princesa e o Profeta de Shafique Keshavjee pela Ediouro (2004)
>>> Michelin Red Guide 1990: Main Cities, Europe de Michelin Travel Publications pela Michelin Travel Publications (1990)
>>> O Mandado de Seguranca e Outras Acoes Constitucionais Tipicas de Jose da Silva Pacheco (3ª Edição) pela Revista dos Tribunais (1998)
>>> Pedro Calmon de Luis Henrique Dias Tavares pela Fundação Cultural da Bahia (1977)
>>> Comandos do Ms-dos: Inclui Versão 4 e dos Shell de Van Wolverton pela Campus (1989)
>>> Ensayos Sobre Narrativa Francesa Contemporánea de Willi Hirdt pela Alfa (1984)
>>> A Filosofia da Medicina Oriental de Georges Ohsawa 5ª Edição pela Associação Macrobiótica (rs) (1977)
>>> La Muerte En El Alma - los Caminos de La Libertad III de Jean Paul Sartre pela Losada (1967)
>>> A Sociedade e o Crime de Luís de Carvalho e Oliveira pela Arcádia (lisboa Portugal) (1960)
>>> São José do Norte Aspectos Linguístico-etnográficos do Antigo Municípi de Heinrich A. W. Bunse (2ª Edição) pela Mercado Aberto (1981)
>>> Daemon de Daniel Suarez pela Planeta do Brasil (2011)
>>> Gustavo Cisneros: un Empresario Global de Pablo Bachelet pela Planeta (buenos Aires) (2004)
>>> Guia do Acervo do Arquivo Museu de Literatura Brasileira de Eliane Vasconcellos e Laura Regina Xavier pela Casa de Rui Barbosa (2012)
>>> Lista Vermelha de Animais Ameaçados de Extinção no Estado do Para de Márcia de Guadalupe, Olaf Mielke e Outros pela Sema; Piab (1995)
>>> Redigindo a Sentença Cível 5ª Edição de Elpídio Donizetti pela Lumen Juris (rj) (2008)
>>> Hip Hotels: Paris (em Inglês) de Herbert Ypma pela Thames & Hudson (2007)
>>> A Máquina de Xadrez - 2ª Edição de Robert Löhr pela Record (2007)
>>> Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (rename) de Ministério da Saúde - 5ª Edição pela Ministério da Saúde (2007)
>>> Quem Matou John Maynard Keynes? de W. Carl Biven pela Mcgraw Hill (1990)
>>> Química na Sociedade: Projeto de Ensino de Química Em um Contexto de Eliane Nilvana F. de Castro, Rogério S. Mol pela Unb (1998)
>>> Curso de Direito do Trabalho Aplicado. Parte Geral Vol 1 de Homero Batista Mateus da Silva 3ª Edição pela Revista dos Tribunais (2015)
>>> Antes Tempos Depois: Pequenos Ensaios de Roberto Cavalcanti de Albuquerque pela José Olympio (2007)
>>> Na Imprensa... Coletânea de Artigos (1987 - 2004) de Ives Gandra da Silva Martins (capa Dura) pela Do Brasil (2005)
>>> Antes Tempos Depois: Pequenos Ensaios de Roberto Cavalcanti de Albuquerque pela José Olympio (2007)
>>> Cultura del Renacimiento - Tercera Edicion de Robert F Arnold (capa Dura) pela Labor (barcelona Espanha) (1936)
>>> Reengenharia do Setor Público: as Bases para a Construção do Esta de Francisco Paulo de Melo Neto pela Quartet (1995)
>>> O Novo Oriente Médio de Shimon Peres pela Relume Dumará (1994)
>>> Expedições Militares Contra Canudos: Seu Aspecto Marcial de Tristão de Alencar Araripe pela Bibliex (1985)
>>> Petrobrás: um Monopólio Em Fim de Linha de Gilberto Paim pela Topbooks (1994)
>>> Estratégia Militar e Desarmamento de Nelson Freire Lavenère Wanderle pela Bibliex (1971)
>>> O Estado Super Desenvolvido de Gilberto Mathias e Pierre Salama pela Brasiliense (1983)
>>> Manual da Constituição - 2ª Edição de Themistocles Brandão Cavalcanti pela Zahar (1963)
>>> Jesus de Nazaré: Esplendor no Ocidente de Marco Aurélio Baggio pela Compos (bh) (2002)
>>> O Demônio da Barba Manchada de Rodolfo Gomes Pessanha pela Saint Paul (niterói) (1991)
>>> Três Faces de uma Cidade de José Aparecido de Oliveira pela Gdf (1987)
>>> O Problema do Trabalho de Alceu Amoroso Lima (2ª Edição) pela Agir (1956)
>>> O Homem do Gravador de Jean Jaques Abrahams pela Imago (1978)
>>> Fresno Contra o Mundo; o Passado Secreto do Nazismo no Brasil de Rolling Stone, Nº 51 de 2010 pela Spring (2010)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 4/11/2018
Os intelectuais e a gastronomia
Ricardo Gessner

+ de 300 Acessos

Combinar temperos e ingredientes requer arte: deve-se conhecer suas propriedades e proporções para que o resultado não seja uma desagradável gororoba. Aprecio a boa mesa e a culinária de diversos países, com exceção da gastronomia molecular, pois comida deve ter aparência e sabor de comida. Com isso, também aprecio metáforas derivadas da gastronomia: temperar certo conceito com pessimismo; empanar tal ideia em liberalismo; saborear um poema; devorar um livro.

O ensaísta catalão Xavier Rubert de Ventós, no ensaio “Fé e gastronomia”, visualiza uma analogia entre a cultura religiosa de um país com sua cultura gastronômica. Um alimento fundamental, como um corte de carne, pode ser o item mais importante de um prato; os temperos, por sua vez, são aplicados de forma suave e equilibrada para realçar o seu sabor, tudo na medida certa. Em termos espirituais, isso equivale aos cultos em que Deus é o centro de veneração; os rituais, as orações e as demais práticas litúrgicas são um realce para maior proximidade com Deus.

Por outro lado, existe uma cultura gastronômica em que o corte de carne deixa de ser o elemento mais importante, apesar de mais nutritivo, e passa a servir de base para que a mistura de condimentos se torne a porção mais importante do prato, embora menos nutritiva. Nesses casos, o alimento fundamental é usualmente convertido num derivado insosso, no qual se acrescenta todo tipo de condimento forte e/ou engarrafado, como ketchup, mostarda, curry etc. Há lojas especializadas em que o freguês “tempera” seu alimento à vontade, sem qualquer receita a não ser o gosto (ou ousadia) pessoal. Em termos espirituais, é equivalente ao culto em que a cantoria, os gritos, as danças etc, compõem uma impressão catártica quando, na verdade, rechaçam o aspecto mais sagrado ao adquirirem projeção principal durante o culto. Ou, então, equivale aos indivíduos que, em busca de uma experiência transcendente, temperam-na com pitadas de budismo e candomblé, mas, no final das contas, realizam uma Arte do Chá com hoasca.

De uma para outra, o elemento mais nutritivo e, simbolicamente, sagrado, passou do lugar principal para o mais insignificante. Segundo de Ventós, o primeiro equivale ao culto europeu; o segundo, ao americano: “Pois bem, as Transcendências e Absolutos que proliferaram nos Estados Unidos são para mim, por assim dizer, como o pepinilho ou o ketchup espiritual que eles acrescentam à ‘simples base’ de um mundo pragmático e competitivo” . Dessa forma, a fé professada se distingue do modo como se manifesta, sendo que uma não corresponde, obrigatoriamente, com a outra. Como bem observou T. S. Eliot:

"Qualquer indivíduo com a mais escassa consciência religiosa deve se afligir, de tempos em tempos, com o contraste entre sua fé religiosa e seu comportamento; qualquer indivíduo com o gosto que a cultura individual ou de grupo confira deve estar consciente dos valores que não pode chamar de religiosos. E tanto ‘religião’ quanto ‘cultura’, além de significarem coisas diferentes entre si, deveriam significar algo a que aspiram, e não apenas algo que possuem"

O pensador britânico Roger Scruton, em seu magistral livro As vantagens do pessimismo, também aplicou essa analogia para dizer do comportamento utopista:

"Quando os revolucionários franceses criaram o seu famoso slogan Liberté, Regalité, Fraternité, eles estavam em um estado de exaltação utópica que os impedia de detectar nele quaisquer falhas. Aos seus olhos a liberdade era boa, a igualdade era boa e a fraternidade era boa, então sua combinação era três vezes boa. Isso equivale a dizer que se a lagosta é boa, o chocolate é bom e o ketchup é bom, então a lagosta cozida com chocolate e ketchup é três vezes boa. Naturalmente, a culinária americana exemplifica esse tipo de erro em maneiras que nunca deixam de surpreender o paladar exigente do europeu. Porém, na esfera política, os erros apresentam consequências muito piores do que aquelas que podemos encontrar em um prato americano."

Novamente, há um contraste entre a cultura gastronômica europeia e americana, que confirma a exposição anterior, mas agora incidindo numa crítica à perspectiva dos revolucionários franceses.

Como afirmei desde o início, a composição de um prato requer arte; deve-se conhecer as qualidades tanto do item principal quanto dos secundários para que o resultado não ofusque a ambos. Essa prática também é análoga ao procedimento reflexivo dos que se dedicam exclusivamente a atividade mental – os intelectuais.

Segundo Thomas Sowell, o intelectual se caracteriza por ser alguém que exerce uma atividade exclusivamente dedicada às ideias, conceitos, sistemas de pensamento e, para isso, possui um repertório mínimo de conhecimento. Nesse ínterim, o economista americano faz uma diferenciação basilar entre intelecto, inteligência e sabedoria:

"A capacidade para apreensão e manipulação de ideias complexas é suficiente para definirmos o intelecto, mas não é suficiente para darmos conta da inteligência, cuja realidade envolver a combinação do intelecto com a capacidade de julgamento e acuidade na seleção de fatores explicativos relevantes; assim como envolve a capacidade de, ao fazer uso das teorias que surgem, promover testes empíricos. Inteligência menos julgamento é igual a intelecto. Temos também a sabedoria, que é a qualidade mais rara de todas – a qual se verifica na habilidade de combinar intelecto, conhecimento, experiência e julgamento, de forma a produzir uma compreensão ou avaliação coerente."

Inteligência e sabedoria são qualidades de competências, isto é, definem capacidades distintas para utilização do intelecto. Nesse entremeio, onde se enquadra o intelectual? “... neste nosso caso, ‘intelectuais’ será entendido como uma categoria ocupacional, composta por pessoas cujas ocupações profissionais operam fundamentalmente em função de ideias – falo de escritores, acadêmicos e afins” . Dessa forma, intelectual é aquele que se ocupa – que faz uso – do intelecto, da inteligência e/ou da sabedoria, assim como um chef é aquele que se ocupa de carnes, vegetais e temperos. O resultado de um trabalho intelectual é um estudo, uma apreciação, um novo conhecimento ou um modo diferente de perceber e reafirmar o já existente, em que estão aplicados sua capacidade intelectiva. O mesmo raciocínio se aplica ao chef: sua obra final é um prato, que pode ser inventado ou conhecido, mas feito a partir de sua personalidade.

Entretanto inteligência não implica sabedoria ou sensatez, como bem delineado por Sowell. Relembrando Orwell, o economista afirma que há certas ideias que, de tão insensatas, somente um intelectual poderia lhes dar algum crédito, enquanto que o senso comum, prudente, intui os seus perigos. Infelizmente, o “mundo intelectual” está cheio de insensatez, para não dizer loucura.

Uma pessoa comum não gostaria de ser assaltada, pois descontado o risco de vida, ter seus pertences levados por outra pessoa não é uma experiência prazerosa, além de ser desonesta com a aquele que trabalhou duro para comprar seus bens. Nesse momento, a loucura de alguns intelectuais começa a aflorar: questionam os motivos e necessidades de se comprar bens, armando um sistema de pensamento para concluir que tudo se trata de consumismo: um vício que corrompe a pureza humana. Num mundo em que alguns podem comprar e outros não, quem não tem o mesmo poder aquisitivo se ressente e não vê outra saída se não o assalto. É tudo culpa do capitalismo, portanto.

Durante uma entrevista ao programa Espaço Público, da TVBrasil, a filósofa e feminista ou, melhor dizendo, feminista e filósofa Márcia Tiburi deixou isso evidente ao se declarar favorável ao assalto:

"Eu sou a favor de muitas coisas que as pessoas não são a favor. Eu não vou falar o que eu penso... é também complicado você dizer ‘sou a favor ou sou contra’. Se eu disser que sou a favor, por exemplo, sou a favor do assalto. Não, eu penso assim: tem uma lógica no assalto. Eu não tenho uma coisa que eu preciso, eu fui contaminado pelo capitalismo... Começa a pensar do ponto de vista da inversão. Eu não vou falar em termos do que eu sou a favor, porque, é assim, tem muitas coisas que são muito absurdas, mas que se você vai olhar a lógica interna do processo, você vai me dizer: ‘sabe, isso seria justo dentro de um contexto tão injusto. Muitas violências são justas num contexto muito injusto’."

A sra. Márcia Tiburi tem algumas dezenas de livros publicados entre romances e teóricos; além do seu engajamento em trabalhos de divulgação científica, assinando uma coluna na revista Cult. A senhora Tiburi é uma intelectual, portanto.

Sua formação é adorniana (defendeu uma tese de doutorado sobre o filósofo Theodor Adorno). Percebemos isso, por exemplo, quando ela convida o entrevistador para refletir dialeticamente, procedimento caro aos pensadores marxistas. Entretanto, o termo que ela usa é “ponto de vista da inversão”. É um lapso revelador. A anti-tese é manifestada como “inversão”, e não como uma perspectiva contrária à tese, cujo pressuposto é um outro olhar. Na inversão, tudo se altera e, consequentemente, o raciocínio deixa de ser dialético.

Em seguida, ela continua realizando o que desde o início de sua fala disse que não faria: falar o que é a favor. Sua ressalva é de que “tem muitas coisas que são muito absurdas”; por isso a necessidade do pensamento invertido. Se o pensamento normal é lógico, então é sensato; se é ilógico, então é absurdo. Apesar do simplismo como coloquei, quero enfatizar que a fala de Tiburi tem coerência somente por olhar o “absurdo” pela “inversão”, por isso é capaz de dizer – como realmente faz – que é favorável ao assalto. Basta “olhar a lógica interna do processo” e invertê-la.

Sua fala embute um apreço exagerado pela lógica, principalmente por nela creditar uma justificativa para uma ação criminosa e violenta. Se a lógica é necessária para um pensamento coerente, o seu exagero é loucura:

"Todos aqueles que têm tido a infelicidade de lidar com criaturas completamente doidas, ou que estão no estádio inicial da doença mental, sabem que uma de suas características mais sinistras é a espantosa clareza nos pormenores: as coisas ligam-se umas às outras em um plano mais intrincado do que um labirinto. (...) A perda de certas afecções sãs tornou-o mais lógico. A maneira como se encara, vulgarmente, a loucura é errônea: o louco não é o homem que perdeu a razão, mas o homem que perdeu tudo, menos a razão."

Essa fala pertence ao escritor Gilbert Keith Chesterton, no capítulo inicial de Ortodoxia. Sua ironia nos diz, implicitamente, que a realidade é maior do que a lógica; há aspectos da condição humana que são incoerentes, pois extravasam os limites da razão. A lógica não explica tudo. Entretanto, há quem a aplique para enxergar (e fazer o público ver) coerência na incoerência. Na Antiguidade Clássica, estes eram chamados de Sofistas, mas também é possível aplicá-la aos loucos. O conto “Um coração delator”, de Edgar Allan Poe é um exemplo: o protagonista pretende a todo momento convencer o leitor de que assassinou o velho por motivos absolutamente compreensíveis e justificados. No entanto, uma pessoa comum – provavelmente um não-intelectual – sabe que assassinar é imoral; assassinar deliberadamente é loucura. E o mesmo em relação ao assalto.

"A experiência nos mostra que o doido é, comumente, um lógico e, frequentemente, um lógico bem-sucedido. (...) O doido vive na arejada e bem iluminada prisão de uma única ideia, e todo o seu espírito converge para um ponto afiado e doloroso, sem aquela hesitação e complexidade próprias das pessoas normais."

Dessa forma, vemos o princípio de loucura que Márcia Tiburi incorre ao ensaiar uma gororoba teórica para justificar o assalto, revelando a insensatez – para relembrar Orwell – a que um intelectual pode chegar.

"A explicação que um doido dá a respeito de qualquer coisa é sempre completa e, por vezes, satisfatória, num sentido puramente racional. Falando mais rigorosamente, podemos afirmar que qualquer explicação dada por um louco, se não é conclusiva, é, pelo menos, irrespondível."

Quando não há arte na gastronomia, ou na ausência de comprometimento em sua preparação, o prato se torna desagradável, insosso. Não me refiro a alta gastronomia, mas àquela mais nutritiva: o arroz, feijão e bife, às vezes acrescentado de ovo frito. Na ausência de comprometimento para combinar adequadamente os ingredientes, o resultado é uma gororoba. Pode até ser saborosa, mas nunca é de aparência agradável e raramente é nutritiva, correndo-se o risco de uma disfunção estomacal.

A fala da senhora Tiburi durante a entrevista se enquadra nessa categoria, pois pretende temperar uma ideia com um ingrediente que não combina. Declarar que algo ilógico é lógico sob o ponto de vista da inversão é o mesmo que dizer que arroz, feijão e bife é um prato doce: basta usar açúcar. Dessa forma, quando ideias são combinadas sem prudência, o resultado é uma gororoba teórica: saborosa para alguns, intragável para muitos, indigesta para todos.

Originalmente publicado na revista "O Conservador", 3 Edição


Postado por Ricardo Gessner
Em 4/11/2018 às 15h44


Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MERCHANDISING NO PONTO-DE-VENDA
REGINA BLESSA
ATLAS
(2003)
R$ 56,00



CONVERSANDO COM DEUS (LIVRO II)
NEALE DONALD WALSCH
AGIR
(2011)
R$ 22,00



CADÊ A AGUA DO MESTRE ALEIJADINHO (NOVA ORTOGRAFIA)
FERNANDO A. PIRES
FORMATO
(2014)
R$ 34,90



(RE)PENSAR AS PRÁTICAS EDUCATIVAS
ROSA MARIA GOMES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 594,00



A RELAÇÃO ENTRE PÚBLICO E PRIVADO NAS TV CULTURA E TV BRASIL
MELISSA RABELO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



SINASTRIA - ESTUDO DOS RELACIONAMENTOS - TEORIA E PRÁTICA
ANNA MARIA DA COSTA RIBEIRO
HIPOCAMPO
(1989)
R$ 65,00



CARTILHA DO CONSUMIDOR
DEPARTº DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR
SEC. DIREITO ECONÔMICO
(1999)
R$ 6,00



DEMOCRACIA E PARTICIPAÇÃO: REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DO 3º CICLO
CARIDADE MARIA DIAS COSTA DE ALMEIDA LIMA SANTOS PEREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



RELACIONAMENTO NA CADEIA PRODUTIVA DA MAÇÃ E TEORIA DA COMPLEXIDADE
MARCIA ROHR DA CRUZ
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



E AGORA, CHE? A REVOLUÇÃO DAS BANANAS
HUMBERTO BORGES
EUROPA (RJ)
(1980)
R$ 28,82





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês